15 de fev de 2019

Saab negocia segundo lote de caças Gripen E com o Brasil

                           FONTE: FlightGlobal
Saab Gripen E 39-9, segundo avião de testes, decolando para o primeiro voo

A Saab continua a progredir bastante com seu programa Gripen E, com o executivo-chefe Hakan Buskhe revelando que lançou a produção em série do caça no início deste ano.

Falando durante uma apresentação anual de resultados em 15 de fevereiro, Buskhe disse que o avanço do programa foi feito “na primeira semana de janeiro”. A Saab está sob contrato para produzir 60 exemplos do tipo de nova geração para a Força Aérea Sueca e 36 exemplos de modelos E/F em parceria com a Embraer para o Brasil.

Após as primeiras entregas agendadas para ambos os clientes antes do final do ano, espera-se que o Gripen E esteja disponível para uso na Suécia a partir de 2021, de acordo com a administração do material de defesa FMV de Estocolmo. A capacidade operacional inicial foi definida anteriormente para 2023.

Enquanto isso, Buskhe confirma: “Estamos discutindo um novo lote para o Brasil”, e sugere que a aquisição subseqüente possa ser feita por volta de 2021 ou 2022. O comandante da Força Aérea Sueca também indicou recentemente o interesse de seu serviço em potencialmente adquirir outro lote de 60 do tipo, ele observa.

Outras oportunidades de exportação também estão sendo observadas pelo caça monomotor. “Acabamos de entregar nossa proposta à Suíça e Finlândia, e estamos em discussão com o Canadá”, disse Buskhe. A Saab também está olhando para as exigências da Croácia, ele confirma, depois que a planejada aquisição de Lockheed Martin F-16s colapsou recentemente.

A proposta da Saab para a Finlândia totaliza 64 Gripen E/Fs, enquanto a Suíça está sendo oferecida 30 ou 40 exemplares de assento único. As decisões de aquisições de ambas as nações são esperadas por volta de 2021.

Respondendo a uma pergunta sobre a disposição da empresa sueca de colaborar em futuros programas europeus de aviões de combate, Buskhe diz que até agora não viu detalhes sobre um projeto franco-alemão recém-lançado. No entanto, ele confirma que teve “discussões muito proveitosas com o Reino Unido e parceiros” sobre o conceito Tempest.

Primeiro Gripen brasileiro em montagem final na Suécia


 Visão em corte dos principais sistemas do caça Gripen E (clique na imagem para ampliar)

Plácido de Castro encontra saída econômica para o Acre: plantar café


Bons ventos correm pela região de Plácido de Castro, distante pouco menos de 100 km de Rio Branco. A cidade de pouco menos de 20 mil habitantes, está com a esperança renovada e graças ao apoio do prefeito Gedeon Barros (PSDB), produtores rurais estão apostando na cultura do café.

A beleza captada pelas lentes do vídeomaker do ac24horas, Kennedy Santos, não chegam perto do brilho nos olhos do produtor Anésio Rodrigues, quando fala da área do tamanho de sete campos de futebol que ele cuidou para plantar café. E esse brilho não é apenas dele, porque mais de cem pessoas da região já se cadastraram para participar de um dia de campo na Colônia Santa Maria, na BR-475.

O gigante tapete verde formado pelo plantio do café chamou atenção de pesquisadores, técnicos e agrônomos. O governo do Acre e prefeitura de Plácido de Castro se uniram, numa cooperação técnica e agora os produtores rurais estão tendo chance de conhecer a melhor maneira para cultivar o café. Conheça a riqueza que vem do interior.

Brasil terá game em homenagem à FEB

Defesa TV - Desenvolvido por jovem de Minas Gerais, Smoking Snakes, contará um pouco da história da Força Expedicionária Brasileira durante a Segunda Guerra Mundial. Ainda em desenvolvimento, ele coloca o jogador na pelo dos pracinhas brasileiros na Segunda Guerra

Yam Wanders - O game, que encontra-se em fases finais de criação, é uma obra do desenvolvedor web e games Dênis Fernandes de 27 anos. Morador de Juiz de Fora, Minas Gerais, Dênis conta que a ideia de criar um jogo sobre a FEB vem desde a infância.

“Me interessava por jogos em primeira pessoa como por exemplo, Medal Of Honor. Na época já me questionava o motivo de não existir um game contando a participação do Exército Brasileiro na segunda guerra mundial.”. Conta em um bate-papo exclusivo com o Eu,Rio!

Formado como desenvolvedor de websites, Dênis logo se interessou pelo desenvolvimento de games, chegando a criar alguns protótipos, mas nunca lançados.

A criação de Smoking Snakes, que na tradução literal significa “Cobras Fumantes”, como os soldados brasileiros ficaram conhecidos, começou de fato em 2015. O foco de Dênis foi tanto, que o jovem mineiro chegou a largar o emprego de desenvolvedor de websites para dar mais atenção ao game.

“Em 2017 resolvi largar meu emprego, já não estava satisfeito e tinha muito mais interesse no Smoking Snakes. No mesmo ano, realizei uma campanha de financiamento coletivo, como o projeto tinha menos visibilidade a campanha arrecadou apenas R$843,00 líquidos com 29 apoiadores, porém serviu como uma boa forma de marketing. Todo o dinheiro arrecadado foi reinvestido no projeto.”

Desde de então, o projeto cresceu de forma gradual. De acordo com Dênis, o próximo passo é lançar o game na plataforma digital de jogos e aplicativos, STEAM.

“Espero que isso sirva para financiar a contratação de ao menos um modelador e um programador. Essas contratações visam acelerar o desenvolvimento do game e elevar a qualidade final do projeto.”

Atualmente o jogo conta com apenas um mapa e um modo de jogo online (Team Death Match). “Muito do que foi feito até aqui se resumiu a desenvolver a “tech stack”, isto é, a parte técnica do projeto e nas próximas etapas que será adicionado conteúdo de fato, como por exemplo, novos mapas, modos de jogo e armas.”

