25 de abr de 2017

Vereadores encaminham e DNIT atende pedido para revitalização do trecho entre Bujari e Rio Branco


Assim que houver uma empresa vencedora, em no máximo dez dias os trabalhos devem ser iniciados

Reunião ocorreu na manhã desta terça-feira (25)
 /Foto: Assessoria
Alamara Barros - Na última segunda-feira (24), a vereadora do Bujari, Maria de Jesus (PMDB), entrou com um requerimento junto ao Departamento Nacional de Infraestrutura e Transportes (DNIT) pedindo urgência na recuperação do trecho da BR-364 entre o município e o aeroporto de Rio Branco. Segundo ela, a situação da rodovia é precária devido à grande quantidade de buracos neste trajeto.

O pedido foi acatado com urgência pelo vice- presidente da Câmara, o vereador Silvio Bessa (PSC), que não só marcou em tempo hábil uma reunião com o Superintendente do DNIT, Tiago Caetano, como fez questão de acompanhar o encontro que ocorreu na manhã desta terça-feira (25) juntamente com o presidente da Câmara o vereador Raimundinho do PC do B e o vereador Márcio do DEM.

“A reunião foi muito boa e positiva, a gente viu que já foi feito o pregão e que até o dia 10 do próximo mês vamos ter uma resposta mais definitiva, inclusive o superintendente do DNIT se comprometeu em dar início, caso as empresas que participaram não recorram do processo, em no máximo em 15 dias às obras no trecho, explicou Mariazinha.

Segundo Caetano, o processo licitatório desse trecho foi publicado no Diário Oficial da União na última quarta-feira (18) e até a próxima semana o processo será executado. Assim que houver uma empresa vencedora, em no máximo dez dias os trabalhos devem ser iniciados.

“Durante a reunião explicamos que infelizmente tivemos problema um administrativo em relação a visitação desse trecho, Rondônia basicamente prejudicou o DNIT no Acre desde de fevereiro do ano passado, quando tentamos dar andamento à licitação e eles seguraram o máximo que puderam e finalmente conseguimos levar o processo à Brasília e semana passada o processo licitatório foi publicado semana passada no Diário Oficial e está marcada para acontecer no dia 03 de maio. E o que eu prometi para eles é que assim que fosse definida a empresa responsável pelas obras, seria priorizada aquele trecho entre Bujari e o aeroporto de Rio Branco”, finalizou.

Dois trechos da BR-364 podem ter sido superfaturados em mais de R$ 443 milhões



Ray Melo -  O deputado Luiz Gonzaga (PSDB) pediu na manhã desta terça-feira (25), a instalação da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar as obras da BR-364 e denunciou suposto superfaturamento de R$ 443 milhões em dois trechos da rodovia no interior do Estado. “Foi-nos dito que iria depender de uma decisão do Tribunal de Justiça do Acre, a decisão foi dada e até agora não se tem notícias da instalação da CPI”, diz Gonzaga.

Segundo o deputado tucano, “o Estado do Acre todo clama por essa CPI, porque os recursos vieram. R$ 2 bi para fazer uma estrada que não existe. Uma tomada de contas especial feita pelo Dnit constatou que em dois trechos da BR entre Cruzeiro do Sul e Tarauacá, o Dnit está cobrando R$ 443 milhões dos responsáveis pela obra e do Deracre, atualizados até março de 2016. Se em dois trechos tem desvio, imagine nos demais”.

Gonzaga destaca que o TCU foi quem determinou que o Dnit não aprovasse as contas do Deracre, se a obra não fosse entregue com qualidade. “E esta obra nunca foi entregue ao Dnit porque não tem qualidade. Se o governo federal pagou ao governo do Acre para construir a BR, o governo do Acre deveria entregar uma estrada de qualidade. Está aqui mais um exemplo de bandalheira do governo do PT no Estado. E estamos falando de apenas dois contratos”.

