18 de jan de 2018

Prefeita Marilete Vitorino anuncia que vai realizar carnaval de rua 2018




Assecom - A Prefeita Marilete Vitorino anunciou nesta quinta-feira, 18, que vai realizar festejos de Carnaval em 2018. Segundo a Prefeita, a medida atende grande parte da população que gosta da folia, uma festa tradicional que é comemorada todos os anos no município.


“O  evento é bastante esperado por foliões e simpatizantes, além de proporcionar uma renda extra a barraqueiros, vendedores e expositores e, ainda aquece ainda a economia da cidade com a vinda de turistas ao município”, frisou a Prefeita.

Uma das ornamentações que vai abrilhantar a festa será produzido com discos de CD. E desde já, a secretaria de Cultura espera as doações daquelas pessoas que têm CD em casa e que já não utilizam mais.

O anuncio de que realização do evento popular está garantida aconteceu em reunião convocada pela prefeita Marilete, com a presença da secretária de Cultura, Edna Yawanawá, Paulo Onofre, a contadora da prefeitura, Ana Palazzo, o engenheiro, Yan Silva, o eletricista, Nilson Filho além do empresário Edgar Albuquerque, proprietário do som.

Toda a programação da festa carnavalesca 2018 em Tarauacá será divulgada em breve.

Com apoio de Gladson e Petecão, Funasa vai tratar água de colonos



O novo superintendente da Funasa, Ronaldo Craveiro, anunciou nesta quarta-feira, 17, no Bujari, o lançamento de um projeto cujo objetivo é tratar água em comunidades da zona rural. Chamada de “Salta ‘Z’”, a novidade vem de Belém, onde um engenheiro criou um sistema simples de tratamento de água capaz de coletar o elemento em qualquer manancial e transformá-lo em potável nas casas de agricultores.

O projeto piloto vai acontecer na comunidade da Bonal, circunscrição do município de Senador Guiomard. “O aparelho vai ser instalado na comunidade para tratar água suficiente para abastecer uma vila, por exemplo”, informa Craveiro. A Funasa selecionará as dez prefeituras onde estão sendo catalogadas pequenas comunidades com muita carência. A princípio, Quinari, Bujari, Plácido de castro, Xapuri e Assis Brasil estão na preferência. A captação de recursos em Brasília para a materialização do projeto é de responsabilidade dos senadores Gladson Cameli (PP) e Sérgio Petecão (PSD).

PF desmonta esquema de exportação ilegal de madeira da Amazônia para EUA e Europa



Pedro Fonseca - A Polícia Federal informou nesta quinta-feira que desmontou um esquema de transporte clandestino de madeira extraída ilegalmente da floresta amazônica destinada a grandes comerciantes madeireiros no Brasil, na Europa e Estados Unidos, em uma operação realizada em parceria com o Ibama em dois portos da cidade de Manaus.

A chamada operação Arquimedes, deflagrada a partir de um alerta da Receita Federal, está em andamento há mais de um mês e já reteve até o momento 444 contêineres, dos quais 20 por cento foram periciados até o momento, de acordo com a PF.

“O material apreendido até o momento, se colocado de forma linear, cobriria um percurso de 1.500 quilômetros, o que equivaleria à distância entre Brasília e Belém, aproximadamente”, disse a Polícia Federal em comunicado.

De acordo com as autoridades, essa é uma das maiores apreensões mundiais de madeira beneficiada já realizada em portos.

Segundo a Polícia Federal, foram descobertas falsificações e outras fraudes nos Documentos de Origem Florestal (DOFs), como diferenças entre o atestado nos documentos e o verdadeiro conteúdo dos contêineres, entre elas a descrição das espécies exploradas.

“As madeiras retidas por ilegalidade documental eram originárias de exploração nos Estados de Roraima, Rondônia e Amazonas, e em torno de 50 por cento delas teria como destino a Europa e os EUA”, informou a PF, acrescentando que os dois portos de Manaus onde a operação foi deflagrada são responsáveis pelo escoamento da quase totalidade da produção de madeira extraída na Amazônia Legal.

A PF acrescentou que as investigações agora visam a identificar os indivíduos e empresas envolvidos na extração ilegal, no transporte e na comercialização da madeira, e que os envolvidos responderão pelos crimes contra a flora previstos na Lei de Crimes Ambientais e de receptação previsto no Código Penal.

Visitante ilustre - 17/01/2018

Nem os cargos comissionados estão aderindo ao tosco movimento em favor de Lula




O PT criou no Acre um movimento em favor do ex-presidente Lula, cujo objetivo é peitar a Justiça até não querer mais, devido ao julgamento dele dia 24, em Porto Alegre. Tentando a todo custo colocar o “chefe” deles acima da lei, os petistas locais não conseguiram muitas adesões. Nem mesmo uma boa parte dos cargos comissionados tem aderido a esse tosco movimento, que já arrancou até um incontrolável e copioso choro do deputado federal Léo do PT. Era esperado. Lula e Dilma sempre perderam as eleições aqui no Estado.

Quanto custa o seguro dos carros mais vendidos de 2017 em 5 cidades diferentes


A corretora online Bidu analisou o preço dos seguros de cada um dos carros



De acordo com a Fenabrave, o carro mais vendido de 2017 foi o Chevrolet Onix, com mais de 188.654 emplacamentos ao longo do ano. O HB20, Ka e Gol vêm em seguida, além de outros modelos que completam o top 10.