Conhecida como FEB, a Força Expedicionária Brasileira foi uma força militar brasileira de aproximadamente 25 mil homens e mulheres, que durante a Segunda Guerra Mundial (1939-1945), foi responsável pela participação do Brasil ao lado dos Aliados na Campanha da Itália, em suas duas últimas fases – o rompimento da Linha Gótica e a Ofensiva Aliada final.

Seu lema de campanha “A cobra está fumando”, era uma alusão irônica ao que se afirmava à época de sua formação, que seria “Mais fácil uma cobra fumar cachimbo do que o Brasil participar da guerra na Europa”.

Desde a sua criação, em 1943 até a sua extinção em 1945, a FEB perdeu 450 praças, 13 oficiais e 8 pilotos, aprisionando 20 mil soldados inimigos, além todo o alto escalão das unidades nazifascistas que se encontravam na região.

Para mais informações sobre Smoking Snakes, acesse https://www.facebook.com/smokingsnakesfps/

Com informações via redação Orbis Defense Europa e do site www.eurio.com.br, reportagem de Kaio Serra.

Cade aprova parceria entre Azul e Correios que cria nova aérea


Operação cria empresa logística integrada para prestação de serviços de transporte de carga e malas postais 


O Tribunal do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) aprovou, nesta quarta-feira (13), a criação da joint venture comandada pela companhia aérea Azul e os Correios para prestação de serviços de transporte de carga e malas postais por via aérea e terrestre, em âmbito nacional. A Azul deterá 50,01% da operação, enquanto a ECT ficará com 49,99%.

"As empresas se beneficiam dessa logística integrada na medida em que o ato de concentração possibilita maior efetividade no transporte oferecido pelos Correios e o uso mais rentável dos porões dos aviões da Azul, bem como das suas rotas", diz o Cade em comunicado enviado.

A parceria já havia sido aprovada, também sem restrições, pela Superintendência-Geral do Cade, em dezembro de 2018, que concluiu que a operação não levantava preocupações concorrenciais ou econômicas. Mas algumas empresas habilitadas como interessadas no processo apresentaram recurso contra a decisão, o que levou o caso para julgamento pelo Tribunal da autarquia.

“Foram afastadas quaisquer preocupações concorrenciais, porque a receita advinda do transporte de cargas não é expressiva o suficiente para afetar o mercado de transporte aéreo de passageiros. Assim, concluo que as informações trazidas não alteram em nada o estudo feito pela SG”, afirmou o conselheiro Maurício Oscar Bandeira Maia após a decisão do Cade.

O plenário encaminhou cópia do voto e da certidão de julgamento para o Tribunal de Contas da União. A necessidade de licitação dos Correios para contratação da Azul é objeto de processo na corte de contas.

A parceria para a abertura de uma empresa da Azul e dos Correios foi anunciada em dezembro de 2017.  A operação tem o objetivo de movimentar aproximadamente 100 mil toneladas de carga por ano.

Gladson Cameli autoriza contratação imediata de 15 médicos veterinários e 20 técnicos



O governador do Estado do Acre, Gladson Cameli, determinou que o Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal do Acre (Idaf) cumpra os requisitos necessários para que o estado cumpra as normas estabelecidas pelo Programa Nacional de Erradicação e Prevenção da Febre Aftosa. A reunião realizada na Casa Civil nesta quarta-feira, 13, contou a participação do deputado estadual Neném Almeida, do secretário de Estado de Produção e Agronegócio, Paulo Wadt, do chefe da Casa Civil, José Ribamar Trindade e de empresários ligados a produção rural.

“Estamos levantando a bandeira do agronegócio como prioridade em nossa gestão e não podemos nos descuidar a partir de agora e vamos dar as condições necessárias para garantir que o estado continue livre da febre aftosa”, ressaltou.

Com o novo cenário, será preciso intensificar a fiscalização no campo e nas barreiras sanitárias. Durante reunião com o governador Cameli, o presidente do Idaf, Rogério Melo, explicou que o quadro de profissionais do instituto é deficitário e solicitou a realização de novas contratações.

“A ideia é que essas contratações supram nossas demandas durante o ano de 2019 até que possamos conseguir realizar um concurso público. O governador Gladson Cameli sinalizou essa possibilidade e estamos muito otimistas”, frisou.

O pedido foi prontamente atendido por Gladson Cameli. De imediato, serão chamados 15 médicos veterinários e 20 técnicos agropecuários para atuarem de maneira emergencial no Idaf.

Em março, Acre e Rondônia iniciam a última campanha de vacinação contra a doença. O cronograma determina ainda que a vacina não deve ser mais aplicada a partir do mês de julho deste ano.

O fim da imunização é uma pressão do mercado internacional, sobretudo de países compradores da carne bovina brasileira. No país, apenas o estado de Santa Catarina não vacina o gado contra a aftosa.

Atualmente, o rebanho acreano é estimado em 3,3 milhões de cabeça de gado espalhadas em mais de 24 mil propriedades rurais.

USS Hornet é encontrado após 76 anos a 5000 metros de profundidade. 140 americanos perderam a vida. O Porta-aviões foi afundado durante a Batalha das Ilhas Santa Cruz, no Pacífico, em 26 de outubro de 1942



Um pouco da história sobre os Hornets

Os gráficos que mostram o exato momento em que mercado comemorou os pontos da Previdência


O Ibovespa disparou 1.000 pontos em apenas quatro minutos assim que o governo apresentou a idade mínima e o tempo de transição da proposta

              Jair Bolsonaro 

A reação do mercado ao anúncio do governo dos primeiros pontos definidos da reforma da Previdência foi de grande euforia. Em um dia que até então era bastante volátil, o Ibovespa disparou 1.000 pontos em apenas quatro minutos assim que o governo apresentou a idade mínima e o tempo de transição do projeto escolhido por Jair Bolsonaro.

Às 17h07, o índice operava em 96.398 mil pontos, arrancando para 97.326 pontos às 17h11 conforme o secretário especial da Previdência e Trabalho, Rogério Marinho apresentava os primeiros números da reforma. Do início do rali até o fechamento o benchmark da bolsa disparou 1.800 pontos, encerrando em 98.015 pontos, com alta de 2,27%.

