26 de mai de 2016

FACECOISAS - 26/05/2016


MINISTÉRIO PÚBLICO INVESTIGA OBRAS DE INSTALAÇÕES OLÍMPICAS POR SUSPEITA DE CORRUPÇÃO


Vista aérea do Parque Olímpico, no Rio de Janeiro.
REUTERS/Ricardo Moraes
Brad Brooks - O Ministério Público Federal ampliou sua investigação a todas as obras de instalações olímpicas e serviços que contaram com recursos federais para os Jogos do Rio por suspeitas de corrupção.

"Temos uma investigação aberta sobre as obras no Parque Olímpico e também na região da Deodoro onde estão localizadas instalações olímpicas", afirmou à Reuters o procurador federal do Rio de Janeiro Leandro Mitidieri, em entrevista em seu escritório.

A revelação amplia de forma significativa as investigações sobre suspeitas de corrupção envolvendo os Jogos do Rio, em agosto. Até o momento os inquéritos se concentravam em obras dos chamados projetos de legado, que não são diretamente ligados à Olimpíada.

Quando o Rio foi escolhido para sediar os primeiros Jogos Olímpicos da América do Sul, em 2009, esperava-se que o evento fosse uma vitrine para exibir o crescimento do Brasil como uma potência global, mas, em vez disso, a Olimpíada vai acontecer em meio ao processo de impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff, com a economia do país na pior recessão das últimas décadas e em meio a um surto de Zika que têm provocado enormes preocupações de saúde.

O procurador Mitidieri disse que sua equipe também está investigando o que aconteceu com os fundos federais destinados para a despoluição da Baía de Guanabara, onde acontecerão as provas olímpicas de vela, e das lagoas da Barra da Tijuca que cercam o Parque Olímpico.

Esses corpos de água têm sofrido com enorme contaminação por despejo de esgoto e continuam bastante poluídos, apesar de as promessas feitas pelas autoridades de melhorar a qualidade dessas águas terem sido um fator importante na promessa de legado dos Jogos.

Outra equipe de procuradores federais, em parceria com a Polícia Federal, está investigando se a companhia estadual de água do Rio, a Cedae, cometeu crimes ambientais ao não tratar corretamente o esgoto da região metropolitana do Rio.

Mitidieri não disse se sua equipe encontrou alguma prova de corrupção até o momento, mas acrescentou que anúncios detalhados sobre os resultados das investigações serão feitos nas próximas semanas.  
Continuação

25 de mai de 2016

TEL AVIV INSTALA PISTAS QUE RECARREGAM CARROS ELÉTRICOS


Israel Direto - O maior problema é aguentar as mentiras que o transporte elétrico só anda distâncias curtas  por causa das baterias. Outro mito é que  são muito mas caros, e pesam muito mais.

A solução criativa para o desenvolvimento de baterias avançadas para produção em massa, é presentmente a missão da empresa start-up israelense Alktroad (ElectRoad) que esta desenvolvendo propulsão e carregamento sem fio de veículos elétricos, sem a necessidade de baterias e durante a viagem.

A prefeitura de Tel Aviv, em cooperação Alktroad esta presentemente testando uma “estrada inteligente”, que permite a transmissão em tempo real de  energia elétrica ao veículo. A Infra-estrutura instalada pela Companhia, vem a testar sua durabilidade a longo prazo verificando desempenho  tráfego pesado  e flutuações de temperatura.

Oren Ezer, diretor da Alktroad, explica que o carregamento sem fio, futurista que possa parecer, não é complicado de fazer. Ele disse que o trabalho de infra-estrutura é relativamente simples. Ele inclui estenção de uma faixa estreita ao longo do asfalto, instalação de fios de  cobre  e conectá-los conversor de voltagem.

Assim, será possível também para reduzir o tamanho físico da bateria, reduzir o custo e reduzir o peso do veículo – ou até mesmo liberar o veiculo da bateria completamente. Bobinas na estrada não deve ter um impacto em veículos comuns que viajam a eles, pois eles são somente ativados somente quando o veículo elétrico adaptado para passar.

Meital Leavi , vice-prefeita e titular Transporte Portfolio de Tel Aviv disse: “Se a nossa experiência com Alktroad tiver suceso sucesso, como já era evidente, agora, tenho a intenção de promover uma cobertura mais ampla do projeto, promovendo ônibus elétricos – nas ruas ao redor da universidade.

”Comento: E nem um só comentário do Greenpeace? Nenhuma palavra do WWF? Seria porque, no fundo, essas ONGs ambientalistas têm uma agenda política de esquerda, e Israel não atrai sua simpatia, pois representa o aliado do maldito Tio Sam no Oriente Médio, um país capitalista bem-sucedido em meio a um monte de país islâmico atrasado? Perguntar não ofende…

TARAUACÁ: PREFEITURA DECRETA PONTO FACULTATIVO NA SEXTA FEIRA, 27/05



Em virtude do Decreto 035/2016, de 27 de abril de 2016, que institui ponto facultativo nos serviços públicos municipais nesta sexta-feira (27), devido ao feriado de Corpus Christi (26), a Prefeitura de Tarauacá divulga os horários de funcionamentos dos serviços públicos nestes dias. As Unidades administrativas estarão fechadas e os serviços de urgência e emergência atenderão em regime de escala.

Saúde - As Unidades Básicas de Saúde, param nos dias 26 e 27. Já o Hospital Dr. Sansão Gomes funcionará normalmente todos os dias.

Coleta de Lixo - Haverá coleta de lixo comum, NORMALMENTE, de acordo com cronograma de recolhimento nos bairros.

Assistência Social - O Conselho Tutelar terá plantão de funcionários durante o feriado. Os demais setores assistenciais seguem o Decreto Municipal.

