17 de out de 2017

Alan Rick aparece entre 68 melhores parlamentares do Brasil


Evandro Cordeiro - O deputado federal Alan Rick (DEM) aparece entre os 68 melhores parlamentares de todo o Brasil, segundo avaliação do site http://politicos.org.br/. Entre os requisitos estão a presença em sessões, participação em comissões, não responder a processos e utilizar o mínimo possível os privilégios disponíveis para o mandato.

Pelo telefone o deputado agradeceu a Deus por estar em primeiro na lista entre os parlamentares acreanos e diz que continuará sua luta pela moral e família, bandeiras que assumiu desde o primeiro dia de mandato. Alan deverá disputar a reeleição em 2018.  

Latam e American Airlines vão investir, juntas, R$ 500 milhões no aeroporto de Guarulhos


Investimentos foram anunciados em reunião com o presidente Michel Temer nesta segunda-feira 

 Foto Aero in


A Latam anunciou nesta segunda-feira (16) em Brasília que investirá R$ 130 milhões no aeroporto de Guarulhos, em São Paulo, para construir um novo centro de manutenção, que será capaz de atender todas as aeronaves da frota da empresa em processos de rotina. Também no aeroporto de Guarulhos está o maior terminal de cargas da Latam de todo o Brasil.

O modelo escolhido para o investimento será o “build to suit”, em que investidores que tenham interesse em contratos de locação a prazo, no caso, a construtora, invista no empreendimento em troca do contrato de locação.

A American Airlines também anunciou um investimento no Aeroporto de Guarulhos, de US$ 100 milhões – cerca de R4 320 milhões – para a construção do primeiro hangar fora dos Estados Unidos. De acordo com comunicado, o espaço “será voltado à manutenção de aeronaves e testes de giro do motor”. Ele deve começar a operar já em 2018.

Além dos investimentos, também foi abordado na reunião o Acordo Céus Abertos, a ser firmado entre Brasil e Estados Unidos; o Brasil é o único país da América Latina que ainda não têm o acordo instituído. A implementação dele deve ampliar a oferta de voos entre os países, aumentar os serviços oferecidos e permitir a entrada de novas aéreas no país, entre outras medidas.

Governo autoriza Força Nacional a apoiar obra de hidrelétrica entre Pará e Mato Grosso


O governo federal autorizou o uso da Força Nacional de Segurança Publica para garantir a continuidade das obras da hidrelétrica de São Manoel, que está sendo construída entre o Pará e o Mato Grosso por um grupo de empresas que inclui a portuguesa EDP Energias do Brasil, a chinesa Three Gorges e Furnas, da Eletrobras.

O aval ao uso das tropas vem meses após uma invasão em julho de índios ao canteiro da usina, que chegou a paralisar a construção por alguns dias.

Em portaria no Diário Oficial da União desta terça-feira, o Ministério da Justiça disse que o emprego da Força Nacional foi requerido pelo Ministério de Minas e Energia “no intuito de prevenir quaisquer ocorrências que possam por em risco a segurança dos envolvidos, a ordem pública ou a continuidade das obras.”

O apoio na região entre Pará e Mato Grosso deverá ser realizado “em caráter episódico e planejado, até 31 de dezembro de 2017”, segundo o texto, podendo o prazo ser prorrogado.

A usina de São Manoel, orçada em cerca de 3 bilhões de reais, terá 700 megawatts em capacidade. As obras estão em fase final, com expectativa das empresas de iniciar a geração de energia ainda neste trimestre.

Na época da invasão ao canteiro de obras em julho, os indígenas reclamaram de exigências relacionadas ao licenciamento ambiental da usina que segundo eles não estariam sendo cumpridos, além de terem se queixado de danos causados pelo empreendimento a áreas consideradas sagradas por eles.

Acesse a portaria do Ministério da Justiça que autoriza o uso da Força Nacional em: here

Por Luciano Costa; Edição de Raquel Stenzel

16 de out de 2017

Com a maioria das prefeituras na oposição, Vale do Juruá se torna cada vez mais dinâmico - A reportagem é do Direto do Planalto

Porto Walter avança na Piscicultura


“Estamos recebendo tanques e vamos criar peixe no terreno de nossas casas” – afirmam os moradores do segundo distrito.


Mariano Maciel  - A iniciativa é da prefeitura que iniciou a devida Ação em 2015 e se multiplica no segundo mandato do prefeito Zezinho Barbary que agradece sua equipe, vereadores, parlamentares federais e ministérios que disponibilizam recursos para a compra de maquinários.

Com máquinas, operários e combustível próprio a prefeitura realiza aberturas de ramais e insere a “Ação Meu Açude Nosso Peixe” da Secretária Municipal de Agricultura e Meio Ambiente que hoje atende mais de 300 famílias com tanques e açudes, distribuição de alevinos e apoio no escoamento da produção.

Os senhores Audenor Nascimento (50) e Claudiomar Ovide (51) que moram no Segundo Destrito reportam seus agradecimentos pelos investimentos que prioriza quem trabalha, ajudando os ribeirinhos que não tem terreno junto à  Reforma Agrária, mas recebem seus tanques no terreiro de suas casas.

O prefeito Zezinho Barbary garante que os trabalhos de tanques irão continuar no Segundo Destrito e outras comunidades serão inclusas nos anos posteriores.

“Só iremos vencer a crise se investir nas mãos de quem produz. Vamos continuar ajuando quem prescisa, construí mais tanques e açudes, fazendo a distribuição de alevinos para todas as famílias inseridas em nosso planejamento”. Disse o prefeito.
Segundo a equipe técnica da Secretária de Agricultura, os tanques inlustrados feitos para os moradores do Segundo Destrito medem de 1,80mc a 2,00mc de altura e 15,00mc x 39,00mc de comprimento, uma média de 108 metros quadrados.

Assessoria

Edição de Cleide Silva.