Segundo Marinho, a proposta coloca um período de 12 anos de transição, ao fim do qual a idade mínima ficará em 65 anos para os homens e 62 anos para as mulheres. Confira a reação do Ibovespa após a notícia:

O dólar também teve uma forte reação ao anúncio. O contrato futuro com vencimento em março, que passou boa parte do dia em alta, já operava no negativo, mas de forma discreta. A moeda então passou a cair forte (veja abaixo). Vale ressaltar que o dólar comercial fechou pouco antes da notícia, não refletindo a euforia com a reforma.



Segundo o Estadão, Bolsonaro queria uma idade mínima de 60 anos para mulheres e 65 anos para homens, com uma transição mais longa. Por outro lado, o ministro Paulo Guedes defendia idades mínimas iguais de 65 anos e uma transição de apenas 10 anos. O texto final acabou ficando em um meio termo entre as duas propostas.

A proposta ainda deve demorar uma semana para ir ao Congresso porque precisa ser avaliada por outras instâncias dentro do governo para verificar, por exemplo, se existe alguma inconstitucionalidade no texto. É possível que até sua assinatura a reforma ainda passe por alguma pequena mudança.

O secretário afirmou que o presidente deve assinar a proposta na próxima quarta-feira, dia 20 de fevereiro. No mesmo dia, o texto será entregue ao Congresso e serão revelados os detalhes, com um pronunciamento feito por Bolsonaro. Marinho disse esperar que a proposta seja "brevemente" aprovada pelo Congresso Nacional. "O Brasil precisa e tem pressa de voltar a crescer".

14 de fev de 2019

Brasil está pronto para atuar pela paz no Oriente Médio, diz Araújo



Jonas Valente - O Brasil está pronto para contribuir com os esforços de busca pela paz no Oriente Médio. A afirmação foi do ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, na conferência convocada para discutir os conflitos na região e as formas de resolvê-los ou de reduzir as tensões. O evento ocorre em Varsóvia, na Polônia .

Segundo o chanceler, o Brasil quer levar sua voz para este debate. “Nós acreditamos fortemente que precisamos trabalhar a partir dos princípios de liberdade e dignidade humana, incluindo a liberdade religiosa, e aqui é importante especial atenção para as comunidades cristãs na região”, disse o chanceler.

O esforço de persecução da paz na região deve considerar, acrescentou, os princípios de identidade e sentimento de nação. “Pensamos que abandonar seu país e seus sentimentos não é a forma de chegar à paz. Nós acreditamos que cada nação pode encontrar na sua identidade e cultura a força para lutar pela paz”.

Diplomacia
Em seu discurso, Araújo defendeu uma diplomacia mais “franca”. Ele criticou o que chamou de dificuldades nas relações exteriores, por vezes marcadas por uma prática de inação. As Nações Unidas, avaliou, teriam se tornado muito “autocentradas”. “Elas criaram a noção de que qualquer solução deve ocorrer por meio de discussões infindáveis e, quando você alcança alguma forma de resolução, é apenas uma questão de texto, e não de um acordo real”, disse.

A conferência foi convocada pelo governo polonês e tem a participação de mais de 60 países. Nações do Oriente Médio, como o Irã, o Líbano, a Turquia e a Autoridade Palestina, não compareceram. O governo russo também não enviou representação. A China não foi convidada para o evento.

Além de Araújo, o evento teve a participação do primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, do vice-presidente dos Estados Unidos Mike Pence e do ministro das Relações Exteriores do país anfitrião, Jacek Czaputowicz, entre outros.

O ministro de relações exteriores do Irã, Javad Zarif, usou sua conta no Twitter para criticar o encontro. Ele atribuiu a iniciativa a um movimento dos Estados Unidos para articular sua influência na região.

Governo propõe idade mínima de 65 anos para homens e 62 para mulheres


Reforma da Previdência será enviada ao Congresso na quarta-feira

O secretário especial de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, fala sobre a reforma da Previdência, após reunião com o presidente Jair Bolsonaro  - Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Marcelo Brandão - O presidente Jair Bolsonaro e a equipe econômica do governo decidiram que a proposta de reforma da Previdência fixará uma idade mínima de 65 anos para aposentadoria de homens e 62 anos para mulheres, com um período de transição de 12 anos. A proposta de reforma do sistema previdenciário será encaminhada ao Congresso na próxima quarta-feira (20).

As informações são do secretário especial de Previdência, Rogério Marinho, ao final da reunião com o presidente, no Palácio da Alvorada. Foram cerca de duas horas de reunião, com a participação dos ministros da Economia, Paulo Guedes; da Casa Civil, Onyx Lorenzoni; e da Secretaria de Governo, Carlos Alberto dos Santos Cruz.

Marinho disse que a equipe econômica defendeu uma idade mínima de 65 anos para homens e para mulheres. Já o presidente discordava da idade mínima das mulheres: queria 60 anos. Além disso, o tempo de transição desejado pelos economistas era de dez anos, algo também negociado por Bolsonaro, que queria 20 anos de transição. No final, o consenso ficou em 12 anos.

O secretário especial de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, fala à imprensa sobre a reforma da Previdência, após reunião com o presidente Jair Bolsonaro no Palácio da Alvorada.

Pronunciamento
Depois de assinar o texto da reforma, na próxima quarta-feira, Bolsonaro vai fazer um pronunciamento à nação para explicar a necessidade de mudar as regras para aposentadoria no país. “O presidente fará um pronunciamento à nação, explicando de que forma essa nova Previdência vai ser encaminhada ao Congresso para ser discutida. E esperamos que seja aprovada brevemente”, disse Marinho.

Segundo Marinho, os detalhes da proposta só serão conhecidos na quarta-feira. “O presidente bateu o martelo e pediu para que divulgássemos apenas algumas informações. O conteúdo do texto vai ficar para o dia 20. Os detalhes da proposta serão conhecidos pelo Congresso Nacional, até como uma deferência ao Parlamento”.

