28/07/2014

Pe. PEDRO BERMES E SUA EXPERIÊNCIA DE CURA PELA IMPOSIÇÃO DAS MÃOS

Igreja no Jordão - Acre
Virose, uma doença progressiva, causada pelo HTLV III = Linfotrópico Vírus Humano III, que baixa a imunidade até 30%, é aparentemente incurável pela medicina atual.

Ela tem como sintomas: moleza, fraqueza, falta de coragem, cansaço nas pernas ao subir ladeiras e escadas, enfim, indisposição para tudo.

O portador deste vírus não consegue mais ficar muito tempo em pé e emagrece. Sente-se cansado ao levantar pela manhã e mais adiante só tem vontade de permanecer deitado pelo resto do dia.

Por enquanto se conseguiu curar tal virose dentro de 25 dias pela medicina alternativa que trabalha com o MÉTODO BIOENERGÉTICO, descoberto por dois médicos japoneses servindo-se de plantas medicinas. Mas o Pe. PEDRO BERMES de Tarauacá, que trabalha na comunidade de São Sebastião de JORDÃO, não cura com plantas medicinais, mas pela imposição das mãos (veja: Mc, 16 v 18). Com essa força divina, que nunca falha nem falta, o doente fica curado na hora e recupera-se de todos os sintomas dentro de dois dias. Os que moram em outros municípios, cidades ou países podem ser tratados a distância com o mesmo efeito. Neste caso o paciente precisa fornecer o nome completo, dia e lugar  de nascimento, residência,o número do RG e do telefone residencial ou celular. Pela distância se cura também outras doenças como epilepsia, enxaqueca, depressão, alcoolismo e droguísmo, câncer, todas as formas de reumatismo, queda de cabelo etc.

Com esse método elimina-se 80% das cirurgias que se faz hoje em dia e 99,9% dos remédios químicos, todos os exames de laboratórios, de Raios-X e Ultrassom.
Aceita-se uma colaboração de 180,00 reais depois de ser curado.
É bonito demais para ser verdade, mas o Pe. PEDRO BERMES já tem experiência de mais de dez anos. Ele também dá curso de aprendizagem de duas semanas deste método.


Qualquer dúvida ou interesse, pela cura entrar em contato com o Pe. PEDRO BERMES C.S.Sp. pelo fone (68) 8428-3291, ou 9905 3497.

JÁ PODEM ASSOPRAR A VELINHA

GOVERNO FEDERAL PUBLICA MP DE PROGRAMA DE ESTÍMULO À AVIAÇÃO REGIONAL

IMAGEM ILUSTRATIVA


Por Alberto Alerigi Jr., edição de Marcela Ayres - O governo federal publicou nesta segunda-feira medida provisória que cria o Programa de Desenvolvimento da Aviação Regional (PDAR), que tem entre seus objetivos a ampliação do acesso da população ao transporte aéreo.

A medida número 652 que cria o PDAR, anunciado há meses pelo governo federal, prevê que o governo poderá conceder subsídios para pagar parte dos custos das companhias aéreas com os voos regionais regulares de passageiros. As empresas interessadas em aderir ao programa terão que assinar contratos com o governo e se adequar às suas exigências.

Os recursos dos subsídios virão do Fundo Nacional de Aviação Civil. Em 2013, o fundo acumulou 2,7 bilhões de reais em receitas, dos quais 1,23 bilhão de outorgas pagas pelos concessionários dos aeroportos de Campinas (SP), Guarulhos (SP) e Brasília (DF).

Na medida publicada nesta segunda-feira no Diário Oficial da União, o governo não especificou o volume de recursos que será usado para subsidiar o programa. Os recursos serão gerenciados pela Secretaria de Aviação Civil (SAC).

No final de maio, o ministro-chefe da SAC, Moreira Franco, afirmou que o governo federal esperava lançar no segundo semestre os editais para a construção de 160 aeroportos regionais, dentro de um plano para construir 270 aeródromos regionais para fomentar a aviação regional.

Na época, o ministro afirmou que o governo federal avaliava conceder subsídio de 1 bilhão de reais por ano para a aviação regional.

A Azul, terceira maior companhia aérea do país, anunciou em meados de julho que fez encomendas de novos jatos regionais da Embraer que podem chegar a 3,1 bilhões de dólares, diante das expectativas de início da operação do PDAR.

Nota do Blog: Simplesmente a volta da velha e boa suplementação que tiraram sem critério nenhum e quebrou muitas empresas por rotas deficitárias.

VIOLÊNCIA ENTRE MEMBROS DE COMITIVAS, DURANTE CAVALGADA, MARCA A ABERTURA DA EXPOACRE


A Expoacre ocorrerá este ano entre 26 de julho a 3 de agosto no Parque de Exposições Marechal Castelo Branco.

Gina Menezes - A cavalgada 2014, uma das principais atrações da Expoacre , foi marcada por confusão, pancadaria, gente machucada e intervenção dura da Policia Militar

O evento, que pela primeira vez foi realizada no segundo dia da festa agropecuária, teve inicio as 8:00 da manhã com saída da Encosta da Gameleira rumo ao Parque de Exposiçoes Marechal Castelo Branco, foi marcada por briga entre membros de comitivas e precisou de intervenção policial.

A Expoacre ocorrerá este ano entre 26 de julho a 3 de agosto no Parque de Exposições Marechal Castelo Branco. Diferente de anos anteriores, a tradicional Cavalgada foi realizada no domingo, 27 de julho.

Muita pancadaria marcou a abertura da Expoacre 2014/Foto: Divulgação

MAIS VIOLÊNCIA


Cavalos sofrem maus-tratos durante Cavalgada; MPE deve investigar caso

"Cavalos foram criados por Deus para estar no campo e não no meio do asfalto, naquele barulho e rodeado de bêbados", diz uma internauta.

Animal cansado é puxado por participante/Foto: Associação Patinha Carente

Internautas que participaram da tradicional Cavalgada neste domingo (27) , que este ano aconteceu no segundo dia da Feira de Agronegócios do Acre, a Expoacre, divulgaram imagens de cavalos sendo maltratados durante o percusso que se iniciou na Gameleira e terminou no Parque de Exposições Marechal Castelo Branco.

As imagens mostram animais sangrando, uso de esporas e patas machucadas. Em uma das fotos, o animal não consegue mais se levantar de tão cansado que está e é puxado por um dos participantes da Cavalgada para que se levante.

As fotos rapidamente circularam pelas redes sociais e os internautas acreanos demostraram revolta com a situação vivida pelos animais durante o percuso.

"Cavalos foram criados por Deus para estar no campo e não no meio do asfalto, naquele barulho e rodeado de bêbados", diz a internauta Gislaine Peixoto.


