1 de jun de 2016

DEPUTADO ROCHA ENTREGA AO MINISTÉRIO DA SAÚDE DOSSIÊ SOBRE MATERNIDADE BÁRBARA HELIODORA


Dados do Sistema de Assistência da Mulher e da Criança apontam que, no período de janeiro a abril de 2016, morreram pelo menos 26 bebês na unidade

Na companhia de Francineudo, Rocha entrega dossiê ao ministro Ricardo Barros

Assessoria - O deputado federal Major Rocha (PSDB-AC) entregou nesta terça-feira, 31, ao ministro Ricardo Barros, dossiê com notícias sobre as mortes ocorridas na Maternidade Bárbara Heliodora, de recém-nascidos, desde o início deste ano.

O parlamentar tucano pediu a imediata intervenção do Ministério da Saúde para instaurar uma Averiguação Técnica na aplicação dos recursos do SUS na Maternidade de Rio Branco.

“Esta situação torna-se mais penosa, pois o Estado limita-se a emitir notas oficiais que não explicam a alta taxa de mortalidade em um único hospital, além de informar o que está sendo realizado para solucionar o problema”, disse Rocha.

O ministro Ricardo Barros determinou ao Secretário Executivo Antônio Carlos Figueiredo Nardi o encaminhamento ao Acre, desta Comissão Investigativa.

O engenheiro florestal Francineudo Costa acompanhou a entrega do relatório ao ministro da Saúde e falou das ações que a sociedade civil tem realizado em Rio Branco, com atos em frente à Maternidade e questionamentos nas mídias sociais.

Dados do Sistema de Assistência da Mulher e da Criança (SASMC) apontam que, no período de janeiro a abril de 2016, morreram pelo menos 26 bebês na Maternidade Bárbara Heliodora.

De acordo com matéria publicada em maio deste ano, no G1 AC, no mesmo período de 2015, 45 bebês morreram na unidade, 20 em janeiro, nove em fevereiro, sete em março e nove em abril. Em 2016, foram registrados oito óbitos em janeiro, seis em fevereiro, três em março e nove em abril. Já nos três primeiros meses deste ano foram registrados 709 partos normais e 796 cesáreas, um total de 1.505 nascimentos. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Atenção:
Comentários ofensivos a mim ou qualquer outra pessoa não serão aceitos.