TRIBUTO AO PASSADO - POUSO E DECOLAGEM DO FOKKER-27 DA TAVAJ LINHAS AÉREAS

A lição da guerra de 1812 entre EUA e Inglaterra para o Brasil




Luiz Philippe de Orleans e Bragança - Embora 1812 seja um ano com pouco destaque na historia do Brasil, ele foi um ano importantíssimo na política internacional, tendo afetado o futuro do Brasil como nação. Independente da Inglaterra desde o fim da guerra revolucionária, que terminou em 1783, os Estados Unidos ainda se formava como nação quando uma disputa comercial entre os dois países foi levada às ultimas consequências na Guerra de 1812. Foram necessários três anos de conflitos para a questão ser resolvida. Os brasileiros, que observaram todo esse capítulo, aprenderam lições importantíssimas na construção de uma nação livre. Porém, todo o aprendizado parece ter sido esquecido e, pela nossa liberdade, eu as resgato aqui.


O Contexto histórico da guerra de 1812

Quase 30 anos após a independência, os EUA ainda engatinhavam como nação, ao passo que a Inglaterra gozava de ampla dominância política, comercial e bélica. Embora ainda travasse uma guerra contra a França de Napoleão, os ingleses tinham controle sobre suas colônias.

Como de praxe para a maior potência da época, a Inglaterra impunha sua hegemonia quando e aonde queria sem muitos empecilhos, até mesmo sobre os EUA, recém-independentes. Os ingleses navegavam livremente nos mares e rios dos EUA, sequestravam marinheiros americanos e impunham crescentes limites ao livre comércio entre os Estados Unidos e a França.

Do outro lado da balança, os americanos sustentavam precariamente um exército miliciano amador e mal organizado, supridos e protegidos por uma marinha sem qualquer expressão. Os americanos, por mais otimistas e crentes em conto de fadas que pudessem ser, eram totalmente incapazes de enfrentar os ingleses de igual para igual. Embora derrotados na Guerra de Independência, os ingleses se mantiveram como os mestres dos mares e profissionais da arte da guerra. Impunham sua vontade a revelia do que os EUA, independente, desejassem. O palco estava armado.

A relação entre os dois países seguia degringolando até que o presidente americano, James Madison, um dos redatores da constituição norte-americana, decidiu por um basta. Era hora de acabar com as violações de soberania. A submissão dos EUA tinha que terminar. Madison julgou, precipitadamente, que poderia ter sucesso rápido e fácil, já que os ingleses travavam uma guerra na Europa contra Napoleão. Aproveitando do contexto em que a Inglaterra se encontrava, Madison enviou uma carta ao congresso pedindo guerra, e o congresso formado em sua maioria por representantes nascidos após a guerra de independência aceitou o pedido com entusiasmo.

A guerra de 1812 entre Estados Unidos e Inglaterra

Os americanos iniciaram o conflito com ofensivas por terra, atacando os territórios ingleses no Canadá e no centro do continente do que é hoje os Estados Unidos. Foi um fiasco. Os milicianos americanos, apesar de seu maior numero, não estavam organizados para enfrentar nem mesmo pequenas guarnições inglesas e indígenas. Um exemplo disso foi a Batalha da Fazenda Crysler, onde 900 soldados e voluntários canadenses e ingleses enfrentaram e derrotaram 4.000 soldados americanos em combate, sendo que os Estados Unidos tinham, nesta batalha, outros 5.000 soldados na retaguarda.


A batalha da Fazenda Crysler (The Battle of Crysler’s Farm)

Os ingleses retaliaram de forma inteligente. Sem tropas para um ataque terrestre optaram pela defensiva e pela parceria com as tribos indígenas para que estes engrossassem a resistência. No mar, no entanto, foram mais enérgicos. Decretaram embargo completo do comércio marítimo dos Estados Unidos, arruinando a economia americana em pouco tempo. A vitória sobre Napoleão em 1814 ajudou acelerar as coisas e os ingleses destacaram suas divisões mais experientes para o front dos EUA. O pior estava por vir.

De forma calculada e muito bem planejada, os ingleses mandaram uma pequena guarnição desembarcar próxima à cidade de Washington e arrasá-la por completo. James Madison e sua mulher, apanhados de surpresa, fugiram com a roupa do corpo e alguns pertences pouco antes da chegada do inimigo. A casa do presidente da república dos EUA, um dos lugares mais protegidos e vigiados no mundo de hoje, foi incendiado por tropas inglesas, algo que poucos sabem. Como era de se esperar, os soldados ingleses vandalizarem todo o recinto e levaram inúmeros pertences pessoais do Madison antes de atear fogo no prédio.

Impedidos de avançar no campo de batalha, os americanos perceberam que corriam sérios riscos de se tornarem uma colônia inglesa mais uma vez. Mas, desse prognóstico tétrico veio a reação. Os americanos organizaram e mobilizaram defesas e táticas mais eficientes, e tiveram sucesso em impedir planos para uma nova invasão inglesa. No mar, os poucos barcos da marinha americana foram usados com maestria, freando a marinha inglesa em pontos chave. O que o jovem, Estados Unidos da América, aprendeu era que não conseguiria ganhar a guerra que ele mesmo decretara, mas que certamente ainda era capaz de se defender com o pouco que tinha.

Ilustração da batalha que inspirou o hino americano, The Star Spangled Banner

A guerra terminou em 1815 com um impasse. Politicamente ninguém ganhou, mas estrategicamente os EUA sofreram um retrocesso, pois se permaneceram incapazes de exercer sua soberania frente a um poder maior que resolvesse exercer a dele. Para piorar a questão, os americanos terminaram o conflito ainda mais endividados e dependentes economicamente da Inglaterra do que em 1812.

Os EUA dominante, livre e soberano que conhecemos hoje, surgiu somente com o final da Segunda Guerra Mundial.

Por que isso foi relevante para o Brasil independente?

Nossos observadores à época acompanharam com interesse esse evento. Nossa independência foi declarada sete anos depois do final desse conflito. Uma das primeiras medidas do Brasil independente foi a criação da Marinha Imperial, pois a organização de uma defesa profissional permanente era essencial para garantir nossa soberania nos mares e rios, tanto contra Portugal quanto outros países interessados nos nosso território e recursos.

Um dos exemplos de quando isso foi necessário ocorreu em 1862, quando os ingleses tentaram violar a soberania brasileira no que ficou conhecido como a Questão Christie. Ao invés de aceitar a vontade inglesa, tida como absoluta, Dom Pedro II decretou o reforço das já formadas forças armadas do Brasil e ordenou o bombardeio de qualquer navio inglês que tentasse abordar embarcações mercantes brasileiros. O resultado? O embaixador britânico Edward Thornton se desculpou publicamente em nome da Rainha Vitória, uma tremenda vitória diplomática internacional.


