2 de mai de 2017

A meia greve contra a meia reforma


Discurso é de defesa dos direitos dos trabalhadores, mas protestos são, em boa medida, reação à perda de privilégios de camadas de maior poder de pressão

Nas capitais, houve bloqueio de vias e paralisação parcial 
dos transportes públicos. Mas o movimento esteve longe de ter 
abrangência nacional. 
Faltou gente 
(Luciano Claudino/Estadão Conteúdo)

Unidas por uma legião de interesses diversos, as centrais sindicais prometiam parar o país nesta sexta-feira, convocando uma greve geral contra as reformas econômicas. Não foi o que aconteceu. O movimento se alastrou por todas as capitais, mas teve uma adesão modesta, com a paralisação de algumas categorias. Foi uma greve pela metade, contra reformas que também correm o risco de ficar no meio do caminho. No caso da reforma da Previdência, a economia esperada já caiu quase pela metade, com a manutenção de alguns privilégios.

VEJA desta semana trata das mudanças propostas pelo governo e dos interesses que estão em jogo. Se a reforma trabalhista for aprovada como está, chegará ao fim a contribuição sindical obrigatória, cuja arrecadação anual gira ao redor de 4 bilhões de reais. Tamanho dinheiro fácil incentivou a proliferação de sindicatos pelo país: já são 17 000. Se a reforma da Previdência também for adiante como o previsto, chegarão ao fim as regalias que fazem com que as aposentadorias dos servidores públicos superem (em muito) as do setor privado. Ou seja, há grupos de alta influência no Congresso descontentes com o que está por vir.

Leia Também: 
Diagnóstico atual do Planalto é de baixa adesão aos protestos

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Atenção:
Comentários ofensivos a mim ou qualquer outra pessoa não serão aceitos.