Esporte e Lazer - As atividades esportivas e o setor administrativo da Secretaria não irão funcionar dias 26 e 27 de maio. Apenas o ginásio de esporte com eventos marcados, como rodada do Campeonato Interbairro 2016, conforme o cronograma de realização de Terça, Quinta e Sexta-feira.

ASSECOM -TARAUACÁ

SERRA DETERMINA A DIPLOMATAS QUE COMBATAM "ATIVAMENTE" QUESTIONAMENTOS AO IMPEACHMENT NO EXTERIOR


Ministro das Relações Exteriores, 
José Serra, durante cerimônia em Brasília.
REUTERS/Ueslei Marcelino
Lisandra Paraguassu - O ministro das Relações Exteriores, José Serra, enviou o todos os servidores no Brasil e no exterior uma circular com orientações para que combatessem “ativamente” quaisquer críticas feitas por governos, organismos internacionais e órgãos de imprensa ao processo de impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff, em um movimento que causou inquietação entre diplomatas.

A circular de número 101296, a qual a Reuters teve acesso, tem nove páginas e foi distribuída diretamente pelo gabinete ministerial --um movimento raro dentro do Itamaraty, onde as orientações aos postos costumam vir das áreas fins ou da Secretaria-Geral. O texto cita mais de uma dezena de “exemplos” de declarações feitas por entidades e governos que devem ser respondidas pelos diplomatas, com orientações políticas e favoráveis ao processo de impeachment.

“Como é de conhecimento de vossa excelência, órgãos de imprensa, acadêmicos e membros da sociedade civil, mas também dirigentes de organismos internacionais e representantes de governo têm-se manifestado, frequentemente de forma imprópria e mal informada, a respeito das questões de conjuntura política interna brasileira, em especial do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff, ora em curso”, diz o texto.

“Os equívocos porventura cometidos no tratamento de temas da realidade brasileira por autoridades locais na jurisdição do posto, geradores de percepções erradas sobre o corrente processo político no Brasil devem ser ativamente combatidos por vossa excelência”, continua a circular, dirigida a embaixadores e diplomatas, afirmando ainda que as declarações devem ser “enfrentadas com rigor e proficiência”.

O texto continua citando exemplos de problemas em declarações do secretário-geral da União de Nações Sul-Americanas (Unasul), Ernesto Samper, do secretario-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), Luis Almagro, da Aliança Bolivariana (Alba) e dos governos da Bolívia, Equador, Venezuela, Cuba e El Salvador.

São dados também subsídios para que os diplomatas possam defender o processo de impeachment. O texto fala, por exemplo, que o processo é político e segue rigorosamente o rito estabelecido pelo Supremo Tribunal Federal. E que deputados e senadores também receberam “milhões de votos para cumprir suas funções constitucionais”.

Mesmo entre diplomatas que mostraram entusiasmo com a chegada de um chanceler político, que poderia dar mais força ao Itamaraty, a circular não foi bem recebida. A crítica é que Serra estaria fazendo o mesmo que acusou os governos petistas de fazer, uma instrumentalização do ministério.

Um dos diplomatas ouvidos pela Reuters lembrou o caso do diplomata Milton Rondó Filho que, por iniciativa própria, mandou uma circular aos postos alertando para o risco de um golpe do Brasil. Rondó foi repreendido e o então secretário-geral Sérgio Danese revogou imediatamente a circular.

“Tem sido recorrente a tentativa de retirar legitimidade da instauração do processo de impeachment pelo Senado Federal”, diz a circular ditada pelo ministro, acrescentando que muitos entes estrangeiros têm “dificuldade de compreender a má gestão das contas públicas”. Essa dificuldade estaria evidenciada, exemplifica, nas declarações de Almagro e do governo boliviano.

A Reuters fez contato com o Itamaraty para questionar sobre a regularidade desse tipo de instruções e se teriam sido aprovadas pelo presidente interino Michel Temer. O ministério optou por não comentar.

CONGRESSO APROVA ALTERAÇÃO DA META FISCAL E PERMITE DEFICIT DE R$ 170,5 Bi


Nova equipe econômica conseguiu, ainda, o descontingenciamento de R$ 21,2 bilhões

Agência Estado

Em votação simbólica, o Congresso Nacional aprovou, na madrugada desta quarta-feira (25/5), a alteração da meta fiscal que permite um déficit de R$ 170,5 bilhões nas contas do governo central ao final de 2016. Com mais de 16 horas de votação, os deputados e senadores votaram ainda 24 vetos presidenciais que trancavam a pauta.

O projeto aprovado pela Casa inclui R$ 56,6 bilhões de riscos fiscais, passivos e despesas já contratadas, itens como a possibilidade de redução do resultado fiscal dos Estados, uma quantia de R$ 9,0 bilhões para evitar a paralisação de obras do PAC, além de R$ 3,5 bilhões para a Defesa e R$ 3 bilhões para a Saúde.

A nova equipe econômica conseguiu, ainda, o descontingenciamento de R$ 21,2 bilhões. Em março, o time então comandado pelo ex-ministro da Fazenda Nelson Barbosa pediu o contingenciamento temporário. A intenção do governo com a liberação dos recursos é garantir a continuidade do funcionamento da máquina pública.

A meta fiscal aprovada precisará ser sancionada pelo presidente em exercício, Michel Temer e prevê que o governo entregue, ao final do ano, um déficit de R$ 163,942 bilhões no setor público consolidado. O Governo Federal deverá apresentar um resultado primário negativo de R$ 170,496 bilhões. Para Estados e municípios, espera-se um superávit de R$ 6,554 bilhões

O presidente do Congresso agilizou a votação da meta fiscal. Já de madrugada, Renan evitou a votação dos destaques em separado e, também em votação simbólica, rejeitou os 15 destaques apresentados.