Os três primeiros têm preço médio de seguro variando entre R$ 2.714, caso do Onix, e R$ 3.306, preço do HB20, de acordo com a corretora online Bidu. Esse preço, entretanto, pode ser maior ou menor em algumas cidades do Brasil – o Onix, por exemplo, chega a ter seguro por R$ 3.125, preço praticado em Porto Alegre.

Pensando nisso, a Bidu comparou o preço do seguro de cada um dos modelos mais vendidos em cinco capitais brasileiras: São Paulo, Belo Horizonte, Brasília, Porto Alegre e Rio de Janeiro. O perfil de segurado considerado foi o de um homem de 35 anos, casado, sem filhos e com garagem em casa e no trabalho – normalmente, esse apresenta preços mais baixos.

Confira a seguir os respectivos valores:

Modelo                                    São Paulo  Rio de Janeiro  Belo Horizonte  Brasília  Porto Alegre          Média nacional

Chevrolet Onix                      R$2.828 R$2.629         R$2.596          R$2.394   R$3.125              R$2.714
Hyundai HB20                      R$3.859 R$3.292         R$3.096          R$2.726         R$3.559           R$3.306
Ford Ka                                    R$2.952 R$2.651          R$2.678          R$2.472         R$3.174           R$2.785
Volkswagen Gol                    R$3.762 R$3.411          R$2.925          R$2.665         R$3.489           R$3.250
Chevrolet Prisma                 R$3.134 R$2.773          R$2.676          R$2.386         R$3.023           R$2.798       
Renault Sandero                  R$3.590 R$2.978         R$3.008          R$2.859         R$3.544           R$3.1 96
Toyota Corolla                      R$5.670 R$5.542         R$5.342          R$4.486         R$6.462           R$5.500
Fiat Strada                             R$6.189 R$5.579         R$4.792          R$4.279          R$5.899            R$5.347
Fiat Mobi                                R$2.382 R$2.382         R$2.469          R$2.250         R$2.800           R$2.457
Fiat Toro                                R$5.830 R$4.854         R$4.578          R$4.432 R$5.609           R$5.061

17 de jan de 2018

Reforço da PRF solicitado pelo DNIT vai garantir fiscalização para coibir carga acima do peso na BR-364




Wiliandro Derze - Para garantir que a BR-364 não tenha tráfego superior ao que suporta depois das obras de manutenção realizada em 2017, a superintendência do Departamento de Infraestrutura e Transporte (DNIT) no Acre, solicitou  ao diretor geral do órgão, Valter Casemiro Silveira, que esteve em Porto Velho nesta segunda-feira (15), que intermediasse com a direção da Polícia Rodoviária Federal (PRF) um efetivo maior e constante no trecho da balança entre os municípios de Sena Madureira e Manuel Urbano para controlar a passagem de caminhões de cargas com peso a cima do estabelecido.

De acordo com o DNIT, os pesos limites para se trafegar pela BR 364 nos trechos a partir de Sena Madureira são de 18 toneladas com 3 eixos, 24 toneladas com 4 eixos, 35 toneladas em 5 eixos e 42 toneladas dividido em 6 eixos.

Mas de acordo com a engenheira Karla Costa Alves, que é analista em engenharia de Infraestrutura de transporte e esteve em Porto Velho para conversar pessoalmente com o diretor do DNIT, a pedido do superintendente do órgão no Acre, Thiago Caetano, existe a necessidade de um reforço na BR-364 de agentes policiais para a fiscalização do peso dos caminhões.

“Até temos pessoas para fazer esse trabalho, mas precisamos deixar passar por exemplo, caminhões de combustível para abastecer a usina termoelétrica em Cruzeiro do Sul. Se tiver somente o pessoal do DNIT não teremos como controlar, já que vendo alguns passando todos os outros também irão querer seguir, mesmo acima dos pesos estabelecidos. Com agentes da PRF no local haverá o respeito da força policial e teremos o controle das cargas”, explicou a engenheira.

Karla disse ainda que se não houver neste momento uma fiscalização para conter os excessos de peso, a BR será destruída novamente e poderá fechar. Temos que analisar dessa forma. “Por isso, o superintendente do DNIT no Acre pediu para que eu fosse conversar com o diretor geral, Valter Casemiro que esteve em Porto Velho, para que pudesse viabilizar junto a direção da PRF a importância de haver mais agentes na região acreana.

O diretor geral do DNIT, disse a reportagem do ac24horas que conversou com a direção da PRF que vai viabilizar os agentes para a região. “Vamos discutir somente a questão de logística com o superintende Thiago Caetano, mas vamos garantir essa fiscalização para não deixarmos a rodovia ser danificada e voltar ao estado que a encontramos”, destacou Casemiro Silveira.

“Óscar Pérez foi executado por ordens de Maduro”


Um comunicado da Força de Ação Especial (Faes), que cercou a casa de Óscar Pérez ontem, confirmou nesta manhã a morte do líder rebelde venezuelano.

Ex-prefeito de Caracas e líder opositor em exílio, Antonio Ledezma disse que a execução de Pérez foi realizada sob ordens expressas de Maduro:

“Óscar Pérez foi executado por ordens de Maduro. Esse capítulo se soma ao expediente que circula no Tribunal de Haia, esperando uma sentença contra os que aplicam a pena de morte. Peço ao povo que, em homenagem a estes mártires, não decline na sua luta.”