As denúncias de maus-tratos a animais durante a Cavalgada deste ano deverão ser levadas até o Ministério Público do Acre (MPE/AC) nesta segunda-feira (28). O órgão já havia declarado que agirá com rigor contra quem for flagrado maltratando animais durante a feira de agronegócios.

27/07/2014

FACECOISAS - 27/07/2014

SINAL DE TRÂNSITO EM TARAUACÁ, ANTES TARDE DO QUE NUNCA


A engenharia de trânsito que nunca aparece, poderia aproveitar e colocar as placas de Tarauacá na altura certa. Poderia aproveitar também que estão bem perto de Cruzeiro do Sul e ir lá sincronizar aqueles sinais. Eu sou da opinião que se é para fazer, tem que fazer direito.

DA SÉRIE: PREÇOS PARA COMPARAR

EM UM SUPERMERCADO EM RIO BRANCO

A PRAÇA DE MANAUS - PARTE III

Clique aqui para ir ao índice da obra 

novomilenio.inf.br - Ao longo dos séculos, as povoações se transformam, vão se adaptando às novas condições e necessidades de vida, perdem e ganham características, crescem ou ficam estagnadas conforme as mudanças econômicas, políticas, culturais, sociais. Artistas, fotógrafos e pesquisadores captam instantes da vida, que ajudam a entender como ela era então.

Um volume precioso para se avaliar as condições do Brasil às vésperas da Primeira Guerra Mundial é a publicação Impressões do Brazil no Seculo Vinte, editada em 1913 e impressa na Inglaterra por Lloyd's Greater Britain Publishing Company, Ltd., com 1.080 páginas, mantida no Arquivo Histórico de Cubatão/SP. A obra teve como diretor principal Reginald Lloyd, participando os editores ingleses W. Feldwick (Londres) e L. T. Delaney (Rio de Janeiro); o editor brasileiro Joaquim Eulalio e o historiador londrino Arnold Wright. Ricamente ilustrado (embora não identificando os autores das imagens), o trabalho é a seguir reproduzido, em suas páginas 972 a 978, referentes ao Estado (ortografia atualizada nesta transcrição).

Indústrias e comércio

Hotel Casino
Foto publicada com o texto, página 984.

Associação Comercial do Amazonas - A Associação Comercial do Amazonas, com sede em Manaus, à Rua Marechal Deodoro, resultou da iniciativa de alguns negociantes de Manaus, os quais, reunindo-se em 18 de junho de 1871, constituíram a associação e elegeram a sua primeira diretoria. A associação foi reorganizada por várias vezes, entre 1875 e 1908, datando deste último ano os presentes estatutos.

Estes estatutos autorizam a associação a tratar ou a federar-se com outras instituições congêneres e a promover a organização de associações semelhantes, a organizar exposições e congressos de caráter comercial e industrial, a publicar e distribuir informações, que possam interessar à classe comercial.

Por iniciativa da associação, foram já fundadas instituições similares em vários pontos do estado e no território federal do Acre. Entre estas, notam-se as associações comerciais de Itacoatiara, Parintins e Santo Antonio, no estado do Amazonas, e de Sena Madureira e Cruzeiro do Sul, no território do Acre; todas estas filiadas à Associação Comercial do Amazonas.

Os fundadores da associação, em 1871, foram os seguintes senhores: José coelho de Miranda Leão, Antonio Augusto Alves, José Joaquim Pinto de Franca, Emilio José Moreira, Manoel José Gomes de Lima, Guilherme José Moreira, José Teixeira de Souza, Thomas Louis Simpson, Alexandre de Paulo Brito Amorim, Jeronymo Costa e José Marcellino Taveira Pau Brazil.

A associação, em 1908, reservou para si um pavilhão nas exposições internacionais de borracha realizadas em Londres em 1908 e 1911. Na última destas exposições, a associação obteve a medalha de ouro, oferecida pela Hevea Rubber Planters' Association para a melhor exibição de amostras de borracha, que figurasse na exposição.

Em 1910, a associação organizou em Manaus um Congresso Comercial, Industrial e Agrícola e uma exposição de objetos e utensílios usados na indústria da borracha. Em 1912, representantes da associação tomaram parte no Congresso de Estados que, sob a presidência do ministro da Agricultura, se reuniu no Rio de Janeiro, para discutir e organizar as bases da lei nº 2.513-A de 5 de janeiro de 1912, destinada a proteger os interesses da indústria brasileira da borracha.

A Associação Comercial do Amazonas ocupa um grande e belo edifício à Rua Marechal Deodoro e mantém um pessoal considerável, sob a direção de um secretário geral. Aí se encontra, num salão, uma exposição, metodicamente organizada, de amostras de borracha do Amazonas, da Ásia, África e América Central, as quais são conservadas em caixas envidraçadas, para fins de comparação. Aí existe também uma coleção de utensílios usados no cultivo e extração da borracha nestes diversos países, bem como uma seringueira com um desenvolvimento regular.

As várias salas do edifício são decoradas com quadros a óleo e fotografias e possuem mapas, plantas, catálogos, livros e jornais referentes à borracha, cacau, café, arroz e castanha-do-Pará. No andar térreo, no grande salão, existem uma estação de correios e telégrafos, vários escritórios de corretores, uma sala para leilões e a sede da Bolsa de Manaus.

Na sala principal vêem-se os quadros onde são afixados diariamente os avisos telegráficos de todos os pontos do globo, preços do mercado local e taxa cambial, chegadas e partidas de vapores e todas as informações de interesse para os membros da associação. Sobre as mesas se encontra uma coleção de jornais e a associação publica mensalmente uma boa revista, a qual é enviada para todos os países que fazem parte da União Postal.

A diretoria da associação, para o ano de 1912, é a seguinte: presidente, Emilio Zarges; vice-presidente, Luiz Eduardo Rodrigues; secretário, Prudencio Borges de Sá; diretores, W. S. Gordon, José Francisco de Figueiredo, W. Peters, Augusto Cesar Fernandes, W. Scholz, Samuel Levy, S. H. Sanford, J. P. da Silva Junior, Joaquim R. da Silva Dias, Francisco de Souza Soares, Guilherme Rego e J. C. Mesquita. O secretário geral é o sr. Bertino Miranda.


Zarges, Ohliger & Cia., comerciantes e banqueiros: 1) A sede do estabelecimento; 2) Uma pele de borracha colossal (pesando 1.400 libras), recebida pela firma e enviada para a Exposição de Borracha de Nova York; 3) Corte e classificação da borracha no trapiche da Avenida Eduardo Ribeiro; 4) O escritório geral
Foto publicada com o texto, página 985. 

