12 de dez de 2017

Tribunal da Lava Jato marca julgamento de Lula para 24 de janeiro


Ex-presidente foi condenado pelo juiz federal Sérgio Moro no caso triplex em 1.ª instância
       
 Lula. Foto: Nilton Fukuda/Estadão


Julia Affonso, Fausto Macedo e Ricardo Brandt - O Tribunal Regional Federal da 4.ª Região (TRF4) marcou para o dia 24 de janeiro o julgamento do ex-presidente Lula na Operação Lava Jato.

Lula foi condenado pelo juiz federal Sérgio Moro a 9 anos e 6 meses por corrupção e lavagem de dinheiro em 1.ª instância, em 12 de julho, no caso triplex. O TRF4 é o tribunal de apelação.

O desembargador João Pedro Gebran Neto, relator da ação penal, já concluiu seu voto, mas ainda não o tornou público.

Nesta terça-feira, 12, o desembargador revisor Leandro Paulsen pediu que fosse marcada a data do julgamento. No dia 24 de janeiro, Paulsen deverá, então, entregar seu voto.

O terceiro juiz da 8.ª Turma do TRF4, que cuida das ações relativas à Lava Jato, desembargador Victor Luis dos Santos Laus, também poderá ler seu voto na sessão.

Se ele pedir vista, no entanto, o julgamento poderá ser adiado.

Fugindo do inferno II - Onda de imigrantes da Venezuela pode gerar crise humanitária em Roraima. a reportagem especial é da Reuters


Venezuelana se abriga com filho em ginásio de Boa Vista, em Roraima 17/11/2017 REUTERS/Nacho Doce


 Anthony Boadle - Em agosto passado, Victor Rivera, um padeiro desempregado de 36 anos, deixou sua cidade-natal no norte da Venezuela e enfrentou dois dias de viagem por estrada para chegar à cidade de Boa Vista, em Roraima.

Embora o trabalho seja escasso na localidade de 300 mil habitantes, as poucas perspectivas de Boa Vista atraem mais Rivera do que a vida em casa, onde seus seis filhos muitas vezes passam fome e as prateleiras dos mercados e hospitais estão cada vez mais vazias.    “Não vejo futuro na Venezuela”, disse Rivera, que procura bicos nos semáforos da capital de Roraima, situada a 200 quilômetros da fronteira brasileira com o país andino.

Países da América Latina e também de outras regiões vêm recebendo um número crescente de venezuelanos em fuga da crise econômica, do crime e do que críticos afirmam ser um governo cada vez mais autoritário.    A nação antes próspera, que abriga as maiores reservas de petróleo conhecidas do mundo, está lutando com uma recessão profunda, desemprego generalizado, escassez crônica de bens e uma inflação que em breve pode chegar a 2 mil por cento, segundo a Assembleia Nacional oposicionista.    Ao menos 125 pessoas morreram neste ano em confrontos entre opositores do governo, apoiadores e policiais.

Como as condições locais pioram, cidades próximas como Boa Vista estão às voltas com uma das maiores imigrações da história recente da América Latina. Com infraestrutura, serviços públicos e empregos limitados para oferecer aos imigrantes, as autoridades brasileiras temem uma crise humanitária.    Na semana passada, o governo de Roraima decretou uma “emergência social”, colocando os serviços locais em alerta devido à procura crescente por atendimentos de saúde e segurança.

“Os abrigos já estão cheios até o limite”, disse George Okoth-Obbo, chefe de operações do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur), após uma visita. “É uma situação muito difícil.”    Ele ressaltou a onda de imigrantes que também atinge Trinidad e Tobago, país caribenho ao norte da Venezuela, e a Colômbia, vizinho andino do oeste, para onde centenas de milhares fugiram.

Nem mesmo o governo da Venezuela sabe ao certo quantos de seus 30 milhões de habitantes fugiram nos últimos anos. Alguns sociólogos estimaram o número em até 2 milhões, mas o governo de esquerda do presidente Nicolás Maduro questiona a cifra.

BRASIL NÃO ESTÁ PREPARADO
Ao contrário de imigrações anteriores, nas quais muitos profissionais venezuelanos partiram rumo a mercados nos quais seus serviços encontravam grande procura, muitos dos que partem agora têm poucas habilidades ou recursos – e ao imigrarem, exportam alguns dos males sociais com os quais sua terra natal vem lutando.

“Eles estão partindo por causa de problemas econômicos, de saúde e segurança pública, mas estão colocando muita pressão em países que têm suas próprias dificuldades”, disse Mauricio Santoro, cientista político da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Autoridades internacionais estão comparando o êxodo venezuelano a outras movimentações em massa do passado latino-americano, como a dos refugiados que fugiram do Haiti após o terremoto de 2010 ou, pior, a fuga de 125 mil cubanos para os Estados Unidos de barco em 1980.    O Brasil já recebeu até 40 mil venezuelanos, disse Okoth-Obbo. Pouco mais da metade deles pediu asilo, um processo burocrático que pode demorar dois anos.    O pedido lhes garante o direito de ficar no Brasil enquanto a solicitação é analisada, e também lhes dá acesso a saúde, educação e outros serviços sociais.    Alguns imigrantes em Boa Vista estão encontrando maneiras de sobreviver, procurando acomodação barata ou se hospedando nos poucos abrigos, como um ginásio local, providenciados pelas autoridades. Outros se tornam sem-teto, e alguns recorrem a crimes, como a prostituição, acrescentando problemas com a lei aos desafios sociais.

“Temos um problema muito sério que só irá piorar”, disse a prefeita de Boa Vista, Teresa Surita, acrescentando que as ruas antes tranquilas da cidade agora estão repletas de venezuelanos pobres.

Ao chegar de transporte público na cidade da fronteira venezuelana de Santa Elena, eles entram no Brasil a pé e depois pegam ônibus ou caronas até Boa Vista.