De acordo com o oposicionista, os gastos incluíram ainda empréstimos feito junto ao Banco Mundial, “que ninguém sabe para onde foram. Como é que vamos pagar um empréstimo de algo que não existe. A CGU também constatou desvios de recursos nos trechos que fiscalizou. Esta casa não pode de forma alguma ficar calada diante de tantas situações graves. Portanto, eu estou aqui pedindo que a mesa diretora, urgentemente, faça a instalação da CPI”.

O deputado afirma que em todos os locais que anda no Estado, as pessoas o questionam pela CPI. “Precisamos dar uma resposta à sociedade. É um direito do povo e um dever desta Casa como órgão de fiscalização instalar a CPI e dar condições para que a comissão funciona. Isso é um absurdo, R$ 2 bi para construir uma rodovia que não existe. A sociedade clama por uma resposta de seus representantes neste poder”, finaliza Luiz Gonzaga.

O presidente da Aleac, deputado Ney Amorim (PT) informou que, “nós temos pelo menos cinco pedidos de CPI protocolados nesta Casa. Três do deputado Daniel Zen, a CPI da BR e a CPI da Sehab. A mesa vai cumprir todos os rituais e vai dar condições para que as CPI’s possam acontecer de forma transparente e responsável, seguindo o Regimento interno da Casa e todos os requisitos legais para entrar me funcionamento”, destaca Amorim.

Líder do governo na Aleac afirma que a BR-364 “vai ficar para o rabo da fila”


O líder do governo na Aleac, deputado Daniel Zen (PT) ironizou o apelo do deputado Luiz Gonzaga (PSDB) para instalar a Comissão de Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar as obras da BR-364. O petista afirma que o tucano precisa aprender a fazer contas e faltou as aulas de matemática, quando o assunto é o cálculo de R$ 2 bilhões que teriam sido investidos na estrada.


“Ele tem que aprender a fazer conta. Ele falou às aulas de matemática. Não foi dois bilhões, mas 1,7 bilhão, incluindo as pontes e travessias de cursos de rios. Se fizer a distribuição não tem nenhum valor que destoe da realidade. Sobre a CPI, tem pelo menos seis pedidos de CPIs antes da sua. O senhor vive viajando, não participa dos trabalhos não sabe do que acontece aqui”, diz Zen.

Na tentativa de desqualificar Gonzaga, Daniel Zen afirma que “se eu fosse seu suplente já teria pedido o mandado pelo seu excesso de faltas. Antes de instalar as CPIs, eu vou também fiscalizar para seja cumprida a ordem sequencial dos pedidos de CPI. Se a da Sehab for instalada, as minhas também vão ser, e a sua vai ficar para o rabo da fila”, dispara o líder de Sebastião Viana.

Luiz Gonzaga voltou a tribuna e rebateu Zen. “Deputado, sou um homem casado. Não entendo essa sua preocupação comigo. Se não tem argumento para defender seu governo que fique calado, mas não venha com ofensas pessoais. Eu não venho fazer denúncias sem provas. E tem mais, o senhor passa a imagem de professor de matemática aqui, só quem sabe fazer contas é o senhor, mas não computa os recursos dos empréstimo de 80 milhões de dólares que foi feito, mas o professor de matemática não soma essas coisas”, finaliza.

Nota de Esclarecimento da Prefeitura de Tarauacá acerca do mal entendido sobre os indígenas


Em resposta à matéria publicada nas redes sociais em relação a não participação da comunidade indígena da Aldeia 27, a prefeitura esclarece: 

Foram feitos pelo menos dois contatos com o Cacique Assis Kaxinawá, sobre a imprescindível presença e participação da comunidade para fazer suas apresentações culturais. Depois de feito esse convite, o mesmo confirmou presença no evento.

Ressaltando-se que, o horário disponibilizado aos nossos amigos indígenas era às 10:00h da manhã, porém as apresentações não se estenderam até o previsto, encerrando-se às 09:40h, ou seja, se tivessem chegado ao local à tempo teriam feito suas apresentações.

O Cacique Assis em conversa com os coordenadores do evento falou “entendo a situação, que imprevistos acontecem e estamos tranqüilos”.