Pinheiro & Perdigão - É esta a principal firma de agentes financeiros no vale do Amazonas e uma das mais importantes em todo o Brasil. A firma foi fundada em 1896 pelo sr. Licinio Perdigão, a que se associou um seu amigo, o sr. Pinheiro. A casa, sob a firma Pinheiro & Perdigão, em breve ficou solidamente firmada e se tornou conhecida. Mais tarde, entraram também para a firma parentes dos sócios primitivos e que lhes sucederam no negócio. Os atuais sócios, srs. Pinheiro e Perdigão, são ambos naturais do Porto, Portugal, e vieram para Manaus em 1902, desde quando têm grandemente alargado o campo de operações da casa.

Em fins de 1911 mudou-se a firma para o seu presente belo edifício, construído em linhas modernas e onde existem todas as comodidades para o seu ramo de negócio; fica este edifício situado à esquina das ruas Theodureto Souto e Marcilio Dias.

Desde a sua fundação, tem a casa tido a estima e confiança crescentes dos capitalistas de Manaus, que a ela confiam os seus capitais, para serem empregados. Estes capitais se elevam a cerca de um milhão de libras esterlinas. A firma se encarrega também de zelar e administrar edifícios e propriedades, cujo valor é ainda talvez maior. O movimento que faz a firma na venda e aluguéis de propriedades e casas é muito considerável, elevando-se de 10 a 15 mil libras esterlinas por mês.

Entre as numerosas agências que têm os srs. Pinheiro & Perdigão, contam-se as da companhia de seguros marítimos e contra fogo Brazil Seguradora e Edificadora, da Continental Caoutchouc & Gutta-Percha Co., de Hanover, e muitas outras empresas de automóveis, navegação e trabalhos de Engenharia. A firma faz parte da Associação Comercial do Amazonas e mostra justo orgulho pelo bom êxito de todos os tentames levados a efeito por esta associação.

O capital da casa é de 2.400:000$, sendo seus sócios os srs. Emil Albert Zarges, Franz Christian, Adolf Berringer, Hugo Ohliger, com os srs. Heilbut Symons & Cia., de Londres e Liverpool, como sócios comanditários. Os interesses da firma estão, no Brasil, a cargo dos três primeiros sócios; os srs. Zarges e Ohliger residem em Manaus e visitam a Europa alternadamente.

O estabelecimento ocupa, em Manaus, um edifício com frente para a Avenida Eduardo Ribeiro e Rua Marechal Deodoro. O seu maior movimento é constituído por transações bancárias e por exportação de borracha. Os srs. Zarges Ohliger & Cia. são agentes, em Manaus, de cerca de 50 estabelecimentos bancários, tanto nacionais como estrangeiros.

Os bancos sul-americanos que representa a casa são: o Brasilianische Bank für Deutschland, British Bank of South America Ltd., Banque Française et Italienne pour l'Amérique du Sud, Banco do Recife, Banco da Província do Rio Grande do Sul, Banco do Estado de Alagoas, Banco Español del Rio de La Plata, Banco Nacional Brazileiro, Banco do Pará, Banco Alemão Transatlântico.

Além destes, os srs. Zarges, Ohliger & Cia. são também agentes de 9 importantes bancos alemães, 6 ingleses, 5 norte-americanos, 4 portugueses, 3 franceses e de um banco, respectivamente, da Itália, Espanha, Peru, Uruguai e Madeira.

Representa ainda a casa as seguintes casas comerciais: Heilbut Symons & Cia., Londres e Liverpool; Poel & Arnold, Nova York, Boston e Akron; Poncin Dusendschön & Cia., Paris e Bordéus; Fleischmann & Cia., Antuérpia; Herman Marcus, Hamburgo. Representa também a Hamburg Amerika Linie, a Hamburg Sud-Amerikanische Dampshifffahrts Gesellschaft e a Mannheimer Versicherungs-Gesellschft, a Equitativa e a South American Equitable e outras empresas.

Esta casa recebe e exporta grandes quantidades de borracha, castanha-do-Pará, cacau e outros produtos nacionais; e é, no Brasil, o maior exportador de borracha. Em 1911, a sua exportação de borracha (em quilos) foi a seguinte: para a Europa, fina, 4.320.866; entrefina, 429.546; sernambi, 605.782; caucho, 1.741.060; total 7.097.254. Para os Estados Unidos, fina, 3.505.469; entrefina, 832.495; sernambi, 2.528.803; caucho, 692.007; total, 7.558.774. Total da exportação, 14.656.028; estoque em depósito, a 31 de dezembro de 1911, 100.000; total recebido, 14.756.028 quilos. A exportação das casas que se lhe seguem imediatamente foi de 5.954.698 e 4.352.386 quilos, respectivamente.

O sr. Emil Albert Zarges, chefe da firma, nasceu em Stuttgart, Alemanha, e aí foi educado. Entrou moço para a carreira comercial, como empregado de uma casa de artigos para escritório, por atacado; e esteve em seguida, durante dois ano, em uma casa exportadora de Hamburgo. Vindo em 1895 para o Brasil, esteve até 1907 na casa que esta firma possui no Pará. Daí, passou para a casa em Manaus, entrando como sócio em 1909.

O sr. Zarges, que tem ido à Europa várias vezes, tomou em Manaus uma parte notável no estabelecimento e reorganização da Associação Comercial do Amazonas, da qual é o presidente. Durante a sua administração, esta associação se instalou em novo e mais vasto edifício e alargou o seu campo de operações; o sr. Zarges tem representado a associação no estrangeiro por várias vezes e tom uma parte muito ativa em seus trabalhos.

O sr. Hugo Ohliger nasceu em Solinger, Prússia Renana, em 1874, e aí trabalhou durante 7 anos em uma casa exportadora. Depois de fazer o seu serviço militar, o sr. Ohliger veio para Manaus em 1897, como empregado da casa em que é hoje sócio. Na ausência do sr. Zarges, o sr. Ohliger exerce as funções de cônsul da Alemanha no Amazonas.


Zarges, Ohliger & Cia., comerciantes e banqueiros: 1) Seção de escritório, transações bancárias e navegação; 2) O paquete Rugia, da Hamburg-Amerika Linie, partindo de Manaus; 3) Escritório da seção de navegação
Foto publicada com o texto, página 986. 

Hotel Casino - Este hotel ocupa um edifício novo, de dois andares, de alvenaria de tijolo e pedra, situado em um lado da Praça da República e com frente para duas outras ruas. A entrada principal do hotel fica fronteira ao jardim da Praça da República e a vista das janelas na fachada principal se estende pelos canteiros floridos, gramados, ornamentados por fontes e estátuas, plantas e árvores tropicais daquele belo jardim, do qual o hotel fica separado apenas pela largura da rua.

O Hotel Casino é todo iluminado por luz elétrica; os banheiros com chuveiro ficam situados no primeiro andar; dispõe de 45 quartos e, em ocasiões excepcionais, tem já acomodado 100 pessoas. O salão de jantar tem capacidade para 150 pessoas, e o menu é sempre de primeira ordem, sendo o serviço do pessoal do hotel um dos melhores no Brasil. Os aposentos são amplos e bem mobiliados. O hotel tem pessoal encarregado de esperar os vapores que chegam; automóveis e carros podem ser facilmente obtidos no hotel, para qualquer hora do dia ou da noite; os tramways elétricos passam a umas 50 jardas do edifício.

