10 de set de 2019

ONU faz novas denúncias de execuções extrajudiciais e torturas na Venezuela


A Alta Comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos, a chilena Michelle Bachelet, denunciou nesta segunda-feira novos casos de "possíveis execuções extrajudiciais", assim como "torturas e maus-tratos" de detentos na Venezuela.

Em um discurso na 42ª sessão do Conselho de Direitos Humanos da ONU em Genebra, Bachelet apresentou um novo relatório muito duro sobre a situação na Venezuela sob o governo do presidente Nicolás Maduro.

"Meu escritório continuou documentando casos de possíveis execuções extrajudiciais cometidas por membros das Forças de Ação Especiais da Polícia Nacional - conhecidas como FAES - em alguns bairros do país", afirmou.

"Apenas no mês de julho, a organização não governamental 'Monitor de Vítimas' identificou 57 novos casos de supostas execuções cometidas por membros da FAES em Caracas", disse a ex-presidente chilena.

Bachelet indicou ainda que o Alto Comissariado documentou casos de "tortura e maus-tratos, tanto físicos como psicológicos, de pessoas arbitrariamente privadas de sua liberdade, em particular de militares".

Em contraposição a estas denúncias, Bachelet disse que o governo de Maduro cumpriu "a libertação" de "83 pessoas", incluindo "aquelas cuja detenção havia sido considerada arbitrária pelo Grupo de Trabalho de Detenção Arbitrária".

Um primeiro relatório foi apresentado em 5 de julho, no qual Bachelet havia denunciado a "erosão do Estado de direito" na Venezuela, advertindo também que as sanções internacionais agravavam a crise no país.

"A situação dos direitos humanos continua afetando milhões de pessoas na Venezuela e com claros impactos desestabilizadores na região", reiterou nesta segunda-feira, antes de destacar que a economia "atravessa o que poderia ser o episódio hiperinflacionário mais agudo que a América Latina já experimentou".

Bachelet criticou, por outro lado, "ações recentes" com o objetivo de aprovar uma lei que "tipifica como crime as atividades das organizações nacionais de direitos humanos que recebem recursos do exterior".

"Essa lei, se aprovada e aplicada, reduzirá ainda mais o espaço democrático", advertiu a representante da ONU.

Ela também insistiu que as sanções do governo do presidente americano Donald Trump contra o governo de Maduro contribuem para "agravar a situação humanitária" do país.

A Venezuela vive a pior crise em sua história recente, refletida em hiperinflação, a queda em sua crucial produção de petróleo e a fuga de 3,6 milhões de pessoas desde o início de 2016.). As regras têm como objetivo proteger o investimento que a Folha de Londrina faz na qualidade de seu jornalismo. Se precisa copiar trecho de texto da Folha de Londrina para uso privado, por favor logue-se como assinante.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Atenção:
Comentários ofensivos a mim ou qualquer outra pessoa não serão aceitos.