Esclarecemos ainda que todos receberam assistência de alimentação 60 (sessenta) marmitex e 50 (cinquenta) litros de diesel para abastecimento do caminhão.

A Administração Municipal sempre será parceira dos povos indígenas, onde se coloca à disposição para, dentro do possível, ajudá-los e colaborar para o desenvolvimento de toda comunidade. 


Assessoria de Comunicação

Mais imagens da Hora Cívica pela passagem dos 104 anos de Tarauacá

Alunos e participantes aguardando o início

Iniciando

Fala Pequena! Eliane Sinhasique volta a apresentar o seu Toque Retoque, na Gazeta 93,3 FM



Ravenna Nogueira - Com a irreverência e espontaneidade de sempre, a deputada estadual, jornalista e radialista, Eliane Sinhasique (PMDB), retorna para a Gazeta 93.3 FM para apresentar o programa Toque Retoque. “Com o coração transbordando de alegria, volto a apresentar o meu toque retoque”, declarou. 

Por 25 anos, Sinhasique esteve no comando do programa e saiu de lá em abril de 2013, quando era vereadora, por divergências políticas. “Em 2013, eu disse, para os nossos ouvintes, um até breve, não me despedi, pois sabia que voltaria! Acredito que todas as diferenças tenham sido superadas e volto com a mesma pegada”.

Neste primeiro programa, Eliane falou de variedades, curiosidades e não deixou de fazer denúncia. Falou, por exemplo, da lavanderia do Hospital de Base que encontra-se em desconformidade com o manual de lavanderia hospitalar do Ministério da Saúde.

“Faremos um programa maravilhoso, com a participação popular, vamos abordar muitos assuntos, vou colocar a boca no microfone”.

Dona do famoso bordão “Fala, pequena”, Eliane sentiu o apoio dos seus ouvintes nesse retorno. O internauta Michel Silva escreveu em uma das redes sociais da deputada: “Que saudade! Muita saudade! Te amo, baixinha”.

A proximidade com o povo, foi uma das motivações para Eliane voltar para a rádio. “A rádio é mais uma ferramenta de utilidade pública. Temos o nosso Gabinete na Rua, temos a equipe “Alô, meu povo” nas ruas, temos as ações do nosso gabinete na Assembleia e dos núcleos do partido PMDB Mulher e Fundação Ulisses Guimarães e temos a rádio que nos permite ir mais longe”.

Exército foi sondado para decretar estado de defesa, diz general


Segundo o General Eduardo Villas Bôas, políticos de esquerda fizeram a consulta nos dias que antecederam o impeachment de Dilma Rousseff

Eduardo Dias da Costa Villas Bôas, comandante do Exército
(Cristiano Mariz/VEJA)

Thaís Oyama e Robson Bonin  - O comandante do Exército, general Eduardo Villas Bôas, revela em entrevista a VEJA que a instituição foi sondada e rechaçou a hipótese de apoiar a decretação de estado de defesa nos dias tensos que antecederam o impeachment de Dilma. Villas Bôas não diz quais foram os políticos que fizeram a consulta, mas reconhece que as Forças Armadas ficaram “alarmadas” com a perspectiva de serem empregadas para “conter as manifestações que ocorriam contra o governo”. 

“Nós temos uma assessoria parlamentar no Congresso que defende nossos interesses, nossos projetos. Esse nosso pessoal foi sondado por políticos de esquerda sobre como nós receberíamos uma decretação do estado de defesa”, afirmou Villas Bôas. 

Na entrevista a VEJA, o comandante do Exército também manifesta preocupação com o “perigo” de surgir no país líderes populistas com discursos “politicamente incorretíssimos, mas que correspondem ao inconformismo das pessoas”.

Bye-bye, baby Kim: o destino do norte-coreano foi selado


Estados Unidos e China se entenderam sobre a conveniência de cortar as asinhas nucleares do pequeno ditador. Será que vai ter chuva de Tomahawk?

Vilma Gryzinski  - A batata de Kim Jong-Un está assada.

Evidência número um: Donald Trump convidou todo, repetindo todo, o Senado americano para ir à Casa Branca na quarta-feira.

