31 de jan de 2009

TRIBUTO AO PASSADO

Provável passeio escolar. Nota-se muitos alunos com uniformes escolares.

Rebaixado de patente

Petróleo: 18 bilhões de barris nas Malvinas.

A Inglaterra anunciou a descoberta, nas águas das Ilhas Malvinas, de reservas estimadas em 18 bilhões de barris, 4 bilhões de barris a mais que as do pré-sal brasileiro. A notícia foi publicada ontem no Clarin .
Parea saber mais, vá no link abaixo.

www.clarin.com/diario/2009/01/30/elpais/p-01849288.htm

Está explicado porque a Inglaterra mandou uma poderosa frota para retomar as Malvinas que se dizia (sem valor econômico) dos Argentinos.....

BBB

CLICK

Será que esse cara tem dinheiro?


Se seu time fosse uma banda......

Qual a banda do seu clube?




ATT000008.jpgGrêmio = Sepultura
Um de nossos sucessos internacionais. Mas na terra do molejo e do samba faceiro - exceção feita ao seu público fiel - muitos acham que eles pegam pesado demais.

ATT000017.jpgCorinthians = Michael Jackson
Um dos mais populares da história, envolveu-se em escâncalos e até mudou de cor. Tem apostado em criancinhas como Lulinha e Dentinho.

ATT000027.jpgPalmeiras = Aerosmith
A banda tem enorme tempo de estrada. Mas suas músicas só atingem o estrelato quando faz alguma parceria.

ATT000035.jpgSão Paulo = Queen
Já foi eleita a melhor do mundo uma quantidade de vezes. E há outras coincidências que nem vale a pena comentar.


ATT000048.jpgSantos = Beatles
Nos anos 60, nao tinha pra ninguem, até hoje é lembrado no mundo inteiro pelos sucessos de 40 anos atrás.

ATT000057.jpgVasco = Oasis
Banda de qualidade e importância inquestionáveis. Todo mundo quer gostar dela quando ouve, mas a imagem do líder Euricão Gallagher faz muita gente sentir aversão.

ATT000068.jpgInternacional = Led Zeppelin
Reinou nos anos 70 e morreu nos 80. Seus líderes conseguiram juntar os cacos e voltar nos anos 2000, com uma inesquecível turnê mundial.

ATT000078.jpgAtlético MG = Raul Seixas
Mesmo sem ter alcançado o estrelato tantas vezes, conseguiu se consolidar como um dos artistas mais populares do país. Seus fãs são tão apaixonados que têm fama de malucos.

ATT000087.jpgFluminense = Titãs
Banda charmosa e simpática. No Brasil, é querida por muitos. O problema é que ninguem nunca ouviu falar fora de nossas fronteiras.

ATT000095.jpgBotafogo = Rolling Stones
Seria o maior da década de 60, se não houvesse um rival mais popular... Teve seu Satisfaction em Garrincha. Há alguns anos retomou o rumo e está feliz da vida.

ATT000102.gifCruzeiro = Paralamas do Sucesso
Na América do Sul é respeitado e campeão de vendas. Mas quando participa de um festival com bandas européias é café com leite.

ATT000115.jpgFlamengo= Jorge Ben Jor
Há muito tempo não produz um grande sucesso, mas é incrivel como segue popular e nunca sai da moda.

ATT000125.jpgRemo = Calypso
Orgulho do Pará, e só do Pará.

30 de jan de 2009

Juízes Romário Divino e Fernando Nóbrega tomam posse hoje na Capital

















A Presidente do Tribunal de Justiça do Acre, Desembargadora Izaura Maia, dará posse, nesta sexta-feira, 30, aos Juízes de Direito Romário Divino Faria e Fernando Nóbrega da Silva em duas unidades judiciais da Comarca de Rio Branco. A solenidade acontecerá às17h30, no Plenário do Palácio da Justiça, localizado no centro de Rio Branco.

Romário Faria, Juiz Titular da Vara Cível da Comarca de Plácido de Castro, com competência prorrogada às Comarcas de Tarauacá e Feijó, foi promovido a Titular do Juizado da Infância e da Juventude, enquanto que Fernando Nóbrega, Juiz Titular da Vara Criminal da Comarca de Senador Guiomard, assumirá a titularidade da 2ª Vara de Família da Capital.

Os Magistrados

Romário Divino Faria é natural de Bom Jardim de Goiás (GO), onde nasceu no ano de 1969. Formou-se em Direito na Universidade São Francisco, Estado de São Paulo, no ano de 2000. Antes de ingressar na Magistratura Acreana, no dia 01 de novembro de 2001, como Juiz de Direito Substituto, foi funcionário de carreira do Banco do Brasil na capital paulista e Procurador do Estado de Goiás durante um ano. No Judiciário do Estado do Acre atuou nas Comarcas de Cruzeiro do Sul (Vara Cível e Juizado da Infância e da Juventude), Plácido de Castro, Tarauacá e Feijó.

Fernando Nóbrega da Silva é natural de João Pessoa (PB), onde nasceu no ano de 1971. Formou-se em Direito na Universidade Federal de Rondônia (UNIR), Estado de Rondônia, no ano de 1997. Antes de tomar posse como Juiz de Direito no Estado do Acre, no dia 01 de novembro de 2001, foi Oficial R-2 do Exército Brasileiro e Oficial da Polícia Militar do Estado de Rondônia, tendo alcançado a patente de Capitão. No Judiciário Acreano já atuou nas Comarcas de Brasiléia, Senador Guiomard (Vara Criminal), Xapuri, Plácido de Castro, Acrelândia e Capixaba.



