31 de jan de 2013

RIO TARAUACÁ ÀS 12:30hs - 31/01/2013

TRIBUTO AO PASSADO - RIO BRANCO EM 1946 - FROTA FLUVIAL DOADA PELA UNIÃO


Frota fluvial do governo acreano, doada pela União em 1946. Foram ás primeiras embarcações com possantes motores “diesel” a navegarem o rio Acre.
Fonte: Relatório fotográfico de obras terminadas no governo de Guiomard Santos 
Acervo: C.D.I.H.
Acervo Digital: Memorial dos Autonomistas

SEM MORAL


30 de jan de 2013

COM REAJUSTE, PREÇO DA GASOLINA NO BRASIL SERÁ 51% MAIOR QUE NO EUA


Litro do combustível vai custar em média US$ 1,45 no Brasil, enquanto nos EUA o preço é US$ 0,96; antes do  reajuste, a gasolina brasileira já custava 44% a mais que a norte-americana
Fernando Nakagawa, correspondente - LONDRES - Com o aumento do preço da gasolina em vigor a partir desta quarta-feira, 30, brasileiros passarão a desembolsar cerca de 5% a mais para encher o tanque. Assim, a gasolina brasileira passa a ser, na média, 51% mais cara do que nos Estados Unidos, mostram dados da Administração de Informação de Energia dos EUA.

Brasil X EUA

O consumidor brasileiro pagou, na média nacional, R$ 2,7630 por litro do combustível na semana entre 20 e 26 de janeiro, segundo a Agência Nacional do Petróleo (ANP). Com o esperado repasse de cerca de 5% na bomba, o preço médio deve passar para R$ 2,9012.

Confirmado o novo valor e com o dólar a R$ 2, isso significa que o brasileiro pagará, na média, US$ 1,45 por litro ou US$ 5,49 por galão de gasolina (o equivalente a 3,78 litros).

Os postos norte-americanos cobraram média de US$ 3,64 por galão na semana encerrada em 21 de janeiro, segundo a Administração de Informação de Energia (EIA, na sigla em inglês), órgão do Departamento de Energia (DoE) dos EUA.

Isso equivale ao preço de US$ 0,96 por litro nos Estados Unidos. O novo preço brasileiro (US$ 1,45 por litro) será, portanto, 51% maior que o dos EUA. Antes do aumento anunciado ontem, a gasolina brasileira já era 44% mais cara.

Europa

Apesar da desvantagem em relação aos motoristas dos EUA, o Brasil segue com um combustível mais barato que o europeu. A mesma pesquisa da EIA mostra que a Itália e Holanda têm o preço mais elevado dos países pesquisados, onde o galão custava US$ 8,78 - ou R$ 4,64 por litro - na média na semana encerrada em 21 de janeiro.

Em seguida, todos os demais mercados europeus têm preços maiores que os novos do Brasil: o galão custa US$ 8,05 na Bélgica (R$ 4,25/litro), US$ 8,03 na Alemanha (R$ 4,24/litro), US$ 7,94 no Reino Unido (R$ 4,20/litro) e US$ 7,84 na França (R$ 4,14/litro), país que tem o título de gasolina europeia mais barata da pesquisa.