Com a aprovação da matéria o governo não precisará mais contingenciar R$ 137,9 bilhões no orçamento deste ano, o que seria impossível já que a base contingenciável é de apenas R$ 29 bilhões. A equipe econômica contava com a votação do projeto até o segunda-feira (30) para evitar um descumprimento da Lei de Responsabilidade Fiscal.

O senador Romero Jucá (PMDB-RR), que é ex-ministro do Planejamento e construiu a proposta de mudança fiscal, esteve presente durante todo o dia e foi um dos primeiros a falar durante a sessão do Congresso. Já durante a madrugada, Jucá pediu a palavra para rebater críticas que recebeu de deputados oposicionistas após o vazamento de áudio em que se mostra contra a operação Lava Jato.

A sessão foi marcada por tentativas da oposição de obstruir a votação. Os deputados oposicionistas, além de atacarem o ex-ministro do Planejamento, também pediram, diversas vezes, que a mudança da meta fosse votada na Comissão Mista de Orçamento (CMO). O presidente da Casa precisou intervir para evitar que a sessão se arrastasse ainda mais.

O relator da matéria, deputado Dagoberto (PDT-MS) encaminhou um parecer favorável à aprovação e acatou, integralmente, os pedidos do governo. Durante a leitura do seu relatório ele classificou o déficit de R$ 170,5 bilhões de "justo e bom para o País".

24 de mai de 2016

COMISSÃO DA ALEAC APROVA PEC QUE ACABA COM PENSÃO DE EX-GOVERNADORES E PROPOSTA IRÁ PARA VOTAÇÃO



Ex-governadores como Jorge Viana, Binho Marques e Flaviano Melo recebem o benefício

Ex-governadores do Acre podem ter pensão cortada

GINA MENEZES - Foi aprovado por unanimidade na sessão desta terça-feira (24), na Assembleia Legislativa do Acre (Aleac), a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que trata sobre a extinção do pagamento de pensão a ex-governadores do Estado do Acre. A PEC foi aprovada na principal comissão do parlamento, a de Constituição e Justiça, preparando a proposta para serlevada para votação em plenário.

De acordo com o autor da PEC, deputado Ghelen Diniz (PP), a aprovação na comissão especial é sinal de que a proposta também será aprovada no plenário do parlamento.

“A PEC foi aprovada por unanimidade em uma comissão composta por vários partidos, inclusive o relator da proposta foi o deputado Lourival Marques (PT). Estamos confiante que vai ser aprovada”, disse.

Desde que assumiu como deputado estadual que Ghelen Diniz legisla pelo fim do pagamento de pensão as ex-governadores afirmando tratar-se de um pagamento imoral e ilegítimo.

“E um gasto imenso, uma grande quantia que sai dos cofres públicos para ser pago a ex-governadores, sendo que entre eles temos deputados federais e até senadores que nem precisam deste dinheiro”.

QUEM COLOCOU FAROL DE XENON EM SEUS CARROS SERÁ PEGO - POLÍCIA MILITAR E ÓRGÃOS COMPETENTES TÊM QUE FICAR ATENTO AOS INFRATORES


Agora, mesmo durante o dia, dirigir em rodovia com farol apagado dá multa
Quem desobedecer será multado em R$ 85,13 e perderá quatro pontos na carteira

Alexandre Guzanshe/EM
Adriana Bernardes - O motorista será obrigado a dirigir com o farol baixo ligado mesmo durante o dia quando circular por rodovias e túneis. A norma está na Lei Federal nº 13.290, publicada nessa segunda-feira (23/05), no Diário Oficial da União. 

Quem desobedecer, comete infração média e será multado em R$ 85,13, além da perda de quatro pontos na carteira de habilitação. Ainda não está claro quando a mudança começa a valer, pois, a lei não traz o prazo de quando a norma passa a vigorar. 

Fontes consultadas pelo Correio, ainda divergem sobre o prazo. Uns acreditam ser imediatamente. Outros, consideram que a alteração no Código de Trânsito Brasileiro surtirá efeito daqui a 45 dias. 

O fato é que, no Distrito Federal, boa parte das vias mesmo dentro da cidade, são rodovias. Como o Eixo Rodoviário, a Estrutural, a L4 e a Estrada Parque Taguatinga, entre outras.

Nota do Blog 1: O Subtítulo é o título original.

Nota do Blog 2: Já passou da hora desses 'mautoristas' que vivem infringindo a Lei começarem a ser incomodados. Esses faróis de xenon vive encandeando (ofuscando para os de fora), a vista de quem vem em sentido contrário. Claro que os veículos que vem de fábrica e tem controle de dirigibilidade nos faróis com xenon estão fora, mas têm muitos em Tarauacá que estão fora desse critério.

SINDICATO DOS JORNALISTAS DO ACRE - NOTA DE REPÚDIO


O Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado do Acre – Sinjac, por meio de seu representante, presidente Victor Augusto Nogueira de Farias, vem a público REPUDIAR a atitude misógina, truculenta, antiética e antidemocrática do militante partidário Ramon Aquim, contra a jornalista, Eliane Sinhasique por meio de redes sociais.

É lamentável que a profissional tenha sofrido agressão de forma covarde contra sua honra. Atitude como esta demonstra a falta de respeito e democracia às divergências de pensamentos ou posicionamentos.

As autoridades públicas não podem e não devem ser coniventes com essa violência à profissional e à sociedade! 

O Sindicato dos Jornalistas recomenda aos envolvidos nas campanhas políticas a manutenção do mais alto nível no debate político.

