1 de fev de 2015

ADVOGADO 'ENTREGA CERVERÓ PARA A PF

Em depoimento, ex-funcionário do jurídico de subsidiária da Petrobras confirma revelação de VEJA e afirma que o ex-diretor da área internacional da estatal agia como dono de offshore uruguaia que movimentou milhões de reais

Thiago Prado e Daniel Haidar
16/04/2014 - O ex-diretor da área internacional da Petrobrás, Nestor Cerveró, durante sessão da Comissão de Fiscalização Financeira e Controle da Câmara, em Brasília, para dar esclarecimentos sobre a operação de compra da refinaria em Pasadena, nos Estados Unidos

O ex-diretor da área internacional da Petrobras Nestor Cerveró (Dida Sampaio/Estadão Conteúdo)
A Polícia Federal conseguiu mais uma prova de que o ex-diretor da área Internacional da Petrobras Nestor Cerveró era o dono de uma offshore uruguaia que movimentou milhões de reais para comprar e reformar o seu apartamento na Zona Sul do Rio de Janeiro. Em depoimento prestado na última quarta-feira, o advogado Marcelo Mello confirmou a negociata revelada por VEJA em setembro do ano passado.  
Mello conhece Cerveró de longa data. O advogado tem no currículo uma passagem pelo departamento jurídico da Braspetro, antiga subsidiária da Petrobras, mais tarde incorporada pela área internacional da estatal, na qual Cerveró deu as cartas entre 2003 e 2008. Ao delegado Eduardo Mauat da Silva, Mello contou que foi procurado há sete anos por Cerveró e pelo advogado uruguaio Oscar Raquetti para montar uma subsidiária brasileira da Jolmey Sociedad Anonima. Desde o ano passado, Cerveró negava qualquer participação na criação da offshore, mas a partir de 21 de janeiro preferiu se calar diante de e-mails publicados por VEJA. Nas mensagens, era evidente que o ex-diretor internacional dava as cartas na Jolmey.
Leia também:



Mello confirmou que Cerveró "tratou pessoalmente do assunto" e combinou a aquisição de um duplex pela offshore. O enredo da aquisição contemplava várias operações nebulosas. A Jolmey comprou o apartamento e, três meses depois, um contrato de locação foi firmado com Patrícia, mulher de Cerveró. Uma evidência de que o aluguel pago por Cerveró era de fachada é que o valor fechado foi de 3.500 reais; hoje, um executivo da Vale que vive no local paga 18.000 reais.
No ano passado, assim que começaram a estourar os escândalos na estatal, um laranja foi nomeado sócio da Jolmey e a família deixou o duplex. Um conjunto de e-mails que está em poder da PF e divulgado por VEJA revela que Cerveró sempre mentiu ao falar da offshore. Em 18 de agosto, os representantes do Estudio Algorta, o escritório de advocacia uruguaio que articulou a criação da offshore, receberam uma mensagem enviada por Cerveró informando quem seria o seu representante no Brasil. Por que razão Cerveró mandaria essa mensagem se não fosse o dono da Jolmey? Três meses depois a minuta de compra e venda do imóvel passou pelo fax da BR Distribuidora, onde estava empregado na época. Ou seja, Cerveró monitorou de perto a compra do apartamento em que diz ter morado de aluguel entre 2009 e 2014. Trocava e-mails com a tranquilidade de quem desfrutaria uma impunidade eterna.
Há mensagens que escancaram ainda mais a sua relação com a Jolmey. Uma delas, escrita em 2010 por Bruno Fonseca, da equipe do advogado Marcelo Mello, pede o agendamento de uma reunião com Cerveró para que “a melhor estratégia seja tomada para mitigar o risco de exposição fiscal do cliente”. Na ocasião, a Jolmey estava com a declaração do imposto de renda pendente e poderia acabar caindo na malha fina do Leão. No e-mail, o ex-diretor é citado sem subterfúgios por Fonseca como o “dono da Jolmey”.
Em 2012, outra correspondência mostra que Cerveró chegou a ser consultado sobre a abertura de uma conta da Jolmey no Santander. Mensagens sobre o dia a dia da offshore eram trocadas entre advogados e a equipe do Estudio Algorta quase sempre tendo Cerveró copiado. VEJA apurou ainda que, depois da compra do apartamento, a Jolmey pagou cerca de 750 000 reais em uma reforma no imóvel de Cerveró. Os recursos vieram de uma conta da offshore no Unibanco que chegou a ter saldo de 2 milhões de reais em dezembro de 2008. Em dezembro passado, VEJA esteve com Cerveró no escritório do seu advogado criminalista, Edson Ribeiro. O ex-diretor reconheceu as mensagens, mas negou qualquer relação com a offshore.


Outro elo com o Uruguai está sendo investigado pela PF. Na delação premiada do executivo Julio Camargo, da Toyo Setal, é descrito com detalhes o pagamento de propinas na contratação de duas sondas da Samsung. Os sul-coreanos, segundo Camargo, estavam pagando “comissões” cobradas por Cerveró. Camargo disse à Justiça que repassou o dinheiro a Fernando Soares, o Baiano, apontado como operador do esquema em favor do PMDB. O suborno relativo à sonda, de acordo com Camargo, foi de 15 milhões de dólares, pagos no banco Winterbotham, no Uruguai. A polícia investiga se os recursos foram divididos com Cerveró.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Atenção:
Comentários ofensivos a mim ou qualquer outra pessoa não serão aceitos.