Com funcionários apenas durante o dia, o posto de fronteira acaba ficando aberto, permitindo que até 400 imigrantes entrem diariamente, de acordo com as autoridades.

“O governo brasileiro não está preparado para o que vem acontecendo”, disse Jesús López de Bobadilla, um padre católico que administra um centro de refugiados na fronteira. Ele serve café da manhã com frutas, café e pão para centenas de venezuelanos.

As escolas da capital receberam cerca de 1.000 crianças venezuelanas. O hospital local não tem mais leitos por causa da demanda maior por atendimento, inclusive de muitas gestantes do país vizinho.    Em julho, um menino venezuelano de 10 anos morreu de difteria, uma doença que estava ausente de Roraima há tempos. Giuliana Castro, secretária de Segurança Pública do Estado, disse que tratar de imigrantes doentes é difícil por eles não terem estabilidade, como uma residência fixa.    “Existe o risco de uma crise humanitária aqui”, declarou ela.    A maioria dos imigrantes em Boa Vista disse que não pretende voltar à Venezuela até que as condições do país melhorem.

“Não havia leite nem vacinas”, contou Carolina Coronada, que trabalhava como contadora em Maracay, cidade do norte venezuelano. “Agora consigo dormir à noite, sem me preocupar em ser assaltada”.

Inspeção veicular será obrigatória no Brasil até o fim de 2019; veja regras


Medida será aplicada em veículos com mais de 3 anos de uso ou comerciais e de frotas de empresas


O Conselho Nacional de Trânsito (Contran) anunciou na última sexta-feira (8) as novas regras da Inspeção Técnica Veicular, que será obrigatória em todo o Brasil até 31 de dezembro de 2019.

Essa inspeção será aplicada em veículos com mais de 3 anos de uso ou comerciais e de frotas de empresas, com o objetivo verificar condições de segurança e emissões de poluentes dos veículos em circulação no país.

Em relação aos valores, o Detran de cada região do Brasil vai decidir quanto será o custo dessa vistoria, já que a resolução do Contran não definiu preços, segundo a resolução. 

A inspeção passa a valer somente após o Detran de cada estado apresentar o cronograma para a implementação da regra. A data limite para isto é 1 de julho de 2018. O próprio órgão deve fazer a inspeção ou empresas credenciadas com equipamentos aprovados pelo Inmetro.

Veículos obrigados a fazer a vistoria

Segundo a resolução, deverão fazer a vistoria veículos particulares novos, de até 7 lugares, depois de 3 anos de vida, desde que não tenham modificações e não se envolvam em acidentes com danos médios ou graves nesse meio tempo.

Os veículos que são de empresas deverão fazer a inspeção após dois anos de uso. O prazo para veículos de transporte escolar será de seis meses e para veículos de transporte internacional de cargas ou passageiros, de 1 ano. Os modelos de coleção ou de uso militar estarão isentos.

Reprovações

Os veículos serão reprovados na inspeção no primeiro ano de operação do programa se apresentarem “defeitos muito graves” em qualquer parte do carro; "defeitos graves" no sistema de freios, pneus, rodas ou nos equipamentos obrigatórios” ou “utilizando equipamentos proibidos”; ou ainda se reprovado na inspeção de “controle de emissão de gases poluentes e ruído”.

Caso o carro for reprovado, o dono deve fazer as reparações detectadas e fazer uma nova inspeção sem custo adicional.

Se o proprietário do veículo não fizer a inspeção, será cobrada uma multa de R$ 195,23, sendo considerado infração grave. A vistoria já estava prevista no Código de Trânsito Brasileiro (CTB), mas não tinha sido regulamentada até este momento. 

11 de dez de 2017

Indústria de materiais de construção deve crescer até 2% em 2018, diz Abramat


Estadão Conteúdo

A indústria de materiais de construção vê a possibilidade de voltar a crescer em 2018, após anos seguidos de retração no faturamento em meio à crise econômica nacional. A perspectiva para o ano que vem é de uma oscilação na receita do setor entre 0% e 2%, de acordo com a Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção (Abramat).

O número é composto por uma perspectiva de crescimento de 3% nas vendas no varejo e de um oscilação de -2% a 2% nas vendas para as construtoras.

“Para 2018, esperamos ver a continuação de um bom comportamento nas vendas de materiais no varejo, ainda que possam ser um pouco menores do que neste ano”, estima o presidente da Abramat, Walter Cover. Ele lembra que as vendas para consumidores serão beneficiadas pelo ambiente de inflação baixa e melhora da renda da população. Por outro lado, não haverá recursos extras no bolso das famílias, como aconteceu neste ano com a liberação do saque das contas inativas do FGTS.

Por sua vez, o quadro de vendas para as construtoras – que atuam com obras públicas de infraestrutura e edificações no setor imobiliário – tem uma dose extra de incertezas. Cover acredita que a aprovação das reformas e o avanço mais robusto da economia nacional podem destravar esses mercados. No entanto, há dúvidas sobre a disponibilidade de recursos da Caixa Econômica Federal e do FGTS para financiar a compra e a aquisição de imóveis, o que pode gerar um gargalo para novos empreendimentos. Além disso, 2018 é um ano eleitoral, que não permite início de obras depois de abril. “Tem que liberar essas obras já para vermos os efeitos nas vendas”, pondera Cover.

Neste ano, a indústria de materiais deve terminar com um recuo de 5% nas vendas, de acordo com projeções da Abramat. Pesquisa da associação divulgada nesta segunda-feira, 11, mostra que, em novembro, as vendas caíram 3% em comparação com o mesmo mês do ano passado.

Já no acumulado de 2017, as vendas diminuíram 4,7%. No que diz respeito ao nível de emprego da indústria de materiais de construção, novembro apresentou queda de 3,9% na comparação com o mesmo mês do ano passado. No ano, houve baixa de 3,9%.