Perto do hotel ficam a sede do comando militar da região e o palácio do governador do estado. Nele se têm hospedado os viajantes mais notáveis que chegam a Manaus, e o hotel tem tido referências elogiosas em vários livros publicados por viajantes europeus.

São proprietários do Hotel Casino os srs. J. C. Leitão Melita, Aurelio Vallado Gomes e Jesus Muguey Fernandes, sendo gerentes os dois primeiros.


Fábrica de gelo e cervejaria de Miranda Corrêa & Cia.: 1) Vista da fachada; 2) O prédio visto do rio - Foto publicada com o texto, página 987. 

Miranda Corrêa & Cia. - Os srs. Miranda Corrêa & Cia., manufatores de gelo e cerveja, ocupam em Manaus um edifício notável com seis andares e uma torre artística. O edifício foi projetado e desenhado por um arquiteto alemão, segundo as linhas adotadas para as modernas cervejarias alemãs, sendo também aproveitadas algumas idéias originais do sr. Miranda Corrêa, o qual executou por completo a construção do edifício.

A altura do edifício, desde o solo até o alto da torre, é de 160 pés. No interior, a torre é servida por um elevador elétrico com duas toneladas de capacidade e por um escada de caracol com 200 degraus. O edifício fica situado na margem do rio, no ponto terminal da linha de tramways elétricos do Plano Inclinado. No pavimento térreo fica situada a seção de despachos, em como os depósitos e salas de lavagem de garrafas e empacotamento. O primeiro e segundo andares são reservados ao tratamento final da cerveja, que a eles desce por um sistema não excedido em nenhum outro estabelecimento similar da América do SUl.

A cervejaria tem uma capacidade de produção de cinco milhões de litros. Os tubos serpentinas para o resfriamento são trazidos por quatro câmaras frigoríficas, cujas paredes são interiormente acolchoadas com cortiça e revestidas de acabamento em jaspe. O terceiro andar é o depósito para a fermentação, e aí ficam as retortas de fermentação, que distribuem o produto os andares inferiores por meio da força de gravidade. Esta seção está dividida em dois compartimentos - inferior e superior - de fino acabamento e decoração artística.

No quarto andar ficam o laboratório químico e escritório técnico. O quinto andar é reservado para armazenagem e tratamento da cevada, que a ele chega depois de ter passado pelo limpador no andar superior; aí fica também situada uma grande retorta para o lúpulo e o fermento. No sexto andar, fica o depósito de cevada, e aí está também instalado o engenhoso dispositivo para limpar a cevada e livrá-la das matérias estranhas que se lhe tenham juntado.

Tanto a cobertura como as paredes são todas à prova de fogo, sendo o vapor e água fria, para fins de manufatura e outros usos, supridos ao andar superior. Em cima do poço do elevador estão instalados dois tanques para água, com capacidade para 50.000 litros cada um. Do alto da torre se descortina uma esplêndida vista da cidade e do porto. A eletricidade para a luz e força motriz é produzida na usina geradora, situada ao lado do edifício principal.

A cevada e o lúpulo são importados da Alemanha e a água usada passa, previamente, por uma filtração completa, depois de ser retirada do rio. Ao lado da cervejaria fica situada a fábrica de gelo, a primeira estabelecida em Manaus; o seu maquinismo é movido por um motor de 500 hp, ao qual fornece o vapor uma enorme caldeira, tipo Lancashire. A instalação é americana e tem capacidade para produzir 40 toneladas de gelo diariamente, o qual é entregue duas vezes por dia à freguesia espalhada por toda a cidade e vendido por um preço que o torna de consumo geral na cidade.

Trabalham nesta fábrica cerca de 20 homens, havendo também um caminhão automóvel com 30 hp e vários carros automóveis e outros para tração animal, para o serviço de distribuição. A cerveja é vendida com o nome de Cerveja Amazonense. A conhecida Casa de Chops pertence também a esta firma.

São sócios desta importante firma o sr. Miranda Corrêa e seus cinco irmãos, três dos quais residem no Rio de Janeiro e dois outros no Pará. O chefe da firma é o dr. Antonio Carlos de Miranda Corrêa, nascido no Pará em 1872 e educado no Rio de Janeiro, onde se formou em Engenharia. Em seguida, cursou a Escola Militar, entrando como tenente para o Exército Brasileiro; pouco depois demitiu-se, vindo para Manaus, em 1896. Em 1902, estabeleceu a sua Fábrica de Gelo, que em breve se tornou uma empresa rendosa. Em 1909 foi à Europa, onde visitou as principais cervejarias e, voltando a Manaus, iniciou a grande empresa que acabamos de descrever. A firma faz parte da Associação Comercial do Amazonas.

Fábrica de gelo e cervejaria de Miranda Corrêa & Cia.: vistas da cervejaria - Foto publicada com o texto, página 988. 

Andrade Irmãos - Os Srs. Andrade Irmãos são estabelecidos à Rua Dr. Leovigildo Coelho, 24, com casa destiladora e manufatora de xaropes e águas minerais. Os sócios da firma são os srs. Antonio Ribeiro d'Andrade e Alberto Ribeiro d'Andrade, ambos portugueses e que se acham no Brasil há mais de 20 anos.

O seu estabelecimento se acha bem montado com maquinismo moderno, movido por um motor a petróleo, de manufatura inglesa. Esta firma fabrica conhaque, anis, água apollinaris, cola, cidra, ginger-ale vermute, parati, sifão, soda, limonada, Fernet Branca e uma grande variedade de xaropes. A água empregada na manufatura das diversas bebidas é filtrada e destilada; e os sifões, garrafas etc., são importados da Inglaterra e Alemanha.

Os srs. Andrade Irmãos enviaram os seus produtos às exposições do Rio de Janeiro, de 1908, Bruxelas, de 1910, e Turim, de 1911, obtendo em todas elas primeiros prêmios. Os irmãos Andrade vão à Europa alternadamente e a têm percorrido em grande parte. A firma faz parte da Associação Comercial do Amazonas.

Tabacaria Globo - O proprietário da Tabacaria Globo é o sr. F. J. Monteiro, estabelecido à Rua Henrique Martins, 31. Esta casa, fundada em 1910 e aumentada em 1912, é uma das mais reputadas fábricas de cigarros de Manaus.

O sr. Monteiro é de origem portuguesa e negociou durante 20 anos no Pará, antes de vir se estabelecer em Manaus, onde está há 11 anos. Os cigarros manufaturados por esta casa são de vários tipos; mas têm, todos, a marca registrada de um globo e são denominados Globo. Os tabacos usados são nacionais, turcos, egípcios etc. etc.