TRIBUTO AO PASSADO - TARAUACÁ - JOANA PEREZ MISS ACRE 1971 JÁ COM A COROA E O CETRO

APÓS TRAGÉDIA, COMISSÃO DISCUTE LEI FEDERAL


Após tragédia, chefe de comissão defende lei federal para evitar manobra

João Fellet/Da BBC Brasil em Brasília- Em resposta ao acidente que causou mais de 230 mortes em Santa Maria (RS) no domingo, o Congresso criou uma comissão que vai discutir a criação de leis federais para a prevenção de incêndios e concessão de alvarás em casas de espetáculos. Hoje, as legislações sobre os temas são atribuição de Estados e municípios, respectivamente.
Apontado como coordenador do grupo de congressistas, o deputado federal Paulo Pimenta (PT-RS) diz que, além de estabelecer parâmetros mínimos de segurança para o país, uma legislação federal sobre os temas coibiria manobras de organizadores de eventos para economizar gastos.
Notícias relacionadas
Polícia vê indício de que boate Kiss usou extintores falsos
Número de imigrantes nos EUA supera 40 milhões e bate novo recorde
Países reagiram a incêndios com indenizações e novas regras
Tópicos relacionados
Brasil
Segundo Pimenta, que nasceu em Santa Maria e foi vice-prefeito da cidade entre 2001 e 2002, alguns empresários levam em conta as regras locais para alvarás e prevenção de incêndios antes de definir onde organizar eventos.
"Temos vários relatos de que algumas cidades oferecem menos exigências para atrair esses empreendimentos", diz o deputado. "Isso acaba criando um mercado em que prefeituras são pressionadas a afrouxar as regras para não perder investimentos."
"Em cidades que não exigem sprinklers (esguichos no teto) para incêndios, por exemplo, fica mais barato construir uma casa de espetáculo."
Fiscalização
O deputado afirma ainda que as distintas legislações em Estados e municípios dificultam a fiscalização das atuais normas de segurança. Segundo Pimenta, por exemplo, no Rio Grande do Sul, cada unidade da Defesa Civil fiscaliza entre 40 e 50 municípios.
Políticos do Executivo também têm anunciado medidas para prevenir novas tragédias como a de Santa Maria.
Em encontro com 5 mil prefeitos na segunda-feira, a presidente Dilma Rousseff pediu maior rigor com a fiscalização das normas de segurança pelo país.
"Tenho a convicção de que o que aconteceu ontem em Santa Maria vai servir de exemplo para que todos os festores do país tomem procidências adequadas", disse a presidente. "Eu vou cumprir meu papel para que normas de segurança sejam observadas com todo o rigor."
Prefeitos de ao menos cinco capitais (Manaus, Salvador, Curitiba, Porto Alegre e Cuiabá) já determinaram ações para reforçar a segurança de estabelecimentos comerciais. Os governos de São Paulo, Distrito Federal e Sergipe também disseram que vão intensificar operações de vistoria.
Sinalizadores
O incêndio na casa noturna Kiss, em Santa Maria, começou na madrugada de domingo durante a apresentação de uma banda que usava sinalizadores para um show pirotécnico.
Segundo relatos de testemunhas, faíscas atingiram a espuma do isolamento acústico no teto da casa noturna, desencadeando o incêndio.
Quatro pessoas foram presas após a tragédia: o dono da Kiss, seu sócio e dois integrantes da banda Gurizada Fandangueira, que se apresentava na casa noturna.
NOTA: Sempre depois.

28 de jan de 2013

"MATAMOS E FOMOS COMER JACA"

Dr. José Nazar - “Matamos e fomos comer jaca”. Este foi o título da matéria de Wilton Junior, publicada no jornal A Tribuna, onde três adolescentes assassinaram uma criança de 11 anos idade – maltrataram o menino e depois o enterraram ainda vivo, ...“e fomos comer jaca”.

Esse é mais um drástico acontecimento que reforça, mais uma vez, a necessidade urgente de uma revisão da lei da maioridade penal. A virulência de um crime não pode ser medida a partir de uma idade cronológica.
Pelo teor do crime praticado, o cumprimento de uma pena em si, pode durar uma vida. A realização de um trabalho de ressocialização do autor do crime deve ser levado a sério no que diz respeito à gravidade de sua periculosidade.
Na Inglaterra, por exemplo, temos vários exemplos de crianças de 10 a 12 anos que sofreram penas de algumas décadas, por terem cometido assassinatos. Naquele país, a maioridade penal vale a partir dos 12 anos.
A realidade deve ser concebida como uma realidade. Se quisermos mudar alguma coisa em nosso país devemos deixar de lado os sentimentos e passarmos a lidar com crua realidade dos fatos. A estabilidade na vida será maior quando pais conseguirem adotar, verdadeiramente, os seus filhos.
Isso não é simples: filhos desejados, filhos não desejados. A sociedade, a partir das suas instituições competentes, deve adotar, como numa família, os menores que sinalizam, aqui ou ali, práticas desviantes. O bom trabalho de agentes públicos deve incluir o atrevimento de uma implicação que não se acomode nas regras dadas de antemão.
Uma intervenção somente promove mudanças significativas se ela mesma opera nas bordas e nos limites impostos pela ordem estabelecida.
Se a sociedade se isenta de sua responsabilidade pelos atos desviantes desses jovens estes, cada vez mais, serão colocados à margem do convívio pelo caminho da violência.
Insisto, a lei da maioridade penal, ainda vigente em nosso País, tornou-se uma lei perversa. Uma lei que não mais preconiza os limites necessários – o que legitima uma lei como lei é o seu caráter de necessidade –, estimula o jovem em violência a um desvio de seu itinerário, levando-o facilmente ao mundo da criminalidade.
Ministros, desembargadores, políticos, juízes, promotores, delegados, policiais, advogados, estudantes de Direito, famílias: onde estão que não se pronunciam? Nada dizem, nada fazem, tudo permanece como está! Vivemos uma vida emudecida.
As famílias vivem em seus isolamentos, voltadas a uma individualidade insensata, narcísica, sem caminhar rumo a uma conquista social.
Numa família os pais precisam punir seus filhos para que aceitem os limites da lei impostos a seus atos, o mesmo deve se repetir em sociedade quando jovens têm dificuldade em reconhecer que todo ato gera consequências que esbarram nos limites da mesma lei civilizatória.
Não se educa, não se ensina responsabilidade, isentando crianças e adolescentes das consequências de seus atos. Adolescentes que se tornam violentos, frequentando os territórios de uma marginalidade, carregam na cabeça a fantasia de que não foram desejados pelos pais, que teria sido melhor não tivessem nascidos, já que não encontram um lugar na sua própria existência.
Por isso mesmo, muitas vezes os cuidados vindos da sociedade não encontram uma resposta que corresponda aos investimentos amorosos. São sujeitos que carregam uma desesperança tão assustadora que a vida em si não tem valor.
O que dizer quando um filho torna-se a resposta impensada de uma gravidez inconsequente?
O que é fundamental é que tenha havido desejo na união de um homem e de uma mulher, para que possam ocupar a função de pai e de mãe.