“Os principais motivos pelo desempenho negativo em 2017 continuam sendo a alta taxa de desemprego, os juros altos no mercado – incluindo o Construcard – e a crise política que se alonga e prejudica a economia brasileira como um todo”, acredita Cover.

10 de dez de 2017

Prefeitura de Tarauacá inova mais uma vez e lança o primeiro natal ecológico da história do município



A Prefeita de Tarauacá Marilete Vitorino pediu para sua equipe da cultura comandada pela Secretária Edna Yawanawá e assessorada pelo Paulo Onofre e equipe, realizar um feito inédito na cidade lançando o I Natal Ecológico na história do município.

Só para se ter uma ideia básica, foram usadas mais de 6.000 garrafas pets que foram aproveitadas para fazer todo material artístico envolvido no tema natalino, fora galões e garrafas de água mineral dentre outros materiais recicláveis. 

Pneus também foram aproveitados pra fazer lixeiras que permanecerão no local para uso da população na praça Valério Caldas que sempre é bem visitada inclusive por turistas quer seja no novenário de São Francisco, quer seja no festival do abacaxi.

Mais uma vez uma decisão inédita e acertada de uma administração moderna e voltada em prol do município.

9 de dez de 2017

EXCLUSIVO: A bomba de Palocci contra Lula e o PT


Ex-ministro diz em delação que Kadafi, líder líbio morto em 2011, deu 1 milhão de dólares à campanha de Lula em 2002; ação pode levar à cassação do partido

Amigos - Lula e Kadafi: negócios com empreiteiras e ajuda secreta para a campanha do ex-presidente (Ricardo Stuckert/PR)


Robson Bonin  - A imagem acima foi captada no encontro da Cúpula América do Sul-Áfri­ca, que aconteceu na Venezuela em 2009. Lula era presidente do Brasil pela segunda vez e o ditador Muamar Kadafi ainda comandaria a Líbia por mais dois anos, antes de ser deposto, capturado e executado.


Não é uma cena protocolar, como se observa no aperto de mão informal. A fotografia retrata dois líderes que se diziam “irmãos”. Durante 42 anos, Kadafi governou a Líbia seguindo o protocolo dos tiranos. 

Coronel do Exército, ele liderou um golpe em 1969. No poder, censurou a imprensa, reprimiu adversários e impôs leis que permitiram punições coletivas, prisão perpétua, tortura e morte a quem contrariasse o regime. Dinheiro líbio também financiou grupos terroristas e movimentos políticos em vários cantos do planeta. Entre os que receberam recursos da ditadura líbia estavam, de acordo com o ex-minis­tro Antonio Palocci, o PT e seu líder máximo, o ex-presidente Lula.

A revelação de Palocci está contida na sua proposta de delação entregue ao Ministério Público. Segundo ele, em 2002 Kadafi enviou secretamente ao Brasil 1 milhão de dólares para financiar a campanha eleitoral do então candidato Lula. Fundador do PT, ex-­prefeito de Ribeirão Preto, ex-ministro da Fazenda do governo Lula e ex-­chefe da Casa Civil de Dilma Rousseff, Palocci esteve no centro das mais importantes decisões do partido nas últimas duas décadas. Condenado a doze anos por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, há sete meses ele negocia um acordo de delação premiada. Em troca de redução de pena, compromete-se a contar detalhes de mais de uma dezena de crimes dos quais participou. Um dos capítulos da colaboração trata das relações financeiras entre Lula e o ditador líbio — e tem potencial para fulminar o partido e o próprio ex-presi­dente.

A pedido de Alan Rick MEC autoriza curso de medicina em Cruzeiro do Sul


Essa é uma vitória não só para os estudantes do Acre, como também para a própria saúde do estado que carece de profissionais


Assessoria - O deputado federal Alan Rick (DEM), obteve mais uma conquista para o sistema de saúde do Acre e para alunos interessados em estudar medicina no estado. Atendendo a pedido do parlamentar acreano, o Ministro da Educação Mendonça Filho deu início ao processo que autorizará faculdades privadas a instalarem o curso de medicina em Cruzeiro do Sul.

A portaria que trata da questão, assinada pelo próprio Ministro foi publicada nesta quinta-feira, 7, no Diário Oficial da União. A Portaria Normativa 18/2017 estabelece os procedimentos de pré-seleção e adesão de municípios para autorização de funcionamento de curso de graduação em medicina por instituição de educação superior privada, e o Edital nº 2/2017, que já menciona os municípios selecionados, um deles Cruzeiro do Sul.


“Essa é uma vitória não só para os estudantes do Acre, como também para a própria saúde do estado que carece de profissionais. E quem melhor nos atenderia que os próprios acreanos?”, destaca Alan Rick acrescentando que segue trabalhando para tornar possível, ainda, a complementação do curso de medicina na cidade, beneficiando assim os estudantes formados no exterior.

Ministro da Saúde garante a Gladson e Ilderlei recursos para Barcos-Fluviais e 22 ambulâncias para o Acre


Cameli também solicitou investimentos no valor de R$3 milhões para indicação das emendas extra-orçamentárias e a liberação do pagamento das Unidades Básicas de Saúde

 Gladson, Iderlei e ministro da Saúde em Brasília

Da Assessoria - Com o objetivo de melhorar a saúde pública dos acreanos o senador Gladson Cameli (PP-AC) e o prefeito de Cruzeiro do Sul, Ilderlei Cordeiro (PMDB-AC) conseguiram nesta terça-feira,05, em reunião com o ministro da Saúde, Ricardo Barros, a garantia de recursos para a compra de dois barcos- fluviais, um para Cruzeiro e outro para Feijó e também vinte e duas ambulâncias para cada município estão garantidas.

Gladson Cameli acredita que é preciso avançar na construção de um modelo de atenção básica adaptado para os ribeirinhos. “A conquista de barcos mais modernos é fundamental para melhorar o atendimento. Tem comunidades que não tem condições de irem à cidade para procurarem um médico. Por isso, essa conquista é fundamental para nossa gente. O governo federal tem nos apoiado e essas vinte e duas ambulâncias também farão diferença na melhoria da saúde de cada município”, disse.