AGÊNCIA TJAC
ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL - ASCOM

Câmara responde ao STF sobre PEC dos Vereadores


Com o envio das informações solicitada pelo Supremo Tribunal Federal, a Proposta de Emenda a Constituição (PEC) 333/04, que cria 24 faixas de números de vereadores, de acordo com o tamanho da população de cada município vai à exame da Suprema Corte.


Chinaglia: número de vereadores e gastos das câmaras estão umbilicalmente ligados.

O presidente da Câmara, Arlindo Chinaglia, reafirmou nesta tarde, ao Supremo Tribunal Federal (STF), a posição da Casa de não promulgar as alterações do Senado à Proposta de Emenda à Constituição (PEC) dos Vereadores (333/04), que aumenta em mais de 7 mil o números de vereadores no País.

Segundo o presidente, esse aumento está diretamente ligado à redução dos gastos das câmaras municipais. Os senadores, no entanto, desmembraram a PEC para excluir a mudança nos percentuais das receitas municipais que poderão ser destinadas às câmaras de vereadores. A proposta foi, então, aprovada pelo Senado e enviada para promulgação à Câmara, que se recusou a assinar a emenda.

Equilíbrio
Aprovada pela Câmara em maio do ano passado, a proposta cria 24 faixas de números de vereadores, de acordo com o tamanho da população, para que os municípios tenham uma representação mais equilibrada. As mudanças constitucionais deveriam ser promulgadas pelas Mesas das duas Casas para entrar em vigor.

Como a medida aumenta o número de vereadores, a Câmara decidiu aprovar, ao mesmo tempo, dispositivo que reduz os gastos com vereadores de R$ 6 bilhões para R$ 4,8 bilhões anuais. O texto diminui o limite de gastos das câmaras, hoje fixado em 5% a 8% da receita, para uma faixa que vai de 2% a 4,5% da arrecadação do município.

Artigos independentes
Chinaglia lembrou que a tese central do Senado era de que era possível haver a promulgação de parte da PEC porque, entendiam os senadores, se tratava de artigos diferentes - o aumento de vereadores e a redução dos gastos das câmaras - o que os tornariam independentes.

"Nós ponderamos que o que cria dependência não é o numero desse ou daquele artigo. O que cria dependência é a vontade expressa no que foi escrito, ou seja, os artigos estão umbilicalmente ligados. Qualquer alteração no número de vereadores estava condicionada à redução de gastos", explicou Chinaglia.

"Enviamos também ao STF cópias das notas taquigráficas, onde líderes, relator e vários parlamentares apresentavam como argumento central que a Câmara estava reequilibrando a representatividade entre as cidades e, ao mesmo tempo, promovendo economia. E o Senado esqueceu da economia. Eu acho que apresentamos argumentos consistentes ao STF", argumentou o presidente da Câmara.

André Mutran

29 de jan de 2009

Integração sustentável


Edmilson Ferreira



A política do governo do Acre de integrar primeiro os municípios do Vale do Juruá, Tarauacá e Envira está em fase avançada de consolidação em apenas dois anos após o asfaltamento da BR-364 ter sido completado no trecho entre Cruzeiro do Sul e Feijó. O objetivo é preparar aquela região para os impactos da integração rodoviária, o que já é uma realidade. “A proposta de unir primeiro aqueles municípios e fortalecer o Juruá, Tarauacá e Envira está se consolidando e melhor preparando a região do que se fosse o contrário - o asfalto indo de Rio Branco na direção do Juruá”, disse Marcus Alexandre, diretor-presidente do Departamento Estadual de Estradas de Rodagem, Hidrovias e Infraestrutura Aeroportuária do Acre (Deracre).

“São economias que se complementam”, acrescentou Alexandre, referindo-se aos diferentes potenciais de abastecimento e intercâmbio comercial de cada um daqueles municípios. Um dos exemplos que melhor explicam o porquê da afirmação da integração daquela região está na pecuária. Cruzeiro do Sul sempre foi uma região de baixa produção de carne, ao contrário de Tarauacá e Feijó, cujo rebanho é grande. Ou seja: atualmente, o abastecimento do Juruá não sofre solução de continuidade ou desabastecimento por causa do asfalto. O boi é levado via rodoviária desde o Envira/Tarauacá em pé ou abatido para Cruzeiro do Sul, Mâncio Lima, Rodrigues Alves e outros centros de consumo do Juruá, em um contexto mercadológico que vem evitando que os preços sejam alterados sem explicação. “Há tempos o preço do quilo da carne no atacado não muda”, afirmou o presidente da Associação Comercial do Alto Juruá, Marcos Venício. Cruzeiro consome cerca de 1,5 mil bois ao mês.

Esse paradigma de integração foi iniciado pelo então governador Jorge Viana e mantido e fortalecido pelo governador Binho Marques, que avalia como uma decisão corajosa do antecessor fazer a BR-364 a partir do Vale do Juruá e não a partir da capital. “Temos o exemplo da mesma BR-364 de Porto Velho a Rio Branco. Quando o asfalto chegou, a capital ficou enfraquecida, o comércio tradicional caiu”, disse Marques no verão do ano passado durante visita técnica à rodovia. “Aqui queremos o contrário - o asfalto de Cruzeiro do Sul a Tarauacá já criou uma região fortalecida entre o Juruá, Tarauacá e Envira. Quando o asfalto chegar, toda a região estará mais fortalecida”, completou ele naquela mesma ocasião.

