29 de jul de 2015

ACRE NÃO IMPORTA PRODUTOS DO PERU PORQUE NÃO TEM O QUE EXPORTAR, DIZ EMPRESÁRIO PERUANO


“Ainda não temos como mandar direto para o Acre. Tem que ir para São Paulo, e, de lá, que volta para cá, pois se parasse aqui as carretas voltariam vazias", disse o comerciante


Gina Menezes - O comércio bilateral entre  Brasil e Peru, usando o Acre como rota de desembarque pode estar comprometido por falta de viabilidade econômica do Estado. Mesmo sendo um dos maiores produtores de confecções e materiais têxteis da América Latina, o Peru dificilmente conseguirá beneficiar o Acre em suas transações comerciais, pois os empresários peruanos alegam que não tem como mandar os produtos para solo acreano, pois as carretas  não podem voltar vazias, o prejudicaria o comércio daquele pais.

De acordo com o empresário peruano Luiz Rivera, que trabalha com internacionalização de empresas com ênfase para negócios internacionais, ainda não há chances das empresas de confecções enviarem carregamentos direto para o Acre, pois não haveria a contrapartida necessária para o comércio bilateral.

“ Ainda não temos como mandar direto para o Acre. Tem que ir para São Paulo, e, de lá, que volta para cá, pois se parasse aqui as carretas voltariam vazias. Isso não é aceitável para os empresários peruanos”, disse Rivera.


O empresário, que possui um escritório comercial em São Paulo, considera que o grande mote de negócios para os empresários peruanos ainda é a região do Brás, populoso bairro paulista, considerada a Meca das confecções. “Gostaríamos de ter essa relação direta com o Acre, mas, por enquanto, ainda não dá. Não tem logística viável”.

O representante comercial do Peru no Acre, Victor Hugo, é um pouco mais otimista. Ele disse que é questão de tempo para que o comercio comece a apresentar os resultados esperados. Segundo ele, falta informação a respeito do assunto.

“O nosso desafio é atender dentro das condições do Acre, mas há boas perspectivas, e já temos produtos sendo trazidos para o Acre e o Acre já exporta alguns itens também”, assinalou.

Victor Hugo disse que, ao contrario do  que imagina o senso comum, não há burocracias para efetivar a compra e venda internacional. “São cerca de 18 dias para que possa se habilitar junto ao portal único de comercio exterior, portal Siscomex. Já temos empresas acreanas que compram do Peru, como é o caso do Supermercado Araújo. O Peru também fornece cimentos para as principais empresas de construção do Estado”.

A reportagem tentou contato com o Secretário de Industria e Comércio, Fernando Lima, mas até a publicação o mesmo não havia retornado a ligação.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Atenção:
Comentários ofensivos a mim ou qualquer outra pessoa não serão aceitos.