O prefeito de Cruzeiro ressaltou a importância desse barco para atender a população. “Agradeço muito ao governo federal, ao ministro e ao senador Gladson Cameli. Esse barco traz muitos benefícios à população ribeirinha. Hoje o barco que temos é de madeira e está no estaleiro. Os recursos para a compra de um de ferro, bem mais moderno, chega no momento oportuno”, destacou Iderlei.

Durante a reunião o senador também solicitou investimentos no valor de R$3 milhões para indicação das demandas extra-orçamentárias dos municípios. “O nosso estado precisa se desenvolver e a saúde precisa ser uma das prioridades dos representantes dos acreanos. Estou cumprindo meu papel e o meu empenho para levar mais recursos para os municípios é diário”, concluiu Cameli.


Barco-Fluvial de madeira que atende os ribeirinhos em Cruzeiro do Sul está em manutenção

Brasil bloqueia 9 milhões de celulares perdidos ou roubados desde 2016, diz Anatel


Tais Haupt - O total de celulares bloqueados no Brasil desde março de 2016 até novembro somou 9,1 milhões, informou a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) nesta sexta-feira.

Apenas em 2017, até novembro, 1,58 milhão de aparelhos perdidos, furtados ou roubados foram bloqueados, alta de 21 por cento em relação ao mesmo período do ano anterior, segundo o Cadastro Nacional de Estações Móveis Impedidas (Cemi). O sistema é supervisionado pela Anatel e entrou em funcionamento em março de 2016.

Do total de aparelhos inutilizados até o momento em 2017, 8,975 milhões foram bloqueados a pedido dos usuário diretamente às operadoras.

Os demais bloqueios foram feitos a partir de boletins de ocorrência junto às polícias estaduais e do Distrito Federal em conjunto com as empresas de telefonia.

No final de novembro, a Anatel também aprovou o cronograma para implementar o bloqueio de celulares irregulares, que não tem certificação da agência e IMEI - código de identificação internacional. 

7 de dez de 2017

Carrocinha de carga de moto em Tarauacá se solta e quase provoca acidente grave


Um carrinho de carga puxado por moto desses que vemos todos os dias andando pela cidade se soltou na rua Sansão Gomes batendo em um dos pilares de madeira do restaurante da Juliana, por pouco não atinge um freguês que estava jantando no momento.

Não vai demorar muito até que um carrinho desses atinja uma pessoa podendo causar graves lesões ou até mesmo levar essa pessoa a óbito.

Esses carrinhos de carga trafegam pra lá e pra cá na cidade sem a menor fiscalização, são carrinhos sem  placas e até mesmo sem lanternas ou refletores trafegando à noite. 

Há um tempo atrás eu já falei a respeito disso. (aqui)

As autoridades precisam agir em relação a esse problema antes que alguém morra.

“Por falta de material, entrega de RG é novamente prejudicada”, denuncia Sinhasique



Ravenna Nogueira - A peemedebista Eliane Sinhasique usou a tribuna da Assembleia Legislativa do Acre (Aleac), na manhã desta quarta-feira (6), para denunciar que as carteiras de identidades não estão sendo entregues pelo Instituto de Identificação do Acre por falta do plástico que encobre o documento.

“Ontem, uma senhora de Acrelândia, carregando uma bebê de colo, veio à Rio Branco pela quinta vez para buscar a sua carteira de identidade e foi informada pelo IML que não estava pronta porque a película que cobre a carteira está em falta. Há dois meses, ela deu entrada no pedido do RG (Registro Geral)”, contou a parlamentar.

Por esse motivo, Eliane criticou Projeto de Lei do Executivo que dispõe sobre o aumento de 100% na taxa de emissão da 2° via da carteira de identidade. Caso o projeto seja aprovado, o valor da emissão da 2° via do RG vai passar de R$ 22 para R$ 57, 52.

“Para aumentar o valor da emissão da 2° via do RG, o Governo é bom, mas para cumprir os prazos da entrega desse RG, não é. Esse Governo não sabe o que é eficiência no Serviço Público”.

Sinhasique ressaltou que esse atraso na entrega do documento é corriqueiro. “Quando não é um papel muito pequeno que tem que ser devolvido, é a tinta à base de cera que deu enormes prejuízos aos cofres públicos. Essa tinta derreteu e borrou inúmeras carteiras de identidades dos acreanos”.

Dr. Rosaldo Aguiar (Baba), dá lição de moral em politiqueiros que perderam de vez a vergonha. Parabéns Dr. Baba.





No apagar das luzes, governo do Acre envia projetos à Aleac com aumento de impostos para 2018


Algumas taxas, como a de 2° via do RG, podem subir até 200 % se os projetos do Executivo forem aprovados 



Deputados de oposição denunciam manobra tradicional do Executivo de enviar projetos que oneram a sobrevivência no Estado, no limiar do ano legislativo. “Todo fim de ano é assim. O Governo entope a Assembleia de Projetos. Devido ao acúmulo de trabalho, as questões não têm nem tempo de serem debatidas. É uma maldade com a população”

O desabafo é do deputado Gehlen Diniz (Progressistas), que se somou à colega Eliane Sinhasique (PMDB) na reclamação contra o aumento de mais de 200% na taxa para a segunda via da Carteira de Identidade (RG).

A taxa, pelo projeto, vai subir de R$ 22 para R$ 57. “Não é possível que o Executivo não consiga enviar para esta Casa um projeto que beneficie a população”, desabafou a deputada Eliane Sinhasique (PMDB).