José Nazar é psiquiatra e psicanalista.

Artigo publicado no jornal A Tribuna em 13/01/13.

GOLFINHO PEDE AJUDA PARA MERGULHADORES

27 de jan de 2013

VÍDEO DO CORAL DAS CRIANÇAS NA MISSA DE NATAL (2012), NA PARÓQUIA DE SÃO JOSÉ EM TARAUACÁ

VÍDEO 8 DO CORAL DA MISSA DE NATAL (2012), NA PARÓQUIA DE SÃO JOSÉ EM TARAUACÁ

DA SÉRIE: ISSO É BRASIL - 27/01/2013

Leandro Mazzini é escritor e jornalista
Nova tragédia em Friburgo: furtado sistema de alertas

Ladrões levam seis dos oito sistemas digitais de alertas por sirenes para a população de encosta, instalados em Nova Friburgo

COLUNA ESPLANADA- por Leandro Mazzini - Tragédia pouca é bobagem. Não bastasse o sofrimento de centenas de famílias ainda sem suas casas e a morte de dezenas nos desastres do verão passado, ladrões levaram seis dos oito sistemas digitais de alertas por sirenes para a população de encosta, instalados em Nova Friburgo, na serra do Rio. A descoberta foi feita ontem pela Secretaria de Defesa Civil e não há dinheiro para aquisições. Coube à prefeitura apelar ao bom senso e pedir que os moradores procurem os criminosos.

Morro abaixo

Até fim de Fevereiro, os moradores continuam sob o assombro do tempo fechado e risco de novas tragédias noturnas a qualquer hora. Desta vez sem sirene para alerta.

Desabafo

As sirenes foram levadas do bairro São Geraldo, o mais periogo. “Não podemos admitir atitude absurda e irresponsável como esta”, desabafa o secretário João Paulo Mori.

Outro alerta

O coronel Mori explica a situação: “É preocupante porque não é simples trocar estes aparelhos, por conta das exigências burocráticas e problemas orçamentários”.

26 de jan de 2013

A DIPLOMACIA ESTÁ MORTA


ROGER COHEN – THE NEW YORK TIMES – O Estado de S.Paulo

A diplomacia eficaz – do tipo que produziu o reatamento por Richard Nixon das relações com a China, o fim da Guerra Fria em termos americanos, ou o acordo de paz Dayton, na Bósnia – requer paciência, persistência, empatia, discrição, ousadia e uma disposição de conversar com o inimigo. Estamos numa uma era de impaciência, mutabilidade, tagarelice, indigência mental e uma falta de vontade de falar com os maus sujeitos.

Os direitos humanos estão na moda, uma coisa boa, é claro, mas o espaço para uma condução realista do tipo que produziu a paz bósnia em 1995 diminuiu. A realpolitik de Richard Holbrooke não era para melindrosos.

Há outras razões para a morte da diplomacia. Os EUA perderam sua posição dominante sem que nenhuma outra nação assumisse seu lugar. O resultado é um mundo de ninguém. É um lugar onde os EUA agem como um chefe cauteloso, alternadamente encorajando outros a tomar a frente e se preocupando com a perda de autoridade. A Síria tem sido uma lição pouco edificante do curso de uma crise quando a diplomacia está morta. A Argélia mostra como os mortos se empilham quando os entendimentos são descartados como perda de tempo.

A violência, do tipo que a diplomacia um dia resolvia, mudou. Como disse William Luers, um ex-embaixador na Venezuela e diretor de The Iran Project, ela ocorre “menos entre Estados e mais no trato com terroristas”. Um resultado é que “os militares e a CIA estavam no assento do motorista nos entendimentos com governos por todo o Oriente Médio e nas relações de Estado para Estado (Paquistão, Afeganistão, Iraque)”. O papel dos diplomatas oficiais encolheu.

Aliás, a própria palavra “diplomacia” ficou fora de moda no Congresso, onde suas associações frouxas – trocas, compromisso, flexibilidade, concessões – são evitadas pelos congressistas, que preferem rufar os tambores de confronto, rigidez e inflexibilidade do pós-11 de Setembro: que podem soar bem, mas não levam a parte alguma.

Stephen Heintz, presidente do Rockefeller Brothers Fund, escreveu: “Quando a política doméstica envereda para a polarização e a paralisia, o impacto sobre as possibilidades diplomáticas se torna desorganizadamente limitador”. Ele citou Cuba e Irã como exemplos disso; eu acrescentaria israelense-palestina. Essas questões críticas de política externa são vistas menos como desafios diplomáticos do que como fontes potenciais de capital político doméstico.

