17 de ago de 2017

RS:Lava Jato Gaúcha envolve políticos e ex-diretores do Trensurb



Eliseu Padilha, Marco Maia e ex-diretores petistas do Trensurb são investigados.

À Operação Lava Jato, o executivo Valter Lana, delator da Odebrecht, detalhou como se deu o pagamento de propina sobre obras da Linha 1 da Empresa de Trens Urbanos de Porto Alegre S.A. – Trensurb (São Leopoldo – Novo Hamburgo), no Rio Grande do Sul.

Segundo os delatores Benedicto Júnior e Valter Luis Arruda Lana, ex-executivos da empreiteira, tanto os petistas Marco Maia (à esquerda) e Paulo Bernardo (à direita) quanto o peemedebista Eliseu Padilha cobrarasm propina para a construção da linha 1 da Trensurb, ligação entre Novo Hamburgo (RS) e São Leopoldo (RS).

Marco Maia (à esquerda) pediu propina de 0,55% do contrato de 323 milhões — ou seja, cerca de R$ 1,77 milhão. Maia seria o Aliado.

Padilha teria pedido quase o dobro, 1% — o equivalente a R$ 3,2 milhões. O apelido dele no sistema de propina da Odebrecht, para esse episódio, seria Bicuíra.

Já Paulo Bernardo teria pedido propina de 1%, também equivalente a R$ 3,2 milhões.

“Os pagamentos dos gaúchos, Eliseu Padilha, Marco Maia, Marco Arildo e Kasper, foram todos equacionados através do doleiro Tonico. Esses recursos todos eram distribuídos através do Nilton Coelho. Nunca fiz entrega. Acho eu, tenho certeza que o Nilton se relacionava com os três para entregar esses… Não foi ele que combinou, mas foi ele que fazia”, declarou.

Um comentário:

  1. A obra da Trensurb não custou R$ 323 milhões e sim mais de R$ 1 bilhão.

    ResponderExcluir

Atenção:
Comentários ofensivos a mim ou qualquer outra pessoa não serão aceitos.