Tião Viana é o governador do país que menos cumpriu promessas de campanha


G1 revela que dos 25 compromissos do seu plano de governo, o petista honrou apenas dois



Autor de 25 promessas feitas aos eleitores acreanos que o reconduziram ao cargo de governador do Acre, nas eleições de 2014, Tião Viana (PT) é o último colocado no ranking do G1, que mede o desempenho dos mandatários dos 26 estados da Federação, além do Distrito Federal. E o único a apresentar, no terceiro ano de mandato, o pífio resultado de ter cumprido apenas dois dos compromissos registrados em seu plano de governo ou expressos nas entrevistas e debates dos quais participou.

Sobre o governo do Acre, o G1 constatou que Tião Viana cumpriu apenas 16% das promessas de campanha. Ele assumiu 25 compromissos em seu plano de governo, cumpriu apenas dois e outros dois foram parcialmente cumpridos, ou seja, ele está devendo 21.

Entre os melhores, o governador do estado vizinho, Confúcio Moura (PMDB) de Rondônia aparece empatado tecnicamente com o governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB). Marconi Perillo (PSDB), de Goiás, ficou em terceiro lugar. O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB) está em quarto lugar e Raimundo Colombo, de Santa Catarina, em quinto.

Os dez melhores
1° Confúcio Moura – RO –78,78%
2° Flávio Dino – MA – 78,37%
3° Marconi Perillo – GO – 75%
4° Geraldo Alckmin – SP – 70,58%
5° Raimundo Colombo – SC – 69%
6° Camilo Santana – CE –65%
7° Simão Jatene – PA – 63%
8° Marcelo Miranda – TO – 53%
9° Wellington Dias – PI – 52%
10° Paulo Câmara – PE – 51%

Os dez piores
1° Tião Viana – AC – 16%.
2° Fernando Pimentel – MG – 26%.
3° Rodrigo Rollemberg – DF 27% .
4° José Melo – AM –28% .
5° Suely Campos – RR- 34% .
6° Reinaldo Azambuja – MS – 34,78% .
7° Pedro Taques – MT – 34,78%.
8° Paulo Hartung – SC – 38%01.
9° Luís Fernando Pezão – RJ – 41,6%.
10° Waldez Góes – AP – 44,11%.

Para se chegar aos dados, o G1 baseou na execução do programa de governo registrado no TSE, de cada governador, foi somado os itens cumpridos e parcialmente cumpridos, excetuando os itens não cumpridos ainda, e dividindo-se pelo total de compromissos assumidos pelos governadores. A pesquisa foi divulgada ainda em 2017.

Informações: G1 e Contilnet

União Europeia deve impor sanções contra autoridades da Venezuela, dizem diplomatas



Robin Emmott - Governos da União Europeia estão prontos para aprovar a imposição de sanções contra sete autoridades venezuelanas próximas ao governo do presidente Nicolás Maduro na quinta-feira, disseram dois diplomatas da UE, na resposta mais firme do bloco até agora à crise política no país sul-americano.

Autoridades que provavelmente terão viagens proibidas e bens congelados incluem o chefe da Guarda Nacional Bolivariana, o ministro do Interior, o diretor da inteligência nacional e o presidente da Suprema Corte, disseram os diplomatas à Reuters.

As sanções provavelmente serão adotadas e impostas na próxima semana, disseram.

Em Brasília, Prefeita Marilete Busca recursos para o município de Tarauacá



A Prefeita Marilete Vitorino, está em Brasília cumprindo extensa agenda junto à Bancada Federal do Acre e nos Ministérios em busca de recursos para o município de Tarauacá.

Na manhã desta segunda-feira, 16, a Prefeita e Presidente da AMAC, Marilete Vitorino participou de uma reunião com o Ministro da Integração Nacional, Helder Barbalho, Deputado Federal Silas Câmara e Antônia Lúcia, além dos Prefeitos Mazinho Serafim de Sena Madureira e Bené Damasceno de Porto Acre.

Para a Prefeita Marilete Vitorino, “Devemos buscar apoio financeiro em Brasília, pois sabemos da grande crise que afeta todo o pais e sei o quanto o nosso município está precisando de recursos para melhorar a vida da nossa população”, disse.

Entre os assuntos abordados, debateram-se pautas que asseguram a saúde financeira dos municípios.  “Nossa relação com a bancada federal é pautada na parceria. Precisamos solicitar apoio e discutir projetos de interesses do município, para que assim, possamos conseguir cada vez mais benefícios para nossa cidade”, afirmou Marilete.

16 de jan de 2018

Corpo de brasileiro morto na Venezuela chega a cidade na fronteira de Roraima e embarca para o Amazonas


Amazonense Amaury Castro da Silva foi morto com um tiro disparado por um assaltante venezuelano.
Corpo do brasileiro foi levado de Santa Elena do Uiaren, na Venezuela, para Pacaraima, cidade roraimense que faz fronteira com o país vizinho, de onde segue para Manaus. (Foto: Secretaria de Gestão Internacional/RR)


O corpo do turista brasileiro Amaury Castro da Silva, morto durante um assalto perto de Puerto Ordaz, na Venezuela, chegou a Pacaraima, cidade de fronteira ao Norte de Roraima, na tarde desta segunda-feira (15) em um avião cedido pelo governo venezuelano.


Amaury viajava com cerca de 20 pessoas, entre familiares e amigos, em um comboio de nove veículos com destino à Ilha de Margarita, principal destino de turistas brasileiros, quando foi assassinado com um tiro no peito disparado por um dos criminosos.

Antes de chegar a Pacaraima, na fronteira com o país vizinho, a aeronave fez uma parada em Santa Elena de Uiaren, última cidade venezuelana antes de chegar ao Brasil, por volta das 16h (horário local).