Armada Imperial em 1860

Segundo foi a organização de Estado do Brasil. Desde a independência em 1822 até nossa primeira constituição, em 1824, a Coroa realizou uma série de debates sobre como deveríamos organizar nosso país. Dois grupos conduziam o debate, os que queriam descentralizar a política e os que queriam um poder central unificador, responsável pela proteção de todo território nacional. A Guerra de 1812 serviu como baliza e os unificadores ganharam, o que foi essencial para que o Brasil sobrevivesse intacto ao que estava por vir no século XIX, como os conflitos com Argentina e Paraguai, por exemplo. Apesar de que hoje temos que decentralizar o poder político, na época a decisão pela centralização foi providente.

Terceiro foi limitar a dependência econômica da ex-metrópole. Os Estados Unidos da América foram os primeiros a reconhecer o Brasil como país soberano e independente e logo se transformou num dos maiores parceiros comerciais, assim como a Inglaterra. Portugal, por sua vez, foi perdendo lentamente suas amarras com a antiga colônia e deixou de ser a influencia econômica dominante em poucas décadas.

De modo universal, esse episódio foi uma grande lição política para países recém-independentes. Estava ali, gravado a ferro e fogo, a prova de que preservar a liberdade, território e interesses políticos e comerciais é parte integrante do exercício de soberania. E, para isso, é preciso força bélica organizada profissionalmente e bem mantida, sempre. A falta de prioridade para com nossas forças armadas e forças de segurança demonstra o nítido intento de agir na contramão dos aprendizados que garantem nossas liberdades e o exercício de nossa soberania. Agora você quem sabe, compartilhe.

O professor e a bomba relógio da sala de aula


Cleilton Amaral - As comemorações do Dia dos Professores não tem mais sentido para as escolas de ensino médio. Sem respeito por nada e por ninguém, não há motivação por parte da maioria dos alunos para honrar seus mestres. E, para ser sincero, nem os profissionais da educação tem mais estômago para as festinhas da hipocrisia. Momento no qual as frases bonitas e declarações não condizem com o dia a dia de violência escancarada contra o orientador.

A harmonia que existia no passado entre o professor e seus alunos foi rompida com a sociedade moderna e esse elo precisa ser retomado urgentemente, antes que o professor que escolhe a profissão por amor desapareça.

Nesse cenário, basta lembrar a agressão sofrida pela Coordenadora Pedagógica da Escola Estadual Lourival Sombra, localizada no bairro Tangará, em Rio Branco. A mãe de uma aluna em um dos corredores da escola, final de outubro, 26, deu soco e pontapé no rosto da profissional. Ou ainda a professora Catarinense Márcia Friggi, agredida com socos, empurrões e tapas em agosto (22), que foi bastante difundido nas mídias. Isso revela apenas uma face oculta de muitas ocorrências que acontecem diariamente nas escolas brasileiras. Algumas registradas nas delegacias e outras ficam apenas dentro dos muros das escolas, causando maior stress e pânico ao professor.

Levando em consideração a realidade paulista apenas como parâmetro, já que existe um monitoramento dos casos de violência, por parte do Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp), temos a seguinte realidade: 40% dos professores afirmaram ser comum, em suas escolas, sofrer ameaças ou ter algum bem pessoal danificado por alunos; 62% já foram xingados; 24% foram roubados ou furtados.

A pesquisa da Apeoesp (2013) apontou ainda, entre os casos de violência contra os professores, o seguinte: agressão verbal (39%); assédio moral (10%); 9 bullying (6%); agressão física (5%); discriminação (5%); furto (5%); roubo ou assalto à mão armada (1%). O estudo mostra, ainda, que os professores homens (51%) estão mais sujeitos a serem vítimas de violência que as professoras mulheres (35%).


E, em matéria publicada na ISTO É, com capa, Professor – Profissão perigo, a pesquisadora  Jussara Paschoalino, autora do livro “Professor Desencantado: Matizes do Trabalho Docente” (Armazém de Ideias, 2009), explica que a causa da violência contra os discentes está ligado aos “Professores sem autoridade, alunos com excesso de poder e coordenações escolares omissas formam a bomba-relógio da violência escolar. As salas de aula estão mais violentas, pois a própria sociedade também esta.”.

Na metodologia de pesquisa usada, levam em consideração os tipos de crimes: ameaça, injúria, desacato, furto, lesão corporal, atentado contra o patrimônio dentre outros. Quem nunca passou por situações assim o ano inteiro? Carros riscados; pneus esvaziados; pneus cortados com faca; ameaças de morte; mortes executadas; sequelas de espancamentos; dedo enriste no rosto; intimidação de parentes de alunos na porta de sala de aula; ameaça na saída da instituição; humilhação na frente de todo mundo com desacato; e pra piorar, ainda tem agora os apadrinhados das facções que se o professor disser um ai contra ele, melhor trocar de escola antes que venha o “Salve dos justiceiros do crime…”

Vale lembrar que o Acre tem casos semelhantes ao que vemos pela grande imprensa nacional. O que chama a atenção, é que o Sindicato dos professores de São Paulo, mantem em sua página oficial o “Observatório da Violência na escola” para acompanhar e debater a problemática da categoria. Isso já ajuda bastante os gestores articularem políticas públicas de combate às diversas formas de crime contra os educadores. E nós? Quantos já morreram no Acre por latrocínio e homofobia? Onde estão as estatísticas dos professores vítimas da violência?


O fato é que não diferimos de nenhum lugar do Brasil. Seja nas Metrópoles às pequenas cidades do interior, incluindo as escolas de zona rural que não são mais como antigamente. Está cada vez mais difícil conciliar a tarefa de educar e defender-se da violência nas salas de aula.


Infelizmente, muitos que fazem parte do processo educativo, não passam de números que podem ser substituídos a qualquer momento. As ocorrências policiais vão e voltam e nada acontece para dar segurança as escolas.

Nossos professores não devem ser lembrados pela sociedade ou pelos políticos somente em outubro, pois alguns estão ficando pelo meio do caminho pela bomba relógio que são as salas de aula. É preciso encampar uma lutar de melhoria das condições de trabalho, salariais e outras vantagens que não saem do papel no Congresso para diminuirmos os riscos da profissão e a manutenção da mesma. Como a professora Friggi disse em matéria do Jornal Hoje: “Eu não fui a primeira, gostaria muito de ser a última (vítima).”.

