7 de mai de 2015

BÍBLIA SAGRADA É QUEIMADA EM SARAU DA UFAC E REITOR SUSPENDE ATIVIDADES CULTURAIS




Ângela Rodrigues - A 4º edição do Encontro Nacional de Ateus (ENA) realizada na última quinta-feira, 30, com apoio da Universidade Federal do Acre (UFAC) gerou polêmica após a queima de um exemplar da bíblia sagrada. O ato foi realizada pelo estudante do curso de filosofia e vocalista da banda Violação Anal, Roberto Oliveira da Silva, no Coliseu da UFAC em meio a programação musical do Sara(te)u – Uma noite dionisíaca. Segundo anunciado pelos organizadores, o evento contou ainda com a apoio dos professores Sávio Maia, Leonardo Lani e Francisco Nepomuceno (Carioca).

A programação musical contou as apresentações musicais de bandas locais como Rock Accalim, Caligulove, Raul Seixas Experiência, Camundogs, Lateral, Caligulove, Pink Pussy, Renegado’s, Boldo & Menta, Rasta Crew e o vocalista da Violação Anal e Psicofloral.

No evento, a performance de queima da bíblia teria sido anunciada com antecedência pelo organizador do evento, Felipe Zanon, que teria permitido o feito por não tolerar qualquer tipo de censura no palco “No dia em que eu tiver que censurar um artista em seus lugar de direito, o palco, será o dia em que a arte e a cultura morreram”.

Felipe Zanon emitiu nota oficial em sua fanpage na internet, onde ele afirma que não houve qualquer desrespeito a qualquer religião e que toda a polêmica em torno do caso se dá por perseguição de grupos invejosos e contrários aos eventos comandados por ele. Na nota, ele afirma ainda que contou com apoio de petistas para realização do evento.

“Quando um integrante de uma banda chegou para mim e disse: “Felipe, vou fazer X e Y”. Eu virei para ele com toda sinceridade e respondi que no dia em que um artista fosse censurado no palco, seu lugar de direito, era melhor acabar de vez com toda cultura e toda arte. Há quanto tempo ninguém via um genuíno MOSH na UFAC? Há quanto tempo não surgia uma nova banda como a talentosíssima Raul Seixas Experiência, que hoje é uma realidade que só se confirmou no 4º ENA e nasceu dentro do Programa Universidade é arte, também idealizado por mim? O que eu vejo é que todo evento produzido por mim o que acaba acontecendo é uma interminável guerra de egos onde todo mundo quer dizer que pariu Mateus. Recebemos auxílio de alguns membros do PT e por isso fiz QUESTÃO de colocar o logo do governo, pois sei que este governo é um governo preocupado com minorias, como somos nós. E ano que vem tem mais, e se alguém quiser enfiar um crucifixo no c… durante sua apresentação, não sou eu quem vai censurar. Censura é coisa de gente tacanha, mesquinha e preocupada com a vida alheia. Durante o evento, implorei diversas vezes ao microfone que as pessoas não saíssem para longe do local do evento e também que não depredassem o patrimônio da UFAC. Entretanto estou vendo é que gente que não gosta de mim ou não me engole, foi lá justamente para prejudicar o evento.

Na fanpage da UFAC, estudantes se manifestaram contrários a proibição por parte da reitoria, após o ato de queima da bíblia sagrada. O estudante da Ufac, Wesley Diógenes, que também desenvove programção cultural na UFAC lamentou a proibição, mesmo sendo adepto ao ateísmo.

“Eu sou ateu, mas não concordo com o gesto. A comunidade universitária não pode ser punida pela postura de um pequeno grupo, nós repudiamos a atitude, pregamos a tolerância, o respeito”.

Confira a integra do comunicado da UFAC
“Nos últimos dois anos, a administração da Universidade Federal do Acre buscou auxiliar e orientar as representações discentes nos procedimentos de organização de todos os eventos de socialização e integração realizados em seus limites internos. No entanto, constataram-se acontecimentos desagradáveis, principalmente referentes à depredação patrimonial.

