12 de jul de 2016

TRIBUNAL DE HAIA DIZ QUE PEQUIM NÃO TEM DIREITO HISTÓRICO SOBRE MAR DO SUL DA CHINA


Thomas Escritt e Ben Blanchard - Uma corte de arbitragem decidiu nesta terça-feira que a China não tem direito histórico sobre as águas do Mar do Sul da China, e que o país violou os direitos soberanos das Filipinas com suas ações no local, enfurecendo uma Pequim desafiadora.

A China, que boicotou as audiências da Corte Permanente de Arbitragem em Haia, mais uma vez prometeu ignorar o veredicto e disse que suas Forças Armadas irão defender sua soberania e seus interesses marítimos.

A agência estatal de notícias chinesa Xinhua relatou que, pouco depois de a decisão ser anunciada, uma aeronave civil chinesa realizou testes de calibragem bem-sucedidos em dois aeroportos novos nas disputadas Ilhas Spratly.

Já o Ministério da Defesa da China anunciou que um novo destróier de mísseis teleguiados foi acionado formalmente em uma base naval na ilha-província de Hainan, no sul chinês, que é responsável pelo Mar do Sul da China.

"Esta decisão representa um golpe legal devastador nos clamores jurisdicionais da China sobre o Mar do Sul da China", disse Ian Storey, do Instituto Yusof Ishak ISEAS, de Cingapura, à Reuters.

"A China irá reagir com fúria, certamente em termos de retórica e possivelmente por meio de mais ações agressivas no mar".

Pequim clama para si a maior parte das águas ricas em recursos energéticos, através das quais cerca de 5 trilhões de dólares de comércio marítimo circulam todos os anos. Os vizinhos Brunei, Malásia, Filipinas, Taiwan e Vietnã têm reivindicações semelhantes.

Arbitrando a favor das Filipinas em uma série de questões, a comissão da corte de Haia disse não haver base legal para a China alegar direitos históricos a recursos dentro de sua chamada linha de nove pontos, que cobre a maior parte do Mar do Sul da China.  
A comissão afirmou que a China interferiu com os direitos de pesca tradicionais das Filipinas no Banco de Areia de Scarborough, um das centenas de recifes e bancos de areia naquele mar, e violou os direitos soberanos filipinos procurando petróleo e gás perto de Reed Bank, outro destaque da região.

O Ministério das Relações Exteriores chinês rejeitou de forma abrangente o veredicto, dizendo que seu povo tem mais de dois mil anos de história no Mar do Sul da China, que suas ilhas têm zonas econômicas exclusivas e que anunciou ao mundo seu mapa de "linha pontilhada" em 1948.

A decisão é significativa por se tratar da primeira vez que um questionamento legal foi trazido à tona na disputa, que diz respeito a alguns dos campos de petróleo e gás mais promissores do mundo e a áreas de pesca vitais.

(Reportagem adicional de Enrico Dela Cruz e Martin Petty em Manila, Megha Rajagopalan em Pequim, Tim Kelly in Tóquio, John Walcott em Washington e Greg Torode em Hong Kong)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Atenção:
Comentários ofensivos a mim ou qualquer outra pessoa não serão aceitos.