29 de fev de 2016

D. PEDRO II - VOCÊ PRECISA CONHECÊ-LO MAIS


São poucos relatos históricos que contam a vida do Imperador Dom Pedro II no Brasil. A historiografia brasileira pouco se preocupou em preservar os relatos do nosso império. E depois da Proclamação da República muito do que se tinha preservado foi jogado fora ou apagado.

Hoje são poucas a informações que temos sobre esse período. Tentando mudar esse fato, preparamos uma série de curiosidades sobre Dom Pedro II, o apaixonado imperador brasileiro.

Aumento do próprio salário?
O Imperador esteve no trono brasileiro por 50 anos. Mas nunca aceitou aumento na sua dotação, isto é, o salário. Quando morreu exilado em 1891, não havia acumulado riquezas. Ao contrário, deixou dívidas.

Pouco depois de ser coroado, ainda com 14 anos, tratou de extinguir cargos públicos que considerava inúteis, como a Guarda Imperial. Ela foi recriada na República com o nome de Dragões da Independência.

Ainda existem relatos de que Dom Pedro pagou do próprio bolso estudos de brasileiros no exterior – que foram estudar arte, medicina e engenharia, com a condição de retornar ao Brasil e aplicar aqui seus conhecimentos. O imperador brasileiro também doava recorrentemente parte do salário a obras de caridade e alforria de escravos.

Certa vez o imperador enviou uma carta a Câmara Municipal com os seguintes dizeres: “Sua Majestade, faz questão de saber quem pagou as carruagens que levou a Família Imperial, da estação a Cidade. Se foi pago pela Câmara, então Sua Majestade faz questão de devolver o dinheiro”.

Seca já era um problema.

Outro relato é que ao visitar o Nordeste durante uma seca terrível em 1877, o imperador prometeu ajudar a região. Entre as medidas sugeridas por uma comissão criada à época havia a abertura de um canal para levar água do Velho Chico às áreas castigadas por estiagens e a construção de uma ferrovia para interligar a região. As obras iniciadas em 1879 foram paralisadas pelo Parlamento em 1881 e esquecidas com o Golpe Militar de 1889.

D. Pedro II vendeu dezenas de joias e obras de arte de seu patrimônio pessoal para financiar a tal obra. Por se tratar de uma obra faraônica para época, o dinheiro das joias e obras de arte acabou rapidamente e era preciso capital do governo para continuação, porém a maioria dos Parlamentares bloqueou o pedido de D. Pedro II. 

Ele era tão respeitado e admirado mundialmente que durante uma visita aos Estados Unidos recebeu mais de 8 mil votos válidos para as eleições presidenciais de 1877. Esta foi uma situação muito curiosa, já que Dom Pedro II era Imperador do Brasil.

D. Pedro II era um cientista e botânico, tinha um observatório astronômico no topo de um dos torreões do Paço Imperial de São Cristóvão. Como inventor, criou o que seria a primeira máquina para ginastica. Seus escritos e teses botânicas são objeto de estudo até hoje.

Foi um grande fotógrafo pioneiro e incentivador da fotografia com profissionalização.

Grande estudioso da astronomia e responsável pelo primeiro centro astronômico do país.

D. Pedro II foi a primeira pessoa no mundo a comprar um telefone da companhia de Graham Bell, e a primeira a ter um telefone instalado em uma residência.

Esteve no Oriente, atraído por seu grande interesse em Egiptologia, assunto do qual era profundo conhecedor. Seus escritos sobre o assunto são referência mundial até hoje.

Durante seu Reinado, foram construídas as primeiras e únicas ferrovias do Brasil, com planos de ligar o país do norte ao sul. Atualmente o número de ferrovias funcionais é menor que em seu governo.

Construção de Inúmeras Escolas Públicas e Construção do edifício da Santa Casa de Misericórdia em 1852.

Lançamento dos primeiros Cabos Submarinos para comunicação telegráfica com regiões do Brasil, e também com a Europa, em 1874.

A iluminação a gás e posteriormente a elétrica em todos principais pontos do País.

Reflorestamento e Criação do Parque Nacional da Tijuca.
Criação das primeiras aldeias indígenas com proteção governamental.

Os Bondes elétricos e os navios a vapor mais modernos da época eram constantemente introduzidos nas cidades e renovados logo com o surgimento de modelos mais avançados.

O Brasil tinha navios mais modernos que a própria Inglaterra em 1870.

Nenhuma residência imperial possuía escravos. Depois de adulto, D. Pedro II alforriou todos os escravos de suas propriedades particulares. Os negros que trabalhavam recebiam salário para tal.

Seu legado histórico é de um homem culto, tinha temperança como uma de suas qualidades, era bom chefe de família, bom esposo, popular e admirado pelos súditos. Tanto é que, seu principal gabinete havia vencido as últimas eleições com 82% dos votos, a aprovação e popularidade de D. Pedro II eram de 92% junto ao povo no momento do golpe militar que o derrubou. Por isso as ações de expulsão foram feitas pela madrugada, para prudência do povo reagir contra os miliares de Deodoro.

Durante seu reinado havia total liberdade de imprensa, e talvez nenhum político ou chefe de estado tenha sido tão caricaturado como ele. Logo após o golpe e expulsão do monarca, a maioria dos jornais foram fechados e jornalistas foram exilados na Amazônia.

Era um homem afável e popular, e quando comparecia a eventos ou caminhava pelas ruas como um cidadão comum, era costumeiramente aplaudido pelo povo, o que o deixava vermelho de vergonha por ser uma persona tão avessa a pompas e elogios em demasia.

Era corriqueiro vê-lo caminhar normalmente com seu amigo e médico Conde Mota Maia pelas ruas da Cidade como qualquer senhor de classe média da época.

“Estava eu e mui Mota Maia andando pela a rua ouvidor quando lembro em comprar um regalo para meu neto mais moço, escolhi o agrado e fui pagar à senhorita do balcão do estabelecimento comercial, quando lhe entreguei uma nota de réis ela ruborizou-se olhando para nota onde minha velha face estava ao centro da impressão, a jovem olhou para mim e desmaiou em seguida. Mota a examinou e brevemente acordou timidamente, começou a fazer reverências que eu nunca tinha assistido ou recebido. Depois do susto saímos à calçada, avistei flores, peguei um ramo vistoso, voltei à loja e entreguei a simpática senhorita. Hoje foi um dia bom, porém sempre fico reflexivo sobre tais momentos onde fica claro que meu povo ainda me enxerga como um Rei Medieval dos contos que lia quando infante, mas vi admiração e um belo sorriso no rosto belle enfant, foi compensador.”

(Diário de Pedro II, disponível na Biblioteca Nacional e cópias no Museu Imperial de Petrópolis).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Atenção:
Comentários ofensivos a mim ou qualquer outra pessoa não serão aceitos.