Saída com Kim ou sem Kim: será que hoje é dia de Tomahawk,
 bebê? (Kyodo/Reuters)

Evidência número dois: Trump e Xi Jinping, o presidente da China, falaram por telefone. “Os dois líderes reafirmaram a urgência da ameaça representada pelos programas balístico e nuclear da Coreia do Norte e se comprometeram a reforçar a coordenação para conseguir a desnuclearização da península coreana”.


Evidência número três: Nikki Haley, a embaixadora americana na ONU, disse que os Estados Unidos “não descartam um ataque preventivo” caso a Coreia do Norte teste um novo míssil balístico de médio alcance, teoricamente capaz de levar uma ogiva nuclear até o Japão.

Isso tudo significa que as duas maiores potências econômicas do planeta se puseram de acordo em relação ao que Trump chamou de “encrencas” provocadas deliberadamente pelo ditador de 33 anos, herdeiro da dinastia fundada pelo avô que criou um dos países mais bizarros da história.

Ainda não é possível saber se o acordo Trump-Xi é com Kim ou sem Kim. Ou seja, se o rotundo ditador continua e é nada gentilmente convidado a se retirar. Nas duas hipóteses, tem que parar de testar bombas nucleares e mísseis que possam transportá-las.

O segredo da eventual solução de um problema intratável, fora da esfera da contenção, há mais de 60 anos, é a negociação entre Trump e Xi. A China tem poder total sobre a miserável Coreia do Norte, onde só sobra dinheiro para o programa nuclear e a programação de diversões da família Kim.

Estrategicamente, a China sempre usou esse poder para reforçar seu poder de pressão na esfera asiática e no plano mundial. Se Xi mudou uma política estrutural é porque era alguma coisa a mostrar em troca.

Por mais poder que, silenciosamente, tenha acumulado, ele ainda precisa responder à altíssima e fechadíssima cúpula do Partido Comunista Chinês. O próprio Trump já disse que iria oferecer um “belo acordo comercial” à China se ajudasse a resolver a questão do encrenqueiro júnior da Coreia do Norte.

O sinal mais evidente de que a China estava mudando de ideia foi espetacularmente exposto no jantar em Mar-a-Lago oferecido por Trump a Xi. Na hora da sobremesa, bolo de chocolate, Trump deu a autorização final para que a Marinha americana mandasse a chuva de Tomahawks para a base aérea síria, em represália pelo ataque com gás sarin que atingiu civis inocentes.

Depois do café, Trump explicou a Xi o que estava acontecendo e o líder chinês concordou que era um castigo certo pelo uso absolutamente proibido de armas químicas. Sobre o que mais os dois concordaram ainda ficaremos sabendo, mas a recepção em Mar-a-Lago está se firmando como um dos jantares de maior peso histórico desde que Roosevelt, Stalin e Churchill jantaram em Yalta e dividiram o mundo do pós-guerra.

Yalta estabilizou a situação mundial em troca de uma traição horrível: Stalin ganhou de presente todos os países do Leste europeu que só se livraram do domínio soviético mais de 50 anos depois. De qualquer maneira, consagrou o status quo já existente, com a vitória da URSS nos territórios ocupados pela Alemanha nazista. Pragmaticamente, Churchill fez depois uma pergunta retórica: “O que a Polônia queria? Que começássemos outra guerra mundial?”

O comportamento abusivo de Kim Jong Un e as reações de Trump, depois de oito anos de politico externa assustadiça do governo Obama, despertaram uma curiosa divisão no mundo. Os anti-trumpistas passaram a torcer pelo ditadorzinho doido.

Comemoraram quando a força de ataque do porta-aviões Carl Vinson, capaz de mandar a Coreia do Norte de volta para a idade da pedra à qual muitas vezes já parece ter regredido, estava “indo para o lugar errado”. Também levaram a sério todas as declarações delirantes de que a Coreia do Norte “ameaçava afundar” o porta-aviões e talvez, quem sabe, reduzir os Estados Unidos a cinzas nucleares.

