14 de dez de 2015

ENTENDA COMO É VER OUTRO PAÍS CRESCER ENQUANTO VOCÊ FICA CHUPANDO DEDO


Novo governo na Argentina retira impostos de exportação agropecuária

Victor R. Caivano - 10.dez.2015/Associated Press
O presidente da Argentina, Mauricio Macri, dança ao lado da mulher, Juliana Awada, na varanda da Casa Rosada

MARIANA CARNEIRO
DE BUENOS AIRES
O novo presidente da Argentina, Mauricio Macri, formalizou nesta segunda (14) a retirada de impostos à exportação de trigo, milho, girassol e carne bovina, além da redução do percentual cobrado sobre a venda de soja dos atuais 35% do faturamento para 30%.

Macri escolheu nada menos do que a cidade de Pegamino, na província de Buenos Aires, para o anúncio. Foi nesta localidade onde eclodiram os primeiros protestos do setor rural contra o governo de Cristina Kirchner, em 2008, quando foram anunciados estes impostos.

Macri afirmou que assinará ainda nesta segunda o decreto que retira os impostos.

Lançados em um momento em que o problema da Argentina era o excesso de dólares —o que pressionava por uma valorização do peso— estes impostos permaneceram mesmo quando a onda virou, como forma de financiar o aumento dos gastos públicos ocorridos na gestão de Cristina.

Sobretaxados, os produtores abandonaram cultivos menos rentáveis, como o trigo e a produção de carne, e concentraram-se na soja, sobre a qual os elevados preços internacionais compensavam a tributação.

Com a mudança, o governo espera que o setor venda parte da última safra, que ficou estocada à espera da troca de governo. Estimativas dão conta de que possa haver entre US$ 8 bilhões e US$ 11 bilhões em grãos guardados por produtores.

Isso ajudaria o novo governo a lidar com a severa escassez de dólares, que provocou a criação de barreiras às importações na Argentina e estancou a economia.

"Não é o campo ou a indústria, nem o campo ou o país; é o campo e a indústria e o país. Porque sem o campo o país não vai adiante. Eu sei que aqui há um maravilhoso espírito empreendedor", disse Macri, fazendo referência aos slogans de confrontação do kirchnerismo.

Nota: O Subtítulo é o título original

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Atenção:
Comentários ofensivos a mim ou qualquer outra pessoa não serão aceitos.