De Pacaraima o corpo segue para Manaus, onde Amaury morava, em um avião brasileiro que decolou da pista do Exército. O corpo do amazonense e os familiares foram levados de Puerto Ordaz para Pacaraima em aeronaves venezuelanas, enquanto os amigos retornam com os próprios veículos e devem chegar ao Brasil nesta segunda-feira.

Turista brasileiro morreu com tiro no peito
por assaltantes venezuelanos (Foto: Arquivo pessoal)
O traslado do corpo para o Brasil foi feito com o apoio da secretária-adjunta de Gestão Internacional de Roraima, Fátima Araújo, que contatou as autoridades na Venezuela.

Turista morto em assalto
Amaury Silva morreu na madrugada de domingo (14) em uma rodovia próxima de Pu Ordaz.

Ele viajava com cerca de 20 pessoas, entre familiares e amigos, em um comboio de nove veículos com destino à Ilha de Margarita, principal destino de turistas brasileiros. Eles foram abordados por assaltantes faltando 35 km para chegar ao destino.

A secretária-adjunta descreveu que os ladrões armaram uma emboscada contra os brasileiros, fechando os veículos que iam na frente do comboio. O carro de Amaury era o quarto e foi interceptado pelos assaltantes que estavam em outro automóvel.

A vítima teria reagido, fechando o carro dos criminosos, impedindo que os ladrões roubassem os familiares que estavam nos outros veículos. Em dado momento, Amaury foi baleado no peito e teve os pertences levados pelos bandidos.

*Com informações de Érica Figueredo, da Rede Amazônica Roraima

Deputado que comemorou reajuste dos combustíveis gastou o suficiente para três voltas ao redor do mundo


Leo de Brito (PT) apresentou em 2017 despesas de R$ 62,9 mil, valor equivalente a mais de 13 mil litros de gasolina
 

Ironia 
Repórter perspicaz e sempre atento aos fatos mais relevantes da política local e nacional, Salomão Matos, colunista da Lamparina aí ao lado, revelou que o porta-voz do governo, Leonildo Rosas, compartilhou a postagem no Facebook do deputado federal Léo de Brito (PT), na qual este último ironiza o primeiro aumento de preço da gasolina em 2018.


Herança maldita
Sob o título ‘Quanto pior melhor: petistas comemoram novo reajuste dos combustíveis’, Matos foi no cerne da questão ao revelar o regozijo companheiro sobre a desgraça criada pelos governos de Lula e Dilma, herdada em forma de crise econômica pelo sucessor da ‘presidenta’ impeachmada.

Curiosidade
Não tão perspicaz como o colega Salomão Matos, este colunista, porém, tem a qualidade de ser curioso. E foi ao Portal da Transparência da Câmara dos Deputados apurar os gastos do parlamentar petista com combustíveis e lubrificantes entre janeiro e dezembro de 2017.

Fanfarrão
Enquanto comemora o aumento do preço da gasolina, o fanfarrão Leo de Brito não economiza nas despesas com combustíveis, uma vez que elas acabam sendo pagas por todos nós, contribuintes.

Gastança
Nos 12 meses do ano passado, o deputado apresentou-nos uma fatura superior a R$ 62,9 mil só em combustíveis e lubrificantes. Feitas as contas – tendo como base a média de preço da gasolina na capital do Acre, de R$ 4,75 –, o companheiro, em tese, adquiriu 13.262 litros do produto.

Ele foi longe demais
E considerando que um veículo tipo passeio pode fazer, em média, 9 quilômetros por litro de gasolina, Brito, no desempenho de suas atividades parlamentares, percorreu algo em torno de 119,3 mil km.

Volta ao mundo
E para que o leitor tenha uma ideia do que isso significa, basta mencionarmos que a circunferência da Terra é calculada em 40.075 km. Os gastos de Leo de Brito em 2017, portanto, seriam suficientes para que ele pudesse fazer quase três viagens ao redor do globo – ou, mais precisamente 2,97 voltas. É mole?

Localização
Ao colunista também não passou despercebido que o parlamentar petista fez a postagem (conforme se pode ver no print aqui reproduzido), de Alter do Chão, no Pará. Trata-se de uma aldeia de pescadores, cujas praias de areia fina e águas claras fizeram dela o principal ponto turístico de Santarém. Conhecida também por ‘Caribe da Amazônia’, o local recebe turistas brasileiros e estrangeiros.



À beira-mar
Longe de sugerir que Leo de Brito não tenha direito a folga, ou que não possa ir à praia, o fato é que não bastasse ironizar a agonia dos brasileiros que sentem no bolso as consequências do reajuste dos combustíveis, ele ainda o faz à beira-mar, em pleno gozo de férias em um lugar que a maioria de nós só pode frequentar em sonhos. Haja cinismo!

Feliz 2018, deputado!
E, parodiando o próprio parlamentar do PT, este colunista lhe dá as boas-vindas a 2018, um ano em que os eleitores haverão de decidir se ele deve ou não voltar à boa vida em Brasília.

Palpos de aranha
A propósito da saída do vereador da Capital, Emerson Jarude, do Livres (ex-PSL), anunciada dias atrás, depois da filiação à sigla do pré-candidato à Presidência Jair Bolsonaro, a coluna observou que ele tratou do tema com habilidade, ao contrário do ex-presidente regional da legenda, Rodrigo Pires.



Enorme diferença
Enquanto Pires saiu chutando o pau da barraca, Jarude tratou do assunto com palpos de aranha. Prova de sua sagacidade política, não obstante estar em seu primeiro mandato eletivo.