Que, independente da cor partidária, os postulantes a cargos eletivos e seus militantes usem da mesma régua que utilizam para os seus pares, com a mesma deferência que se tratam, pelo bem da Democracia em nosso Estado. 

Rio Branco, 23 de maio de 2016
VICTOR AUGUSTO NOGUEIRA DE FARIAS
Presidente SINJAC

23 de mai de 2016

CÂMARA DERRUBA DECRETO DE CONSELHO POPULAR DE DILMA


PMDB lidere rebelião na base aliada que susta os efeitos da criação de novas instâncias de participação popular

                  RICARDO DELLA COLETTA E DAIENE CARDOSO 
Oposição comemora anulação do decreto presidencial que criou os conselhos populares Foto: André Dusek/Estadão

Apenas dois dias depois da vitória da presidente Dilma Rousseff, o PMDB da Câmara liderou uma nova rebelião da base aliada e, junto com a oposição, provocou a primeira derrota do Palácio do Planalto após a reeleição da petista. Apesar das manobras regimentais do PT para evitar a conclusão da votação em plenário, os deputados aprovaram o projeto que susta os efeitos de um decreto editado por Dilma que criou novas instâncias de participação popular.

"Essa derrota é para mostrar que o discurso de diálogo não pode ficar na teoria", disse o deputado Lúcio Vieira Lima (PMDB-BA) em um recado direto à presidente reeleita. Em seu discurso da vitória, no último domingo, a petista defendeu o díalogo com todos os setores.


Editado no final de maio, o decreto de Dilma institui a Polícia Nacional de Participação Social (PNPS) e o Sistema Nacional de Participação (SNPS). O texto, apesar de não criar novos conselhos populares, estabelece que órgãos e entidades da administração pública federal, direta e indireta, deverão ouvir instâncias de participação social para a formulação de políticas públicas. O mesmo vale para agências reguladoras.

Desde que foi publicada, a medida tem sido bombardeada pela oposição e por integrantes da própria base, que a acusam de ferir prerrogativas do Congresso Nacional e de ser "bolivarianista".

O líder do DEM, deputado Mendonça Filho, classificou a proposta da presidente de "autoritária" e disse que ela está "passando por cima do Parlamento". "Ele é (um decreto) espelhado na Venezuela de Hugo Chávez. É um projeto que verdadeiramente afronta o Legislativo", declarou.

O deputado Afonso Florence (PT-BA), por sua vez, rebateu as críticas da oposição e alegou que o texto editado por Dilma apenas "organiza um sistema de conselhos que já existe". "Não há uma linha que possa ser citada para dizer que este decreto subtrai prerrogativas do Legislativo", disse o petista.

Preocupados com a perspectiva de um revés pouco depois da reeleição de Dilma, o PT obstruiu a sessão e acusou a oposição de buscar um "terceiro turno" da sucessão presidencial. Entretanto, na primeira votação de um requerimento que visava retirar o projeto de Mendonça Filho da pauta, o PT, PCdoB e PSOL ficaram isolados. Além do PMDB, siglas da base como PSD, PR e PDT foram contra a orientação do Palácio do Planalto. Com sua aprovação, a proposta ainda precisará ser analisada pelo Senado.

Quebra de braço. O confronto entre governo e oposição em torno da suspensão do decreto da presidente Dilma vem se estendendo ao longo dos últimos meses. O baixo quórum registrado nos meses em virtude da campanha eleitoral inviabilizaram a aprovação de qualquer matéria na Câmara.

Mesmo com o impasse, o presidente da Câmara, deputado Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), bancou a votação e tomou a dianteira para que o processo fosse concluído ainda na noite desta terça-feira. Ele se elegeu deputado pela primeira vez em 1970 e concorreu neste ano ao governo do Rio Grande do Norte, mas foi vencido pelo vice-governador Robinson Faria (PSD). O peemedebista credita sua derrota a um vídeo de apoio a seu adversário gravado pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Apesar disso, Alves nega que esteja "retaliando" o Palácio do Planalto ao pautar um projeto que pode causar um revés ao Palácio do Planalto. De acordo com ele, o tema tem inviabilizado que as discussões na Casa avancem há pelo menos três meses. "É uma desinformação. Há três meses, no processo eleitoral, abria (a votação) no mesmo item. Como não havia entendimento, a sessão caia por falta de quórum e ficava por isso mesmo", disse Alves.

O peemedebista também anunciou quer votar nos próximos dias uma proposta de emenda à Constituição (PEC) que torna obrigatório o pagamento de emendas parlamentares individuais. Chamada de PEC do Orçamento Impositivo, esse projeto é uma promessa de campanha de Henrique Alves, que quer vê-lo aprovado antes de deixar o Congresso. Integram a lista de "projetos-bomba" do peemedebista a proposta que concede aposentadoria integral para o servidor que se aposentar por invalidez, outra que recupera o número de salários mínimos a que tinha direito o aposentado na concessão do benefício, o aumento de repasses do Fundo de Participação dos Municípios e o adicional noturno para policiais e para bombeiros. 

EX-TESOUREIRO CONTINUOU A AGIR CRIMINOSAMENTE DEPOIS DO MENSALÃO, DIZ PF


João Cláudio Genu é um dos alvos da Operação Repescagem, a 29° fase da Lava-Jato
 Roosewelt Pinheiro/ABr

Eduardo Militão - Segundo a investigação da Polícia Federal, ex-assessor do PP João Cláudio Genu continuou a agir criminosamente depois do mensalão. Um dos alvos da Operação Repescagem, a 29° fase da Lava-Jato, ele foi preso em Brasília, nesta manhã de segunda-feira (23/5), em um hospital, como acompanhante de uma pessoa. Outros dois mandados de prisão temporária e seis mandados de busca e apreensão estão sendo cumpridos nas cidades de Brasília, Rio de Janeiro e Recife.