A Tabacaria Globo vende, por atacado e a retalho, charutos e fumos; emprega em sua fábrica um pessoal de 48 homens e tem um dos mais prósperos negócios em seu gênero em Manaus.

 Interior da destilaria de Andrade Irmãos - Foto publicada com o texto, página 988. 

Manoel Vicente Carioca - O sr. Manoel Vicente Carioca é proprietário, no vale do Amazonas, de 19 importantes seringais, os quais contêm milhões de seringueiras. Esta propriedade é uma das mais valiosas na América do Sul.

O sr. Carioca nasceu no Ceará em 1861, de pais pobres; veio, mais tarde, para o Amazonas, aí se empregando na colheita de borracha, até conseguir juntar um pequeno capital. Visitou então a sua terra natal e, de volta a Manaus, abriu uma pequena casa comercial. com o seu trabalho perseverante, em breve adquiriu capital bastante para comprar terras nas margens do Rio Gregório e, à medida que prosperavam os seus negócios, ia sempre comprando mais terras.

Hoje possui uma enorme extensão de terras, que excedem as suas mais otimistas expectativas. A sua vasta propriedade é atingida, numa das extremidades, após 12 dias de viagem, em vapor, de Manaus; e a outra extremidade só é atingida após mais 5 dias de viagem em um vapor grande e ainda 2 dias mais em pequenos vapores.

Atualmente, o sr. Manoel Vicente Carioca apenas explora uma parte das florestas de sua propriedade, a qual é dividida em 19 seringais, cada um com sede e armazém distintos. Nesses seringais trabalham cerca de 400 homens e são produzidas 300 toneladas de borracha, anualmente. Tanto a borracha como o caucho são transportados para Manaus e aí vendidos.

Além da borracha, possuem estes seringais, em abundância, ótimas madeiras, tais como cedro, canela etc. O Rio Gregório corta a propriedade, que se estende por ambas as suas margens. O sr. Carioca possui um vapor grande para a navegação fluvial e duas lanchas, que fazem o serviço regular para as sedes dos seringais.

O sr. Vicente Carioca, que faz parte da Associação Comercial do Amazonas, tem sempre, em seu estabelecimento comercial, à Rua dos Remédios, um grande estoque de toda a sorte de artigos usados pelos seringueiros, os quais são importados da Europa e Norte América e se destinam, principalmente, ao consumo dos seus próprios seringais. Aí fica também o armazém de borracha.

Tabacaria Globo, de J. F. Monteiro - Foto publicada com o texto, página 989. 

Mello & Cia. - Esta casa, fundada em 1868, tornou-se uma das mais importantes em seu gênero, no Norte do Brasil; são seus sócios o senador Antonio José de Pinto e o barão de Souza Lages. São proprietários dos seguintes seringais, no Rio Juruá e seus afluentes: Buenos Aires, Paratary, Popunhas, Triumpho, Porangaba, Minas Geraes, S. Pedro, Mississipi, Oriente, Cachoeira, Carmo, Trovão do Norte, Porto Peters, Acuria Velho, Acuria Novo, São Francisco nº 1, São Francisco nº 2, Bagé, Bagé 2º, S. Luiz, Boa Fé, Novo Pestino, Esperança, Boa Vista, Salvação, Pananan, Maceió, Soledade, Fortaleza, Araty, Cachinacea, Germinoa, Terra Firme de Popunha, Alagoas, Manarian, Nova Mina, Occidente, Canindé e Bello Horizonte.

A área total destes seringais excede 600 milhões de metros quadrados e estão eles em produção, que é superior a 1.000.000 de quilos, anualmente. Para os serviços de transportes, possui a firma uma flotilha de 12 vapores e lanchas, que fazem a navegação dos rios em que ficam situados os seringais. Estes vapores e lanchas têm as denominações de Costeira, Moa, Barão de Cametá, Enoira, Lucania, Jaminana, Minas Geraes, Cecy, Pigra, Maquary e Guida.

Os seringais, além de muito abundantes em seringueiras, têm também ótimas madeiras. Os sócios da firma residem no Pará, sendo a casa em Manaus gerida pelo sr. Rodolpho Vasconcellos. O sr. Vasconcellos é brasileiro, natural do estado do Ceará, e passou a maior parte de sua vida em Manaus; acha-se ligado ao comércio de borracha no Norte do Brasil há uns 16 anos. Esta firma faz parte da Associação Comercial do Amazonas.

Propriedades do sr. Manoel Vicente Carioca - três seringais no Rio Gregório: 1) Seringal Atalaia; 2) Seringal Lavras; 3) Seringal Havre; 4) Escritório e trapiche em Manaus - Foto publicada com o texto, página 990. 

Arruda Irmãos - Esta casa foi estabelecida no Rio Madeira em 1900 e em Manaus à Rua M. Dias, em 1912; os sócios são os irmãos srs. Alfredo Arruda e Francisco Godofredo de Arruda. Um dos irmãos vai, todos os anos, à Europa, ficando o outro tomando conta da casa em Manaus. Os srs. Arruda nasceram ambos no Ceará.

No Rio Jumari, em Mato Grosso, os seus seringais têm uma frente sobre o rio, de 60 quilômetros, cobrindo uma superfície de mais de 15 milhões de metros quadrados. Os seringais dos srs. Arruda produzem seringa, caucho e castanha. Além do espaçoso armazém em Manaus, a firma possui um sucursal no Rio Jumari para suprimentos aos seus seringais e armazenagem de borracha; o Victoria, navio de propriedade da firma, faz a carreira entre Manaus e o Rio Jumari, levando passageiros e mercadorias.

Nos seringais da firma há boas madeiras e a produção de borracha se eleva a cerca de 300 toneladas, anualmente. Os srs. Arruda Irmãos são membros da Associação Comercial do Amazonas.

Adrião, Barroco & Cia. - Foto publicada com o texto, página 991.

José Alexandre da Silveira - O sr. José Alexandre da Silveira, aviador, proprietário de navios e seringais, tem escritório à Rua Demetrio Ribeiro, 45. É natural do estado do Maranhão e veio para o Amazonas em 1884, adquirindo um seringal em um dos afluentes do Rio Purus. Em 1888, estabeleceu-se com casa aviadora em Manaus e aí tem sempre um grande estoque de todos os artigos de uso dos seringueiros, os quais exporta também para a Bolívia.

O sr. José Alexandre da Silveira é proprietário dos vapores Alto Acre e Itupana, empregados no serviço de transporte de passageiros e cargas entre Manaus e o Acre. O seringal de propriedade do sr. Silveira fica no território do Acre, a cerca de 12 dias de viagem, em vapor, de Manaus. Tem um frente, sobre o rio, de cerca de 24 quilômetros, e está, todo ele, em exploração. A produção de borracha vai a cerca de 60 toneladas, anualmente, além do caucho e da castanha, que também produz em abundância. O sr. José Alexandre da Silveira visita o seu seringal duas vezes por ano.