A CNN disse, a sério, que “não havia conseguido confirmar com fontes independentes” se a Coreia do Norte iria realmente afundar o Carl Vinson e destruir os Estados Unidos.

Todas as outras pessoas normais, embora nem sempre totalmente informadas sobre a complexidade dos elementos envolvidos, passaram a torcer para que Trump mandasse logo uma chuva de Tomahawks na cabeça do Kim. Muita gente também ficou com medo de uma guerra mundial e o assunto explodiu nas redes sociais.

Calma, gente. Não parece que vai ser dessa vez. Embora a capacidade de encrenca de um regime como o norte-coreano em situação de beco sem saída não possa ser subestimada, os chineses possivelmente se ocuparam de tarefas que sabem fazer bem, como ameaçar, chantagear, cooptar, comprar e, se preciso, detonar seus protegidos. O importante, agora, é não deixar a Coreia do Norte desabar. E não deixar a China parecer que cedeu em posição de fraqueza.

Trump, claro, será espinafrado por fazer concessões demais. Etc etc etc.

Prefeitura divulga resultado preliminar do processo seletivo simplificado 002/2017


Confira abaixo o resultado preliminar do processo seletivo simplificado para contratação temporária das seguintes Secretarias: Assistência Social, Obras, Saúde, Administração e Educação. 

01 - Aqui

02- Aqui

Prefeitura encerra aniversário da cidade com Hora Cívica



Assessoria de Comunicação - As festividades dos 104 anos do município de Tarauacá foram marcadas com três dias de atividades culturais, esportivas, corrida pedestre (Masculino e Feminino), corrida de cargueiras e apresentações de shows com bandas locais e regionais. 


As comemorações do aniversário da cidade tiveram inicio no último sábado (22) e encerrou-se na manhã desta segunda-feira, 24 de abril, dia oficial comemorativo de emancipação política do município.

O encerramento das festividades ocorreu em frente a prefeitura com o hasteamento de bandeiras (hora cívica) com a presença de autoridades, apresentações de fanfarras das escolas Dr. Djalma da Cunha Batista e instituto São José, além de desfiles com a polícia militar, Corpo de Bombeiros, Loja Maçônica e outras atividades culturais. 

MATÉRIAS RELACIONADAS

Logo após todas atividades, a prefeita Marilete Vitorino acompanhada de vereadores participou da inauguração de um monumento (memorial) situado na Avenida Antonio Frota em frente ao quartel da PM.  O monumento é uma homenagem aos pioneiros que no ano de 1890 iniciaram a implementação do município de Tarauacá. O projeto do monumento é de autoria do vereador Valdo do Ó.


Cidades do Acre podem perder R$ 130 milhões de orçamento por falta de plano de saneamento

Apenas sete municípios finalizaram o plano, entre elas Jordão, uma das cidades mais isoladas, que elaborou e publicou os dois planos essenciais



As cidades do Acre podem perder R$ 130 milhões de orçamento por ausência dos planos de saneamento e abastecimento de água. A notícia foi confirmada por Raphael Bastos, superintendente da Fundação Nacional de Saúde (Funasa) no Acre. Os municípios têm até o dia 31 de dezembro para se regularizarem.

Apenas o município de Jordão – um dos mais isolados do Estado – já possui o Plano de Saneamento e abastecimento de água e o Plano de Resíduos Sólidos. A elaboração e publicação do Plano é pré-requisito para o acesso de novos convênios a partir deste ano.

A reclamação feita por alguns prefeitos, como José Augusto, da cidade de Capixaba, é que a empresa que venceu a licitação para elaboração dos documentos, a Vectra, não vem dando a assistência técnica necessária para as cidades cumprirem as metas.

Cidade de todo o Estado podem acabar tendo prejuízo na verba destinada a saneamento básico /Foto: Reprodução

Aprovado por Portaria Interministerial de cinco de dezembro do ano passado, o Plano Nacional de Saneamento Básico (Plansab) estabelece como metas o Brasil atingir a universalização dos serviços de abastecimento de água potável em 2023 e a coleta de resíduos domiciliares em todas as áreas urbanas até 2033.