O texto já havia sido formatado ao longo das semanas e foi trazido para aprovação final do presidente. “Ao longo do período da elaboração da proposta, o presidente estava sendo informado periodicamente. Voltamos hoje com o texto já finalizado”, disse o secretário. Após as alterações negociadas entre Bolsonaro e sua equipe, o texto vai para a área técnica da Presidência da República, onde será validada sua constitucionalidade antes que o presidente possa assinar.

O governo calcula que a reforma vai permitir uma economia de R$ 1 trilhão nos próximos dez anos. Por se tratar de uma proposta de emenda constitucional (PEC), a reforma da Previdência precisa ser votada em dois turnos na Câmara e depois no Senado, com apoio de no mínimo dois terços dos deputados e dos senadores em cada votação.

*Colaborou Wellton Máximo

Acre pode ganhar voos para o Peru e Colômbia

A Tribuna - A Empresa Estadual de Turismo do Amazonas (Amazonastur) pretende criar novas rotas que permitirão voos do Acre para Puerto Maldonado e Iquitos, no Peru, e até mesmo para Leticia na Colômbia.  O assessor técnico da Amazonastur Orlando Câmara, reuniu-se na terça-feira, 12, com representantes do governo peruano e da MAP Linhas Aéreas.

O intuito é  criar novas rotas, como Manaus–Puerto Maldonado (Peru) e Manaus–Iquitos (Peru), com escalas em Rio Branco (AC), e em Letícia, na Colômbia, respectivamente.  A reunião aconteceu no consulado do Peru em Manaus.

As possíveis rotas podem entrar em vigor a partir do segundo semestre, segundo Orlando. “Já houve uma primeira tratativa com o ministro do Comércio Exterior e Turismo do Peru. Agora, estamos consolidando as possíveis rotas, já para o segundo semestre de 2019”, afirma o assessor técnico. Os voos levarão benefícios aos três países no setor turístico.

Uma deficiência grande do Amazonas é essa ausência de voos diretos para a Europa. “Estamos trabalhando também no destino Europa-direto, mas essa conexão com o Peru, por exemplo, pode facilitar e muito isso”, comentou Orlando Câmara.

No Brasil há seis companhias aéreas e a MAP é uma delas especializada na Amazônia, e com interesse em consolidar as novas rotas, de olho no mercado europeu.

Participaram da reunião com a Amazonastur o diretor comercial do Peru na Região Norte, Victor Hugo Rondón; o cônsul-geral do Peru em Manaus, ministro Gonzalo Guzman; o diretor executivo da MAP Linhas Aéreas, Héctor Hamada; e o diretor comercial da MAP, Alexandre Nascimento.

Veja situação da BR - 364 entre Jaci Paraná e Velha Mutum indo pra Guajará Mirim e Rio Branco

Bolsonaro: ministério foi rápido para preencher vagas no Mais Médicos


Carolina Gonçalves - O presidente Jair Bolsonaro elogiou hoje (14), em sua conta no Twitter, o trabalho do Ministério da Saúde no preenchimento das vagas do Mais Médicos. A pasta conseguiu cobrir a lacuna de atendimento em saúde aberta há quase dois meses, quando o governo cubano suspendeu a participação no programa brasileiro.

“De forma irresponsável, Cuba suspendeu sua participação subitamente, colocando em xeque o caráter humanitário do acordo feito com o PT. Oferecemos asilo aos que cidadãos queriam ficar em nosso país. A esquerda mesmo assim poupou a ditadura e colocou na conta do novo Governo”, disse o presidente.

Bolsonaro disse que a equipe comandada pelo ministro Luiz Henrique Mandetta agiu rapidamente e conseguiu concluir o processo com o registro de brasileiros formados no exterior que declararam interesse em atuar no Mais Médicos.

“Eles receberão seus salários de forma integral e terão a liberdade necessária para uma vida digna. A resposta para quem torce contra o Brasil é o trabalho. Vamos em frente”, afirmou Bolsonaro.

O presidente ainda criticou a reação de Cuba em relação às declarações feitas por ele a respeito das condições impostas aos profissionais de saúde cubanos que atuavam no país e alertou que milhões de pessoas poderiam ter ficado sem atendimento. “Meses atrás exigimos que a ditadura cubana revisse as regras impostas aos profissionais cubanos participantes do Mais Médicos, que recebiam apenas uma pequena parte de seus salários e não tinham liberdade para ver seus familiares.”

Governo e Banco da Amazônia anunciam quase R$ 700 milhões em investimentos

O protocolo foi assinado durante solenidade realizada na Casa Civil (Foto: Odair Leal/Secom)

Eduardo Gomes - O governador Gladson Cameli e o presidente do Banco da Amazônia (Basa), Valdeci Tose, anunciaram nesta quarta-feira, 13, um investimento superior a R$ 696 milhões de reais destinados ao incremento das áreas produtivas no Acre.

O protocolo de intenções foi assinado durante solenidade realizada na Casa Civil e reuniu representantes do Estado, Município, federações de classe e Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae).

“Esse é um momento de crescimento para os produtores e confiabilidade do governo. São recursos mais práticos, com juros menores e prazos diferenciados para pagamento. As pessoas precisam acreditar que este é o momento de se investir”, disse Valdeci Tose, presidente do Basa.

Serão disponibilizados quase 700 milhões de reais para investimentos (Foto: Odair Leal/Secom)

O documento prevê ações práticas dos entes envolvidos em todos os 22 municípios acreanos. O Basa vai executar um plano de ação para estimular a abertura de contas e aplicações de crédito. O valor disponível é oriundo do Fundo Constitucional de Investimento do Norte (FNO).

“Vamos fazer o dever de casa para que esses recursos cheguem a quem realmente precisa. Nós vivemos um novo momento e até o nosso Produto Interno Bruto (PIB) deverá dobrar após os ajustes fiscais. Estamos fazendo um esforço tremendo para colocar o Acre nos trilhos e somos parceiros de quem quiser incentivar o crescimento do nosso Estado”, disse o governador Gladson Cameli.