Trapiche de Jorge Thomaz - Foto publicada com o texto, página 991. 

J. Mendes - O sr. Joaquim Mendes Cavalleiro é de origem portuguesa, achando-se no Brasil há 25 anos; é estabelecido com casa importadora, exportadora, comissária e aviadora, possuindo também seringais. São gerentes da casa, em Manaus, os srs. Antonio Gomes da Cruz Chambel e Antonio d'Oliveira Mendes Cavalleiro.

A casa foi fundada em 1892, tendo por alguns anos a firma de Fernando Guimarães & Cia.; a seguir a de Mendes & Cia., e finalmente a atual firma de J. Mendes, adotada em 1911, tendo sido o sr. Mendes sócio nas firmas anteriores. O sr. Mendes possui seringais no Rio Solimões e Jutaí, tendo duas lanchas, que para aí fazem o transporte de passageiros e carga. Recebe cerca de 400 toneladas de borracha anualmente, além de cacau e castanha, vendendo estes produtos na praça de Manaus. Importa da Europa, Norte América e estados do Sul do Brasil. Reside durante uma parte do ano em Lisboa e durante a outra parte em Manaus; faz parte da Associação Comercial do Amazonas, da qual foi já diretor.

S. J. de Freitas & Cia. - Esta firma é uma das mais importantes no comércio de madeiras do Rio Amazonas. A sua sede é em Manaus, onde tem serraria e faz um largo negócio de madeiras; os escritórios em Manaus ficam à Rua dos Andradas, 34. A casa em Manaus foi estabelecida em 1908.

Aí tem sempre a firma um grande estoque de madeiras, materiais para construção, inclusive ferragens e material de ferro e aço usado em construções. A firma faz um extenso negócio nos estados do Amazonas e Pará.

O gerente da casa em Manaus é o sr. Antonio Francisco Pereira Junior, que é interessado no negócio; nasceu em Portugal, achando-se,porém, no Brasil, há mais de 20 anos; acha-se em Manaus há três anos. A firma faz parte da Associação Comercial do Amazonas.

J. G. Araujo: 1) Interior do trapiche; 2) Armazéns Rosas; 3) O escritório - Foto publicada com o texto, página 992. 

Adrião, Barroco & Cia. - Os srs. Adrião, Barroco & Cia. fazem um largo negócio de importação de ferragens e são estabelecidos em Manaus à Rua Municipal, 83, esquina com a Avenida Eduardo Ribeiro. Os sócios desta firma são os srs. João da Silva Adrião, Manoel da Silva Adrião e José Lourenço Barroco, todos portugueses.

A casa foi fundada em 1896 e importa em larga escala ferragens de toda a sorte, materiais de construção, maquinismos, ferramentas, tintas e vernizes, armas e munições, quinquilharias, prataria e cristofle, cestas, artigos para navios etc. etc. As suas importações são provenientes da Europa, Ásia, Norte América e repúblicas da Sul América. O seu armazém de vendas a retalho e a varejo ocupa uma esquina de duas ruas muito movimentadas no centro da cidade, possuindo também a firma um depósito à Rua Lobo d'Almada.

Os srs. Adrião Barroco & Cia. fazem avultado movimento de vendas, não só localmente, como também para o interior do estado. São também agentes, em Manaus, da Fábrica Aurora (São Paulo) e do Formicida Schomaker. A casa recebe pequena quantidade de borracha e de castanha, que vende na praça de Manaus.

O sr. Manoel da Silva Adrião esteve no Pará durante oito anos e está em Manaus há quatorze anos; é diretor da Beneficência Portuguesa. A firma faz parte da Associação Comercial do Amazonas.

M. Corbacho & Cia.: 1 & 3) Interior do trapiche; 2) O trapiche - Foto publicada com o texto, página 993. 

Jorge Thomaz - O sr. Jorge Thomaz estabeleceu-se em 1907 com casa importadora à Rua Bocayuva, 32, 34 e 36. A casa, a princípio, foi propriedade da firma Salem Thomaz & Cia., a qual se compunha de três sócios, sendo um deles o sr. Jorge Thomaz, que, em 1912, ficou sendo proprietário único.

A casa tem duas sucursais, uma em Sena Madureira e a outra em Japuri. O sr. Thomaz tem um vapor, que faz o transporte para o interior, e um viajante, que percorre as diversas zonas. Tem correspondentes em Manchester, Paris, Nova York, comprando em diversos países. Em seu armazém há sempre um estoque variado e completo de ferragens, fazendas, modas, jóias, perfumarias e toda a sorte de objetos de uso dos seringueiros.

O sr. Thomaz faz também compras, em comissão, para casas do interior. Recebe borracha, castanha, cacau e outros produtos do estado, aumentando de ano para ano, e de modo considerável, o seu negócio. A borracha recebida em 1911 elevou-se a 100 toneladas.

O sr. Jorge Thomaz nasceu em Monte Libano, Síria, em 1884. Vindo para o Brasil em 1904, começou a vender mercadorias no Rio Purus; os seus esforços e diligência foram coroados do melhor êxito, de modo que hoje é proprietário de três estabelecimentos comerciais, tendo ainda interesses numa outra casa comercial. Fala inglês, francês, português e árabe e tem viajado muito. O sr. Jorge Thomaz é presidente da Sociedade Otomana do Amazonas e é membro da Associação Comercial do Amazonas.

Moraes, Carneiro & Cia. - Os sócios da firma Moraes, Carneiro & Cia. são os srs. Joaquim Pereira de Moraes, José Carneiro dos Santos e o comendador José Rodrigues Cardoso, todos de origem portuguesa. A casa foi fundada pelo sr. Rosa Cardoso, passando, porém, mais tarde, à presente firma. O estabelecimento fica situado à Rua Marechal Deodoro e aí se encontra sempre um largo estoque de toda a espécie de ferragens, sendo a casa uma das que de melhor reputação goza em Manaus.

O sr. José Carneiro dos Santos está no Brasil há 46 anos; durante estes últimos três anos, tem sido escolhido para presidente da Assembléia Geral da Associação Comercial do Amazonas, da qual faz parte a firma.


Tancredo Porto & Cia.: 1) Trapiche; 2) Interior do trapiche; 3) Os armazéns, Rua M. Deodoro; 4) Trapiche na Avenida Eduardo Ribeiro - Foto publicada com o texto, página 994. 

J. G. Araujo: Armazéns Rosas - Esta é uma das casas mais antigas no seu gênero em Manaus, tendo sido fundada pelo sr. José Gonçalves de Araujo Rosas em 1877, sob sua firma individual. Em 1879, organizou-se a sociedade sob a razão de Araujo Rosas & Irmão, em sucessão daquela, tomando o sr. Araujo a sua direção; em 1896 foi ainda sucedida essa firma pela de Araujo Rosas & Cia.; e em 1905 pela presente, J. G. Araujo.