Encerrar a temática passando apenas a ideia negativa de ser professor seria no mínimo uma indelicadeza, visto que muitos nascem para ensinar. São servos do ofício e amam o que fazem. Que seja dado todo mérito e grandeza aos professores pela sua importância social. Por formar os múltiplos profissionais que o mundo precisa e não para de reproduzir por seu intermédio.

E apesar dos ingratos, sempre haverá aqueles que de fato valorizarão o papel de seus mestres ao ponto de parabenizá-los em outubro ou em qualquer ocasião que encontrar na rua. Talvez essa seja a grande herança recebida por esses profissionais, que apesar de pouco valorizados financeiramente e moralmente, sempre serão os educadores que fazem a diferença em qualquer lugar do planeta. Da aldeia da África ou prédio da UFAC ou da escolinha da Reserva Chico Mendes, Parabéns Professores!

Maiores credores da Oi pedem encontro para renegociar plano para a dívida


Brad Brooks - Grupos de detentores de títulos que são os maiores credores da Oi exigiram no domingo que os altos executivos da empresa os atenda o mais rápido possível para renegociar o plano para a dívida da operadora de telefonia em recuperação judicial.

Em uma carta vista pela Reuters que foi dirigida aos principais executivos da Oi e membros do conselho, os dois maiores grupos de detentores de títulos da Oi exigiram que os executivos da empresa se encontrem em Nova York para “negociar de boa fé e de forma acelerada os termos de um (s) plano (s) aceitável (s) de reorganização ”.

A carta foi enviada pelos principais assessores do Comitê Internacional de Detentores de Títulos, o grupo ad hoc de detentores de bônus da Oi.

Um pedido enviado por email solicitando comentários da Oi não foi respondido imediatamente no domingo à noite.

O plano de reestruturação da Oi tem sido marcado por uma série de disputas entre credores e acionistas.

Na sexta-feira, os comitês de direção dos dois maiores grupos de detentores de títulos da Oi e agências de crédito para exportação, as chamadas ECAs, rejeitaram o plano de recuperação apresentado na noite de quarta-feira. Eles disseram que a empresa “parece ter perdido tempo negociando com um pequeno grupo de credores conflitantes, alguns dos quais também detêm ações, para um acordo fracassado que foca exclusivamente na preservação do valor para os atuais acionistas”.

O plano de reestruturação revisado da Oi proposto pela administração e aprovado pelo conselho da operadora “ignora as preocupações fundamentais dos credores, ameaça a viabilidade a longo prazo da empresa e enriquece abusivamente os acionistas existentes”, disse o comunicado.

15 de out de 2017

Em Tarauacá Criança Feliz não quebra o nariz, se diverte, se alimenta e ainda sai vacinada


Na década de 70 logo após a copa cantarolava-se uma música infantil que não sei se cantavam em Tarauacá que era mais ou menos assim:

“Criança feliz, quebrou o nariz, foi pro hospital, tomar sonrisal, se eu fosse o Pelé tomava café se eu fosse o Tostão tirava o calção, seu fosse o Dario pulava no rio óóhhh meu bom Jesus que á todos conduz olhai as crianças do nosso Brasil". 

Brincadeiras à parte, a Prefeita Marilete Vitorino fez uma reunião com seu secretariado e pediu especial atenção com os pequeninos e pequeninas do município. Com uma grande ação conjunta de todas as secretarias, foi realizado  'O Dia das Crianças' na praça Auton Furtado (municipal), onde a meninada se divertiu muito nos diversos brinquedos disponibilizados contando ainda com as palhaçadas do Palhaço Remelexo e provando um delicioso lanche dentre outras guloseimas que foram feitas especialmente pra elas, como por exemplo, cachorro quente, pipoca etc. Atenção é também saúde, e por isso a Prefeita solicitou que fosse designada a mesma equipe de vacinação que fez com que o município ganhasse a operação gota em parceria com a FAB (Força Aérea Brasileira), o que resultou em mais de 600 crianças vacinadas no evento!

“Montamos a melhor equipe dos últimos tempos no que se refere à gestão administrativa, todos viram o sucesso que foi o V Festival do Abacaxi, faremos o que for possível para melhorar a vida dos tarauacaenses, afinal foi pra isso que nos elegeram”. Disse a Prefeita e Presidente da AMAC Marilete Vitorino.

Clique AQUI e veja tomas as imagens mais marcantes do dia da criança na cidade.

Maiores credores da Oi rejeitam plano de recuperação


 Um grupo de detentores de títulos e agências de crédito para exportação, que juntos são os maiores credores da Oi, disseram nesta sexta-feira que o plano de recuperação da operadora de telefonia brasileira visa proteger os atuais acionistas às custas dos credores.

Em um comunicado, os comitês de direção dos dois maiores grupos de detentores de títulos da Oi e as chamadas ECAs rejeitaram o plano de recuperação apresentado na noite de quarta-feira. Eles disseram que a empresa “parece ter perdido tempo negociando com um pequeno grupo de credores conflitantes, alguns dos quais também detém ações, para um acordo fracassado que foca exclusivamente na preservação do valor para os atuais acionistas”.

O plano de recuperação da Oi proposto pela administração e aprovado pelo conselho da empresa “ignora preocupações fundamentais dos credores, ameaçando a viabilidade da companhia no longo prazo e enriquecendo abusivamente os atuais acionistas”, disse o comunicado.

As ações da Oi exibiam forte alta nesta sexta-feira, impulsionadas por avaliação de analistas de que a proposta apresentada de reestruturação é positiva para os acionistas da operadora. A ação preferêncial subia mais de 21 por cento e a ordinária tinha alta acima de 11 por cento.

A nota traz a posição de dois grupos de credores da Oi, o Oi Creditors Groups e o grupo representado pela FTI Consulting, que, juntos, têm a receber cerca de 6,4 bilhões de dólares da operadora.