O Banco da Amazônia é uma das principais instituições financeiras apoiadoras do agronegócio (Foto: Odair Leal/Secom)

Investimentos Banco da Amazônia
O Banco da Amazônia mantém dez agências no estado e investiu 317 milhões de reais na agricultura familiar nos últimos cinco anos. A ideia é oferecer alternativas que possibilitem o retorno dos empresários ao investimento real, contribuindo para a saída da crise.

Do montante disponibilizado pelo Basa, 637 milhões serão utilizados para fomento das cadeias produtivas e do agronegócio. Os 58 milhões restantes deverão financiar as iniciativas de crédito comercial.

Em números totais o banco público é responsável por 65,6% do crédito de fomento, 34,8% dos créditos totais e 3,1% da captação de mercado das operações financeiras no Acre.

13 de fev de 2019

General brasileiro assumirá posto no Comando Sul do Exército dos EUA


Southcom tem com tarefa defender a política de segurança dos EUA na América Central, América do Sul e o Caribe. (Divulgação)
Sul 21/Marco Weissheimer - O Almirante Craig S. Faller, chefe do Comando Sul das Forças Armadas dos Estados Unidos, revelou que um general brasileiro assumirá, ainda este ano, o posto de vice-comandante de interoperabilidade do Exército Sul norte-americano, o primeiro oficial brasileiro a ocupar esse posto e a ficar subordinado à cadeia de comando dos militares dos EUA. O anúncio foi feito dia 9 de fevereiro durante depoimento do almirante Craig Faller ao Comitê sobre Forças Armadas do Senado dos EUA. O Comando do Sul das Forças Armadas dos EUA (SOUTHCOM) integra tropas do Exército, da Força Aérea, da Marinha e da guarda costeira dos Estados Unidos e tem com tarefa defender a política de segurança dos EUA na América Central, América do Sul e o Caribe.

No documento de 20 páginas entregue aos senadores íntegra, o almirante detalha a estratégia dos militares dos EUA para a América Latina, apontando países aliados e inimigos a serem combatidos. Entre os aliados, Faller destaca Colômbia, Brasil e Chile como parceiros para uma estratégia de segurança regional e global. Entre os inimigos, o documento cita nominalmente Rússia, China, Irã, Venezuela, Cuba e Nicarágua como ameaças aos interesses dos Estados Unidos na região. Esses países, diz o documento, e “um sistema de ameaças inter-relacionadas desafiam a segurança de nossos parceiros e da região”. E acrescenta: “Enfrentar esses desafios requer esforços de todo o governo (dos EUA), liderados por nações parceiras em um ritmo que possam sustentar, para fortalecer as instituições democráticas e expandir as oportunidades econômicas. Muitas vezes, melhorar a segurança é o primeiro passo”.

Almirante Craig Faller (Divulgação)
Rússia e China, afirma ainda o relatório apresentado aos senadores norte-americanos, “estão expandindo sua influência no Hemisfério Ocidental, muitas vezes à custa dos interesses dos EUA”. O documento cita ações apoiadas por estes países na Venezuela, Nicarágua e Cuba que “a segurança e a prosperidade hemisférica”. “As ações desses três estados, por sua vez, prejudicam a estabilidade e o progresso democrático em toda a região. Como principal patrocinador estatal do terrorismo no mundo, as atividades do Irã na região também são preocupantes”. Sem entrar em maiores detalhes, Craig Faller menciona uma recente ação de autoridades brasileiras que teriam prendido um membro importante do grupo libanês Hezbolah na fronteira Sul do Brasil.

Ainda segundo o chefe do Comando Sul, a “Rússia continua a usar a América Latina e o Caribe para espalhar desinformação, coletar informações sobre os Estados Unidos e projetar poder”. O envio de dois bombardeiros com capacidade nuclear pela Rússia para a Venezuela, cita, “foi planejado como uma demonstração de apoio ao regime de Maduro e como uma demonstração de força aos Estados Unidos”. 

Em relação a China, Faller diz que muitos países estão começando a reconhecer a “ameaça que é hipotecar o seu futuro para a China”. Segundo ele, a China adota práticas de empréstimos “predatórios e não transparentes” para exercer influência política e econômica na região. O militar destaca que a China prometeu cerca de R$ 150 bilhões em empréstimos para diversos países do hemisfério Sul.

O documento afirma ainda que as Forças Armadas brasileiras se unirão este ano a uma rede logística para apoiar possíveis ações militares dos EUA na região. Hoje, “quando o apoio militar dos EUA é necessário”, assinala o informe, há uma base em Honduras que fornece “flexibilidade operacional e agilidade”. Em 2018, oficiais chilenos e colombianos foram integrados a essa rede de suporte. “O Brasil se unirá ao SPMAGTF (Special Purpose Marine Air-Ground Task Force) este ano, além de liderar nosso exercício naval multinacional UNITAS AMPHIB”, anuncia.

Isso permitirá, assinala, o “estabelecimento de uma força-tarefa multinacional para apoiar a resposta humanitária, uma capacidade que não empregamos desde o terremoto no Haiti em 2010”. E acrescenta: “Com base nessa iniciativa, estamos trabalhando com aliados e parceiros para desenvolver um conceito para uma força-tarefa multinacional capaz de agir em diferentes escalas e que trabalha dentro das estruturas de cooperação de segurança existentes para melhorar nossa capacidade coletiva de responder rapidamente às crises”.

Caminhonete do Tribunal de Contas cai em buraco durante inspeção em Rio Branco



Servidores do Tribunal de Contas do Estado do Acre (TCE) passaram sufoco na tarde dessa terça-feira, 12, depois que o veículo caiu em um buraco, na cidade de Rio Branco.


O motorista da caminhonete levava auditores do TCE/AC para realizarem uma inspeção na cidade, quando acabou caindo no buraco. Ninguém ficou ferido.

A imagem foi divulgada em vários grupos de uma rede social na noite do mesmo dia em que o fato ocorreu.

Ainda não se sabe a rua, nem o bairro em que o incidente aconteceu.