Soft
Por saber da aceitação de Bolsonaro no Acre, que aqui lidera as intenções de voto para a Presidência da República, Jarude deixou o Livres com um discurso mais soft que o de Rodrigo Pires, evitando bater no presidenciável. Tratou, ao contrário disso, de responsabilizar o presidente da executiva nacional da legenda, Luciano Bivar, pela decisão.

Leitura dinâmica
Apesar de todo o desgaste do PT, a Frente Popular do Acre apresentou dois nomes para o Senado. Assim como falar de Jorge Viana como senador reeleito é uma temeridade, a oposição tampouco deve subestimar a virtual candidatura do deputado Ney Amorim. Em resumo, este ano, no que diz respeito à disputa pelos cargos majoritários, nada está definido até que as urnas sejam abertas.

Proativo
A coluna faz justiça ao desempenho do deputado federal Moisés Diniz (PCdoB), que assumiu a vaga de Sibá Machado (PT). Moisés tem feito um mandato proativo, sempre envolvido em questões importantes para o Brasil e o Acre. É também autor de projetos de lei relevantes, que tramitam na Câmara com grandes chances de aprovação.



Questão de bom senso
Desapegado de cargos e mandatos, ele já anunciou que pode não concorrer nas eleições deste ano, o que seria um grande desfalque para o PCdoB. Apesar de defender ideologias distintas das deste colunista, isso não nos impede de reconhecer as qualidades e a dedicação de Moisés, seja agora na Câmara Federal ou tenha sido na Aleac, onde foi líder do governo. Afinal, diferenças políticas não nos podem toldar o discernimento.

Via redes sociais
Moradores de diversos bairros da periferia da capital têm reclamado, nas redes sociais – postando vídeos inclusive –, da precariedade das vias públicas.

Dupla tarefa
Resta saber se o prefeito e pré-candidato ao governo estadual, Marcus Alexandre (PT), que agora tem a dupla tarefa de resolver as demandas dos moradores do município e pensar nos problemas do Estado, fará o dever de casa antes de renunciar ao cargo, no final de abril.

Contagem regressiva
Como a legislação eleitoral determina que a renúncia se dê seis meses antes das eleições, o petista tem pouco mais de 100 dias para aplacar a exasperação dos moradores de bairros como Vila Acre e Loteamento Farhat, entre outros.

Cortesia não tapa buraco
Sendo assim, Marcus Alexandre vai precisar bem mais do que meras visitas de cortesia, como a feita ontem pelo senador Jorge Viana.

Volvo XC60 é eleito o carro mais seguro do mundo; desempenho foi próximo de 100%


Veículo passou por diversos testes da NCAP Euro



Testes de segurança recentes da Euro NCAP apontam que o novo SUV da Volvo, o XC60, é hoje o carro mais seguro do mundo.


O desempenho geral do veículo ficou próximo dos 100% no: na categoria “ocupantes adultos”, ele obteve 98%; na “assistência à segurança” ele obteve 95%; outro recorde foi o resultado da classificação “ocupantes crianças”, de 87%. Em todas as categorias, o XC60 ficou à frente dos demais carros.

A Euro NCAP escreveu: “Tanto no teste de barreira lateral quanto no de impactos mais severos nos polos laterais, a proteção das áreas críticas do corpo foram boas e ele obteve pontuação máxima. O sistema automático de frenagem de emergência também obteve pontuação máxima nos testes de sua funcionalidade; todas as possíveis colisões foram evitadas por ele”.

Dois recursos e características do carro o colocaram nessa posição: os airbags frontais e laterais e sua estrutura maciça, capazes de amortecer a batida.

O vice-presidente do centro de segurança da Volvo Cars, Malin Ekholm, comentou sobre o novo posto do carro: "Nossa visão é de que, até 2020, ninguém deve perder a vida ou ficar gravemente ferido em um novo carro Volvo".

No Brasil, o XC60 está à venda por preços que variam entre R$ 239.950 e R$ 269.950. Assista a seguir à gravação do teste de segurança:

15 de jan de 2018

Atividade econômica do Brasil avança 0,49% em novembro, mostra BC



Camila Moreira - O Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br), espécie de sinalizador do Produto Interno Bruto (PIB), registrou crescimento de 0,49 por cento em novembro na comparação com outubro, informou o BC nesta segunda-feira.

O resultado ficou em linha com expectativa em pesquisa da Reuters de alta de 0,50 por cento, na mediana das projeções dos especialistas consultados.

PCC financia igrejas e pode influenciar eleição, diz ex-desembargador em entrevista

'Há uma lei do silêncio na periferia de São Paulo', diz Wálter Maierovitch em entrevista a BBC
UOL


Há décadas estudando a ação de organizações criminosas, o desembargador aposentado Wálter Maierovitch diz que o fortalecimento da maior facção brasileira, o Primeiro Comando da Capital (PCC), e o acirramento de conflitos entre gangues nos Estados podem impactar as eleições deste ano.

Em entrevista à BBC Brasil, Maierovitch diz que o PCC ainda não alcançou o peso econômico de antigos grupos mafiosos italianos ou de cartéis colombianos e marroquinos. Mas diz que a facção paulista vem expandido sua atuação e tem força suficiente para influenciar a votação em outubro.

Segundo o desembargador, há relatos de que o PCC patrocina eventos de igrejas na periferia de São Paulo. Afirma ainda que facções criminosas têm interesse em se infiltrar no poder político para costurar acordos que reduzam a repressão policial em certas áreas. Segundo ele, um acordo desse tipo já vigora na periferia de São Paulo.

“A polícia não vai à periferia, onde o PCC atua livre, leve e solto. Há uma lei do silêncio na periferia de São Paulo.”