Elementos probatórios, de acordo com a PF, apontaram a participação de Genu “também no esquema criminoso que vitimou a Petrobrás, motivo pelo qual passou a ser investigado novamente na Operação Lava-Jato”, informou a corporação. “As investigações apontam que ele continuou recebendo repasses mensais de propinas, mesmo durante o julgamento do mensalão e após ter sido condenado, repasses que ocorreram pelo menos até o ano de 2013.”
Saiba mais
Lava-Jato: PF mira ex-tesoureiro do PP e cumpre mandados no DF

Investigação
Os mandados foram expedidos pela 13ª Vara Federal de Curitiba/PR em procedimento que investiga os crimes de formação de quadrilha, lavagem de dinheiro e corrupção passiva a ativa envolvendo verbas desviadas do esquema criminoso revelado no âmbito da Petrobras. A investigação apura crimes de formação de quadrilha, lavagem de dinheiro e corrupção passiva a ativa em relação a valores desviadas do esquema na Petrobrás.

Mensalão
Genu foi denunciado junto com Janene no mensalão. Ele foi acusado de sacar R$ 1,1 milhão em espécie de valores considerados propinas das contas da agência SMP&B, de Marcos Valério Fernandes Souza, condenado no caso e réu na Lava-Jato. Janene morreu antes do julgamento no Supremo Tribunal Federal. Genu foi condenado por corrupção e lavagem, mas o primeiro crime prescreveu e, em recursos posteriores, ele foi absolvido do segundo crime.

O nome da 29ª fase, chamada de Repescagem, é uma referência ao fato de o ex-assessor de Janene já ter sido processado no mensalão e agora ser alvo da Lava-Jato.

EM GRAVAÇÕES, JUCÁ FALA EM PACTO PARA DETER LAVA-JATO, DIZ JORNAL


Em entrevista, ministro diz que não pensa em pedir demissão e que não se sente constrangido
   

Romero Jucá, ministro do Planejamento - Marcos Alves / Agência O Globo

Semanas antes da votação do processo de impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff na Câmara, em março, o atual ministro do Planejamento, Romero Jucá (PMDB-RR), sugeriu em conversas com o ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado que uma “mudança” no governo resultaria em um pacto para “estancar a sangria” atribuída à Operação Lava-Jato. Em entrevista à "Rádio CBN" na manhã desta segunda-feira, após a divulgação do conteúdo das conversas pelo jornal "Folha de S. Paulo", Jucá disse que não tem intenções de se demitir.

— Primeiro, eu não me sinto constrangido (em continuar no cargo de ministro), porque não estou fazendo nada errado. Quanto às investigações, estou muito tranquilo, à disposição para dar qualquer esclarecimento. Numa democracia madura, qualquer um pode ser investigado se houver alguma dúvida. Não há nenhum demérito em ser investigado, só em ser condenado — afirmou o ministro.

As conversas foram gravadas de forma oculta, somam 1h15min e estão sob poder da Procuradoria-Geral da República (PGR), diz a "Folha de S. Paulo".

O ex-presidente da Transpetro temia que as apurações contra ele na Lava-Jato fossem enviadas do Supremo Tribunal Federal (STF) ao juiz Sérgio Moro, em Curitiba. “O Janot está a fim de pegar vocês. E acha que eu sou o caminho. Ele acha que eu sou o caixa de vocês”, afirma Machado a Jucá.

Segundo a “Folha de S. Paulo”, Machado passou a procurar líderes do PMDB. Os diálogos sugerem que, para ele, o envio de seu caso para Curitiba seria uma forma de pressioná-lo a fazer delação premiada. Machado, então, pediu que fosse montada uma “estrutura” para protegê-lo.

“Aí fodeu. Aí fodeu todo mundo. Como montar uma estrutura para evitar que eu ‘desça’? Se eu ‘descer’...”, afirmou.

Machado disse ainda que novas delações não “deixariam pedra sobre pedra”. Jucá, então, concordou que o caso não poderia ficar com Moro e disse que seria necessária uma resposta política. “Se é político, como é a política? Tem que resolver essa porra. Tem que mudar o governo para estancar essa sangria”, disse Jucá.

LEIA TRECHOS DOS DIÁLOGOS DIVULGADOS PELA “FOLHA DE S. PAULO”

Data das conversas não foi especificada

SÉRGIO MACHADO - Mas viu, Romero, então eu acho a situação gravíssima.

ROMERO JUCÁ - Eu ontem fui muito claro. [...] Eu só acho o seguinte: com Dilma não dá, com a situação que está. Não adianta esse projeto de mandar o Lula para cá ser ministro, para tocar um gabinete, isso termina por jogar no chão a expectativa da economia. Porque se o Lula entrar, ele vai falar para a CUT, para o MST, é só quem ouve ele mais, quem dá algum crédito, o resto ninguém dá mais credito a ele para porra nenhuma. Concorda comigo? O Lula vai reunir ali com os setores empresariais?

MACHADO - Agora, ele acordou a militância do PT.

JUCÁ - Sim.

MACHADO - Aquele pessoal que resistiu acordou e vai dar merda.

JUCÁ - Eu acho que...

MACHADO - Tem que ter um impeachment.

JUCÁ - Tem que ter impeachment. Não tem saída.

MACHADO - E quem segurar, segura.

JUCÁ - Foi boa a conversa mas vamos ter outras pela frente.

MACHADO - Acontece o seguinte, objetivamente falando, com o negócio que o Supremo fez [autorizou prisões logo após decisões de segunda instância], vai todo mundo delatar.

JUCÁ - Exatamente, e vai sobrar muito. O Marcelo e a Odebrecht vão fazer.

MACHADO - Odebrecht vai fazer.