Algumas taxas, como a de 2° via do RG, podem subir até 200 % se os projetos do Executivo forem aprovados/Foto: reprodução

Mas o que está provocando tensão é o projeto de reparcelamento das dívidas do Estado com a Caixa Econômica. O projeto foi aprovado na Assembleia Legislativa, com o voto contrário da oposição. Contudo, na terça-feira (5) o projeto voltou ao Legislativo com uma pequena mudança, mas foi retirado na manhã desta quarta-feira (6) pelo Governo do Estado para uma adequação.

Sobre isso, o deputado Gehlen Diniz destaca que o endividamento do Acre é equivalente ao PIB do Estado. Segundo ele, são tantos reparcelamentos que se o Estado fosse uma pessoa física seria o mesmo que estar pagando apenas a parcela mínima do cartão de crédito.

“Estamos aqui porque temos que votar, mas já adianto que nós da oposição votaremos contra. Já votamos contra da outra vez, não será uma palavra ou duas que vão mudar nosso entendimento”, salientou Diniz. Os dois projetos do Executivo entrarão na pauta de votações na sessão desta quinta-feira (7), se houver quórum para votar.

Petrobras reduz preço do diesel em 2,2% nas refinarias, no segundo maior corte em dezembro


José Roberto Gomes -A Petrobras reduzirá os preços do diesel em 2,2 por cento nas refinarias a partir de sexta-feira, informou nesta quinta-feira a estatal em comunicado em seu site.

Essa é a quarta redução nos valores do combustível neste mês e a segunda maior em tal período, atrás apenas do corte de 5,7 por cento em 2 de dezembro.

O preço da gasolina não sofrerá reajuste na sexta-feira.

6 de dez de 2017

Engenheiro que reabriu a BR-364 detona trabalho de Marcus Alexandre: "Venderam uma mentira para população"



O prefeito de Rio Branco, Marcus Alexandre (PT), junto com o Governo do Acre, “venderam uma mentira para a população”, antes, durante e depois da obra da BR-364. Quem afirma isso sem pedir segredo é o superintendente do Dnit no Acre, engenheiro Thiago Caetano, o homem que acaba de reabrir a estrada, construída sobre “areia”. Como técnico, Thiago diz que “foi vendido para população uma idéia de que algum dia essa BR foi concluída, quando, na verdade, pelos critérios técnicos, ela nunca atingiu os parâmetros mínimos de uma BR nova, recém construída, por isso tivemos que fazer um projeto de reconstrução”.


A obra comandada pelo então diretor do Deracre, Marcus Alexandre, atual prefeito da capital, “colocou em risco a vida das pessoas e o abastecimento do Vale do Juruá, uma vez que mudou-se o modal de abastecimento, do aquaviário para o rodoviário, sendo dado fim as balsas e ao sistema de estocagem, sem que fosse mantido um plano de contingenciamento e isso, para uma BR ainda em construção, representou um grande risco para a população do Juruá, caracterizando, até certo ponto, uma Irresponsabilidade.

Thiago Caetano atribui essa irresponsabilidade a Marcus Alexandre, “uma vez que era ele o gestor dessa obra, além de ser engenheiro, e, como tal, teria a obrigação de ter esses conhecimentos técnicos do real estado em que a rodovia se encontrava”. Talvez por isso, a equipe de marketing do PT tenha mudado de estratégia, deixando de tratar o prefeito como “técnico” ou “gerentão” para o pobre coitado que sai pela casa das pessoas pedindo um cafezinho e demonstrando intimidade com as pessoas. “Pode ver que ele não é mais tratado como técnico, depois que a podridão da BR começou a feder”, diz Caetano com exclusividade ao Blog do Evandro Cordeiro.

Quanto a recuperação da estrada, Caetano diz que será pelo período de dois ou três anos. Mas em 2019 está prevista a reconstrução total da BR, cuja licitação deve acontecer até final de 2018. "Por enquanto vamos mantê-la aberta para garantir a vida das pessoas naquela região", afirma o engenheiro Caetano, que é funcionário de carreira do Dnit.  

Projeto que impede demissão de servidores do Pró-Saúde é aprovado na CCJ da Aleac



Ray Melo - Apesar dos protestos do líder do governo, Daniel Zen (PT), o projeto que tem como objetivo impedir a demissão dos servidores concursados do Pró-Saúde foi aprovado na Comissão de Constituição e Justiça da Aleac na manhã desta terça-feira (5) na Aleac. O presidente da Comissão de Saúde, da Casa, o deputado Raimundinho da Saúde (PODEMOS) disse que o projeto teve que passar por uma revisão para se adequar a legislação e evitar vícios de constitucionalidade.

Agora que passou na CCJ, nós vamos tentar colocar em votação ainda essa semana no plenário, porque já vem o recesso na semana que vem. Inclusive, eu tinha uma sessão solene na quinta-feira, suspendi para poder ter uma sessão ordinária para ter mais um dia de trabalho e votar esse projeto antes do recesso. A pauta é urgente e diz respeito a vida econômica de muitos pais de família. Portanto, se faz necessária a tramitação com urgência”, diz Raimundinho.

O deputado destaca que houve um impasse que chegou a prejudicar a tramitação do projeto. “Nós tínhamos feito o projeto original que era adequação para autarquia, mas depois alguns deputados quiseram criar uma fundação que pode ser privada e voltava ao que era antes, uma celetista, e o que queremos é uma estatutária. As autarquias, mesmo que elas sejam extintas pelo governo, ele é obrigado a absorver todo patrimônio da autarquias e o servidor é patrimônio”.

A votação da matéria na CCJ teve apenas uma abstenção que foi do líder do governo Daniel Zen. O petista quer mais tempo para analisar a proposta dos sindicatos e servidores. Zen chegou a questionar a elaboração do parecer pelos técnicos da Casa, destacando que anteriormente, um projeto foi aprovado e teve que ser extinto por decisão judicial. Ele disse que não iria assinar um parecer que pode levar a uma contestação da assinatura de um deputado por inconstitucionalidade.