“De fato, esse processo está bastante evoluído. Empresários e a população em geral estão se preparando cada vez mais para quando a estrada estiver pronta até Rio Branco”, disse Venício, ele próprio um empreendedor que faz investimentos em seus negócios visando os novos tempos para a região quando a ligação rodoviária Cruzeiro-Rio Branco estiver completa. Queda de preços em mercadorias, reencontros de pessoas, integração cultural e novos negócios são parte do fenômeno gerado pela integração naquela região, o que só foi alcançado porque o governo do Acre conseguiu criar um ambiente de harmonia política, estabelecendo relações sérias cheias de êxito.

O governo criou uma teia de parcerias que envolve o presidente Lula e a bancada de parlamentares em Brasília e no Estado, o que, entre outros fatores, levou à inclusão do trecho entre Feijó e Manuel Urbano no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC).

A BR-364 não é meramente uma obra rodoviária. Há programas que mitigam o impacto socioambiental e cultural da rodovia nas comunidades tradicionais, como ribeirinhos e índios, implementado pelas Unidades de Gestão Integrada (UGAIs), escritórios que reúnem várias secretarias em sua atividade.
Movimento nas balsas cresceu neste inverno

Já se foi o tempo em que as balsas que fazem a travessia dos rios Envira, Tarauacá e Juruá paravam ou reduziam suas operações no inverno. No Juruá, por exemplo, o movimento é tão intenso quanto no verão e está pelo menos 20% superior ao registrado na mesma época do ano passado. “Fazemos uma média de 100 travessias por dia depois que o asfaltou ligou Cruzeiro a Tarauacá, mesmo no inverno”, disse Antônio Cameli Teles, coordenador da balsa no Juruá.
Duas novidades chamam a atenção para o período: os carros que transportam boi e os ônibus. Até o ano passado, eram presença rara na rodovia nesses tempos de chuva. A boiada enfrentava uma caminhada de dias até Cruzeiro do Sul e os ônibus simplesmente paravam de circular.
A situação agora é outra. “Caminhões de boi passam toda hora e temos ônibus fazendo a linha Cruzeiro-Feijó-Cruzeiro duas vezes por semana”, completou Teles. O fluxo na balsa do Juruá se tornou tão intenso que o Deracre mandou construir duas pousadas e uma bateria de banheiros nas duas margens do rio para atender os viajantes. O órgão investiu R$ 42 mil no projeto.
Novo polo econômico

Ao promover a integração a partir do Juruá, o governo do Acre criou um polo econômico e fortaleceu fatores sociais e culturais. Na vila do Rio Gregório, a dona do pioneiro restaurante Mística, Rosineide Nunes, não tem dúvida de que a ligação rodoviária do Vale do Juruá a deixou mais preparada para o futuro porque a integrou social, cultural e economicamente à sua região. Esse fenômeno beneficiou as comunidades do Gregório e os que vivem ao longo da BR-364. especialmente quanto ao abastecimento. “Antes, sem o asfalto, eu não podia negociar preço com os moradores. Agora, nossos preços são os mesmo da cidade e há possibilidade de negociação”, disse Rosineide, que há trinta anos mora às margens do Gregório. Até pouco tempo, o abastecimento de seu comércio era feito em lombo de animal, em viagens que demandavam dias durante o inverno. “Só para dar um exemplo, posso comprar o açúcar tanto em Tarauacá quanto em Cruzeiro do Sul, conforme o preço.”

br_364_9.jpgO abastecimento aéreo ganhou dinamismo e redução de custo porque as empresas aproveitam o mesmo frete rodoviário para levar ao Juruá mercadorias que são descarregadas no aeroporto de Feijó - e quando o preço das passagens sobe, algumas pessoas optam por ir de carro de Cruzeiro a Tarauacá e de lá tomam o avião da companhia regional para viajar a Rio Branco, por exemplo. Dependendo da época, essa alternativa pode se tornar mais em conta que a saída direta de Cruzeiro à capital.
O dono da Panificadora Santa Rosa, na vila de Santa Rosa do Juruá, viu na integração um meio de ganhar algum dinheiro. José Nilton da Conceição observou que os moradores do interior do Juruá passaram a utilizar mais a BR-364 para seus deslocamentos e decidiu montar a padaria às margens da estrada. Ali, atende principalmente os viajantes interioranos vendendo pãezinhos a R$ 0,50. São 200 por dia. (Agência de Notícias do Acre)