Em nota à BBC Brasil, a Secretaria de Segurança Pública de São Paulo contestou as declarações; leia o posicionamento da pasta ao fim da entrevista.

A preocupação de que facções influenciem o resultado da eleição deste ano já foi ecoada pelo presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Gilmar Mendes, e pelo ministro do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência, Sérgio Etchegoyen. Ambos têm dito que o fim da possibilidade de que empresas façam doações eleitorais abrem espaço para que o crime organizado financie candidatos por fora.

Ex-professor de Direito Penal da Universidade Mackenzie (SP), Maierovitch se aposentou como desembargador do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo em 1998 para assumir a então Secretaria Nacional de Políticas Antidrogas, no governo FHC.

Em 1993, fundou o Instituto Brasileiro Giovanni Falcone de Ciências Criminais. O órgão foi batizado em homenagem ao principal juiz da Operação Mãos Limpas, que combateu a rede de corrupção entre grupos mafiosos e políticos italianos nos anos 1990. Ele foi morto em 1992 a mando da Cosa nostra, a máfia siciliana, ao viajar por uma estrada forrada com dinamite.


Desembargador aposentado Wálter Maierovitch/Foto: reprodução

Cidadão brasileiro e italiano, Maierovitch será candidato a deputado na próxima eleição para o Parlamento italiano, em março.

Leia a seguir os principais trechos da entrevista:

BBC Brasil – Em 2014, o senhor disse que o PCC estava em um estágio pré-máfia. A situação mudou?

Wálter Maierovitch – A situação piorou com relação à segurança pública. Naquela época, falei em pré-máfia porque o PCC e as outras organizações a que se aliou têm o controle de territórios, principalmente na periferia de São Paulo, e têm o controle social dos presos nos presídios. Basta atentar para as rebeliões, quando os presos são usados como massa de manobra.

São dois dados de identificação de organizações criminosas de matriz mafiosa. O que faltava ao PCC – e ainda falta – é a transnacionalidade.

A situação piorou porque o PCC passou a atuar transfronteiriçamente – nas fronteiras e do lado de lá das fronteiras no Paraguai e na Bolívia. Então aumentou sua musculatura.

BBC Brasil – Qual a diferença entre atuar transnacionalmente e transfronteiriçamente?

Maierovitch – Falta ao PCC investir o dinheiro lavado do crime em outras atividades e ganhar força econômica, ampliar seu “PIB”. A máfia calabresa, por exemplo, investia na bolsa de Frankfurt. O PCC ainda tem uma atuação econômica pouco sofisticada e proporcionalmente pequena se comparada ao peso do narcotráfico na economia da Colômbia ou do Marrocos.

Hoje a criminalidade é mundial, existem redes que colocam drogas e armas à disposição em qualquer parte do mundo. O PCC não consegue montar uma rede própria para expandir serviços fora do Brasil e fazer com que outras organizações se unam a ele. Pelo contrário, ele tende a se plugar a redes internacionais já existentes.

BBC Brasil – O PCC tem o poder de influenciar as eleições deste ano?

Maierovitch – Essa possibilidade existe. Quando o legislador italiano fez um projeto de lei que se tornou a lei antimáfia, foi colocado um artigo que aumenta a pena quando o membro da organização criminosa influencia nas eleições.

Está muito claro que toda organização criminosa de matriz mafiosa pode ter influência em eleições. Em São Paulo, por exemplo, já tivemos um tempo em que o PCC ousou lançar um candidato a vereador. Não prosperaram, pois a candidatura foi impugnada. Agora o que ocorre são candidatos procurarem o apoio do PCC.

BBC Brasil – Como se dá essa relação?

Maierovitch – O PCC está muito infiltrado na sociedade. Em São Paulo, há informações de que ele patrocina festas de igrejas, quermesses. E como toda organização criminosa de matriz mafiosa, o PCC tem poder intimidatório. Como ele controla territórios, quando lança um nome ou uma ordem, as pessoas ficam com medo e obedecem.

A Sicília demonstrou que essa estratégia funciona no período eleitoral. Durante anos, a Democracia Cristã, o maior partido italiano do pós-guerra, tinha todos os votos na Sicília quando era liderada pelo então primeiro-ministro Giulio Andreotti (nos anos 1970 e 1980). Era o partido majoritário, ligado à máfia. Tanto que Giulio Andreotti foi condenado por associação à máfia e só não foi preso porque o crime prescreveu.

Quando a Democracia Cristã foi incapaz de parar o chamado maxiprocesso conduzido pelo juiz Giovanni Falcone, que fez todos os chefões mafiosos virarem réus, a máfia rompeu com o partido. A Cosa nostra siciliana determinou então que se votasse em outro partido.

BBC Brasil – Como os conflitos entre facções nos Estados, que têm se acirrado nos últimos tempos, podem impactar a disputa eleitoral?

Maierovitch – Ataques feitos por organizações criminosas a pontos estratégicos no período eleitoral ou no dia da eleição vão fazer com que as pessoas tenham medo de votar e não se desloquem.
E mais do que isso, no Brasil, presos provisórios não perdem direitos políticos, porque não têm condenação definitiva. Como o sistema prisional brasileiro não faz separação entre presos provisórios e definitivos, esses presos vão para cadeias dominadas pelo crime organizado e podem ser facilmente cooptados para votar em candidatos apoiados pelas facções.

BBC Brasil – As mudanças nas regras das campanhas, com maiores restrições a doações, abrem espaço para que facções financiem candidatos por fora?

