2 de mai de 2017

Indústria do Brasil volta a registrar expansão pela 1ª vez em cerca de 2 anos, aponta PMI



Camila Moreira - O setor industrial do Brasil voltou a registrar expansão em abril pela primeira vez em pouco mais de dois anos diante do aumento do volume de novos pedidos, atenuando o ritmo de cortes de empregos, mostrou o Índice de Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês) divulgado nesta terça-feira.


Ao atingir 50,1 em abril, o PMI da indústria do Brasil voltou a ficar em território de expansão pela primeira vez desde janeiro de 2015, ante 49,6 em março, divulgou o IHS Markit.

O resultado derivou principalmente do aumento da demanda doméstica, com o volume de novos pedidos crescendo pelo segundo mês seguido, bem como o de produção.

"Esses avanços inspiraram algumas empresas a se dedicar em atividades adicionais de compra, que mostraram o primeiro aumento mensal desde janeiro de 2015. Ainda assim, as indústrias parecem distantes de operar com total capacidade", disse a economista do IHS Markit Pollyanna De Lima.

Crescimentos no volume de novos pedidos foram observados nos setores de bens de consumo e de bens intermediários, enquanto que as empresas de bens de capital registraram contração no volume de novos trabalhos.

"A recuperação no total de novos trabalhos foi impulsionada pelo mercado interno, à medida que os novos pedidos para exportação diminuíram, revertendo o aumento observado em março", explicou o IHS Markit em nota.

Apesar dessa melhora, a quantidade de empregos na indústria do país diminuiu ainda mais em abril, chegando a 26 meses de cortes. Entretanto, o ritmo de perdas de vagas foi o mais fraco nesta sequência.

Em relação aos custos, os entrevistados na pesquisa apontaram que o valor relativamente fraco do real em comparação com o dólar provocou novo aumento nos preços dos insumos, mas este foi o mais fraco em seis meses. Assim, a inflação de preços cobrados enfraqueceu para nível mais baixo em cinco meses.

Os empresários das indústrias no país mantiveram o otimismo em relação às perspectivas para a produção nos próximos 12 meses. Eles preveem um crescimento sustentado com obtenção de novos clientes, lançamento de novas linhas de produtos, atualizações de maquinário e recuperação econômica.

Em fevereiro, a menor fabricação de alimentos pressionou e a produção industrial do Brasil cresceu bem menos do que o esperado segundo dados do IBGE, o que indica a dificuldade da economia em imprimir ritmo consistente de recuperação.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Atenção:
Comentários ofensivos a mim ou qualquer outra pessoa não serão aceitos.