O rei Astor


Astor, poderoso rei que dominava a Pérsia e vastas planícies do Irã, que era apelidado “O Sereno” mandou chamar os três maiores sábios da Pérsia e entregou a cada um deles dois dinares de prata e disse-lhes:
 Há neste palácio três salas iguais completamente vazias. Ficará, cada um de vós, encarregado de encher uma das salas, não podendo, entretanto, despender nessa tarefa quantia superior a que acabo de confiar a cada um.
O problema era realmente difícil. Cada sábio devia encher uma sala vazia, gastando apenas a insignificante quantia de dois dinares.
Partiram os sábios a fim de cumprir a missão de que haviam sido encarregados pelo caprichoso rei Astor.
Horas depois regressaram à sala do trono. O monarca, interessado pela solução do enigma, interrogou-os.
O primeiro, ao ser interrogado, assim falou:
 Senhor! Gastei dois dinares, mas a sala que coube ficou completamente cheia. A minha solução foi muito prática. Comprei vários sacos de feno e com eles enchi o aposento do chão até o teto.
 Muito bem! – exclamou o rei Astor, o Sereno. – A vossa solução simples e rápida foi realmente muito bem imaginada. Conheceis, a meu ver, a “parte material da vida” e sob esse aspecto, haveis de encarar todos os problemas que o homem deve enfrentar na face da terra.
A seguir, o segundo sábio, depois de saudar o rei, disse com certa ênfase:
 No desempenho da tarefa que me foi cometida, gastei apenas meio dinar. Quero explicar como procedi. Comprei uma vela e acendi-a no meio da sala vazia. Agora, ó Rei, podeis observá-la. Está inteiramente cheia de luz.
 Bravos! – concordou o monarca. – Descobriste uma solução brilhante para o caso! A luz simboliza a parte espiritual da vida. O vosso espírito acha-se, pelo que me é dado concluir, propenso a encarar todos os problemas da existência do ponto de vista espiritual.
Chegou, afinal, ao terceiro sábio, a vez de falar. Eis como foi resolvida por ele a singular questão.
 Pensei, a princípio, ó Rei dos Quatro Cantos do Mundo, em deixar a sala entregue aos meus cuidados exatamente como se achava. Era fácil ver que a aludida sala, embora fechada, não se encontrava vazia. Apresentava-se (é evidente) cheia de ar e de trevas. Não quis, porém, ficar na cômoda indolência enquanto os meus dois colegas agiam com tanta inteligência e habilidade. Resolvi agir também. Tomei, pois, de um punhado de feno da primeira sala, queimei esse feno na vela que se achava na outra, e com a fumaça que se desprendia enchi inteiramente a terceira sala. Será inútil acrescentar que não gastei a menor parcela da quantia que me foi entregue. Como podeis verificar, a sala que me coube está cheia de fumaça.
 Admirável! – exclamou o rei Astor. – Sois o maior sábio da Pérsia e talvez do mundo. Sabeis unir, com judiciosa habilidade, o material ao espiritual para atingir a perfeição.
(Do livro “O Homem Que Calculava”, de Malba Tahan)

Teclados virtuais


O teclado virtual (uma imagem de teclado na tela) é um pequeno software que possibilita entrada de texto a partir de cliques com mouse, muito utilizado pelos bancos devido a segurança necessária para transações. O que muita gente não sabe é que é uma forma alternativa ao teclado convencional uma ferramenta que permite a acessibilidade a pessoas com deficiência motora ou com dificuldades de coordenação motora.
Ao receber o clique a partir do mouse a imagem clicada é convertida para um caractere de texto, que é escrito na tela do editor.
O Windows disponibiliza essa ferramenta (com um nível mínimo de funcionalidades) no menu programas/acessórios/acessibilidade.

Apesar de ser um avanço o teclado virtual ainda é muito limitado, através de técnica de Inteligência Artificial (IA) novas tecnologias vêm sendo desenvolvidas para oferecer aos usuários métodos mais interativos, como por exemplo utilizar-se da linguagem do usuário e através de algoritmos de aprendizagem, escrever e oferecer o caractere ou a palavra mais provável de ser usada.

O MEU SEM CEBOLA POR FAVOR.

Deputado conhece fecularia no Agreste Alagoano


O deputado Fernando Melo (PT-AC) conheceu esta semana, em Arapiraca, no agreste alagoano, a primeira fecularia de mandioca em funcionamento há quatro anos no nordeste brasileiro. O município não abandonou por completo a cultura do fumo, mas atualmente o plantio de tabaco divide espaço com outras culturas, entre elas, a da mandioca, que tem cerca de 20 mil famílias envolvidas.



Vale do Juruá recebe Projeto Cidadão em fevereiro


O coordenador do Projeto Cidadão no Tribunal de Justiça do Estado do Acre, desembargador Arquilau de Castro, comunicou esta semana ao deputado Fernando Melo (PT-AC) que estão previstas para dois períodos de fevereiro próximo ações voltadas para a população do Vale do Juruá. O deputado deverá comparecer na primeira etapa da atual jornada do Judiciário Acreano, na Foz do Breu.

para saber mais visite o site do deputado:
http://www.deputadofernandomelo.com.br/

Morre mestre de jiu-jítsu Hélio Gracie, aos 95 anos


Do UOL Esporte
Em São Paulo
Um dos mais respeitados mestres de artes marciais do Brasil morreu nesta quinta-feira. Aos 95 anos, Hélio Gracie morreu em Itaipava, região serrana do estado do Rio de Janeiro. O enterro está marcado para as 17 horas no cemitério municipal de Petrópolis.


O mestre de jiu-jítsu Hélio Gracie morreu aos 95 anos em Itaipava, no Rio de Janeiro

Conhecido por ter criado o jiu-jítsu moderno, também chamado de Brazilian Jiu-Jitsu, Hélio Gracie é pai de importantes lutadores desta arte marcial e de vale tudo, como Royce e Rickson Gracie.

Todas as academias de jiu-jítsu da família Gracie - que possuem sedes em todo o mundo, incluindo América do Sul, Estados Unidos, Europa e Israel - estarão fechadas nesta quinta-feira em luto pela morte do patriarca.

Nós últimos anos de vida, Hélio Gracie se mostrava chateado com a mercatilização do esporte que ele criou. "O jiu-jítsu que criei foi para dar chance aos mais fracos enfrentarem os mais pesados e fortes. E fez tanto sucesso, que resolveram fazer um Jiu-Jitsu de competição."

"Gostaria de deixar claro que sou a favor da prática esportiva e da preparação técnica de qualquer atleta, seja qual for sua especialidade. O problema consiste na criação de um jiu-jítsu competitivo com regras, tempo inadequado e que privilegia os mais treinados, fortes e pesados", disse, em entrevista à revista Fightingnews.