Guerra no Juruá: População começa a se armar para reagir contra facções, diz deputado


Polícia de Cruzeiro do Sul sabe quem são e onde moram os piratas e não faz nada para impedir ação

 Barqueiros temem por suas vidas/Foto: cedida


No Alto Acre, a população está precisando se precaver de formas mais radicais para fugir da violência. A declaração é do deputado Luiz Gonzaga (PSDB), que ouviu da boca de barqueiros e produtores rurais que estão se sentindo ameaçados.

Segundo os produtores, a polícia de Cruzeiro do Sul sabe quem são e onde moram os piratas e não faz nada para impedir a ação deles.

“Vai ter morte. Pelo que ouvi das pessoas que utilizam os rios, a única saída é a reação armada. Temos medo que aconteça um banho de sangue nos rios do Juruá e não é por falta de aviso”, disse o deputado tucano.

Depois da denúncia dos deputados Luiz Gonzaga e Nicolau Júnior (PP), o secretário de Segurança, Emylson Farias, esteve na cidade e deu entrevista na rádio, afirmando que a situação estava sob controle.

“Os aposentados são os que mais sofrem. Eles vêm de barco para receber as aposentadorias e os piratas roubam tudo, na volta. Precisamos de uma ação da polícia. E rápida”, concluiu Gonzaga.

Produção de petróleo no Brasil deve subir 3,8% em 2017, para 2,7 mi bpd, diz EPE


Rodrigo Viga Gaier - A produção média de petróleo no Brasil deve subir 3,8 por cento neste ano, ante o ano passado, para 2,7 milhões de barris por dia (bpd) e deverá dobrar até 2026, com a entrada de novos campos, afirmou nesta terça-feira o diretor da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), José Mauro Coelho.

Ele explicou que em 2016 a produção nacional da commodity atingiu 2,6 milhões de bpd, e a perspectiva é crescente para nos próximos anos até se atingir o nível de 5,2 milhões de bpd em 2026.

“Você tem campos entrando em produção, novos equipamentos, mas o crescimento agora e no curto prazo se dá lentamente”, disse o diretor da EPE a jornalistas em evento da Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan).

“A partir de 2022, com a entradas dos grandes campos e aumento no ritmo de produção, como Libra e Búzios, por exemplo, haverá um salto grande na produção”, afirmou.

Coelho destacou que a expectativa é que em 2026 o Brasil se torne um grande exportador de petróleo com vendas externas de 3 milhões de bpd.

Esse patamar pode diminuir caso evoluam as negociações com chineses interessados em construir uma refinaria no Maranhão com uma capacidade de processamento diário de 300 mil a 400 mil barris.

“A gente entende que nos próximos anos o Brasil será importador de médios, como diesel e QAV (querosene de aviação), e o investimento lá será importante para reduzir a importação desses produtos”, afirmou Mauro.

Trump reconhecerá Jerusalém como capital de Israel rompendo décadas de políticas dos EUA


Donald Trump, é visto perto de bandeira 
de Israel,  em Jerusalém 

Steve Holland - O presidente norte-americano, Donald Trump, anunciará nesta quarta-feira

que os Estados Unidos reconhecem Jerusalém como a capital de Israel e que irão mudar sua embaixada para a cidade, rompendo com políticas de longa data dos EUA e potencialmente provocando tensões.

Apesar de alertas de aliados ocidentais e árabes, Trump orientará o Departamento de Estado, em um discurso à 13h (16h no horário de Brasília) na Casa Branca, para começar a procurar por um local para uma embaixada em Jerusalém, como parte do que deve ser um processo de anos para transferir as operações diplomáticas de Tel Aviv.

Trump deve assinar uma isenção de segurança nacional adiando a transferência da embaixada, uma vez que os Estados Unidos não têm uma estrutura de embaixada em Jerusalém para ocupar. Uma autoridade graduada do governo disse que pode demorar entre três e quatro anos para construir uma embaixada.

Entretanto, a decisão de Trump, uma promessa central de sua campanha eleitoral no ano passado, irá romper com décadas de políticas norte-americanas que têm visto o status de Jerusalém como parte de uma solução de dois Estados para israelenses e palestinos, que querem Jerusalém Oriental como sua capital.

Aliados de Washington no Oriente Médio advertiram contra as perigosas repercussões dessa decisão quando Trump conversou com eles na terça-feira.

“O presidente acredita que isso é um reconhecimento da realidade”, disse uma autoridade que informou repórteres na terça-feira sobre o anúncio. “Estamos seguindo adiante com base em uma verdade que é inegável. É apenas um fato”.

5 de dez de 2017

Luto: Falece a Irmã Josema também conhecida como Irmã Ilba



Faleceu hoje em Passo Fundo - RS, nessa madrugada, vitimada de um Traumatismo ranioencefalico a Ir. JOSEMA, (Ilba Josephina Librelotto), enfermeira e ex funcionária da SEMSA, a pessoa que implantou e alavancou o PACS em 1999. 

Servidora também da SESACRE, deu aula pra primeira turma de auxiliares de enfermagem e pra primeira turma de técnicos de enfermagem. 

Implantou o PACS e alavancou a Saúde Pública em Tarauacá. Além de ser uma grande colaboradora da Pastoral da Criança.

Quem passou a triste notícia foi o enfermeiro Warcron Neves que estava sempre junto com a Irmã Josema em prol da saúde tarauacaense.

‘Municípios terão R$ 3 bi se reforma for aprovada’


Estadão Conteúdo

O ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, condicionou liberação de R$ 3 bilhões para os prefeitos em 2018 à aprovação da reforma da Previdência. “Se a reforma não for aprovada este ano, esse dinheiro não existe”, disse ao Estadão/Broadcast. O governo conta com os administradores municipais para pressionarem os deputados a aprovar o texto no Congresso. A seguir, os principais trechos da entrevista.

O governo sinalizou com mais recursos aos municípios caso a reforma da Previdência seja aprovada, de onde virá esse dinheiro?