“Apesar de ter quase um ano e meio para fazer isso, a Oi não se envolveu em negociações sobre o plano de reorganização com o maior grupo organizado de credores, e a gerência só se reuniu com o Oi Creditor Groups e FTI no dia anterior ao arquivamento de seu último plano e depois do plano ter sido aprovado pelo conselho de administração, evitando efetivamente qualquer possibilidade de entrada dos credores e fornecendo evidências adicionais do conflito de interesses neste processo”, afirmam os credores.

Ao anunciar no fim de agosto que a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) analisaria a possibilidade de abrir processo de cassação de concessão e autorizações da Oi, representantes da agência já haviam mencionado eventual conflito de interesses nas negociações entre credores e acionistas.

Entre as críticas apontadas pelos grupos de credores estão “falta de dinheiro novo comprometido” e “estrutura de capital insustentável”.

Por outro lado, uma fonte próxima da situação na empresa, disse que a direção da Oi recebeu mensagens de apoio ao plano por parte do China Development Bank, um dos credores da operadora brasileira.

O plano apresentado à Justiça na quarta-feira limita em 25 por cento a conversão de dívida em ações, bem abaixo do pretendido pelos principais de detentores de títulos da empresa.

O plano prevê uma capitalização de 9 bilhões de reais, dos quais cerca de 6 bilhões equivalem a dinheiro novo, sendo 3,5 bilhões de reais por parte dos detentores de títulos de dívida da Oi e 2,5 bilhões dos atuais acionistas. Os 3 bilhões de reais restantes poderão vir de conversão de debêntures em ações.

Por Guillermo Parra-Bernal e Leonardo Goy

Prefeitura de Tarauacá lança campanha de prevenção e combate à sífilis


Assecom - Na manhã desta sexta-feira (13) a Prefeitura de Tarauacá por meio da Secretaria Municipal de Saúde, lançou oficialmente a "Campanha de Prevenção e Combate a Sífilis" no município. O Lançamento da Campanha ocorreu na Unidade Básica de Saúde, João Wanderley da Silva, localizada na Rua Justiniano de Serpa. 

Na ocasião a Prefeita, Marilete Vitorino visitou a Unidade juntamente com a Secretária de Saúde Meirivânia Daniel, uma vez que hoje é o dia “D” de Prevenção e Combate a Sífilis, e que vai acontecer durante todo o mês de outubro em todas as Unidades de saúde, quando estarão realizando o chamado ‘Teste Rápido’ para o diagnóstico da doença.

Segundo a prefeita Marilete, a Prefeitura de Tarauacá não vem medindo esforços para garantir a logística necessária, como o abastecimento da Farmácia Básica e material suficiente para a realização do ‘teste rápido’ para que ações como essa transcorra dentro do cronograma estabelecido pela Secretaria Municipal de Saúde. 

Já a Secretária Meirivânia Daniel salientou que “A partir de hoje todas as nossas UBS estarão disponibilizando o teste rápido de Sífilis. Também, além do teste da Sífilis estaremos disponibilizando teste rápido para Hepatite Virais e HIV . Vale ressaltar que este mês é o — Mês de Prevenção ao Câncer de Mama, o chamado ‘Outubro Rosa’ e nossa equipe irá realizar uma grande ação no dia 25 que é o dia “D” — dia de Prevenção ao Câncer de Mana”.

13 de out de 2017

Mais uma derrota dos globalistas: Estados Unidos decidem sair da Unesco

Paulo Eneas - Em uma decisão histórica e corajosa do presidente Donald Trump, os Estados Unidos anunciaram nessa quinta-feira a saída do país da Unesco, a agência das Nações Unidas encarregada das áreas de educação e cultura. Logo após o anúncio, o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu anunciou que seguirá os Estados Unidos nessa decisão, e que Israel também irá abandonar a agência globalista.

A Unesco, ao lado da Unicef e da OMS, é um dos principais braços da agenda globalista anti-ocidental, anti-Israel e pró-muçulmana da ONU. As decisões recentes do órgão controlado por muçulmanos, comunistas e globalistas não vão no sentido de preservar o patrimônio histórico e cultural da humanidade, como diz a propaganda oficial da agência reproduzida pela grande imprensa. As decisões da Unesco têm sido no sentido de reescrever a história da humanidade para privilegiar o islã e condenar a civilização ocidental e Israel. 

Uma das decisões recentes da Unesco, por exemplo, foi a de negar o vínculo histórico e cultural existente entre a cidade santa de Jerusalém e a tradição e a histórica judaicas, afirmando ser Jerusalém um patrimônio da cultura islâmica. Na votação dessa decisão de reescrever a história de Jerusalém,  o representante brasileiro na entidade votou a favor da fraude histórica promovida pela agência. Foi mais uma demonstração da mediocridade da política externa brasileira, que serviu para reforçar a imagem do país como sendo um anão diplomático.

Em outra decisão de promover fraude histórica em favor do islã, a Unesco deliberou que a cidade Hebron localizada na Samaria, que a imprensa ocidental chama de Cisjordânia e onde encontram-se os túmulos dos patriarcas Abrahão e Isaac e também os túmulos de Sarah e Rebeca, é uma cidade palestina e patrimônio mundial, sem fazer qualquer menção ao significado da cidade para a tradição e história judaica e cristã.

Ao longo das décadas recentes, a Unesco tornou-se o principal laboratório e agente fomentador e propagador da agenda globalista da esquerda na área da cultura, o que fez da agência um dos principais instrumentos de implementação do marxismo cultural no ocidente. Por exemplo, as diretrizes educacionais para adoção de ideologia de gênero nas escolas são todas elas originadas na Unesco, bem como diretrizes curriculares que procuram apresentar a história do ocidente como sendo a história de erros e injustiças cometidas por cristãos e tendo como vítimas os muçulmanos.

A decisão do governo de Donald Trump de promover a saída dos Estados Unidos da Unesco foi aplaudida por Benjamin Netanyahu, que afirmou: trata-se de um decisão corajosa  e moral, pois a Unesco transformou-se em um teatro de absurdos que, em vez de preservar a história, procura distorcê-la. Por razões legais e burocráticas, a  decisão norte-americana passará a valer a partir de 2019. Mas já em meados do próximo ano, os Estados Unidos passarão a ser oficialmente um observador da entidade, sem o status de país membro. Por sua vez, as etapas formais do processo de saída de Israel da Unesco não foram ainda anunciadas, mas provavelmente serão mais rápidas.