Maierovitch – Quem se aproxima de organizações criminosas normalmente se aproxima para obter votos, porque elas exercem uma intimidação difusa, controlam territórios. Mas essas organizações, como mexem com atividades ilícitas que geram lucro, como o tráfico de drogas, evidentemente podem, sim, financiar campanhas.

BBC Brasil – Quais os interesses das facções em se infiltrar na política?

Maierovitch – Elas podem querer expandir, por exemplo, o que já ocorre em São Paulo com o famoso acordo entre o PCC e o governo do Estado. A polícia não vai à periferia, onde o PCC atua livre, leve e solto. Há uma lei do silêncio na periferia de São Paulo. Isso significa o controle do território, não ser importunado pela polícia, ter facilidade no tráfico de drogas.

BBC Brasil – As facções já estão presentes na política brasileira?

Maierovitch – Não sei se já existe uma infiltração de organizações do tipo PCC. O que existe é a proximidade entre políticos e facções para a obtenção de votos em período eleitoral. E, na Lava Jato, ficou clara a existência de empresas fazendo o papel de organizações mafiosas, atuando no sentido de sugar o Estado.

É uma atuação parasitária. Essas empreiteiras atuaram segundo regras do crime organizado para obter contratos e superfaturar obras.

BBC Brasil – Qual a capacidade que governos e Judiciário têm em evitar a influência de facções nas eleições?

Maierovitch – Não estão preparados. Esse fenômeno se expande pelo Brasil cada vez mais, o que o mostra despreparo do governo federal. O governo federal deixa a questão para os Estados, como se não se tratasse de um fenômeno que ataca o Estado Democrático de Direito.

Não é só este governo que não toma providências, os anteriores também. A atitude de tirar o corpo começa no governo FHC, que não entendeu isso como uma questão federal – embora se faça presídio federal e tenha se criado uma Força Nacional de Segurança.

Então existe um grande risco. É uma questão policial. O que a Justiça pode fazer diante desse quadro? Muito pouco. Ela pode apenas se apropriar de informações importantes das comarcas, dos juízes eleitorais.

BBC Brasil – Por que nunca houve no Brasil uma operação com a dimensão da Lava Jato, que mobilizasse várias instituições, contra as facções criminosas?

Maierovitch – Porque não interessa ao governo federal. Esse combate é muito dfíicil. Veja as máfias na Itália – Cosa Nostra, Ndranguetta, Camorra. São mais que centenárias, de difícil combate.
O governo federal não quer se expor, ou se expõe mal. Veja o Rio de Janeiro. Houve uma época em que o governo federal ameaçou entrar para resolver a situação, e o então governador Anthony Garotinho queria comandar o Exército. O governo federal não se impôs.

BBC Brasil – Com a promessa de adotar uma linha dura contra o crime se for eleito, o deputado federal Jair Bolsonaro tem crescido nas pesquisas para presidente. Como avalia o fenômeno?

Maierovitch – Vão sempre aparecer aqueles que se aproveitam da deterioração da situação. Evidentemente, hoje se fala em anticorrupção e em endurecimento das leis, porque a população sente a corrupção, viu o que houve com a Lava Jato, vê um presidente da República sob o odor da corrupção. É um quadro difícil, em que a população vive um clima de fla-flu. É o caldo perfeito para surgirem oportunistas como Bolsonaro.

Em nota à BBC Brasil, a Secretaria de Segurança Pública de São Paulo lamentou as declarações de Maierovitch e afirmou que elas “não condizem com a realidade paulista”.

“Não há áreas controladas por criminosos nem local onde as forças de segurança não entrem.” Segundo a pasta, entre janeiro e novembro de 2017, foram apreendidas no Estado mais de 190 toneladas de drogas e 14 mil armas de fogo.

A secretaria afirma que a eficiência no combate ao crime resultou na queda nas taxas de homicídios em São Paulo, que passaram de 33,3 a cada 100 mil habitantes, em 2001, a 7,56 por 100 mil, em 2017.

O órgão não comentou a declaração de Maierovitch sobre os vínculos entre o PCC e igrejas na periferia de São Paulo.

13 de jan de 2018

Vale à pena ler de novo - PREFEITURA DE TARAUACÁ JÁ REABRIU NESTE ANO MAIS DE 200 QUILÔMETROS DE RAMAIS



A Prefeitura de Tarauacá, através da Secretaria Municipal de Obras e Agricultura, divulgou nesta semana um balanço relacionado ao trabalho de reabertura de ramais. Mesmo enfrentado algumas dificuldades no que tange à questão do maquinário, até o presente momento, segundo relatório, já foram reabertos 200 quilômetros de ramais. 

Na definição da parceria, a prefeitura de Tarauacá é responsável pela reabertura de ramais no trecho Tarauacá/Cruzeiro e o Estado, através do DERACRE, do trecho Tarauacá/Feijó.

Para o Secretário de Agricultura  Glecioney Fernandes é muito satisfatório saber que centenas de famílias vão poder escoar suas produções. “Estamos muito felizes por saber que com a reabertura dos ramais estamos proporcionando melhores condições de vida para nossa população rural que há tempos estava em total abandono”. Frisou o Secretário.


“Nossa administração  tem um compromisso muito grande com nossos munícipes, o Programa de Melhoramento de ramais  é de fato um benefício para os produtores da zona rural e seus moradores. O acesso a diversos pontos é facilitado, beneficiando também o escoamento da produção agrícola  para o transporte de alunos da rede pública de ensino e dos moradores da comunidade como um todo, além, de ajudar na segurança” – finalizou a prefeita Marilete Vitorino .