Segundo o site norte-americano sherdog.com, especializado em artes marciais, a luta criada por Hélio Gracie "teve um profundo impacto no MMA (ou vale tudo)". O site ainda lembrou que seu filho Royce venceu por duas o UFC, principal competição de MMA, nos anos de 1993 e 1994.

Para a revista GracieMag, de sua família, o mestre disse, pouco antes de morrer, que "fez da dignidade do esporte uma bandeira. Zelo pelo nome da minha família com carinho e nervos de sangue". Em uma entrevista anterior, afirmou que tinha dito aos seus filhos que quando morresse queria uma festa, "sem bebida, sem esculhambação".

Dos Direitos Universais da Criança... pobre


Muitas pessoas dizem que essa foto foi na Somália outras no Sudão, não importa, o que importa é a realidade, como políticos não se sensibilizam com o que está acontecendo no mundo? Eles sim os verdadeiros culpados e os responsáveis por isso hão de pagar no mármore do inferno como dizia na novela. O Sr. Obama vai se lembrar da África? Fará ele investimentos nesse continente e em outros subdesenvolvidos?
Investimentos esses que terá de ser remanejado fatalmente das prioridades como a defesa nacional. Duvido?
Em plena crise os USA lançaram esse mês um porta-aviões de 6 bilhões e 200 milhões de dólares, e ainda por cima com o nome do Pai do Bush.
Eu quero que alguém me diga o nome de um presidente norte-americano que não tenha feito uma guerra.
Contudo, o tempo dirá, enquanto isso um texto que estou repassando.

Toda criança pobre tem o direito à desigualdade com distinção
de raça, religião ou nacionalidade;

Toda criança pobre tem o direito a crescer ( quando de fome não
morrer ) dentro de um espírito covarde, de incompreensão,
injustiça entre os povos e inimizade;

Toda criança pobre tem o direito à anonimidade e à indignidade;

Toda criança pobre tem o direito ao desamor e à incompreensão
por parte dos pais e da sociedade;

Toda criança pobre tem o direito à deseducação gratuita e ao
trabalho infantil;

Toda criança pobre tem o direito à desnutrição, a morar pelas
ruas à falta de saúde para si, sua mãe, seu pai e seus
irmãos;

Toda criança pobre tem o direito a ser socorrida em último lugar
seja lá qual for o estado de miséria em que ela se encontrar;

Toda criança pobre, física ou mentalmente deficiente
Tem direito ao esquecimento pelas autoridades competentes;

Toda criança pobre tem o direito à desproteção total
para o seu retraimento físico, mental e social;

A toda criança pobre, que por insistência ainda viva,
só lhe será negado um único direito:

Saber o significado da palavra vida.



Texto de Renato Prata Biar

TRIBUTO AO PASSADO - AEROPORTO ANTIGO DE TARAUACÁ



As fotos não estão muito nítidas, mas dá pra ter uma idéia de como era o aeroporto antigo.

28 de jan de 2009

A História do Carnaval


Francisco Feitosa
Você conhece a origem do Carnaval? Não? Pois bem! A Revista Arte Real, comprometida com a cultura dentro das mais variadas vertentes, pesquisou e, baseando-se nos textos dos historiadores Renato Roschel, Hiram Araújo e Claudia M. de Assis Rocha Lima, produziu uma breve matéria, a fim de elucidar nossos leitores sobre a festa mais popular do mundo.

Dizem que, há dez mil anos antes de Cristo, homens, mulheres e crianças se reuniam no verão com os rostos mascarados e os corpos pintados, para espantar os demônios da má colheita. As origens do carnaval têm sido buscadas nas mais antigas celebrações da humanidade, tais como as Festas Egípcias, que homenageavam a deusa Isis e o Touro Apis. Os gregos festejavam, com grandiosidade, nas Festas Lupercais e Saturnais, a celebração da volta da primavera, que simbolizava o Renascer da Natureza. Mas, num ponto, todos concordavam: as grandes festas, como o carnaval, estão associadas a fenômenos astronômicos e a ciclos naturais. O carnaval se caracteriza por festas, divertimentos públicos, bailes de máscaras e manifestações folclóricas.

Em Roma, em Glória ao deus Saturno, comemoravam-se as Saturnais. Esse festejos eram de tamanha importância, que tribunais e escolas fechavam as portas durante o evento, escravos eram alforriados, as pessoas saíam às ruas para dançar. A euforia era geral. Na abertura dessas festas ao deus Saturno, carros, buscando semelhança a navios, saíam na "avenida", com homens e mulheres nus. Estes eram chamados os carrum navalis. Muitos dizem que daí saiu a expressão carnevale, originando carnaval.

A história do carnaval começa no princípio da nossa civilização ariana, na origem dos rituais, nas celebrações da fertilidade e da colheita nas primeiras lavouras, às margens do Nilo. Os primeiros agricultores exerciam a capacidade humana, que, já, nas cavernas, distinguia-se em volta da fogueira, da dança, da música, da celebração...

Foram na intenção da Deusa Ísis, no Egito Antigo, as primeiras celebrações carnavalescas. Com a evolução da sociedade grega, evoluíram os rituais, acrescidos da bebida e do sexo, nos cultos ao Deus Dionisus, com as celebrações dionisíacas. Na Roma Antiga, bacanais saturnais e lupercais festejavam os Deuses Baco, Saturno e Pã. A Sociedade Clássica acrescenta, ainda, uma função política de distinção social às celebrações, tolerando o espírito satírico: a crítica aos governos e governantes nos festejos.