Assim, quando me perguntei o que esperava que o segundo mandato de Barack Obama inaugurasse, minha resposta foi uma nova era de diplomacia. Ainda não é tarde demais para o presidente ganhar aquele Prêmio Nobel da Paz.

É claro que os diplomatas fazem muitas coisas valiosas mundo afora e mesmo no primeiro mandato houve algumas mudanças significativas – em Mianmar, onde a diplomacia americana paciente produziu uma abertura, e no instável novo Egito, onde a aproximação americana da Irmandade Muçulmana foi importante (e suscitou a questão de quando os EUA fariam o mesmo com o rebento da Irmandade, o Hamas). Mas Obama não conseguiu nenhuma grande ruptura. A calmaria da diplomacia americana está se aproximando do seu20.º ano.

Há algumas razões modestas para pensar que a tampa do caixão da diplomacia pode abrir uma fresta. Este é um segundo mandato. Obama está menos comprometido com os caprichos estridentes do Congresso. A direita republicana que não quer ceder um milímetro está mais fraca. Em John Kerry e Chuck Hagel, seus nomeados para secretário de Estado e secretário da Defesa, Obama escolheu dois profissionais competentes que já viram guerra o bastante para abominá-la. Eles sabem que a paz envolve riscos. As grandes guerras estão se retraindo. Os comandantes militares podem ceder algum espaço aos diplomatas.

Uma diplomacia inovadora não é conduzida com amigos. É conduzida com gente como o Taleban, os aiatolás e o Hamas. Ela envolve aceitar que, para se obter o que se quer, é preciso dar alguma coisa. Ou, coloque-se a questão como Nixon ao buscar um terreno comum com a China comunista: O que nós queremos, o que eles querem, o que ambos queremos? Obama experimentou uma série de enviados especiais no primeiro mandato. Não funcionou. Ele precisa dar poder ao secretário de Estado para fazer o trabalho duro sobre Irã e israelense-palestina. Luers sugeriu que uma “ideia para uma Nova Diplomacia seria Hagel e Kerry levarem junto senadores de ambos os partidos em suas viagens ao exterior e a locais problemáticos. Isso era uma prática comum. Ser ousado com o Senado e tentar aproximá-los”.

Para a diplomacia ser bem-sucedida, o barulho precisa ser eliminado.

Há muitos cidadãos-diplomatas sonhadores hoje em dia por aí, tagarelando sobre soluções ilusórias de um Estado para a questão israelense-palestina, e coisas do gênero. A mídia social e a conectividade trazem benefícios imensos. Elas ajudaram a instigar a onda de libertação conhecida como Primavera Árabe. São multiplicadores de força para abertura e cidadania, mas podem desviar da diplomacia de realpolitik, focada, que trouxe as maiores inovações de 1972, 1989 e 1995. Já é hora de termos outra. / TRADUÇÃO DE CELSO PACIORNIK

23 de jan de 2013

TRIBUTO AO PASSADO - TIME DE FUTEBOL DO MURU


Agradecimentos a família Aires

TARAUACAENSES RECORREM A SEGURANÇA PRIVADA CONTRA ARROMBAMENTOS DE DOMICÍLIO


Seguindo uma tendência nacional, tarauacaenses estão equipando suas residências com câmeras de segurança, redes elétricas, arames farpados etc. para tentar se proteger contra arrombamentos e furtos em residência.

Segundo um policial que não quer se identificar, esses furtos principalmente de eletro eletrônicos, são para negociar e comprar drogas.

Esse mesmo policial ainda informou que existem também pontos muito conhecidos para roubo de bicicleta que são: O ginásio coberto e em frente a supermercados onde o contraventor sabe que seus donos irão demorar para retornar.

A SDMNET dispõe de uma variedade enorme desses equipamentos de segurança, que disponibiliza a qualquer pessoa ficar monitorando sua residência pela internet. Lá você pode fazer um orçamento adequado a sua necessidade.
No ano passado os investimentos em segurança privada cresceram mais de 74% no Brasil.

EXAME DE SANGUE QUE DETECTA SÍNDROME DE DOWN CHEGA O PAÍS

DÉBORA MISMETTI/EDITORA INTERINA DE "CIÊNCIA+SAÚDE" - Laboratórios brasileiros começam a oferecer um exame de sangue para gestantes que detecta problemas cromossômicos no feto a partir da nona semana de gravidez.

O teste é colhido no consultório como um exame de sangue comum e vai para os EUA, onde é feita a análise do material genético do feto que fica circulando no sangue da mãe durante a gestação.

A versão mais completa é eficaz para detectar as síndromes de Down, Edwards, Patau, Turner, Klinefelter e triplo X e custa R$ 3.500 no IPGO (Instituto Paulista de Ginecologia e Obstetrícia), em São Paulo.