Com a aprovação da reforma da Previdência, projetamos condições melhores de arrecadação, teremos melhorado a situação das contas públicas. O presidente Michel Temer quer no curso do ano que vem fortalecer ainda mais o chamado pacto federativo. Ele está pensando em conseguir um recurso extra para os municípios, em torno de R$ 3 bilhões.

Esse dinheiro é além dos R$ 2 bilhões já liberados?

Neste fim de ano, ele deu R$ 2 bilhões que vão ser acrescentados ao Fundo de Participação dos Municípios. Os R$ 3 bilhões são para investimentos que serão viabilizados em 2018. Iniciado o ano, começam as tratativas. Deputados e senadores vão ser os interlocutores. Serão recursos destinados aos municípios por via dos parlamentares. Para os prefeitos conversarem com o parlamentar. A ideia é que eles façam mobilização, conversem com seus parlamentares e se aprovar a reforma da Previdência, ano que vem o governo fará esse repasse para os municípios.

Depois desse acordo os prefeitos acenaram com manifestações a favor da reforma?

Uma vez marcada a data pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia, os prefeitos estarão aqui um dia antes para fazer todo proselitismo possível em favor da reforma da Previdência.

Mas de onde viriam esses recursos?

Se nós tivermos a reforma da Previdência este ano, ainda teríamos de trabalhar no orçamento até o fim do ano.

E se não aprovar esse ano?

(Esse recursos) não existem.

Nas negociações pela reforma ainda há insatisfação na base aliada por demandas de cargos e emendas. Como isso está sendo tratado?

Acho que agora não é mais questão de cargos, emendas, essas questões estão superadas. Agora é uma questão de convencimento. A reforma é absolutamente indispensável para o Brasil. A reforma é um processo Robin Wood, se corta processo de transferência de renda dos mais pobres para os que estão mais abastados.

Por que deputados da base alegam pressão eleitoral para não votar a reforma da Previdência?

Os segmentos que se organizam são os privilegiados. O Zé, o João e a Maria nem sabem que a discussão está acontecendo aqui. Essa discussão da Previdência é feita de forma crítica por parte de quem não quer perder privilégio, é óbvio.

Houve erro de comunicação?

Na guerra da comunicação, no início do processo, houve mais atividade por parte da oposição, de quem é contra a reforma. Foram mais eficazes e criaram esse convencimento sobre fatos irreais. Só o privilegiado é contra a reforma da Previdência, o trabalhador não tem por que ser contra, ele não é atingido de nenhuma forma.

O governo já discutiu o cenário de passar no Congresso apenas a idade mínima?

Isso nunca foi discutido. A idade mínima é importante, sim, mas essa questão de igualar os regimes para todos é mais importante do ponto de vista fiscal. O que se busca com essa reforma é ter um equilíbrio fiscal daqui a um tempo, ter previsibilidade de equilíbrio. A reforma tem como pressuposto acabar com um processo injusto de concentração de renda que enriquece os privilegiados.

É possível votar os dois turnos esse ano?

Na Câmara, o presidente Rodrigo Maia, se for possível, quer votar os dois turnos. A reunião de anteontem levantou muito o astral favorável à aprovação este ano. A reforma está no nosso radar até o último dia de governo. Não tem desistência. Queremos votá-la o mais rápido possível e o mais rápido possível é agora, este ano. Nós vamos insistir. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Deputada Eliane Sinhasique cobra conclusão da Rodoviária de Feijó



A deputada estadual Eliane Sinhasique (PMDB) reclamou, na última quinta-feira (30), na Assembleia Legislativa do Acre (Aleac), do atraso na entrega da Rodoviária de Feijó. Segundo ela, há 3 anos e 9 meses, a população aguarda pela conclusão das obras.

“A Rodoviária começou a ser construída em fevereiro de 2014. Já estamos em novembro de 2017. A Rodoviária, que contém apenas um box para colocar todas as empresas de ônibus, ainda não foi concluída. Por lá já passaram 4 empresas. É muita incompetência!”.

A Rodoviária custou R$ 270 mil aos cofres públicos. A obra foi condenada pela Calha Norte por não atender os padrões exigidos.

“A Secretaria de Obras do Estado fez o projeto, inicialmente, mal feito. A obra foi embargada. Depois desembargada, usaram material de péssima qualidade, descascou tudo e a construção virou motel e local para uso de drogas”, denunciou a parlamentar.

Além disso, a deputada aproveitou a sessão para cobrar que o prefeito de Mâncio Lima, Isaac Lima, faça um pacto com o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) para que a Agência da autarquia volte a funcionar no município.

“A Agência do INSS foi retirada do município porque a prefeitura não quis pactuar um convênio com o INSS, que seria a cessão de um prédio da Prefeitura e mais R$ 800 para que fosse feito o transporte dos funcionários. Isso prejudicou a população inteira”.

4 de dez de 2017

EXCLUSIVO: Defesa autoriza o Comando da Marinha a comprar o porta-helicópteros Ocean


HMS Ocean

Por Alexandre Galante – Editor-chefe da Trilogia Forças de Defesa 

e Roberto Lopes – Especial para o Poder Naval

O período de gestação (da ideia) terminou!

Nove meses depois de ter recebido, ainda informalmente, a oferta de ficar com o porta-helicópteros de assalto anfíbio HMS Ocean (L12), o Comando da Marinha do Brasil (MB) pode, finalmente, iniciar as tratativas formais para a aquisição do navio.

O Poder Naval apurou que, semana passada, o Ministério da Defesa (MD) autorizou a MB a negociar os termos em que irá se processar a operação comercial. Na última sexta-feira (01.12), a permissão do MD foi comunicada aos oficiais de 4 estrelas que integram o Almirantado.

Nessa mesma sexta o HMS Ocean atracou no porto israelense de Haifa, dando início à rota que irá leva-lo, diretamente, à boca do Mar Mediterrâneo – etapa final de seu desdobramento como líder da flotilha 2 da Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte) de prontidão permanente no Mar Mediterrâneo.

