7 de dez de 2015

DESARMAMENTO: RICARDO BOECHAT X BENE BARBOSA



Rodrigo Constantino - Então a esquerda nem esperou o sangue dos mortos esfriar na Califórnia para empurrar sua agenda radical de controle de armas, e no fundo era mais um caso de terrorismo islâmico? Entendi…


Esse foi meu desabafo ontem de noite no Facebook. Hoje vejo que o jornalista Ricardo Boechat fora um desses apressadinhos que já foi logo culpando as malditas armas, objetos inanimados que, até onde sei, não disparam por conta própria. Eis o que ele postou em sua página:

Tem como dar certo? 
Olha os anúncios da Black Friday que recheavam jornais nos Estados Unidos, onde na última sexta um homem matou dois civis e um policial num hospital do Colorado.

Obama desabafou: “Precisamos fazer algo a respeito da facilidade de acesso a armas de guerra em nossas ruas a pessoas que não têm nada a ver com elas. Ponto. Já chega”.

Enquanto isso, no Brasil, uma comissão da Câmara dos Deputados aprovou o texto-base do novo Estatuto do Desarmamento, reduzindo de 25 para 21 anos a idade mínima para a compra de armas no país e estendendo o porte até para pessoas que respondam a processo criminal.


Em primeiro lugar, agradeço a Boechat pela divulgação dessas promoções. Não tinha visto, e estou querendo comprar uma arma para mim. O apresentador da Fox News (aliás, onde está a Fox News do Brasil?) Sean Hannity falou do atentado em seu programa ontem, e perguntou aos entrevistados se ficariam mais ou menos seguros caso ele tivesse uma arma no local. Hannity possui, como tantos outros americanos decentes, a própria arma, não para atacar inocentes, mas para legítima defesa.

Mas foi Bene Barbosa, do Movimento Viva Brasil, quem detonou Boechat em sua própria página, já que não temos (ainda) uma Fox News no Brasil para colocar os pingos nos is:

Bom mesmo é o Brasil, não é mesmo? Veja só o que aconteceu coisa de um mês atrás: “Bandido invade hospital e mata paciente a tiros em Florianópolis”. Mais uma? Aqui está: Homem invade hospital público do DF e atira dez vezes contra paciente. E esse sãoapenas dois exemplos. Ainda bem que não somos os EUA, essa Nação que “não tem como dar certo”, não é mesmo?

E por falar nisso, vejamos como eles “não deram certo”. Na década de 80, Brasil e USA estavam praticamente igualados no número de homicídios por 100 mil habitantes, coisa próxima de 10 por100 mil. O Brasil, com sua política de segurança pública progressista, como a que você tão veementemente defende, apostou na ideia que: Crime é questão socioeconômica, cadeia não resolve e duras restrições ao acesso às armas. Enquanto isso o malvadão EUA apostou em uma política conservadora: Crime é fruto de escolha pessoal, todos os crimes devem ser punidos e a posse e o porte de armas deve ser ampliado. O resultado? Brasil explode em homicídios e em outros crimes violentos chegando ao patamar em 2014 de quase 30 homicídios por 100 mil habitantes perfazendo um total de 56.337 mortes. 

Enquanto isso os “malucos” ianques, aqueles que não têm chance de dar certo, saem de 10 homicídios por 100 mil habitantes e chegam em 2014 à taxa de 4,8 homicídios por 100 mil habitantes! Nossa, realmente um fracasso! Graças a Deus somos brasileiros!

Duvido que você esteja realmente interessado sobre a questão armas x EUA, mas caso esteja, aqui encontrará muita informação verdadeira: http://www.mvb.org.br/campanhas/eua.php

Ah! Não deixe de assistir essa matéria do jornal onde você é âncora! Aqui tem o vídeo: 
http://noticias.band.uol.com.br/jornaldaband/videos/2015/02/14/15376291-levantamento-mostra-que-campanha-do-desarmamento-nao-deu-resultado.html

Ouch! Se Boechat realmente estivesse interessado no assunto, teria que sair de fininho, estudar, para depois voltar e fazer o mea culpa aos quase 10 mil inocentes úteis que curtiram seu comentário sensacionalista. Mas sabemos que Boechat não fará nada disso. Prefere bancar o “progressista” meio anárquico, um “anarquista” bem estatista, é verdade, a ponto de elogiar até o ditador Fidel Castro com frequência.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Atenção:
Comentários ofensivos a mim ou qualquer outra pessoa não serão aceitos.