A civilização judaico-cristã, fundamentada na abstinência, na culpa, no pecado, no castigo, na penitência e na redenção, renega e condena o carnaval, e, muito embora seus principais representantes fossem contrários à sua realização, no séc. XV, o Papa Paulo II contribuiu para a sua evolução, imprimindo uma mudança estética, ao introduzir o baile de máscaras, permitindo que, em frente ao seu palácio, na Via Lata, se realizasse o carnaval romano. Como a Igreja proibira as manifestações sexuais no festejo, novas manifestações adquiriram forma: corridas, desfiles, fantasias, deboche e morbidez. Estava reduzido o carnaval à celebração ordeira, de caráter artístico, com bailes e desfiles alegóricos. Depois do Egito, o primeiro, do segundo, em Grécia e Roma Antigas, e do terceiro, no Renascimento Europeu, particularmente, em Veneza, o Carnaval encontra, no Rio de Janeiro, o seu quarto centro de excelência, resgatando o espírito de Baco e Dionísio, isso, na tese de Hiram Araújo, estudioso do carnaval e do samba, ao contar uma história, que, segundo ele, completa seu sexto milênio e que acompanha a própria história da humanidade, a história do carnaval, considerando os seus Centros de Excelência, dividida em quatro períodos: o Originário (4.000 anos a.C. ao século VII a.C.); o Pagão (do século VII a.C. ao século VI d.C.); o Cristão (do século VI d.C. ao século XVIII d.C.); o Contemporâneo (do
século XVIII d.C. ao século XX).
Esses Centros de Excelência são responsáveis pela criação e irradiação dos modelos da festa. Cada Centro de Excelência do Carnaval age como verdadeira usina de forças centrípetas, absorvendo as culturas dos povos, e de forças centrífugas, irradiando os modelos de carnaval para o mundo. Os padrões de carnaval irradiados sofrem adaptações nas cidades em que os carnavais ocorrem.
O carnaval foi chamado de Entrudo, palavra, que vem do latim introitus e que designa as solenidades litúrgicas da Quaresma, por influência dos portugueses da Ilha da Madeira, Açores e Cabo Verde, que trouxeram a brincadeira de loucas correrias, mela-mela de farinha, água com limão, no ano de 1723, surgindo, depois, as batalhas de confetes e serpentinas.
Agora vocês, já sabem o que, de fato, estão comemorando!

Menina é obrigada a casar-se com cão


Foto: Reuters

RIO DE JANEIRO (Da Redação Click21), 27 de janeiro - Uma menina foi forçada a casar com um cão, devido a uma bizarra superstição dos moradores da vila de Munda Dhanda, na região de Jharkhand, leste da Índia.

De acordo com eles, a "união" afastará maus espíritos e bloqueará qualquer maldição que possa cair sobre a família da garota.

Apesar da cerimônia, a menina está livre para casar mais tarde com um homem sem precisar se "divorciar" do cão.

Existem diversas superstições na Índia, especialmente em zonas rurais onde a alfabetização é escassa.

Exame de vista cruel.

Artesanato da Cotinha





A artesã conhecida como Cotinha, irmã do nosso amigo Accioly, faz belos trabalhos artesanais com matéria prima da floresta, como quadros, vasos para plantas, biojóias etc.
A partir de hoje começarei a apresentar trabalhos dos artistas tarauacaenses.
Se você se interessou entre em contato que eu transmitirei a mensagem.

Jeitinho

27 de jan de 2009

Síndrome de Peter Pan


De acordo com o Daily Mail, tudo começou aos 12 anos. Vikki era alvo de brincadeiras violentas e como uma forma de parecer mais frágil e delicada, aderiu a uma série de dietas que a fazia consumir menos de 1000 calorias por dia. Como consequência, ela foi definhando até atingir sua aparência atual.

Hoje - aos 23 anos - Vikki pesa menos de 38 kg e sequer teve um namorado ou menstruou. Curiosamente, ela afirma que não tem nenhum plano de mudar de vida.

Deanne Jade, psicóloga do National Centre for Eating Disorders, afirmou que esse tipo de problema tem crescido bastante entre as jovens britânicas: as pressões para o corpo perfeito acabam causando distúrbios alimentares.

Os médicos já alertaram que esse tipo de dieta pode ser extremamente prejudicial, pois acabará afetando gravemente seu fígado e rins, além de interferir na sua fertilidade.

Para quem não sabe, também existe um distúrbio psicológico chamado Sindrome de Peter Pan . Os pacientes que desenvolvem esse problema costumam ter, sobretudo, atitudes de adolescentes. Uma matéria feita pelo iG Jovem listou algumas características da Síndrome do Peter Pan:

" Fugir das responsabilidades
" Não pensar em sair da casa dos pais por comodidade
" Ter pavor a compromissos
" Usar roupas e acessórios comuns a adolescentes
" Freqüentar baladas e raves onde o público jovem é dominante
" Usar gírias
" Interessar-se somente por garotas bem mais novas

Essa patologia atinge principalmente homens mais velhos, mas é na juventude que ela começa a se desenvolver. É comum nos dias de hoje os adolescentes adiarem cada vez mais suas responsabilidades. Muitos começam a trabalhar só depois que terminam a faculdade, evitam compromissos e só querem curtir a vida.