Nesse sentido, a administração superior, preocupada em garantir as condições adequadas à segurança dos participantes nos eventos internos e em resguardar o patrimônio da instituição, vem informar que a realização de saraus ou atividades correlatas está suspensa, até que sejam institucionalizados mecanismos necessários ao bom funcionamento de tais eventos”.

Confira a Nota Oficial do Organizador da 4º ENA publicada em sua fanpage
“Os inimigos detratam em três situações: na covardia, na inveja ou quando sabem que não conseguem fazer melhor. E é exclusivamente destes três maus que a equipe ENA vem sofrendo. O grupo UFAC, roubado por Lucas Bolzoni (que está inclusive sendo processado por mim), já foi um lugar onde ideias eram debatidas. Hoje, o que se vê ali são exclusivamente fakes denegrindo minha imagem ou propagandas sem relação com a UFAC. Quando discentes e professores da UFAC resolvem propiciar arte (foi inclusive o primeiro sarau da temporada), num projeto de FLUXO CONTÍNUO (ou seja, sem recursos), quando a IFES encontra-se sem qualquer licitação, é este nhenhenhém. Quem compareceu às cinco atividades do 4º ENA tem plena certeza de que ali não houve qualquer desrespeito a qualquer religião. Quando um integrante de uma banda chegou para mim e disse: “Felipe, vou fazer X e Y”. Eu virei para ele com toda sinceridade e respondi que no dia em que um artista fosse censurado no palco, seu lugar de direito, era melhor acabar de vez com toda cultura e toda arte. Há quanto tempo ninguém via um genuíno MOSH na UFAC? Há quanto tempo não surgia uma nova banda como a talentosíssima Raul Seixas Experiência, que hoje é uma realidade que só se confirmou no 4º ENA e nasceu dentro do Programa Universidade é arte, também idealizado por mim? O que eu vejo é que todo evento produzido por mim o que acaba acontecendo é uma interminável guerra de egos onde todo mundo quer dizer que pariu Mateus. Recebemos auxílio de alguns membros do PT e por isso fiz QUESTÃO de colocar o logo do governo, pois sei que este governo é um governo preocupado com minorias, como somos nós. E ano que vem tem mais, e se alguém quiser enfiar um crucifixo no c… durante sua apresentação, não sou eu quem vai censurar. Censura é coisa de gente tacanha, mesquinha e preocupada com a vida alheia. Durante o evento, implorei diversas vezes ao microfone que as pessoas não saíssem para longe do local do evento e também que não depredassem o patrimônio da UFAC. Entretanto estou vendo é que gente que não gosta de mim ou não me engole, foi lá justamente para prejudicar o evento, como é o caso de Carlos Gomes e o já citado Bolzoni, que inclusive ficaram até tarde, porque de fato PARAMOS RIO BRANCO; o “ponto” era ali, a mágica estava ali… Trouxemos uma caravana de Cruzeiro do Sul! E diferentemente de todo talento da banda Camundogs, na minha canção preferida, nem precisamos de “12 meses” para realizar tudo isso. Ao invejosos, apenas o vilipêndio da história, porque eu gosto de escrevê-la e fazer parte dela, não de julgá-la. Agora enquanto discutem o sexo dos anjos sobre um evento de sucesso o DCE encontra-se destruído, abandonado e entregue às traças e com patrimônio (computador, ar, etc) deteriorando. Cadê a ex-presidente para explicar porque saiu e deixou tudo largado? Porque os desocupados não vão se preocupar com quem realmente cometeu infração na UFAC ao arrancar nossos cartazes? Fica a dúvida… Felipe Zanon, idealizador e organizador do 4º ENA”

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Atenção:
Comentários ofensivos a mim ou qualquer outra pessoa não serão aceitos.