Nos próximos meses, o laboratório do hospital Albert Einstein e o Fleury também vão comercializar exames similares, que já estão disponíveis no mercado americano há pouco mais de um ano.

Hoje, o diagnóstico dessas síndromes congênitas é feito por meio do ultrassom e do exame do líquido amniótico ou da biópsia do vilo corial, em que é retirada uma amostra da placenta.

Esses testes são invasivos e trazem um risco de até 1% de abortamento.

Além de não aumentar o risco de complicações na gravidez, o novo teste pode ser feito antes dos tradicionais, indicados, em geral, a partir do início do quarto mês de gestação. O resultado fica pronto em cerca de 15 dias. Segundo o ginecologista Arnaldo Cambiaghi, diretor do IPGO, nenhuma amostra de sangue foi enviada para análise ainda.

O obstetra Eduardo Cordioli, coordenador-médico da maternidade do hospital Albert Einstein, lembra que, se o resultado do teste de sangue for positivo, o diagnóstico deve ser confirmado por meio da biópsia do vilo corial.

"O novo teste vai reduzir o número de biópsias feitas de forma desnecessária. Mas é preciso confirmar os resultados positivos."

ABORTOS

O problema é o que fazer diante de um resultado positivo. O aumento no número de abortos foi uma preocupação de grupos da sociedade civil na Europa e nos EUA após a aprovação desse tipo de teste nesses mercados.

No Brasil, o aborto é proibido a não ser em caso de anencefalia, violência sexual ou risco de vida para a gestante, mas estima-se que mais de 1 milhão de mulheres o pratiquem por ano.

"Por um lado, o exame vai tranquilizar a grande maioria que não vai ter problemas. Por outro, permite que os pais se preparem caso vão receber uma criança com alguma anomalia cromossômica", afirma Cambiaghi.

Entre as síndromes detectadas pelo exame, a de Edwards e a de Patau são praticamente incompatíveis com a vida, de acordo com Artur Dzik, diretor científico da Sociedade Brasileira de Reprodução Humana.

Para ele, a entrada do teste no país não deve aumentar o número de abortos porque o acesso ao exame de preço alto será restrito e porque as mulheres que vão procurá-lo já teriam indicação para realizar os testes tradicionais. "Isso vai fazer parte do pré-natal de alto risco, para mulheres com mais de 38 anos."

No caso das síndromes de Patau e Edwards, afirma Cordioli, do Einstein, é possível pedir uma autorização judicial para realizar o aborto. "Mas cada caso é analisado separadamente."

Para síndrome de Down, anormalidade cromossômica mais comum, esse tipo de autorização não pode ser pedida, porque o problema não é incompatível com a vida.

Volnei Garrafa, professor titular de bioética da UnB (Universidade de Brasília), diz que a oferta de um teste como esse e as questões morais ligadas a ele deveriam passar por uma discussão ampla, em um conselho de bioética e no Congresso.

"Para interromper a gravidez, os pais teriam de pedir liminares. Como o Legislativo não faz as leis, o Judiciário acaba fazendo, o que é uma distorção da democracia."

22 de jan de 2013

ESTRANGEIROS JÁ COMPRARAM US$ 60 BILHÕES EM TERRAS NO BRASIL


Leandro Mazzini - O último relatório do Banco Central sobre investimentos no país, nas mãos da presidente Dilma Rousseff, informa que estrangeiros já compraram US$ 60 bilhões em terras no Brasil.

A maioria deles é de empresários da China e Oriente Médio. As propriedades adquiridas concentram-se nas regiões Centro-Oeste e Norte.

A Agência Brasileira de Inteligência tem informes de que agora os chineses, para driblar eventual desconfiança sobre seus interesses, têm usado argentinos como ‘laranjas’.

Atualização Segunda, 21,20h10 – A assessoria do BC informa que não há dados sobre o caso na última nota externa do órgão sobre IED – Investimento Estrangeiro Direto. A coluna ratifica que há dados oficiosos sobre o tema no Planalto, por se tratar de questão de soberania nacional.

A OBSESSÃO PELO MELHOR


Estamos obcecados com "o melhor".
Não sei quando foi que começou essa mania, mas hoje só queremos saber do "melhor".
Tem que ser o melhor computador, o melhor carro, o melhor emprego, a melhor dieta, a melhor operadora de celular, o melhor tênis, o melhor vinho.
Bom não basta.
O ideal é ter o top de linha, aquele que deixa os outros pra trás e que nos distingue, nos faz sentir importantes, porque, afinal, estamos com "o melhor".
Isso até que outro "melhor" apareça e é uma questão de dias ou de horas até isso acontecer.
Novas marcas surgem a todo instante.
Novas possibilidades também. E o que era melhor, de repente, nos parece superado, modesto, aquém do que podemos ter.