JUCÁ - Seletiva, mas vai fazer.

MACHADO - Queiroz [Galvão] não sei se vai fazer ou não. A Camargo [Corrêa] vai fazer ou não. Eu estou muito preocupado porque eu acho que... O Janot [procurador-geral da República] está a fim de pegar vocês. E acha que eu sou o caminho.

[...]

JUCÁ - Você tem que ver com seu advogado como é que a gente pode ajudar. [...] Tem que ser política, advogado não encontra [inaudível]. Se é político, como é a política? Tem que resolver essa porra... Tem que mudar o governo pra poder estancar essa sangria.

[...]

MACHADO - Rapaz, a solução mais fácil era botar o Michel [Temer].

JUCÁ - Só o Renan [Calheiros] que está contra essa porra. 'Porque não gosta do Michel, porque o Michel é Eduardo Cunha'. Gente, esquece o Eduardo Cunha, o Eduardo Cunha está morto, porra.

MACHADO - É um acordo, botar o Michel, num grande acordo nacional.

JUCÁ - Com o Supremo, com tudo.

MACHADO - Com tudo, aí parava tudo.

JUCÁ - É. Delimitava onde está, pronto.

MACHADO - O Renan [Calheiros] é totalmente 'voador'. Ele ainda não compreendeu que a saída dele é o Michel e o Eduardo. Na hora que cassar o Eduardo, que ele tem ódio, o próximo alvo, principal, é ele. Então quanto mais vida, sobrevida, tiver o Eduardo, melhor pra ele. Ele não compreendeu isso não.

JUCÁ - Tem que ser um boi de piranha, pegar um cara, e a gente passar e resolver, chegar do outro lado da margem.

*

MACHADO - A situação é grave. Porque, Romero, eles querem pegar todos os políticos. É que aquele documento que foi dado...

JUCÁ - Acabar com a classe política para ressurgir, construir uma nova casta, pura, que não tem a ver com...

MACHADO - Isso, e pegar todo mundo. E o PSDB, não sei se caiu a ficha já.

JUCÁ - Caiu. Todos eles. Aloysio [Nunes, senador], [o hoje ministro José] Serra, Aécio [Neves, senador].

MACHADO - Caiu a ficha. Tasso [Jereissati] também caiu?

JUCÁ - Também. Todo mundo na bandeja para ser comido.

[...]

MACHADO - O primeiro a ser comido vai ser o Aécio.

JUCÁ - Todos, porra. E vão pegando e vão...

MACHADO - [Sussurrando] O que que a gente fez junto, Romero, naquela eleição, para eleger os deputados, para ele ser presidente da Câmara? [Mudando de assunto] Amigo, eu preciso da sua inteligência.

JUCÁ - Não, veja, eu estou a disposição, você sabe disso. Veja a hora que você quer falar.

MACHADO - Porque se a gente não tiver saída... Porque não tem muito tempo.

JUCÁ - Não, o tempo é emergencial.

MACHADO - É emergencial, então preciso ter uma conversa emergencial com vocês.

JUCÁ - Vá atrás. Eu acho que a gente não pode juntar todo mundo para conversar, viu? [...] Eu acho que você deve procurar o [ex-senador do PMDB José] Sarney, deve falar com o Renan, depois que você falar com os dois, colhe as coisas todas, e aí vamos falar nós dois do que você achou e o que eles ponderaram pra gente conversar.

MACHADO - Acha que não pode ter reunião a três?

JUCÁ - Não pode. Isso de ficar juntando para combinar coisa que não tem nada a ver. Os caras já enxergam outra coisa que não é... Depois a gente conversa os três sem você.

MACHADO - Eu acho o seguinte: se não houver uma solução a curto prazo, o nosso risco é grande.

*

MACHADO - É aquilo que você diz, o Aécio não ganha porra nenhuma...

JUCÁ - Não, esquece. Nenhum político desse tradicional ganha eleição, não.

MACHADO - O Aécio, rapaz... O Aécio não tem condição, a gente sabe disso. Quem que não sabe? Quem não conhece o esquema do Aécio? Eu, que participei de campanha do PSDB...

JUCÁ - É, a gente viveu tudo.

*

JUCÁ - [Em voz baixa] Conversei ontem com alguns ministros do Supremo. Os caras dizem 'ó, só tem condições de [inaudível] sem ela [Dilma]. Enquanto ela estiver ali, a imprensa, os caras querem tirar ela, essa porra não vai parar nunca'. Entendeu? Então... Estou conversando com os generais, comandantes militares. Está tudo tranquilo, os caras dizem que vão garantir. Estão monitorando o MST, não sei o quê, para não perturbar.

MACHADO - Eu acho o seguinte, a saída [para Dilma] é ou licença ou renúncia. A licença é mais suave. O Michel forma um governo de união nacional, faz um grande acordo, protege o Lula, protege todo mundo. Esse país volta à calma, ninguém aguenta mais. Essa cagada desses procuradores de São Paulo ajudou muito. [referência possível ao pedido de prisão de Lula pelo Ministério Público de SP e à condução coercitiva ele para depor no caso da Lava jato]

JUCÁ - Os caras fizeram para poder inviabilizar ele de ir para um ministério. Agora vira obstrução da Justiça, não está deixando o cara, entendeu? Foi um ato violento...

MACHADO -...E burro [...] Tem que ter uma paz, um...

JUCÁ - Eu acho que tem que ter um pacto.

[...]

MACHADO - Um caminho é buscar alguém que tem ligação com o Teori [Zavascki, relator da Lava Jato], mas parece que não tem ninguém.

JUCÁ - Não tem. É um cara fechado, foi ela [Dilma] que botou, um cara... Burocrata da... Ex-ministro do STJ [Superior Tribunal de Justiça].