O principal negócio da firma é o de aviamentos para o interior (espécie de agência geral e fornecedora, característica do vale do Amazonas). A firma ocupa dois grandes prédios com frentes para as duas principais artérias - Rua Marechal Deodoro e Avenida Eduardo Ribeiro -, além de grandes depósitos de mercadorias em outros pontos da cidade, para os seus negócios, que são tão extensos como variados. Tem também, para extração de borracha, grandes florestas no Rio Negro, as quais se estendem por alguns milhões de metros quadrados, e grandes fazendas no Rio branco, onde acumulam milhares de animais, especialmente de raça bovina, para abastecimento da cidade. Têm também interesses ligados à Empresa Jutahy, sociedade anônima (Jutahy Rubber Co.), fundada em Manaus há alguns anos.

Nos armazéns do sr. Araujo encontra-se um grande estoque de tudo quanto é necessário ao seringueiro, desde o mais insignificante objeto até um motor ou mesmo uma lancha completa. As várias seções, desde a adega até ao teto, nos diferentes andares dos prédios, estão acumuladas de todas as espécies imagináveis de mercadorias.

Quase todas as nações do globo contribuem com a sua cota para esta variada coleção. Há máquinas para quase todos os fins, da América do Norte, Inglaterra, França, Alemanha e outros países; vinhos de Portugal, França, Itália e Espanha; manteiga e queijos da França, Holanda e Dinamarca; tecidos de algodão, lã e seda de diversas procedências; calçados dos estados do Sul do Brasil; carne da Argentina; frutas e cereais de diversos países, bem como conservas de todas as qualidades e procedências.

A firma é agente exclusivo, no Norte do Brasil, dos propulsores automóveis Motogodille, e também dos motores Mietz & Weiss, marítimos e terrestres, bombas, compressores de ar, eletrogêneos etc. A firma mantém sempre um avultado estoque de acessórios para automóveis, máquinas a vapor, utensílios domésticos, mobílias, ferragens e artigos navais.

A seção mais interessante é talvez a do pavimento térreo, que dá para a avenida. Aí, a borracha é recebida das florestas e se corta, classifica e encaixota para embarque. No armazém há muitas vezes, em estoque, mais de 200 toneladas, entre as quais se pode encontrar borracha fina, sernambi, caucho e sernambi de caucho. Os produtos que principalmente exporta a casa são: borracha, castanha, cacau, piaçaba e couros salgados.

M. Corbacho & Cia. - Esta importante firma aviadora, importadora e exportadora é estabelecida em Manaus à Rua Tenreiro Aranha. Constituem-na os srs. Augusto Cesar Fernandes e Manoel Parada Corbacho, o primeiro brasileiro e o segundo espanhol.

A firma é proprietária de vários seringais no Rio Madeira, os quais cobrem uma área de muitos milhões de metros quadrados e foram apenas explorados em uma pequena parte. Além da seringa e da castanha, estas florestas contêm valiosas madeiras para construção. Atualmente, estes seringais produzem, por ano, cerca de 300 toneladas de borracha e alguma castanha; as terras são adaptáveis à cultura de cacau, tabaco e outros produtos; e para se avaliar a riqueza da propriedade em madeiras, basta dizer que a firma enviou, recentemente, a uma exposição na Europa, uma coleção de 138 variedades de madeira.

Os srs. M. Corbacho & Cia. são agentes de várias companhias de navegação e têm vapores seus fazendo transportes em diversos rios. Importa a firma toda a sorte de artigos, que são enviados para os diversos seringais, e faz parte da Associação Comercial do Amazonas.

Tancredo Porto & Cia.: 1) Depósito de borracha; 2) O escritório; 3) Interior dos armazéns
Foto publicada com o texto, página 995. 

25/07/2014

FRENTE FRIA CHEGANDO EM TARAUACÁ - POR SATÉLITE E NO LOCAL - 25/07/2014

SALVE A FOTO PARA AMPLIAR

CÃES SENTEM CIÚME DO DONO, DIZ ESTUDO


Pesquisa constatou que os animais mostravam mais ciúme quando seus proprietários interagiam com algo que parecia ser um cachorro do que quando davam atenção a outros objetos

Cachorro: manifestação mais elementar do ciúme pode afetar cães (Thinkstock)

Uma pesquisa confirmou o que muitas pessoas que têm cachorros já sabem: os cães sentem ciúme de seus donos. Em um estudo publicado nesta quarta-feira no periódico Plos One, os peludos se mostraram mais ciumentos quando seus proprietários eram afetivos com algo que parecia ser outro cão do que quando faziam isso com objetos aleatórios.

No experimento, os autores aplicaram em 36 cães um teste que mede o ciúme em bebês de seis meses de idade. Eles analisaram como os animais reagiam quando seus donos os ignoravam para interagir com três objetos: um bicho de pelúcia igual a um cachorro — que latia e abanava o rabo —, uma abóbora de Halloween e um livro. Os cachorros demonstraram significativamente mais ciúme quando o dono dava atenção ao bicho de pelúcia do que quando se concentrava nas demais peças. 

Enquanto a maioria dos estudiosos se refere ao ciúme como uma emoção de complexa cognição, os autores da pesquisa sugerem que pode haver uma manifestação mais elementar do sentimento, que envolve a proteção de suas relações afetivas. Para eles, essa manifestação básica do ciúme afetou os cachorros.

"Muitas pessoas presumem que o ciúme é uma construção social humana ou uma emoção exclusiva das relações sexuais e românticas", afirma a coautora do estudo, Christine Harris, professora do departamento de psicologia da Universidade da Califórnia em San Diego, nos Estados Unidos. "Nossos resultados desafiam essas ideias, mostrando que outros animais além de nós mesmos exibem uma forte angústia quando um rival adquire o afeto de um ente querido."