De nossa parte, esperamos que o próximo presidente a ser eleito no Brasil no ano que vem também assuma o compromisso de promover a saída do país da Unesco e de outras entidades islâmico-globalistas da ONU. Esperamos também que o próximo presidente promova, em negociações com os Estados Unidos e com Israel, a saída do Brasil das Nações Unidas, que é a maior e mais nefasta e criminosa entidade internacional a serviço das esquerda globalistas e dos muçulmanos, e cujas ações deliberações são todas elas contrárias aos valores e à história da civilização ocidental.

“Quando a criminalidade começa a atingir policiais é porque a violência está fora de controle”, diz colunista

O agente da Polícia Federal que teve o carro e a arma roubados não foi a primeira vítima da bandidagem no Acre



Violência nossa de cada dia

A coluna de hoje retoma o tema da criminalidade que tem tirado o sono dos acreanos, em especial o dos rio-branquenses. E por duas razões: o assalto a um policial federal, ocorrido na noite de terça-feira (10) e o pronunciamento do deputado estadual Jenilson Leite (PCdoB), feito nesta quarta (11), a favor do “endurecimento” das leis penais.

Fora de controle

Quando a criminalidade atinge policiais, conforme noticiado pelos principais sites do Acre nesta quarta-feira, é porque a violência fugiu ao controle do Estado.

Agente de polícia teve o carro roubada e posteriormente, o veículo foi encontrado queimado/Foto: reprodução

Não foi o primeiro

O agente da Polícia Federal que teve o carro e a arma roubados não foi a primeira vítima da bandidagem no Acre. Antes dele, outros integrantes das forças de segurança pública se viram à mercê do perigo. Alguns, infelizmente, não sobreviveram para falar sobre a sensação vivida por centenas de cidadãos comuns, aos quais nem sequer é dado o direito de carregar uma arma.

Os pais da criança

Estranha que neste cenário sangrento alguns representantes da esquerda, como o deputado Jenilson Leite (PCdoB), comecem a falar sobre a necessidade de reforma do Código Penal. Pela simples razão de que são eles os grandes responsáveis pelo aumento da violência. Senão, vejamos.

Fato!

Comecemos pela lição daquele cujas obras todo brasileiro deveria ler: o filósofo Olavo de Carvalho. Ele nos ensina que a primeira coisa a acontecer durante os governos de esquerda é o aumento da violência – e por razões que não convêm tratar aqui. Basta vermos o caso da Venezuela, país que lidera o ranking das cidades mais perigosas do mundo, de acordo com estudo da ONG mexicana Conselho Cidadão para Segurança Pública e Justiça Penal, divulgado em abril deste ano.

Antes e depois de Chávez

Depois do ditador Hugo Chávez, a Venezuela deixou de ser um país pacífico e bem-sucedido para se transformar no monstrengo socialista cujos rebentos não têm leite em pó, frauda descartável ou papel higiênico. Ou o leitor não tem acompanhado o noticiário?

Não é apenas coincidência

Implantada a ditadura bolivariana na Venezuela, os bandidos bem-falantes tomaram de assalto as estatais e até mesmo as empresas privadas, enquanto seus comparsas analfabetos tratavam de cuidar das ruas. Ora, o que aconteceu na Venezuela não é diferente do que estamos assistindo por estas bandas depois dos governos Lula e Dilma, não é verdade?

Eles que o digam

É óbvio que o camarada Jenilson não pode ser culpado pelos assaltos e homicídios aos quais assistimos impotentes todos os dias na capital e no interior do Estado, mas seu partido sim! Ou, durante os governos do PT, o PCdoB fez questão de levar à Câmara dos Deputados e ao Senado o debate sobre o endurecimento das penas aos marginais? Se foi, este colunista está muito mal informado…

Discurso sonso

O deputado Jenilson Leite tem como prerrogativa pensar diferente do seu partido. E, pelo jeito, pensa mesmo! Só não pode é usar esse discurso sonso – ainda que verdadeiro –, segundo o qual a violência decorre da brandura das leis, como a isentar de responsabilidades o governo do companheiro Tião Viana – que, aliás, há muito tempo perdeu a guerra contra as facções criminosas.

Deputado estadual Jenilson Leite/Foto: Ascom Aleac

É o que lhes resta

Resta ao governador e a seus aliados jogarem a toalha vermelha.

Leitor comenta

A coluna reproduz comentário do assíduo (e interativo) leitor Jair Amorim sobre a deputada estadual Leila Galvão (PT), a propósito de comentário feito aqui sobre a pobreza de sua retórica. Segue abaixo.

Faz chover?

“A deputada não vence eleição por conta de oratória. Embora entenda que ela se expresse muito bem. Ela está no poder por ser a “Coronel” do governo o Alto-Acre. Por aqui ela faz casamento, manda prender e soltar, contrata, demite. Desconfio que, ultimamente, até no regime de chuvas da região de fronteira ela esteja interferindo, afinal já era para o inverno ter começado”.

Adendo

Apenas um acréscimo da coluna para quem porventura houver interpretado que Amorim discorda de nosso ponto de vista: expressar-se bem não significa dominar a retórica, sendo é, claro, apenas um dos quesitos para tal.

Nosso muito obrigado

Aos leitores, em especial a Jair Amorim, os nossos agradecimentos pela audiência a esta Pimenta no Reino. E o desejo de um descanso merecido neste feriado prolongado.

MPAC denuncia vereadores, ex-prefeitos de Brasileia e Plácido de Castro, e mais seis pessoas por esquema de corrupção





O Ministério Público do Estado do Acre (MPAC), por meio do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), ofereceu denúncia contra dezesseis pessoas, dentre elas os ex-prefeitos de Brasileia, Aldemir Lopes e Everaldo Gomes, o ex-prefeito de Plácido de Castro, Roney de Oliveira Firmino, e seis vereadores da legislatura anterior, que davam sustentação para a gestão municipal. A denúncia decorre da Operação Labor deflagrada pela Polícia Federal.

Os denunciados são acusados de desvio de dinheiro público, fraude a licitação, corrupção ativa e passiva e organização criminosa. Entre os parlamentares estão Joelso Pontes, Ivanaldo (‘Naldo’), Benedito Lima Rocha (‘Bil Rocha’), Marcos Tibúrcio dos Santos, Mario Jorge e Marivaldo da Silva. Alguns deles foram presos na quarta fase da Operação Labor pela Polícia Federal.