FALTA DE RECURSOS DEIXA 46% DA FROTA DA MARINHA PARADA


Restrições orçamentárias afetam projetos das Forças Armadas; Jungmann afirma que custeio consome quase totalidade dos recursos


 - O presidente em exercício Michel terá de lidar com o descontentamento nas Forças Armadas com as graves restrições orçamentárias que vêm enfrentando nos últimos anos. A Marinha está com 46% da frota parada e sem navios de escolta suficientes para dar proteção às plataformas do pré-sal. A previsão é que o projeto de construção do submarino com propulsão nuclear atrase mais quatro anos, sendo concluído após 2025 – última projeção feita.

No Exército, a situação também é considerada complicada e houve necessidade de se fazer um redesenho do portfólio estratégico da Força. Os frequentes contingenciamentos exigiram redução drástica na linha de produção do blindado Guarani, que poderá levar a Iveco, fabricante do equipamento, a suspender a produção por falta de pagamento. Segundo informações, o Exército não terá recursos para pagar a empresa daqui a três meses.

Na Aeronáutica, não é diferente. Quase metade da frota está parada. A construção do avião cargueiro KC 390 só está em prosseguimento porque a Embraer, mesmo sem receber o R$ 1,4 bilhão devido pelo governo federal, está bancando o projeto sozinha, que já sofre atraso de dois anos na sua certificação.

“Quase a totalidade do orçamento (da pasta) hoje é consumido com custeio de pessoal, deixando em segundo plano projetos que são fundamentais para a garantia da soberania do País e para o avanço tecnológico que, apesar de serem germinados na Defesa, transbordam a Defesa e trazem benefício para todo o desenvolvimento do País”, disse ao Estado o novo ministro da Defesa, Raul Jungmann. “Precisamos criar base para ter uma previsibilidade para garantir desembolso de recursos que deem continuidade, em um ritmo adequado, dos projetos estratégicos evitando que projetos que deveriam durar cinco, seis anos, não durem 20 ou 30 anos, como estamos vendo hoje.”

Fronteiras. Jungmann fez referência, por exemplo, ao projeto do Sistema Integrado de Monitoramento das fronteiras (Sisfron). “Ele é de importância vital para o País”, afirmou , para quem o Brasil tem de ter “um cuidado especial com suas fronteiras, especificamente com a Venezuela que hoje vive em uma instabilidade grande e que muitas vezes provoca uma migração para cá”.

O Sisfron começou a ser implantado em 2013, com prazo de conclusão de 10 anos. Só que, se for mantido o cronograma atual de repasses, ele só será finalizado em 2040, já com equipamentos obsoletos. O atraso impacta 22 empresas nacionais de alta tecnologia envolvidas no processo, com demissão de pessoal qualificado e eliminação da capacidade produtiva.

Dos R$ 185 milhões que o Exército precisava, no mínimo, este ano, para dar prosseguimento ao projeto em 2016, a previsão – ainda sujeita a cortes – não chega a R$ 140 milhões. Os chamados restos a pagar do ano passado que já deveriam ter sido repassados às empresas que estão trabalhando no projeto somam R$ 236 milhões.

A Marinha – cujos navios que estão operando tem idade média de 33,3 anos – também sofreu um forte baque no final de 2015, quando teve de suspender, devido a restrições orçamentárias, o projeto para controlar e vigiar a zona econômica exclusiva brasileira do Oceano Atlântico, chamado de Sistema de Gerenciamento da Amazônia Azul (Sisgaaz). O projeto, semelhante ao Sisfron das fronteiras, iria proteger uma área de 4,5 milhões de quilômetros quadrados do Atlântico, onde o Brasil tem imensas plataformas petrolíferas.

No caso da Aeronáutica, a demora do governo em concluir a compra de 36 aviões de caça para atualizar a frota da Força Aérea Brasileira deixou ameaçada a capacidade do País de proteção do espaço aéreo nacional. O projeto só foi assinado em agosto passado, após se arrastar por mais de 12 anos. Outro projeto que sofre restrição orçamentária é o programa de dados, que permite o uso de comunicação por data link entre controladores de tráfego aéreo e pilotos.

MAIS UM BEBÊ MORRE NA MATERNIDADE BARBARA HELIODORA, NA CAPITAL


João Renato Jácome - Uma criança morreu na Maternidade Bárbara Heliodora, nesta sexta-feira, 20, menos de meia hora após o parto. A família da acusa os médicos da maternidade de negligencia e afirma que o atendimento dado à grávida foi tardio, o que teria prejudicado o nascimento da criança. A família é de Capixaba e veio a Rio Branco em busca de atendimento especializado.

Segundo o pai da criança, a grávida já havia procurado a unidade, mas foi liberada e informada que o parto só deveria acontecer no fim do mês ou no mês de junho, quando ela deveria retornar à unidade para receber o atendimento. A família está revoltada e afirmou que um dos médicos, após avaliar exames e ultrassom, a liberou porque não era o médico dela.

Em entrevista a uma emissora de TV local, a Gerente da Maternidade Bárbara Heliodora, Rossana de Oliveira, garantiu que todos os óbitos que ocorrem sob suspeita de negligência, em que possa ter havido “algo irregular”, são apurados. Ela ressaltou que terá “acesso aos prontuários, a toda documentação, boletins emergenciais, tudo será apurado. Todos os profissionais que atenderam essa paciente serão ouvidos”, promete a gestora.

As imagens da criança, enviadas ao ac24horas por um dos familiares, mostra o quanto o bebê estava inchado. Além disso, o atestado de óbito elaborado na unidade de saúde afirma que houve “aspiração neonatal de mecónio”, ou seja, o líquido do intestino [como se fossem fezes] do próprio bebê teria entrado pelas narinas e boca, causando graves consequências.