O que acontece, quando só queremos o melhor, é que passamos a viver inquietos, numa espécie de insatisfação permanente, num eterno desassossego.
Não desfrutamos do que temos ou conquistamos, porque estamos de olho no que falta conquistar ou ter.
Cada comercial na TV nos convence de que merecemos ter mais do que temos.
Cada artigo que lemos nos faz imaginar que os outros (ah, os outros...) estão vivendo melhor, comprando melhor, amando melhor, ganhando melhores salários.
Aí a gente não relaxa, porque tem que correr atrás, de preferência com o melhor tênis.

Não que a gente deva se acomodar ou se contentar sempre com menos. Mas o menos, às vezes, é mais do que suficiente.
Se não dirijo a 140, preciso realmente de um carro com tanta potência?
Se gosto do que faço no meu trabalho, tenho que subir na empresa
e assumir o cargo de chefia que vai me matar de estresse porque é o melhor cargo da empresa?
E aquela TV de não sei quantas polegadas que acabou com o espaço do meu quarto?
O restaurante onde sinto saudades da comida de casa e vou porque tem o "melhor chef"?
Aquele xampu que usei durante anos tem que ser aposentado porque agora existe um melhor e dez vezes mais caro?
O cabeleireiro do meu bairro tem mesmo que ser trocado pelo "melhor cabeleireiro"?

Tenho pensado no quanto essa busca permanente do melhor tem nos deixados ansiosos e nos impedido de desfrutar o "bom" que já temos.
A casa que é pequena, mas nos acolhe.
O emprego que não paga tão bem, mas nos enche de alegria.
A TV que está velha, mas nunca deu defeito.
O homem que tem defeitos (como nós), mas nos faz mais felizes do que os homens "perfeitos".
As férias que não vão ser na Europa, porque o dinheiro não deu, mas vai me dar à chance de estar perto de quem amo...
O rosto que já não é jovem, mas carrega as marcas das histórias que me constituem.
O corpo que já não é mais jovem, mas está vivo e sente prazer.
Será que a gente precisa mesmo de mais do que isso?
Ou será que isso já é o melhor e na busca do "melhor" a gente nem percebeu?

"Sofremos demais pelo pouco que nos falta e alegramo-nos pouco pelo muito que temos."
Shakespeare
Leila Ferreira é uma jornalista mineira com mestrado em Letras e doutora em comunicação em Londres, que optou por viver uma vida mais simples, em Belo Horizonte

HUMOR - 22/01/2013

21 de jan de 2013

CADELA JÁ ESTÁ A 15 DIAS NA FRENTE DE POSTO DE SAÚDE ESPERANDO O DONO, QUE MORREU


Mais uma história de fidelidade canina. Caramelo é uma cadela vira-latas que está há 15 dias na frente da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Cabo Frio, no Rio de Janeiro. Ela espera seu dono sair. Só que ele deu entrada no local e acabou morrendo.

De acordo com O Globo, Caramelo seguiu a ambulância que carregava seu dono, num trajeto de 1,5 km. Ela não aceita carinho, mas está sendo alimentada por quem se sensibilizou com a história. Amigos e familiares de seu dono tentaram levá-la de volta para casa. Mas ela não foi. Preferiu continuar a esperar o dono.

TRIBUTO AO PASSADO - TARAUACÁ - CASA DO MANUEL SIMÃO, ONDE HOJE É A DISRI

FOCUS - MERCADO PREVÊ MAIS INFLAÇÃO E MENOS CRESCIMENTO EM 2013


Mercado volta a elevar projeção de inflação e reduzir PIB em 2013

SÃO PAULO - O mercado voltou a elevar a projeção de inflação e a reduzir a de crescimento econômico neste ano, ao mesmo tempo em que manteve a perspectiva de que a taxa básica de juro Selic será mantida em 7,25 por cento ao longo de 2013, de acordo com pesquisa Focus do Banco Central divulgada nesta segunda-feira.

Os analistas consultados estimam agora que o IPCA encerrará este ano a 5,65 por cento, contra expectativa anterior de alta de 5,53 por cento.

Para o Produto Interno Bruto (PIB) o mercado agora projeta avanço de 3,19 por cento em 2013, ante expansão de 3,20 por cento vista para 2013 na semana anterior.

(Por Camila Moreira)