Data Magna do Conselho Nacional de Oficiais da Reserva

cnor.org.br - O Major Apollo Miguel Rezk não é apenas mais um destaque nacional, é nada menos que o MAIOR HERÓI BRASILEIRO DA 2ª GUERRA MUNDIAL. Foi condecorado com as quatro medalhas de guerra brasileiras, além das medalhas americanas Estrela de Prata e a Cruz dos Serviços Notáveis, esta última, uma das maiores condecorações por BRAVURA do governo dos Estados Unidos até hoje. Ele foi o ÚNICO não-norte-americano a receber tal honraria na Campanha da Itália, na 2ªGM.

Um Oficial R2. Aspirante da Turma de 1939 do CPOR/RJ que, já como Economista formado e 1° Tenente, foi convocado para ir ao Teatro de Operações da 2ª Guerra Mundial junto com outros 432 Of R2, que se incluíam nos 1070 Tenentes e Aspirantes no total.

Dos 1070 oficiais subalternos da FEB, 433 eram R/2. Quase a metade. Dos doze oficiais combatentes tombados no cumprimento do dever, meia dúzia eram da reserva. Exatamente a metade.

A história de Apollo Rezk é motivo de palestras pelo CNOR há décadas. Um herói esquecido.



Morreu já cego, no posto de Major, e bastante debilitado em 1999, quando os EUA mandaram um representante do governo americano para o seu funeral, um Oficial Superior fardado, que falou as seguintes palavras:
Eu não entendo vocês brasileiros. Na minha terra, alguém com as importantes condecorações de guerra do major Apollo, teria recebido, ao longo de sua vida, as homenagens, o respeito e a gratidão do seu povo.

O exemplo de Apollo Rezk (e tantos outros) nos mostra:

A importância dos CPOR/NPOR no Brasil, assim como os ROTC nos EUA;
A capacidade, qualidade, competência e comprometimento de homens em se superar no cumprimento da missão, mesmo sem uma formação de carreira para a profissão das armas;
A prova de que os Of R2 não são melhores nem piores, são na realidade grandes e fundamentais combatentes e parceiros, seja no teatro de operações da guerra, seja no cotidiano da sociedade, onde surgem como destacados líderes em todas as áreas do conhecimento ou ramo profissional. Não deixam nada a dever e elevam o nome do Exército Brasileiro por onde passam.

A medalha mais importante do Sistema CNOR, até hoje entregue a pouquíssimas, distintas e relevantes autoridades/personalidades, leva o nome do nosso herói. Levam também seu nome: um rico museu mantido e organizado pela AORE/RJ, o Ginásio do CPOR do Recife e um mirante no Campo de Instrução de Gericinó. Três oficias R2 das nossas Associações publicaram dois livros sobre sua vida e atuação em combate.

Nesta data em que o Maj Apollo completaria 101 anos de idade, cumprimos um dever de justiça ao instituir, pela Portaria CNOR n° 001.2019, de 7/2/19, o dia 9 DE FEVEREIRO como a DATA MAGNA DO CONSELHO NACIONAL DE OFICIAIS DA RESERVA.

Eis um grande exemplo, legado e inspiração:
Apollo Rezk – O brasileiro mais condecorado da FEB, e expressão máxima dos Oficiais R/2 do Exército Brasileiro.

Um herói do Brasil!

1º Ten R2 Rogério Vasconcelos Jr
Presidente do CNOR

Recife/PE, 9 de fevereiro de 2019

Está comprovado: Mais Médicos era programa ideológico para bancar ditadura de Cuba


Rodrigo Constantino - Quando o governo petista lançou o programa Mais Médicos e logo ficou claro que o grosso das vagas seria preenchido por “médicos” cubanos, os liberais e conservadores logo apontaram para a farsa. Cuba, uma ilha-presídio miserável por conta do socialismo, passou a exportar “médicos” escravos, em esquemas com governos camaradas. A ditadura fica com uns 70% do salário, e manda um mutirão de médicos incapazes de passarem no teste para revalidar o diploma. Tudo com base no mito da boa saúde cubana.


Foi dito que sem esses “médicos” cubanos não haveria atendimento em vários locais mais pobres do Brasil, e que se tratava de questão humanitária. Somente um insensível “fascista” poderia criticar um ato tão nobre e altruísta do governo. Esqueça perguntar sobre transparência do acordo, sobre regime de escravidão desses profissionais, sobre suspeita de muitos serem espiões doutrinadores do comunismo, sobre sua real capacidade no trabalho. Essas eram questões menores, que deveriam ser ignoradas.

Quando Bolsonaro foi eleito com a promessa de libertar esses escravos cubanos, os socialistas chiaram: e os pobres do interior, ficariam sem atendimento? Nenhum médico brasileiro terá interesse em atuar nessas áreas, afirmavam. A decisão era, portanto, um duro golpe nos mais carentes e necessitados. Sem os “médicos” cubanos, adeus medicina em locais remotos! Só os cubanos podem trabalhar ali. E eis que agora vemos a notícia de que TODAS as vagas já foram preenchidas:

O Ministério da Saúde informou na manhã desta quarta-feira que as 1.397 vagas do Programa Mais Médicos que estavam disponíveis para profissionais brasileiros com diploma estrangeiro foram preenchidas. Com isso, todas as vagas do programa foram destinadas a médicos brasileiros.

Após a saída dos médicos cubanos no programa, em novembro do ano passado, 8.517 vagas foram oferecidas. Segundo o ministério, não deve haver chamada para profissionais de outros países para o programa.

A lista com as vagas remanescentes em 667 localidades foi publicada hoje no site do programa. Os 3.822 candidatos aptos tinham até as 18h, de quinta-feira, para escolherem as cidades de atuação. No entanto, todas as vagas foram ocupadas antes das 9h desta quarta.

E eis que mais uma enorme farsa esquerdista cai de maduro. Ninguém precisa dos “médicos” cubanos. Nem mesmo Fidel Castro quis um quando ficou doente, preferindo um espanhol. Já Chávez resolveu acreditar no mito da boa saúde cubana e sabemos o resultado: virou passarinho que conversa com seu sucessor, numa das hipóteses, ou foi se sentar no colo do Capeta, na mais provável delas.