Segundo o educador Wagner Israel, as razões para o aparecimento da síndrome são:
" Pais super protetores que não atribuem responsabilidades aos filhos, coisa que de deve começar desde cedo;
" Controle e a segurança que os pais exercem dentro da própria casa. Eles são os chefes da família e não podem deixar transparecer fraquezas ou instabilidades. O jovem precisa sentir nos pais segurança e firmeza nas decisões para que os tenham como referenciais e tornem-se adultos mais seguros , afirma o educador;
" Pais que costumam dar muito dinheiro e bens materiais aos filhos, evitando que eles se esforcem para conseguirem o que querem.

Máxima

Teclado virtual - Você sempre pensou em tocar piano e nunca pode? Agora pode...

Aqui está um teclado de piano virtual.

Toque também com as teclas do computador.

http://www.bgfl.org/bgfl/custom/resources_ftp/client_ftp/ks2/music/piano/index.htm

O que se poderia fazer com esse barco?



Esse barco encontra-se em Feijó.

Por aí existe a Praça da Bandeira (aliás, sem bandeira), Praça do Avião, Praça da Âncora, Praça do Garimpeiro etc.

Por que não se aproveitar um barco desses para preservar a história?

Veja que interessante.... a partir de uma certa idade, temos quase todos esses sintomas, provocados pela falta dos alimentos aqui mencionados:

1. DIFICULDADE DE PERDER PESO

O QUE ESTÁ FALTANDO: ácidos graxos essenciais e vitamina ' A'

ONDE OBTER: semente de linhaça, cenoura e salmão - além de suplementos específicos.

2. RETENÇÃO DE LÍQUIDOS

O QUE ESTÁ FALTANDO: na verdade um desequilíbrio entre o potássio, fósforo e sódio.

ONDE OBTER: água de côco, azeitona, azeite, alho crú, pêssego, ameixa, figo, amêndoa, nozes, acelga, coentro e os suplementos.

3. COMPULSÃO A DOCES

O QUE ESTÁ FALTANDO: cromo

ONDE OBTER: cereais integrais, nozes, centeio, banana, espinafre, cenoura + suplementos.

4. CÂIMBRA, DOR DE CABEÇA

O QUE ESTÁ FALTANDO: potássio e magnésio

ONDE OBTER: banana, cevada, milho, manga, pêssego, acerola, laranja e água.

5. DESCONFORTO INTESTINAL, GASES, INCHAÇO ABDOMINAL

O QUE ESTÁ FALTANDO: lactobacilos vivos

ONDE OBTER : coalhada, iogurte, missô, yakult e similares

6. MEMÓRIA RUIM

O QUE ESTÁ FALTANDO: acetil colina, inositol

ONDE OBTER: lecitina de soja, gema de ovo + suplementos.

7. HIPOTIREOIDISMO (PROVOCA GANHO DE PESO SEM CAUSA APARENTE)

O QUE ESTÁ FALTANDO: iodo

ONDE OBTER: algas marinhas, cenoura, óleo, pêra, abacaxi, peixes de água salgada e sal marinho.

8. CABELOS QUEBRADIÇOS E UNHAS FRACAS

O QUE ESTÁ FALTANDO: colágeno

ONDE OBTER: peixes, ovos, carnes magras, gelatina + suplementos

9. FRAQUEZA, INDISPOSIÇÃO, MAL ESTAR

O QUE ESTÁ FALTANDO: vitaminas A, C, e E e ferro

ONDE OBTER: verduras, frutas, carnes magras e suplementos.

10. COLESTEROL E TRIGLICERÍDEOS ALTOS

O QUE ESTÁ FALTANDO: Ômega 3 e 6

ONDE OBTER: sardinha, salmão, abacate, alho crú e azeite de oliva.

26 de jan de 2009

Rainha de bateria quase mostra os seios em ensaio


A rainha de bateria da escola de samba Acadêmicos da Rocinha, Fábia Borges, por pouco não revelou o que estava quase escondido em seu modelito, um corselet apertado de onde se via sua excelente forma física. Neste domingo, 25, Fábia foi ao ensaio da escola na Marquês da Sapucaí e quase deixou os seios à mostra enquanto sambava. Quem estava por perto no momento agradeceu aos céus pelo que presenciou.

Mais notícias no Blog do Denispd

Genes podem ser alterados por meio de nossa experiência.

Do que os genes se lembram.

Muitos geneticistas acreditam agora que o comportamento dos nossos genes pode ser alterado pela experiência- e que até mesmo tais mudanças podem ser transmitidas às gerações futuras. Essa descoberta pode transformar nossa herança e evolução.
Sabe-se há bastante tempo que o futuro de um organismo não é determinado apenas pelos genes. Isso pode ser visto observando-se gêmeos idênticos, quecom o passar do tempo tendem a se diferenciar tanto psicológica como fisiologicamente.

Embora a maioria dos gêmeos idênticos tenha dietas e estilos de vida semelhantes, as sutis diferenças de cultura e de ambiente parecem alterar seus fenótipos- a soma de sua natureza e de sua criação.

Em 1942, Conrad Waddington cunhou o termo "epigenética" para descrever a idéia de que a experiência de um organismo pode fazer com que seus genes se comportem (ou "se expressem") de forma diferente.

Cientistas descobriram exemplos surpreendentes de comportamento epigenético no reino animal- na forma, por exemplo, como as larvas de abelhas domésticas "determinam" se vão se tornar rainhas ou operárias, dependendo de sua interação com as outras larvas e o ambiente.

Até pouco tempo, presumia-se que o impacto da epigenética era limitado a organismos individuais, e que isso não se transmitia aos descendentes. A epigenética era encarada como uma interferência entre os genes e o ambiente, dando aos indivíduos algumas capacitações para adaptação durante suas vidas, mas nada além disso.