20 de jan de 2013

O BRASIL DESPERDIÇA 39 MIL TONELADAS DE ALIMENTO POR DIA

VÍDEOS 5 E 6 DO CORAL DA MISSA DE NATAL (2012), NA PARÓQUIA DE SÃO JOSÉ EM TARAUACÁ


BRASILEIROS QUE SE DIZEM APARTIDÁRIOS JÁ SÃO MAIORIA


Agência Estado - Pela primeira vez desde 1988, o número de brasileiros que se declara apartidário superou o de pessoas que afirmam ter preferência por alguma legenda política. Levantamento feito pelo Ibope, para o jornal O Estado de S. Paulo, mostra que, no final de 2012, 56% das pessoas diziam não ter nenhuma preferência partidária, contra 44% que apontavam preferência por alguma legenda. Vinte e quatro anos antes, na esteira da redemocratização, apenas 38% das pessoas declaravam não ter um partido da sua preferência - 61% apontavam um favorito. A perda de simpatizantes ocorreu em todas as legendas. Há menos petistas, tucanos, peemedebistas, democratas e pedetistas hoje do que há cinco anos.
Os dados do Ibope mostram uma queda na popularidade do PT entre os brasileiros desde março de 2010, último ano do governo de Luiz Inácio Lula da Silva. Naquele momento, antes de a campanha eleitoral esquentar, o partido atingiu o auge na preferência dos eleitores: 33% dos entrevistados. Em outubro de 2012, o porcentual caíra para 24%.
O momento de maior desencanto com os partidos, em 2012, coincide com o julgamento do mensalão, quando 13 políticos do PT, PP, PR, PMDB e PTB foram condenados pelo Supremo Tribunal Federal. Também naquele ano houve eleição municipal, quando aumentaram ataques e acusações entre legendas.
O PT, no entanto, ainda se mantém na liderança como o preferido do eleitorado, na frente do PMDB e do PSDB, apontados como favoritos por 6% e 5% dos entrevistados, respectivamente.
Os porcentuais apurados pelo Ibope refletem o momento histórico e a conjuntura política e econômica, não só brasileira como mundial. Também apontam para questões estruturais, como a crise da representatividade dos partidos políticos tradicionais. 
As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

17 de jan de 2013

NOTA DE REPÚDIO DA POPULAÇÃO TARAUACAENSE CONTRA A VIOLÊNCIA CRESCENTE NO MUNICÍPIO


O movimento de mulheres e homens vem de público repudiar os últimos acontecimentos ocorridos em nossa cidade, como arrombamentos de residências e casas comerciais, roubos, assassinatos e violência sexual (estupro) contra mulheres e crianças, não sendo mais possível tolerar tais atos.

Diante dos fatos acontecidos, pedimos providências imediatas às Autoridades competentes para cessar de uma vez por todas essa onda de violência, tendo em vista que estamos vivendo com certa sensação de impunidade e insegurança, tornando a convivência social vulnerável à atos de violência.

Alertamos ainda à população em geral para que não se cale, que denuncie, que faça boletim de ocorrência para pressionar A opinião pública. Pois devemos cuidar uns dos outros, tendo em vista que todos nós estamos sujeitos a tais acontecimentos e ser omisso é um combustível que alimenta a criminalidade. Não podemos aceitar isso calados!
Pedimos providências! Justiça! Atitude!
Pois almejamos uma sociedade justa, fraterna e moral.

                        Movimento de homens e mulheres de Tarauacá
                             
                                              17-01-2013


ASSIM ESTÁ FICANDO TARAUACÁ
Como eu disse no final do ano passado (veja), que eu não via uma luz no fim do túnel, fui criticado como pessimista. Aí está a prova de que eu sou REALISTA!

SE A SOCIEDADE CIVIL ORGANIZADA NÃO FOR PARA AS RUAS PROTESTAR, NÃO MUDARÁ NADA, ESSAS LEIS RETRÓGRADAS TÊM QUE SER MUDADAS.

Só fazem alguma coisa no calor dos acontecimentos, depois tudo cai na frieza sórdida da conveniência.

PENALTI BEM BATIDO, VALEU VAGA NA 3ª DIVISÃO NA ITÁLIA

CIENTISTAS ESPANHÓIS DIZEM TER CRIADO PRIMEIRA VACINA CONTRA ALZHEIMER

A EB-101 foi bem sucedida em animais transgênicos portadores das principais mutações genéticas da doença    
UOL- Uma vacina para o mal de Alzheimer pode ter sido encontrada. É o que afirmam cientistas espanhóis do Centro de Investigação Biomédica EuroEspes, liderados pelo médico Ramón Cacabelos, que disseram nesta quinta-feira (17/01) ter criado a primeira vacina preventiva e terapêutica eficaz contra o Alzheimer. A patente já foi obtida nos Estados Unidos para o futuro testes em seres humanos.
Efe
O médico espanhol Ramón Cacabelos conversa com a imprensa em Madri para anunciar a criação da EB-101
A aplicação da EB-101 foi bem sucedida em animais transgênicos portadores das principais mutações genéticas responsáveis pela doença em seres humanos. Nos estudos, os especialistas conseguiram evitar que os animais desenvolvessem a patologia ao longo da vida e que foram reduzidos de forma "espetacular" os traços patogênicos que caracterizam o Alzheimer. Segundo Cacabelos, agora basta esperar que os testes em humanos sejam aprovados para que a vacina se torne uma realidade em um prazo de seis a 10 anos.
Leia mais
Fundação alemã oferece bolsas de estudo para jovens de países emergentes
Estudos da USP sobre vias neurais do medo ganham destaque internacional
FAPESP e Reino Unido intensificam cooperação científica
Gêmeos belgas recorreram à eutanásia em caso que comoveu a Bélgica
As injeções da vacina -- seriam necessárias várias doses em diferentes lotes -- teriam um efeito triplo: a primeira produz uma resposta imunológica que elimina as placas de proteína beta-amiloide em caso de animais já doentes ou prevenia nos sãos; a segunda, que elimina casos de meningoencefalitis e a terceira, que não registra mais microhemorragias cerebrais.

