14 de jan de 2015

NESTOR CERVERÓ É PRESO PELA POLÍCIA FEDERAL NO RJ


Acusado de corrupção e lavagem de dinheiro na Lava Jato, ex-diretor da Petrobras foi detido ao desembarcar no aeroporto após viagem a Londres

Nestor Cerveró, ex-diretor da Petrobras (Eraldo Peres/Reuters)

Nestor Cerveró, ex-diretor da Área Internacional da Petrobras, foi preso pela Polícia Federal no início da madrugada desta quarta-feira no Aeroporto Internacional Tom Jobim, no Rio de Janeiro. Cerveró foi detido por volta de 0h30 ao desembarcar de um voo vindo de Londres. Acusado de corrupção passiva e lavagem de dinheiro na Operação Lava Jato, que apura o esquema de corrupção na Petrobras, o ex-diretor da estatal tinha depoimento marcado para quinta no Ministério Público Federal do Rio. Cerveró foi transferido para Curitiba, base das investigações da Lava Jato, nesta manhã. Ele chegou por volta das 8h30 à carceragem da PF na capital paranaense.

Em nota, o Ministério Público informou que foi cumprido um mandado de prisão preventiva contra Cerveró porque "há indícios de que o ex-diretor continua a praticar crimes". O MP acrescenta que a PF realizou buscas na residência de Cerveró e de familiares na terça-feira em função de "seu envolvimento em novos fatos ilícitos relacionados aos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro". De acordo com o MPF, Cerveró tentou transferir recentemente para a filha 500.000 reais provenientes de uma aplicação, embora a transação resultasse na perda de 20% do dinheiro investido, 100.000 reais. Os investigadores acreditam, portanto, que o ex-diretor da Petrobras tentava esconder seu patrimônio.

Em declaração para a GloboNews, o advogado de Cerveró, Edson Ribeiro, afirmou que "estranha" a detenção de seu cliente. "Eu entendo que não existe motivo para a prisão, já que ele informou às autoridades sobre a viagem e retornou para prestar o depoimento", disse Ribeiro.


Propina – De acordo com a acusação contra Cerveró, aceita pela Justiça em dezembro, o ex-diretor recebeu 15 milhões de dólares, a partir da mediação do lobista Fernando Baiano, para a consolidação de um contrato com a Samsung. Depois de ter embolsado a propina, Cerveró, na condição de diretor da Área Internacional da Petrobras, recomendou à Diretoria Executiva da estatal a contratação da empresa sul-coreana por 586 milhões de dólares.

Em uma segunda etapa, por meio de Fernando Baiano, Cerveró teria recebido mais 25 milhões de dólares para que a Samsung conseguisse um contrato para o fornecimento de outro navio sonda para perfuração de águas profundas ao custo de 616 milhões de dólares. O total de 40 milhões de dólares em vantagens indevidas, que o empresário Julio Camargo afirma ter sido destinado a Fernando Baiano, terminou, segundo apuração do Ministério Público, nas mãos de Cerveró.

Pasadena – O ex-diretor também foi um dos principais responsáveis pela desastrosa aquisição da refinaria de Pasadena, nos Estados Unidos, um negócio que rendeu prejuízo de 792 milhões de dólares à Petrobras, segundo o Tribunal de Contas da União (TCU). Na época diretor da Área Internacional da estatal, Cerveró elaborou um parecer favorável ao negócio apresentado ao Conselho de Administração da Petrobras.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Atenção:
Comentários ofensivos a mim ou qualquer outra pessoa não serão aceitos.