A determinação da prefeita Marilete Vitorino é de que a zona rural de Tarauacá receba total atenção por parte da Prefeitura, por meio da Secretaria de Agricultura e outros setores da Administração. 

INCENTIVO A PRODUÇÃO

Os trabalhos de recuperação de ramais têm por finalidade também facilitar o escoamento da produção rural até a cidade, proporcionando uma melhor margem de lucro para o produtor, mais variedade de produtos e melhores preços para o consumidor, além de aquecer a economia local.

Prefeitura de Tarauacá envia equipe de vacinadores para a zona rural


A Prefeitura de Tarauacá, através da Secretaria Municipal de Saúde, deu início ao Plano Municipal de Imunização-2018 com a campanha de prevenção e combate a Influenza, ação de buscativa de imunização.

 As equipes de vacinadores foram enviadas para zona rural uma com destino ao Rio Muru, e a outra ao Rio Tarauacá e BR-364 sentido Tarauacá e Feijó.  

As vacinas serão para prevenção e combate a Influenza H1-N1. A equipe deve permanecer com a ação durante 15 dias. 

A campanha contempla ainda gestantes, puérperas, portadores de doenças.

O público-alvo são os trabalhadores da saúde, povos indígenas, crianças na faixa etária de 06 meses e menores de 05 anos de idade. 

Segundo o coordenador de Saúde Itinerante, enfermeiro, Adriano, "vamos chegar a povo da zona rural que tanto precisam dessa vacina" salientou

.

Coordenador do DERACRE diz que o órgão não tem combustível nem operador de máquina para trabalhar para o povo





Raimundo Accioly - Diante de uma denúncia veiculada na imprensa local de que máquinas do Governo do Estado estariam a serviço de fazendeiros, o Coordenador do Deracre em Tarauacá, Hugo Oliveira, publicou uma nota de esclarecimento onde diz que o órgão não tem operador de máquinas e não tão pouco combustível para realizar serviços para a população. Acusa o Cacique Assis Kaxinawá de ser terceirizado do órgão e que nunca prestou serviços ao estado. Por fim, disse que a prefeitura é a responsável para abrir os ramais da BR 364 sentido Cruzeiro do Sul e que o Presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais é funcionário da Secretaria de Estado de Agropecuária do Acre – SEAP e deveria estar propondo metas a serem cumpridas. 



LEIA A NOTA ABAIXO


DERACRE TARAUACÁ 

Nota de Esclarecimento 

O Coordenador do DERACRE de Tarauacá, Sr. Hugo Oliveira, vem a público esclarecer denúncia veiculada pelo líder indígena Assis Kaxinawá, Aldeia PINUYÁ, de que máquinas do DERACRE estariam trabalhando em áreas particulares do município. Cabe esclarecer:

O DERACRE de Tarauacá não dispõe de operador muito menos óleo para realizar serviços gratuitos à população;

Ficou acordado nos anos de 2016 e quatro de julho de 2017, pelo Sr. Diretor Presidente do DERACRE, Cristóvão Pontes, em reunião com as Autoridades e comunidade em geral, incluindo Prefeito, tendo em vista, a falta de incentivos e subsídios, que todo e qualquer cidadão com disponibilidade para pagar operador e custear o manuseio dos Equipamentos poderia fazer usufruto dos maquinários;

Agrava-se ainda o fato de que todos os prestadores de serviço do DERACRE foram demitidos em massa no mês de novembro de 2017, sem perspectivas de contratação de novos servidores;
Cabe esclarecer que o DENUNCIANTE, Sr. Assis Kaxinawá é terceirizado do DERACRE, ocupando o cargo/função de operador de navegação e que desde o início da Gestão deste Coordenador nunca compareceu ao Órgão para prestar um dia de serviço, por estar “amparado” por alguém do Governo que agora critica, poderia prestar um SERVIÇO À COMUNIDADE Tarauacaense pedindo demissão do Cargo para que se possa contratar operador em seu lugar, redirecionando seus proventos a quem quer trabalhar;

Vale ressaltar que ficou acordado à época que a Prefeitura de Tarauacá ficaria responsável pela Melhoria dos Ramais sentido Tarauacá Cruzeiro do Sul e se não foi cumprido o Acordo, deve-se questionar ao Prefeito da época e não ao DERACRE agora;

Com relação à fala do Sr. Fernando Feitosa, o DERACRE de Tarauacá não utiliza suas máquinas para beneficiar amigos particulares e políticos, apenas cumpre o que é acordado em plenária, como tem sido durante essa gestão, e o Sr. Fernando Feitosa conhecedor da vida do homem do campo, como funcionário da SEAP, que é, poderia estar propondo metas a serem cumpridas, com o apoio do próprio Sindicato, que poderia ser parceiro organizando os sindicalizados no sentido de contrapartidas e buscando parcerias técnicas junto à SEAPROF E SEAP.

Cabe esclarecer ainda que o DERACRE no ano de 2017 com os parcos recursos e buscando parcerias para a compra de peças, conserto de máquinas ainda conseguiu o melhoramento no Ramal do Cachoeira, parte do Ramal do Socó, todo Ramal do Extrema, TA1, dentre outros. Ainda foram construídos muitos açudes, em parceira com a SEAPROF, onde o DERACRE cedia maquinários e operadores e SEAPROF apoiava tecnicamente.

Infelizmente os recursos são poucos para as demandas iminentes. O DERACRE sempre está de portas a quem quer produzir. Dentro de nossas possibilidades e limitações procuramos atender a todos da melhor forma possível.

Hugo Oliveira