De acordo com a equipe, com base nos experimentos feitos com ratos, a vacina poderia duplicar as esperanças de vida em pacientes con Alzheimer. Para os cientistas, porém, o fundamental é melhorar as condições e a dignidade dos pacientes que sofrem com a doença. Entre 25 e 30 milhões de pessoas têm Alzheimer no mundo.

* Com informações do El País e do Publico.es

TRIBUTO AO PASSADO - RIO BRANCO - ENCHENTE I


Porto das Tamarineiras. Rex Bar alagado pelas águas do rio Acre.
Data: 1949-50
Acervo: Agnaldo Moreno
Acervo Digital: Memorial dos Autonomistas

LUPI MANTÉM RENDA LIGADA AO CARGO DO QUAL FOI DEMITIDO


VENCESLAU BORLINA FILHO/FOLHA DE SP Exonerado pela presidente Dilma Rousseff no fim de 2011 após denúncias de irregularidades, o ex-ministro do Trabalho Carlos Lupi permanece como conselheiro do BNDES na vaga destinada ao representante do ministério.

No cargo, ele recebe cerca de R$ 6.000 por mês, pagos trimestralmente. A nomeação foi feita pela própria presidente, quando ele ainda era ministro do Trabalho.

A assessoria do atual ministro, Brizola Neto, informou ontem que pediu à Presidência em junho de 2012 a substituição de Lupi. A Presidência ainda não se manifestou sobre o pedido.

Editoria de Arte/Folhapress

"Olha, eu não sei [explicar a permanência no cargo]. Você tem que perguntar à direção que me manteve lá até agora. Como eu era indicado pela Presidência da República, enquanto não me tirar, eu estou lá", disse. "Se for da confiança dela [Dilma Rousseff], permaneço", disse à Folha o ex-ministro.

Lupi é presidente nacional do PDT, partido da base aliada ao governo. Como conselheiro do BNDES, tem participação na aprovação do orçamento do banco e acompanha a sua execução.

A estimativa é que o BNDES tenha movimentado R$ 150 bilhões em 2012.

A saída do ex-ministro do governo ocorreu após a Comissão de Ética Pública da Presidência da República recomendar sua exoneração. A comissão apurou suposto desvio ético de Lupi e também o advertiu sobre o caso.

ACÚMULO DE CARGOS Reportagem da Folha à época mostrou que, antes de assumir o Ministério do Trabalho, em 2007, ele acumulou dois empregos públicos por quase cinco anos: o de assessor da liderança do PDT na Câmara dos Deputados, em Brasília, e o de assessor de um vereador do PDT na Câmara Municipal.

A investigação do caso cabe à Procuradoria da República do Distrito Federal.

Dois meses após deixar o Ministério do Trabalho, ele foi nomeado assessor especial pelo prefeito do Rio, Eduardo Paes (PMDB), mas foi exonerado no dia seguinte à nomeação.

O Conselho de Administração do BNDES é presidido pelo ministro Fernando Pimentel (Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior), que também já foi alvo de investigação da Comissão de Ética por sua atuação como consultor em 2009 e 2010, antes do governo Dilma.

Tem ainda entre seus integrantes o presidente do BNDES, Luciano Coutinho; a ministra do Planejamento, Miriam Belchior; o presidente da Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial, Mauro Borges Lemos; e o secretário de política econômica do Ministério da Fazenda, o economista Márcio Holland de Brito.

OUTRO LADO O ex-ministro do Trabalho e Emprego, Carlos Lupi, diz não saber por que a Presidência ainda não o tirou do cargo de conselheiro do BNDES.

"Todos os membros são nomeados pela presidente, por indicação do ministro do Desenvolvimento. Não sei por que não [me] tiraram."

A Presidência informou que o BNDES se manifestaria. Em nota, o banco disse que Lupi permanece só "de maneira formal como membro do Conselho de Administração do BNDES, enquanto aguarda "seu substituto".

O BNDES informou que Lupi não participa das reuniões do conselho nem recebe remuneração. O banco não informou o valor. O ex-ministro, porém, afirmou que participa das reuniões e que recebe por sua atuação.

"A última reunião ocorreu no ano passado, acho que em setembro. Faço aquilo que me está delegado. Experiência não me falta", disse.

PUPUNHA

16 de jan de 2013

EM TEMPO - FOTOS DA MISSA DE NATAL COM OS CORAIS

DESCULPEM O ATRASO MAS NÃO DEPENDIA DE MIM, QUANTO AOS VÍDEOS SERÃO COLOCADOS GRADATIVAMENTE