2 de out de 2015

"QUEREMOS MOSTRAR PARA A SOCIEDADE QUE EXISTIMOS", DIZ PORTADOR DE DEFICIÊNCIA FÍSICA


Os deficientes se queixam da falta de acessibilidade em prédios e vias públicas

“Não queremos que nos olhem como coitadinhos”, disse Mazinho


GINA MENEZES - Portadores de deficiência foram recebidos na Assembleia Legislativa do Acre (Aleac) nesta quinta-feira (1º) durante sessão solene em alusão ao Dia Nacional de Luta da Pessoa com Deficiência, que é realmente comemorado no dia 11 de outubro.


A sessão, resultante de um requerimento do deputado Raimundinho da Saúde (PTN), foi marcada por discursos pontuados por emoção por parte dos portadores de deficiência, que se queixaram de não haver condições ideais para que eles vivam com  dignidade no Acre.

Os deficientes se queixam da falta de acessibilidade em prédios e vias públicas. Decreci Lopes, um dos portadores de deficiência, afirmou que a única coisa que desejam é serem vistos pela sociedade e não ignorados, como costumam ser. “Queremos mostrar para a sociedade que nós existimos”.

Para o vice-presidente do Centro de Apoio à Pessoa com Deficiência Física do Acre (Capedac), José Aurismar, o Mazinho, o objetivo de terem comparecido à sessão é poder dar mais visibilidade à luta e cobrar das instituições atenção aos problemas pontuais enfrentados por eles, como é o caso da mobilidade.

“Não queremos que nos olhem como coitadinhos. Queremos apenas que saibam que existimos e que precisamos ser respeitados. Queremos que nosso direito seja tirado do papel e colocado em prática”, afirmou Mazinho.

O presidente da Assembleia, Ney Amorim (PT) elogiou a iniciativa do deputado Raimundinho da Saúde em inserir os portadores de deficiência na pauta do parlamento. Amorim afirmou que o legislativo os apóia incondicionalmente.

Raimundinho, que também é portador de deficiência física, falou das dificuldades enfrentadas, ressaltando que é fundamental que o poder público tenha mais atenção para com essas pessoas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Atenção:
Comentários ofensivos a mim ou qualquer outra pessoa não serão aceitos.