Além disso, a política nacional de resíduos sólidos prevê a erradicação dos lixões/vazadouros do país até 2014, sendo recomendável, ou mesmo imprescindível, a execução de arranjos institucionais que levem à parceria e ao consorciamento dos municípios.

A revelação feita por Rapahel Bastos coloca por terra o que foi prometido pelo Governo do Acre, que prometeu tornar o Estado um dos primeiros do país a ter todas as suas ruas pavimentadas, com água e esgoto, através do projeto Ruas do Povo.

Em 2014 o Estado contava com R$ 1,45 bilhão, que objetivava permitir ao Acre atingir a universalização de seus serviços de abastecimento de água potável, de coleta de esgoto e de pavimentação das ruas de suas 22 cidades espalhadas pela floresta acreana.


A ausência de um plano de saneamento impede que a verdade seja repassada ao Estado /Foto: Reprodução


Ministério Público no caso

O Projeto Cidades Saneadas vem sendo desenvolvido pelo Ministério Público Estadual desde o segundo semestre de 2014 e visa criar uma estratégia uniforme para a atuação do Ministério Público do Estado do Acre, com intuito de acompanhar a execução da política nacional de saneamento básico e de gestão integrada de resíduos sólidos.

Uma das principais ações dentro do projeto Cidades Saneadas foi a assinatura da recomendação ministerial pelos prefeitos, no prazo de um ano, para a elaboração dos Planos Municipais de Saneamento Básico e Gestão Integrada de Resíduos Sólidos.

O gestor que não adotar as medidas administrativas dentro do prazo estabelecido corre o risco de ter as contas reprovadas pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE). Em 2017 o balanço é de sete municípios com os planos concluídos, um deles é Rodrigues Alves, que elaborou o plano com recursos próprios.

Os municípios que finalizaram os Planos Municipais de Saneamento Básico são: Tarauacá, Jordão, Feijó, Epitaciolândia, Capixaba, Assis Brasil e Rodrigues Alves. Faltam ainda: Manuel Urbano, Sena Madureira, Brasiléia, Epitaciolândia, Marechal Thaumaturgo, Mâncio Lima, Senador Guiomard, Plácido de Castro, Santa Rosa do Purus, Acrelândia, Bujari, Plácido de Castro, Porto Acre, Xapuri.

Relatório da Emurb revela rombo acumulado de R$ 38 milhões




Um relatório divulgado no Diário Oficial do Acre revela dados preocupantes: a Empresa Municipal de Urbanização de Rio Branco teve um prejuízo acumulado de R$ 38 milhões entre os anos de 2015 e 2016. Procurado pelo ac24horas, o diretor-presidente da Emurb, Edson Rigaud, explicou que o balanço reflete não apenas os últimos dois anos, mas sim há vários anos e salientou que sua gestão vem mantendo o pagamento de funcionários e fornecedores rigorosamente em dia.


O documento revela ainda que a Emurb chegou a ter apenas R$ 437, 96 em sua conta no banco. Ainda segundo o relatório, a empresa tinha uma dívida de R$ 7 milhões para quitar com fornecedores.

Além disso, o balanço demonstra que nos últimos três anos (2014, 2015 e 2016) houve prejuízo na empresa municipal, respectivamente, da seguinte forma: R$ 34,9 milhões; R$ 38 milhões; e 38,4 milhões. Entre 2015 e 2016, o prejuízo aumentou em R$ 142 mil.

Outro dado polêmico, mostra que a Emurb não construiu nenhum via estruturante em Rio Branco, nem mesmo participou de obras complementares. Isso demonstra que nos últimos anos a Emurb só atuou em operações de tapa-buraco. Em nenhum momento, contudo, o relatório técnico-contábil demonstra quando a empresa pública lucrou financeiramente.


O OUTRO LADO:


Diretor-presidente da Emurb, Edson Rigaud
Procurado por ac24horas, o diretor-presidente da Emurb, Edson Rigaud, explicou por meio de nota que desde quando chegou a empresa iniciou “ o processo de desalavancagem”.