Recentemente, porém, os cientistas estão convencidos de que existe uma forma de herança, denominada herança epigenética, na qual o comportamento dos genes dos descendentes é afetado pela experiência de vida dos pais.

Além disso, tais mudanças epigenéticas podem, pelo menos para uma pequena maioria dos genes, estender-se além dos descendentes imediatos para as próximas gerações, embora os efeitos não pareçam durar indefinidamente.

Evidências de herança epigenética em mamíferos apareceram pela primeira vez em animais tais como o camundongo, cujo curto período de vida permite que as mudanças na expressão gênica que venham a ocorrer durante várias gerações sejam observadas em uma década.

Mais recentemente, o fenômeno foi detectado em galinhas, em resposta ao
estresse causado por níveis anormais de luz em seu ambiente.

Os pesquisadores da Universidade Linkoping na Suécia criaram um grupo de galinhas sob condições normais de dia e noite, enquanto outro foi exposto à luz com variação aleatória. Os descendentes do segundo grupo descobriram oscientistas, tinham suas capacidades de aprendizado espacial bastante prejudicadas, mas também eram mais agressivos e cresciam mais rapidamente.

Tais características comportamentais nos descendentes estavam ligadas a alterações na atividade, ou níveis de expressão, de 31 genes nas áreas do hipotálamo e das glândulas pituitárias. No restante do animal, a atividade de tais genes era bastante normal, mas foi mudada nas áreas do cérebro conhecidas por serem responsáveis por atributos de comportamento tais como o aprendizado espacial.

Isso exemplifica uma característica fundamental de herança epigenética, a de que os próprios genes são transmitidos como normais, mas sua capacidade de se manifestar- e portanto afetar alguma característica comportamental ou função- é mudada.

Tais ligações claras entre a herança epigenética e a expressão do gene ainda não foram encontradas em pessoas; isso exigiria estudos de várias gerações, levando pelo menos meio século.

Nós simplesmente vivemos demais. Por sorte, porém, existem registros históricos que fornecem surpreendentes evidências indiretas de herança epigenética que sobrevive a pelo menos duas gerações.

Uma delas, na Grã-Bretanha, foi o Estudo Longitudinal Avon, uma pesquisa sobre as crianças nascidas de 14.000 mães que se realizou no início da década de 1990. A pesquisa descobriu que dos 5.000 pais que tomaram parte, 166 começaram a fumar bem cedo, no chamado período de "crescimento lento", antes da puberdade, que para os meninos costuma ser entre as idade de 9 e 12.

Os filhos desses pais tenderam a ter um significativo excesso de peso aos nove anos, mas não houve uma diferença observável para as filhas. Isso estabeleceu uma ligação estatisticamente significativa entre pais que fumaram durante o período de crescimento lento e o peso acima da média de seus filhos.

A descoberta de uma herança epigenética também levou alguns a reviver a anteriormente desacreditada teoria do lamarquismo, segundo a qual os animais podem influenciar seus genes pela forma como vivem.

Segundo a teoria arquitetada por Jean-Baptiste Lamarck, acreditava-se que as girafas, por exemplo, haviam desenvolvido longos pescoços pelo simples ato de esticar-se para alcançar os ramos mãos altos, em vez conseguir essa vantagem de alcance apenas pela seleção naturas dos genes.

Da mesma forma, acreditava-se que filhos de ferreiros herdassem os genes para os fortes músculos braçais desenvolvidos por seus pais durante suas vidas, em vez de apenas desenvolver tais músculos ao adotar a mesma profissão.

Mas isso é uma pista falsa, porque a herança epigenética claramente não envolve a alteração dos genes. O lamarquismo subtendia que as ações ou experiências de um organismo pudessem fazer com que os genes subjacentes fossem modificados por meio da alteração do código do DNA.

A herança epigenética simplesmente altera a capacidade de um gene ser manifestado em um descendente, mas deixa o DNA e os genes, intactos. A herança epigenética pode ser revertida prontamente, e ainda existem poucas ou nenhuma evidência de que isso persista por mais de umas poucas gerações.

E no entanto é exatamente essa faixa de curto prazo, associada à sua capacidade de responder imediatamente às sugestões do ambiente que torna a epigenética uma inestimável ferramenta de adaptação.

Pode vir a ocorrer que a descoberta de uma herança epigenética ajude a preencher algumas das lacunas na teoria da evolução que os criacionistas exploraram para atacar o darwinismo, acrescentando um terceiro mecanismo da evolução aos dois que já conhecemos: mutação e seleção natural de genes.

A mutação é o mecanismo mais lento da evolução, permitindo que os genes mudem e desenvolvam variabilidade dentro de uma população, mas não rápido o suficiente por conta própria para organismos complexos de crescimento lento, tais como mamíferos, para se adaptar facilmente a condições que passam por mudanças.

A seleção natural pode ser vista como um mecanismo de adaptação de médio alcance, trabalhando mais rápido que a mutação, mas não tão depressa quanto
a herança epigenética.

Estamos no alvorecer da epigenética, mas cada vez parece mais provável que ela conduza a uma importante reformulação da teoria da evolução. Isso porque, embora a herança epigenética não ressuscite tecnicamente o lamarquismo, ela, na prática, representa que nós transmitimos atributos que adquirimos por meio da experiência aos nossos filhos e até mesmo netos.

Acima de tudo, revela que a biologia não só depende dos genes para as informações que determinam o futuro de um organismo. Pelo menos temporariamente, a informação sobre a herança pode estar num nível acima dos genes, fornecendo um desvio para os obstáculos ambientais.