O promotor de Justiça Ildon Maximiano explica que a denúncia aponta que o município realizou fraudulentamente uma carona, aderindo a uma licitação de Plácido de Castro, para contratação de uma empresa de terceirização de mão de obra. Na época os dois prefeitos, Roney e Everaldo, se acertaram entre si para a realização da contratação fraudulenta, ficando acertado que o então prefeito de Brasileia receberia a quantia de R$ 20 mil a título de mesada.

“Roney participava da empresa como sócio informal recebendo a repartição dos lucros. Feita a contratação, os vereadores citados passaram a receber onze mil reais que eram distribuídos entre eles, mais ainda o pagamento à irmã do Vereador Joelso Pontes, que recebia valores como se estivesse trabalhando para a empresa, mas morava em Porto Velho [RO]”, explicou o promotor de Justiça.

No ano de 2014, o esquema se alterou, segundo a denúncia, e a empresa passou a emitir notas fiscais superfaturadas.

“Ela retirava o valor a mais do que o devido, os quais eram repassados a Aldemir Lopes, ou a pessoas em seu nome. Parte do valor ficava com o ex-prefeito Aldemir, ao passo que o restante era distribuído entre Everaldo, os vereadores e aliados políticos, que faziam parte da ‘folhinha’, nome dado pelos próprios componentes do esquema para a quantia que era superfaturada e posteriormente dividida”, detalhou Maximiano.

Nesse esquema, a denúncia afirma que foram desviados mais de R$ 1 milhão só neste contrato. O promotor de Justiça informou, ainda, que com o recebimento da denúncia por parte do juiz da Vara Criminal da Comarca de Brasileia, Clóvis Lodi, o processo prossegue para a citação dos acusados.

“A denúncia é parte do desempenho das funções constitucionais do Ministério Público. Estamos pedindo, ainda, o ressarcimento dos valores desviados a fim de que sejam revertidos em proveito do seu verdadeiro titular, que é a população de Brasileia”, considerou Maximiano.

Ana Paula Pojo – Agência de Notícias do MPAC

Alan Rick garante recursos para atender escolas atingidas por alagação em Tarauacá


Os recursos são da ordem de R$ 3.801.382,13 e serão distribuídos entre três escolas e creches

 Deputado Federal Alan Rick/Foto: Ascom


ASCOM - O Deputado Federal Alan Rick (DEM) garantiu nesta terça-feira, 10, o desbloqueio junto ao Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), de recursos emergenciais para reforma da Escola Maria Donizete Mota, da Creche/Pré-Escola Copacabana e da Escola Infantil Corcovado, em Tarauacá. Os recursos são da ordem de R$ 3.801.382,13.


“Tarauacá vem sofrendo os impactos de sucessivas alagações ao longo dos últimos anos. Na derradeira enchente, em março deste ano, vários bairros da cidade ficaram comprometidos. Neles, estavam algumas escolas, que passaram a precisar de reformas emergenciais, já que vinham de danos de enchentes anteriores. Para este fim, pleiteei recursos junto ao Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação. Tivemos, ontem, a feliz notícia de que estes recursos foram liberados após nossa intervenção”, disse o Deputado.

Com isso, a Escola Maria Donizete Mota, a Creche/Pré-Escola Copacabana e a Escola Infantil Corcovado já poderão começar as obras para voltar a atender seus alunos de forma adequada. “Agradeço imensamente ao Ministro da Educação, Mendonça Filho, ao Presidente do FNDE, Sílvio Pinheiro, e ao amigo Maurício Carvalho, que têm nos prestado grande apoio na defesa dos interesses do povo do Acre”, disse Alan Rick.

A prefeita Marilete Vitorino (PSD) fez questão de agradecer ao deputado Alan Rick pelo apoio no desbloqueio dos recursos. “Sem dúvidas esse desbloqueio chega em boa hora, uma vez que se tratam de recursos para a área de educação, incluindo a recuperação de uma creche de um importante bairro da nossa cidade, além de garantir as obras da escola Donizete, iniciada na gestão anterior sem que os recursos tivessem sido liberados, o que estava nos gerando problemas na gestão. Estamos muito agradecidos ao Deputado Alan Rick por ter nos ajudado junto ao MEC e ao FNDE para que os recursos possam finalmente chegar ao município e beneficiar nossos alunos”, disse.

TCU determina bloqueio de bens de Dilma por compra de Pasadena


A ex-presidente Dilma Rousseff comandava o
Conseho de Administração da Petrobras
 na época da compra de Pasadena
Marcelo Camargo/Arquivo/Agência Brasil

O Tribunal de Contas da União (TCU) determinou hoje (11) o bloqueio de bens da ex-presidente Dilma Rousseff por causa de prejuízos causados na compra da refinaria de Pasadena, no Texas, pela Petrobras. Também foram bloqueados os bens do ex-ministro Antonio Palocci e do ex-presidente da Petrobras José Sérgio Gabrielli, que integravam o Conselho de Administração da estatal na época da negociação.

Os bens ficarão bloqueados por um ano. Segundo o TCU, a medida deverá alcançar os bens considerados necessários para garantir o integral ressarcimento do débito em apuração, ressalvados os bens financeiros necessários às suas subsistências, inclusive tratamentos de saúde, e dos familiares deles dependentes. Dima, Palocci e Gabrielli ainda podem recorrer da decisão.

Segundo o TCU, o prejuízo com a compra de Pasadena chegou a US$ 580,4 milhões. O relator do processo, ministro Vital do Rego, destaca que houve erro nas decisões tomadas pelo conselho de administração da Petrobras na compra da refinaria.
Refinaria de Pasadena
Divulgação/Arquivo/Agência Petrobras
“À primeira vista todas essas circunstâncias poderiam indicar uma provável deficiência gerencial ou até mesmo decisões tomadas com base em cenários pertinentes, mas que não se realizaram.

No entanto, o aprofundamento das apurações e toda a documentação aqui carreada indicam má gestão proposital com a finalidade de encobrir desvios”, argumentou o ministro.