Caso haja um mínimo de condições de segurança, o porta-helicópteros deverá agora fazer uma escala no porto egípcio de Alexandria, e depois seguir para o litoral da Argélia – de onde, finalmente, rumará para a Base Naval de Gibraltar.

O HMS Ocean será descomissionado na manhã de 31 de março de 2018, um sábado.

Negociação — Antes disso receberá a visita de uma equipe de oficiais da Marinha do Brasil, que irá inspecionar o seu sistema de propulsão e se inteirar sobre os equipamentos (sensores e armas) que virão a bordo do navio para o Brasil. Como alguns desses sistemas são de fabricação americana, haverá a necessidade de uma negociação com a US Navy. Mas o momento da relação entre as duas Marinhas é considerado bastante positivo.

O Ocean é aguardado com especial ansiedade por dois setores da oficialidade: os da Aviação Naval e do Corpo de Fuzileiros Navais.

Nas mãos da Marinha Real o navio, de 21.500 toneladas, transporta pouco mais de 800 Royal Marines (efetivo correspondente ao de um batalhão reforçado, ou “expedicionário”, como os britânicos costumam chamar) e está apto a embarcar até 18 helicópteros. Mas os chefes da Royal Navy normalmente não trabalham com mais de 12 aeronaves, a fim de facilitar a movimentação e manutenção dessas máquinas nos hangares e oficinas do barco.

O navio poderá operar sem restrições todos os principais helicópteros da Força Aeronaval do Brasil.

Nas operações da Otan ele, comumente, recebe, para treinamento, os convertiplanos V-22 Osprey da Marinha dos Estados Unidos. Aliás, a estrutura do seu convés de voo é robusta o suficiente para receber os caças MacDonnell Douglas AV-8B Harrier II Plus, cujo peso máximo em decolagem vertical é de 9,4 toneladas.

Fontes da MB ouvidas pelo Poder Naval definem o HMS Ocean como o meio que viabiliza um inédito caráter expedicionário na Marinha, permitindo a organização de uma força que incursione a grandes distâncias (costa ocidental africana por exemplo), especialmente no caso de uma operação em conjunto com o navio-doca multipropósito Bahia (G-40), ex-Siroco.

Prazos — O Comandante da Marinha, almirante Eduardo Leal Ferreira – um entusiasta da vinda do Ocean desde o primeiro momento –, gostaria que o navio estivesse no Brasil ainda no período do seu comando, que, em tese, termina a 31 de dezembro do ano que vem (Leal Ferreira não assumiu o Comando da Marinha a 1º de janeiro de 2015, e sim no dia 6 de fevereiro daquele ano). Mas isso ainda é incerto.

Há dúvidas também sobre o nome com que o navio será batizado, mas há uma corrente de oficiais que defende o resgate do nome “Minas Gerais” – binômio que faz o pessoal da MB lembrar com orgulho do seu primeiro navio-aeródromo.

O Poder Naval apurou que o nome “Rio de Janeiro” deverá ficar para o próximo porta-aviões brasileiro.

Depois que chegar ao Brasil, o Ocean deverá passar por um PMG e iniciar uma longa programação de certificações com as aeronaves da Aviação Naval – trabalho que irá se estender por todo o ano de 2019, e resultar em um porta-helicópteros plenamente operacional no ano de 2020.

É possível também que a Marinha abra o convés do seu novo porta-helicópteros a um programa de cooperação com aeronaves do Comando de Aviação do Exército (CAVEX) e da Força Aérea Brasileira (FAB), exatamente como é feito, na Inglaterra, com o Royal Army e com a Royal Air Force – que rotineiramente embarcam seus aparelhos no porta-helicópteros.

Ataques – A autorização dada pelo Ministério da Defesa deixa o porta-helicópteros britânico a salvo da onda de ataques de articulistas que alvejaram o navio com uma série de análises depreciativas acerca do seu estado geral, e até com uma história sustentada em setembro pelo diário londrino Telegraph, de que o navio, ao passar por Gibraltar a caminho de uma jornada de Assistência Humanitária no Mar do Caribe, registrara problemas nas máquinas.

O Ministério da Defesa britânico desmentiu energicamente a notícia, mas seus propagadores no Brasil se “esqueceram” de registrar o desmentido.

Bravo Zulu novo Minas Gerais!
-----------------------------------------------------------------------------------------------
CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DO HMS OCEAN

Tipo, classe: Landing Platform, Helicopter – LPH / único da classe
Construtores: Kvaerner, Govan Ltd., (construção) / Vickers Shipbuilding & Engineering Ltd., Barrow-in-Furness, (acabamento)

STATUS
Contratado: 11 de maio de 1993
Batimento de quilha: 30 de maio de 1994
Lançado: 11 de outubro de 1995
Comissionado: 30 de setembro de 1998
Desativação na RN: 2018

Base: HMNB Devonport, Plymouth
Lema do navio: EX UNDIS SURGIT VICTORIA (das ondas surge a vitória)

DADOS TÉCNICOS
Comprimento: 203,4 metros
Boca: 35 metros
Calado: 6,5 metros
Deslocamento: 21.500 toneladas
Velocidade: 15 nós (28 km/h) – cruzeiro / 18 nós (33 km/h) – máxima
Alcance: 8.000 milhas náuticas (13.000 km)
Tripulação: 285 (navio) + 188 (tripulação aérea)

PROPULSÃO
2 motores a diesel Crossley-Pielstick V12
2 eixos / 2 hélices

ARMAMENTO
4 x canhões DS30M Mk.2 30mm
3 x CIWS Phalanx
4 x Miniguns 7.62mm

AVIAÇÃO

Grande convés de voo / hangar para até 18 helicópteros (Sea King, Lynx, Merlin, Chinook, Apache, Wildcat).