Isso, segundo especialistas, acontece principalmente quando há “sofrimento fetal”. Com a demora do parto, e com a criança passando da hora de nascer, ela abre a boca de forma energética, aspirando nos pulmões os líquidos contaminados. Quando percebido, o parto precisa ser feito de forma imediata. O mecónio aspirado é mais espesso e pode obstruir mais facilmente as vias respiratórias.

Quando se fala em sofrimento fetal, quer dizer que algo vai mal antes ou durante o parto. Em geral, é detectado através da leitura dos gráficos do monitor fetal, onde ficam registradas todas as alterações na frequência cardíaca do feto.

O “sofrimento fetal” é um termo bastante amplo, usado para expressar uma situação de dificuldade no intercâmbio feto-materno, que coloca em perigo o feto podendo produzir lesões irreversíveis devido à diminuição do fluxo de oxigênio. É o que explica o Guia Infantil, especializado no assunto.

O documento, assinado por uma médica pediatra, atesta ainda que a criança apresentou “hipertensão pulmonar”, “hemorragia pulmonar” e “hipertensão materna pulmonar”, apontando terem disso essas as causas que levaram o bebê à morte.

20 de mai de 2016

CURSO DE BRONZEAMENTO NATURAL EM TARAUACÁ COM CAMILLA MOREIRA


Está ai uma nova oportunidade pra você montar seu próprio negócio, não percam essa chance, estarei em todas as cidades do Acre e Rondônia. 

E para melhor desempenho do seu trabalho estarei revendendo produtos de altíssima qualidade para um bronzeado perfeito. 

Para mais informações liguem 9933 6893.

Obs: Aceitamos cartão. 

By, Camilla Moreira

RO: OPERAÇÃO PRENDE SUSPEITO QUE PARTICIPOU DE ASSALTO DE 11 FUZIS EM BASE NAVAL BOLIVIANA


Uma operação conjunta entre o NI (Núcleo de Inteligência) e policiais da COE (Companhia de Operações Especiais), resultou na prisão de um trio identificado como Jorge S. T, Clóvis H. O e Valnei V. G. Com o trio foram apreendidas três espingardas e duas motocicletas roubadas.

As prisões aconteceram na Linha 03, projeto São Francisco, distante cerca de 50 km da capital rondoniense ao longo da BR 319, sentido Humaitá – AM. Os policiais foram ao local depois de receberem denúncia, que em um sítio havia um foragido da Justiça com armas de fogo.

Segundo a polícia, a operação foi deflagrada na noite de quinta-feira (19), para combater o crime organizado. Um dos presos, sendo Jorge foi apontado como integrante da quadrilha que assaltou a Base Naval boliviana, onde foram roubados 11 fuzis e grande quantidade de munições.

Os homens foram encaminhados para a Central de Polícia e ficaram à disposição da Justiça. As armas apreendidas foram entregues ao delegado de plantão.

TRIBUTO AO PASSADO -TARAUACÁ: OS PRIMEIROS TARAUACAENSES DA POLICIA MILITAR

Blog do Accioly

MARCHA CONTRA O CRACK E OUTRAS DROGAS ACONTECE NA TARDE DESTA SEXTA-FEIRA


A marcha em prol do combate às drogas deve percorrer o quarteirão da Assembleia Legislativa do Estado do Acre

A marcha em prol do combate às drogas deve percorrer o quarteirão da Aleac

THALIS GUTIERRES - Na tarde desta sexta-feira (20), parlamentares, líderes religiosos, representantes de entidades de assistência a dependentes químicos e a comunidade acreana se reunirão na frente do Palácio Rio Branco em prol da luta contra o crack e outras drogas.

O evento vai oferecer sorteio de sacolões, cadeira de rodas e camisas, além da atração nacional, o músico Fernandinho, que deve se apresentar a partir da 16 horas.

A marcha em prol do combate às drogas deve percorrer o quarteirão da Assembleia Legislativa do Estado do Acre (Aleac), acompanhada de um trio elétrico.

A autoria do evento é da ex-deputada federal Antônia Lúcia, responsável pelo projeto de lei que instituiu o dia 16 de abril como o Dia Nacional da Consciência contra o Crack e Outras Drogas.

SAAB DISPONIBILIZA VÍDEO DO ROLL OUT DO GRIPEN E



O Gripen será o  novo caça da FAB (FORÇA AÉREA BRASILEIRA)

19 de mai de 2016

SPETTUS GRILL, O CHURRASQUINHO QUE ESTÁ GANHANDO FAMA EM RIO BRANCO



Para os tarauacaenses que moram em Rio Branco vou tomar a liberdade de fazer uma indicação gourmet.

Experimentei o churrasquinho da Spettus Grill Churrasquinho e Cia próximo a FAMETA, e olha me surpreendi com o sabor.

Além do processo de montagem ser feito com toda higiene, lá de cara você sente o bom atendimento haja vista disponibilizarem pra você sinal de Wi Fi, e vamos admitir, são raros hoje em dia os lugares que você sabe que pode ingerir um alimento que teve asseio em seu processo.

Além disso tudo, ainda aceitam encomendas, é só ligar para 9928 6699 ou 9994 7663 e falar com o Sávio ou a Marla.

O Carro chefe dos espetinhos é o filé com bacon, mas você também encontra linguiça fina tipo Josefina, frango, queijo e até com abacaxi.

As quartas e quintas feira ainda servem uma deliciosa sopa. 

Pra chegar lá é bem fácil. Localiza-se no Bairro da Paz na Rua Valdomiro Lopes, 1984, ao lado da Igreja Quadrangular, 200 mts logo após a ponte.

Confira!