Em agosto, o TCU havia condenado Gabrielli e o ex-diretor da Área Internacional da Petrobras Nestor Cerveró a pagar US$ 79,89 milhões em conjunto, mais R$ 10 milhões cada em multas, além de ficar inabilitados para exercer cargo público por oito anos.

Em 2006, a Petrobras comprou 50% da Refinaria de Pasadena por US$ 360 milhões. Por causa das cláusulas do contrato, a estatal foi obrigada a comprar toda a unidade, o que resultou em um gasto total de US$ 1,18 bilhão. A compra foi aprovada por unanimidade pelo Conselho de Administração da Petrobras.

A assessoria da ex-presidente Dilma ainda não se manifestou sobre a decisão do TCU.

11 de out de 2017

'Abacaxi Gigante' de Tarauacá chega às mãos do Ministro do Turismo Marx Beltrão

Ministro Marx Beltrão

O 'Abacaxi Gigante' de Tarauacá chegou às mãos do Ministro do Turismo Marx Beltrão em Brasília causando furor no ministério pelo seu tamanho nunca antes visto na Capital Federal. A chegada do fruto à Brasília foi uma iniciativa de uma parte da Bancada Federal do Acre capitaneada pelos Senadores Gladson Cameli e Sérgio Petecão que era composta também pela Deputada Federal Jéssica Sales e o Deputado Federal Major Rocha. 

O intuito é promover ainda mais o estrondoso sucesso que fez o V FESTIVAL DO ABACAXI resgatado pela atual Prefeita de Tarauacá Marilete Vitorino e seu vice Chico Batista. 

TRIBUTO AO PASSADO- TARAUACÁ: JOSÉ GALERA DOS SANTOS, O CARRAPICHO

 Revista de 1956 foi publicado pela mesma revista Ano II setembro/outubro de 1957 Nº 6 - Parte I

Muito se ouve nos meios em que o assunto é cultura municipal sobre o Carrapicho, apelido do Sr. José Galera dos Santos que por muitos anos era o guarda campo da pista de pouso no município de Tarauacá onde hoje localiza-se a rua Tancredo Neves  e ainda hoje empresta seu nome para o aeroporto de Tarauacá.

Toda e qualquer informação é bem vinda e ajuda a montar o quebra cabeça dessa personalidade que tanto marcou a história dos tarauacaenses, principalmente os mais antigos.

Revista de 1956 foi publicado pela mesma revista Ano II setembro/outubro de 1957 Nº 6 - Parte II

Recebi do Major Dimitre da FAB (Força Aérea Brasileira), oficial que participou de milhares de missões e entre tantas aeronaves que voou como, por exemplo, o C-47 destaca-se o famoso Catalina, avião que ajudou a salvar tantas vidas nos mais distantes rincões da Amazônia, reportagens da ‘ESSEPEVE’ revista editada antigamente pela Força Aérea que são uma verdadeira relíquia sobre um dos nossos personagens antigos mais ilustres aqui da terra do abacaxi gigante, o lendário Carrapicho. São reportagens que nos dá uma ideia do tamanho da sua importância naquela época, época em que tudo era muito difícil, mas sem dúvida mais doce de se viver e que podemos reviver um pouco agora. Época em que a pujante sociedade tarauacaense ainda contava com peças teatrais, sarais, serenatas etc. porque nem TV havia aqui.
Antes algumas informações acerca da fonte:

‘ESSEPEVE’ vem de SPV (Serviço de Proteção ao Voo) editada no Rio de Janeiro pela DR (Diretoria de Rotas Aéreas), hoje é o DECEA (Departamento de Controle do Espaço Aéreo). Essa revista deixou de ser editada.

Carrapicho tinha um livro em que as tripulações deixavam o seus agradecimentos e também marcavam suas “promoções”. Já galgado a patente de Capitão no dia em que se deu seu contato com o Major Dimitre, o mesmo resolveu promovê-lo a Tenente Coronel. 

Major Dimitre deu-lhe uma camisa da FAB onde escreveu ‘TC CARRAPICHO’, (Tenente Coronel Carapicho), o que o fez sair exultante e dizendo:

“Estão vendo? Os homens querem assim!”.

Revista de 1961 foi publicada pela Revista ESSEPEVE ano VI Abril/Maio/Junho 1961 Ns 47/49

“O povo acreano está vivendo no regime semiaberto”, dispara Sinhasique


Da Assessoria - A líder do PMDB na Assembleia Legislativa do Acre (Aleac), deputada Eliane Sinhasique, destacou o aumento da criminalidade no Estado. Segundo o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), em 10 anos o número de homicídios no Acre cresceu 75%.

“O povo do Acre sai de manhã para trabalhar e no final do dia se tranca em casa com medo até de olhar pela janela. É como se estivéssemos no Regime Semiaberto, pagando por um crime que não cometemos. A violência está demais”.

Enquanto fazia a sua fala na Assembleia, na manhã de hoje (10), uma pessoa foi assassinada no bairro Calafate, em Rio Branco. “Está demais! Agora mesmo, uma pessoa acaba de ser assassinada. Ontem, assassinaram um rapaz no final da tarde aqui no Centro. Na semana passada, outro foi assassinado às 9h da manhã também no Centro”.

Segundo ela, as pessoas estão com medo de andar na cidade até durante o dia. “Estamos vivendo em total insegurança. Estão matando 3 e deixando 4 amarrados para matar no dia seguinte. Antes, matavam a noite. Agora, estão matando em qualquer horário".

Além dos assassinatos, a parlamentar frisa que acontecem assaltos e roubos. “Ontem, roubaram um carro em frente à Academia Power Fitness. Lá em Vila Campinas, o posto de combustível do meu amigo Áureo Gentil está sendo assaltado 2 vezes a cada 10 dias”.

Até os taxistas e entregadores de lanche estão restringindo as corridas por conta da criminalidade. “Os taxistas e entregadores estão horrorizados, já não fazem entrega em qualquer bairro”.
Com todo esse caos na Segurança Pública, a parlamentar questiona: “Cadê o secretário de Segurança Pública?”.

Sinhasique é autora de requerimento que convoca o secretário Emylson Farias, na Assembleia, para dar explicações da crescente violência no Estado. “O trabalho dele está totalmente equivocado, fora do eixo, sem norte, sem direção. Não vemos ação concreta por parte da Segurança Pública no sentido de combater a criminalidade”.