A esquerda não sobrevive sem mentiras. E o tempo é o melhor amigo da razão, expondo os fatos. O problema é que esquerdista sempre ignora os fatos. Por isso o esquerdismo sobrevive, apesar de tudo…

Militares do 61º BIS vão checar marco 76 e encontram apenas placa de explorador


EXÉRCITO BRASILEIRO
BATALHÃO MARECHAL THAUMATURGO DE AZEVEDO

Reconhecimento do Marco 76

Entre os dias 29 de janeiro à 07 de fevereiro o 61º Batalhão de Infantaria de Selva realizou a OPERAÇÃO EXTREMO OCIDENTE II, cuja a finalidade foi confirmar a soberania nacional no ponto mais ocidental do Brasil, com a realização de uma patrulha ao marco 76 no Parque da Serra do Divisor, que dá acesso à Fronteira com o Peru. Durante dez dias a tropa comandada pelo 1º Tenente DOUGLAS ROBERTO BARBOZA DE SOUZA deslocou-se por mais de 150 Km em meio fluvial e mais de 60 km através de selva primária superando ao longo do itinerário inúmeras situações de contingências.

Ao término da operação, os militares foram postados em posição de destaque na formatura semanal do 61º BIS. Ao fazer uso da palavra, o Coronel EDUARDO LEMOS PEREIRA DE ALMEIDA, Comandante da OM, parabenizou a todos pela excelência no cumprimento da missão.

61º BIS, A SENTINELA DO EXTREMO OCIDENTAL DO BRASIL


Ainda no Twitter do Exército Brasileiro
Após 10 dias de missão, o PELOPES do 61BIS alcança o Marco 76, ponto mais ocidental do Brasil. Ao chegar na coordenada prevista, verificou-se que não mais existe o Marco Geográfico, restando apenas uma plaqueta deixada por um explorador. #TudopelaAmazônia #Selva

No Paraná, Major Rocha participa da maior feira voltada para o agronegócio

 O evento reúne diversas empresas para apresentar as novidades do setor (Foto: Cedida)

O vice-governador do Acre, Major Rocha, esteve no Paraná para participar da Feira Show Rural Coopavel, realizada entre os dias 4 e 8 de fevereiro em Cascavel. O evento reuniu as maiores empresas do agronegócio nacional e internacional que apresentaram mecanismos para que os agricultores aumentem a produtividade e conheçam as novas tecnologias disponíveis no mercado.

A expansão do agronegócio é umas das metas do plano de governo do Governo do Acre, em razão disso, o vice-governador e o secretário de Produção e Agronegócio, Paulo Wadt, visitaram a feira para conhecer as novidades do setor. Eles foram recebidos pelo governador do Paraná, Ratinho Junior.

O evento que conta com empresas do mundo inteiro, que buscam apresentar suas inovações, tendências e tecnologia para dar suporte no fortalecimento do agronegócio, teve inicio em 1989, conhecido com Show Rural Coopavel.

Rocha destacou a importância do agronegócio no mundo, e falou da necessidade do Acre adotar este modelo econômico. “Não tenho dúvidas da força do agronegócio e de sua importância. Precisamos de uma base econômica forte e pujante”, destacou ele.

O vice-governador convidou os empresários e investidores do agronegócio para conhecerem o estado e sua capacidade de produção.

“Nosso estado está de portas abertas para o agronegócio. Quem ousar investir no agronegócio no Acre não irá se arrepender. Tudo que se planta nas terras acreanas dá, pois estudos da Embrapa e o nosso ZEE [Zoneamento-Ecológico-Econômico] mostram que nosso solo tem aptidão para a produção de grãos. Ainda temos ligação ao Peru e temos proximidade com o Porto do Rio Madeira”, enfatizou Rocha.

Câmara aprova bloqueio de bens de investigados por terrorismo


Projeto de lei segue para o Senado


Heloisa Cristaldo - O plenário da Câmara dos Deputados aprovou nesta terça-feira (12) a primeira medida da legislatura: o projeto de lei que determina o cumprimento imediato, pelo país, de sanções impostas pelo Conselho de Segurança das Nações Unidas (ONU) relacionadas ao crime de terrorismo, principalmente o bloqueio de ativos. O texto segue para análise do Senado.

Encaminhado pelo Executivo no ano passado, o PL 10431/18 tem como objetivo a prevenção e o combate ao terrorismo, incluindo a lavagem de dinheiro e o financiamento de atos ou grupos terroristas. 

Para que fosse aprovado, o relator do texto, deputado Efraim Filho (DEM-PB), retirou trechos do projeto considerados “ofensivos à soberania nacional” por parlamentares da oposição. O projeto prevê o bloqueio imediato de bens de empresas e de pessoas associadas ao terrorismo e também a proliferação de armas de destruição em massa. 

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, preside a primeira sessão de votações da nova legislatura

Atualmente, a legislação brasileira já prevê o bloqueio de bens, que é determinado por meio de autorização judicial, o que segundo a ONU, deixa o processo demorado. O novo dispositivo prevê que o bloqueio seja homologado pelo Executivo.

O relator também excluiu do texto dois dispositivos que davam ao Ministério da Justiça e ao Ministério de Relações Exteriores a prerrogativa de decidir qual brasileiro poderia ter seu nome incluído em lista do Conselho de Segurança da ONU, sem prévia ordem judicial, destinada a indicar ativos passíveis de bloqueio por acusação de participação em atos de terrorismo ou seu financiamento. 

A recomendação para a medida veio do Grupo de Ação Financeira (Gafi), que reúne 35 países. Em 2010, o grupo apontou deficiências na legislação brasileira e as medidas necessárias para a correção. Vários aspectos legais foram solucionados, exceto a legislação sobre o bloqueio de bens. Como já foi advertido, o país pode sofrer sanções da ONU caso não reveja a lei.

Após a votação, o presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), descartou que a medida se trate de criminalização de movimentos sociais, mas de "sanções da ONU, ao qual o Brasil é signatário". "A ONU nunca vai criminalizar movimento social, até porque eles não têm nem essa força do ponto de vista jurídico no nosso país", disse.