“Desde outubro do ano passado o passivo da EMURB não aumentou. Todos os fornecedores e prestadores de serviço da empresa estão recebendo seus créditos rigorosamente em dia”, revela o gestor.

Rigaud revela ainda que a Emurb não opera em patamar superior ao de suas receitas  e enfatiza que a atual gestão está tomando providências para equacionar o passivo encontrado de gestões anteriores.

“Reduzimos o quadro de funcionários em ​aproximadamente 32% (trinta e dois por cento). Nos primeiros quinze dias de nossa gestão desligamos aproximadamente 200 (duzentos) colaboradores. Esta redução, somada a ajustes realizados na folha, nos propicia uma economia mensal de aproximadamente ​R$ 500.000,00 (quinhentos mil reais). Incluídos os encargos patronais, que constituem 37,40% do valor bruto da folha e mantidas nossas projeções, esperamos ter uma economia anual na folha de pagamento na ordem de R$ 8.931.000,00 (oito milhões, novecentos e trinta e um mil reais)​, ​recursos indispensáveis para o equacionamento do passivo da empresa”, exemplificou Edson.

Ainda segundo o diretor da Emurb, a redução de custos atingiu inclusive a despesa de aluguel de máquinas e mais de R$ 423 mil por mês. “ Com os preços alcançados na nova licitação realizada essa redução de despesa será ainda maior, o que verificaremos a partir desse mês”.

“Reduzimos a despesa com locação de imóveis, medida que nos permite uma economia anual de ​R$ 242.844,96 (duzentos e quarenta e dois mil, oitocentos e quarenta e quatro reais e noventa e seis centavos)​. Investimos na recuperação do nosso maquinário próprio e com isso pretendemos alcançar uma redução anual de despesa com aluguel de máquinas na ordem de ​R$ 1.226.699,40 (um milhão, duzentos e vinte e seis mil, seiscentos e noventa e nove reais e quarenta centavos)”, enfatiza Rigaud, que ainda informa que que a direção da empresa rescindiu contrato de prestação  de serviços com escritório terceirizado de contabilidade, medida que permite uma economia anual de R$ 142 mil. O gestor enfatiza ainda a redução drástica do consumo de combustível e demais insumos

“Enfim, estamos adotando todas as providências necessárias para garantir o equilíbrio fiscal da empresa. Conforme nossos dados estatísticos, até o momento estamos operando com uma redução do custo total da EMURB de aproximadamente 52% (cinquenta e dois por cento). Todos essas medidas foram detalhadamente explicadas ao Prefeito, à Controladoria e aos Conselheiros do Tribunal de Contas em Carta Anual de Governança Corporativa”, disse.

As atuais medidas  de austeridade adota  por Edson Rigaud,  já permitiram a quitação de aproximadamente R$ 10 milhões em dívidas acumuladas, “dados que não estão consolidados no balanço publicado, pois, repito, se referem a situação da empresa em 31.12.2016”, acrescenta o diretor, garantindo que a empresa honrará com todos os seus compromissos.

PRF fez 3.184 abordagens, recuperou carros roubados e apreendeu armas



Comando garante que este mês a taxa de homicídio foi reduzida em 50% com relação ao mês passado e operação se repetirá no próximo fim de semana


A Operação Tiradentes realizada no Estado do Acre durante o feriado prolongado recuperou dois veículos, apreendeu 12 armas, pasta de cocaína e outros delitos. Os números foram divulgados na manhã de desta segunda-feira (24) pelo comando da Polícia Militar (PM).

Segundo a PM, foram realizadas 3.184 abordagens em todo o Estado. O comando afirmou que a operação será repetida no feriado prolongado do próximo fim de semana. O comandante Júlio Cesar disse que a Polícia vai continuar intensificando ações de repreensão nos locais considerados mais “quentes”.

“Os índices de homicídios devem voltar a normalidade ainda este mês, graças ao trabalho que vem sendo feito pelas polícias”, disse o coronel Júlio César.