24/07/2014

DICIONÁRIO DE TARAUACAÊS - PALAVRAS E EXPRESSÕES TARAUACAENSES


TARAUACAÊS LETRA  "A"

Abarcar – Pegar, bater ou mandar. Ex(s): Abarquei um chute (mandei um chute), ou Abarquei o poste (bati no poste) 
Aberturar – Partir pra cima Ex: Aberturei fulano pela gola. O mesmo que segurar pela goela
Abirobado – Abestalhado; bobão
Acolá – Ali, lá
Acruviana - Friagem (frente fria que chega até o Acre) 
Adular - Implorar - Ficar implorando a uma pessoa para fazer algo.
Aluado – Distraído 
Arreto – Frescura; exibição
Arribar – Subir
Arrudeio – Dar voltas antes de entrar no assunto, ou rodear um lugar 
Avia - Apressa 
Aperreado – Agoniado ou apressado
Lapiseira - Apontador 
Aprumada – No eixo; reto
Ata - Fruta do conde 
Atoleimado– Apressado; azogado 
Avexado – Com pressa; azogado, ou até mesmo atoleimado

TARAUACAÊS: LETRA "B"

Baladeira – Estilingue 
Balseiro – Monte de troncos no rio
Banana baié - Banana d’água 
Banana grande - Banana da terra
Baldear – Enxaguar 
Banido – Alimento estragado
Bacuri - Leitão  
Bico (1) - Lâmpada para lanterna 
Bico (2) - Chupeta de criança
Bico de rosca - Lâmpada para lanterna com rosca
Bitaca – Passador ou presilha da calça
Bossa – Jeito metido - Ex: Olha a bossa de fulano...
Bodejar – Murmurar 
Bodó – Duas definições: peixe cascudo de fundo de rio ou açude ou os conhecidos bolinhos de chuva
Batelão - Canoa coberta e grande 
Bater uma chapa - Tirar raio-X
Bilota – Pedra arredondada feita de barro para usar em estilingue
Bilotinho – Diminutivo- qualquer coisa pequena. 
Binga nenhuma – Coisa nenhuma 
Biriboti – Bibelô 
Bisteca – Contrafilé (bovino) vendido com o osso
Broche - Alfinete de fralda
Bucho – Barriga

TARAUACAÊS LETRA "C"

Caba – Marimbondo
Cacimba - poço
Caçar – Esse também pode ser usado no sentido de procurar algo; Ex: Caça uma borracha ai pra mim, por favor
Caçueira - Rede para pescar peixes maiores 
Cajarana - Cajá-manga
Cambiroto - Morrinho  
Canjica – Curau
Capa – Casaco
Capim santo – Capim limão
Carão – Bronca
Carteira de cigarro -  Maço de cigarro
Caxingando – “Verbo” no sentido de mancar; estar mancando
Cebola de palha - Cebolinha
Chapa - Dentadura
Chapéu – Boné
Charque - Carne seca
Chincada - Indireta grosseira
Coité - Vasilha ou cumbuca para pegar água quando se está tomando banho
Curiar – Espiar

TARAUACAÊS, LETRA "D" 
Derradeiro – Último
Desconfiado- Sem graça
Documentos em dias - Documento em dia
Dor nos quarto – Dor no quadril “Bacia”
Dor nas cruzes - Dor nas costas na altura do pulmão
Dor na urina – Cistite
Dor nas partes- Dor nos órgãos genitais

TARAUACAÊS, LETRA "E"

Escambichado – Estropiado, torto, dolorido, machucado
Estancar – Ex: Estancou com um susto
Emburana – (Madeira) cerejeira
Empeleitar – Empreitar
Engendrar -  Inventar qualquer coisa rápida. Usa-se muito para comidas rápidas
Enguiar – Ânsia de vômito
Escangalho - Bagunça
Espoletar – “Verbo” no sentido de estourar Ex: Ele me encheu tanto o saco que eu espoletei. “Estourei”
Encarnado - De cor vermelha, termo ainda muito usado em seringais

TARAUACAÊS, LETRA "F"

Farda - Uniforme escolar 
Fato – Tripa
Fazer a feira -  Fazer compras de supermercado
Findar – Acabar - Ex: Fulano findou não pagando sua conta
Foba – Contar vantagem ; se engrandecer
Furar – Esfaquear

TARAUACAÊS LETRA - G
Garganta – Conduíte
Garapa – Caldo de Cana
Gazo - Albino
Girau - Tábua de madeira que serve para lavar louça em colônias ou fazendas
Golpe - "Gópe" - corte
Grafite – Lapiseira

TARAUACAÊS, LETRA "M"
Mangar - Caçoar

TARAUACAÊS, LETRA "N"

Negão – Indivíduo; sujeito; palavra nada racista - Rapaz; cara. Ex: Negão, Você precisa dirigir com mais cuidado

TARAUACAÊS, LETRA "P"

Paneiro – Medida de farinha "22 Lts" -  1 saco contém 3 paneiros - Existe por aqui também o termo " frasqueira" de milho
Gostaria de complementar a sua lista: 
-> Paneiro de farinha ou qualquer outro grão ou massa corresponde a 40 litros, 
-> Frasqueira de milho ou qualquer outro grão ou massa corresponde a 22 litros. 
Passando em Cruzeiro do Sul, no mercado municipal, descobri que lá o paneiro corresponde a 36 litros.
Grato 

Paçoca - Milho da pipoca que não estoura moído e peneirado com um pouco de açúcar e uma pitada da sal. Pode ser de carne seca também
Pão da massa grossa - Pão Francês afinado – (tempos depois se criou o pão francês, mais arredondado, que é a mesma massa do “pão da massa grossa”)
Pela de borracha - Peça de borracha defumada em formato retangular ou oval pronta para beneficiamento
Pagela – Ficha de chamada do professor
Papagaio - Pipa
Papeira – Caxumba
Parida - Rabanada (iguaria de fim de ano)
Passar pano I – Dá só uma olhada nisso; ou naquilo
Passar pano II - Colocar a camisa para dentro da calça
Passar pano III – Passar o pano de chão
Pastorar - Tomar conta
Paú - Adubo
Pé da barriga – “Tô com uma dor no pé da barriga” – Dor no útero ou ovário
Peia – Surra; coça. 
Peteca - Bolinha de gude 
Pepeta - Pipa
Picadinho – Carne moída 
Pino – Perna manca
Pipinar – Fazer ficar em pedacinhos
Pissoquinho - Pequeno
Pitiú - Mau cheiro, fedor. Geralmente relacionado a alimentos.
Pixé – Mau cheiro, odor, fedor
Puagem – Sereno da noite
Ponta pra grafite – Grafite para lapiseira
Porronca – Tabaco, fumo de rolo

TARAUACAÊS, LETRA "Q"  

Quenga – Mulher da vida

TARAUACAÊS, LETRA  "R"

Rabicho – Extensão
Reimoso – Alimento que pode causar processo inflamatório.
Rebolar – Palavra que pode ser usada também no sentido de jogar; Ex: Rebolei a lata no mato
Rebotalho – Resto; refugo; sobra
Refresco – Sacolé; dindim
Repiquete – Quando o rio enche

TARAUACAÊS, LETRA "S"
Saltenha- (Iguaria); salgado frito com recheio de frango com batata ou vatapá.
Sapiranga – Conjuntivite

TARAUACAÊS LETRA – “T”

Tá porre - Estar de porre; Bêbado
Tirando choco – Enchendo o saco 
Talão de luz - Conta de luz
Tema – Dever de casa
Tesgo - Torto
Trapiche - Pequena ponte elevada de madeira, para as pessoas se safarem de onde a água chega

TARAUACAÊS LETRA - Z
Zoada – Barulho