Greve contra privatização de estatais é ato abusivo, define tribunal


Trabalhadores que deixarem de exercer suas funções para protestar contra a venda dessas companhias à iniciativa privada podem ter os salários descontados


O Tribunal Superior do Trabalho, por meio da Seção de Dissídios Coletivos, decidiu na segunda-feira, 11, que greves e paralisações contra a privatização de empresas estatais é ato abusivo. Sendo assim, trabalhadores que deixarem de exercer suas funções para protestar contra a venda dessas companhias à iniciativa privada podem ter os salários descontados.

A decisão foi fechada por quatro votos a seis, com o ministro Ives Gandra Martins Filho definindo o resultado. De acordo com ele, greves não podem ter objetivos políticos não relacionados às relações de trabalho e esse tipo de protesto não se trata de uma causa trabalhista. Votaram com ele os ministros Aloysio Corrêa da Veiga, Renato Lacerda Paiva e Dora Maria da Costa.

No entendimento do relator da matéria, ministro Maurício Godinho, greves deste tipo visam a manutenção dos empregos e, por isso, não podem ser consideradas políticas.

Na ocasião, os ministros ainda discutiram e avaliaram a greve realizada por funcionários da Eletrobras em junho de 2018, quando foi anunciado que as negociações para a venda da estatal estavam avançando.

Segundo a companhia, a paralisação resultaria em problema no abastecimento de energia elétrica do Brasil todo.

12 de fev de 2019

Grã-Bretanha vai enviar porta-aviões para o Pacífico


               FONTE: SCMP – South China Morning Post
HMS Queen Elizabeth lança jato F-35 (clique na imagem para ampliar)

Londres insta o Ocidente a estar pronto para flexionar a força militar no Pacífico, enquanto a Marinha dos EUA aumenta as atividades no Mar da China Meridional; mensagem dura pode ser parte do esforço para salvar as aparências para recuperar a confiança atingida pelo Brexit, diz analista chinês

As potências ocidentais devem estar preparadas para apoiar seus interesses com o poder militar, assim como a Grã-Bretanha está preparada para enviar seu novo porta-aviões ao Pacífico, disse na segunda-feira o secretário de Defesa britânico, Gavin Williamson.

Falando em Londres no Royal United Services Institute, um grupo de estudos britânico, Williamson disse que os aliados ocidentais devem estar preparados para “usar o poder duro para apoiar nossos interesses” e não intervir contra potências estrangeiras agressivas “arrisca nossa nação a ser vista como pouco mais do que um tigre de papel”.

Ele confirmou que o HMS Queen Elizabeth, o único porta-aviões ativo da Marinha Real Britânica, será enviado para o Pacífico, onde a China está envolvida em uma disputa sobre reivindicações territoriais no Mar do Sul da China.

Ele disse que o porta-aviões, que será a peça central da Royal Navy quando entrar em serviço em 2020, participará da missão junto com os jatos F-35 da Grã-Bretanha e dos Estados Unidos, acrescentando que a Grã-Bretanha deve aumentar a “massa e letalidade” das forças do país.

A mensagem de Williamson veio na medida em que a Marinha dos EUA intensifica suas atividades no Mar do Sul da China. Na segunda-feira, os destróieres norte-americanos USS Spruance e USS Preble entraram em águas a 12 milhas náuticas de Mischief Reef, uma ilha artificial controlada pelos chineses nas disputadas Ilhas Spratly.

A presença da embarcação imediatamente provocou uma forte repreensão do Ministério das Relações Exteriores da China, que disse que os EUA deveriam parar imediatamente as “ações provocativas” que violassem a soberania chinesa.

Wang Yiwei, professor de relações internacionais da Universidade Renmin em Pequim, disse que as operações da Grã-Bretanha seriam diferentes das dos americanos, embora a Grã-Bretanha, como um dos principais aliados dos EUA, tenha seu papel a desempenhar.

Wang disse que as observações de Williamson poderiam ser mais um movimento para salvar as aparências à medida que a Grã-Bretanha luta por seu futuro, particularmente depois do Brexit, acrescentando que, como um antigo império global, a Grã-Bretanha também tem ex-colônias e interesses residuais e influência na região.

 HMS Queen Elizabeth e destróier Type 45

“O principal motivo dos políticos britânicos é recuperar a confiança danificada no futuro do país, já que o Brexit… causou uma enorme incerteza. Eles estão tentando demonstrar força e poder”, disse ele.

A Grã-Bretanha declarou repetidamente sua intenção de aumentar suas atividades em águas asiáticas e realizou operações conjuntas com os EUA. Em janeiro, a fragata HMS Argyll se juntou ao destróier do USS McCampbell para seis dias de exercícios e operações no Mar do Sul da China.

O exercício veio logo depois que o USS McCampbell completou outra “operação de liberdade de navegação” perto das Ilhas Paracel, controladas pela China.

Em agosto, a Marinha Real Britânica realizou sua primeira operação de liberdade de navegação, enviando o navio de assalto anfíbio HMS Albion para patrulhar perto das Ilhas Paracel.

Quatro meses depois, Williamson anunciou planos para construir uma base militar na região, possivelmente em Singapura ou Brunei, para ter uma presença mais permanente no Pacífico ocidental.

Wang disse que tal medida teria consequências negativas, mas não um impacto dramático nos laços entre a China e a Grã-Bretanha.

“A cooperação é mais do que predominante entre os dois lados, e a China não quer mais inimigos”, disse ele.

Já em 2017, o então ministro das Relações Exteriores britânico, Boris Johnson, disse que o HMS Queen Elizabeth patrulharia o Mar da China Meridional assim que fosse desdobrado.

Encomendada em dezembro de 2017, o porta-aviões de 65.000 toneladas com propulsão convencional possui um convés de voo com “ski jump” e pode transportar 36 jatos de combate furtivos F-35B Lightning e 4 helicópteros.

F-35B decola do ski jump do HMS Queen Elizabeth (clique na imagem para ampliar)